Vício de Linguagem: Pleonasmo, Redundância, Tautologia e Epítetos

Publicado por Equipe Gabarite em 08/05/2015

Você certamente já ouviu expressões como “descer para baixo”, “subir para cima” e “última versão definitiva”. Está correto? Obviamente, não. Trata-se de pleonasmo (ou redundância): um vício de linguagem. 

O pleonasmo (do grego, pleonasmos = superabundância) é a repetição desnecessária de um termo dentro de um texto. 

Pleonasmo literário:

A repetição existe de forma proposital dentro de textos literários. Nesse caso, é sempre referida como pleonasmo literário, de reforço, estilístico ou semântico.

Em outras palavras, é o uso da repetição de forma ‘correta’, possibilitado pela “licença poética”, para enfatizar algo que o autor quer mostrar. É também utilizado para dar “musicalidade” ao texto literário.

Confira alguns exemplos de Pleonasmo Literário:

  • "Morrerás morte vil na mão de um forte." (Gonçalves Dias)
  • "E rir meu riso" 
  • "E derramar meu pranto." (Vinicius de Moraes)
  • "Chovia uma triste chuva de resignação"(Manuel bandeira)

Pleonasmo vicioso:

A Repetição fora da Literatura é conhecida como “Redundância” ou “Pleonasmo Vicioso” e é um erro, um vício de linguagem. É dizer a mesma coisa duas vezes. É a repetição de algum termos ou ideia na frase. Portanto, é necessário evitar. 

Confira algumas situações em que pode ocorrer o Pleonasmo vicioso. Note que, em alguns casos, nem sabemos que estamos cometendo um pleonasmo/redundância. Veja alguns exemplos:

  • Subir para cima;
  • Descer para baixo; 
  • Conjuntivite nos olhos;
  • Plebiscito popular;
  • Morte morrida.

Pleonasmo lexical:

Ocorre quando repete-se duas palavras com o mesmo sentido. Veja exemplos:

  • Acabamento final; 
  • Subir para cima;
  • Vida vivida;
  • Novidade inédita;
  • Manter o mesmo;
  • Repetir de novo, etc.

Pleonasmo gramatical:

No pleonasmo gramatical há a repetição de vocábulos, como as preposições e outras partículas textuais. Exemplos:

  • “A minha amiga eu a vi no supermercado”.
  • “Digo que com algumas pessoas vale a pena conversar com elas.”
  • “Minha amiga mora naquela casa onde lá tem um portão vermelho.”

Epítetos de natureza:

São expressões redundantes que as pessoas utilizam no dia a dia e têm o objetivo de realçar as características naturais de seres e objetos. Exemplos:

  • Sol quente;
  • Mar salgado;
  • Gelo frio;
  • Defunto mudo;

Tautologia:

Já a tautologia é a repetição de um sentido, em um trecho geralmente maior: é dizer a mesma coisa em outras palavras. Por exemplo:

  • “É possível que haja uma guerra bélica por causa da água.” (“guerra” e “bélico” têm o mesmo sentido)
  • “Nunca coloque os problemas como a primeira prioridade na vida.” (“prioridade” e “primeiro”, na frase, possuem o mesmo sentido)
  • “Traição no casamento não é algo correto, porque é ficar com alguém fora do relacionamento.” (“ficar com alguém fora do casamento” já está expresso em “traição no casamento”). 

Você pode testar os seus conhecimentos sobre esse tema usando nossos simulados. É totalmente online e gratuito. Treine quantas vezes quiser! Acesse os Simulados Gabarite.

Comentários em "Vício de Linguagem: Pleonasmo, Redundância, Tautologia e Epítetos"

    Moises Peres Ramos
    Por cordas em 11/10/2019 às 11:31:39

    Excelentes macetes. Muito obrigado.

    mirelle dayana da silva
    Por mirelledayana em 15/07/2015 às 08:13:07

    muitoo bom , dicas ótimas !

Comentar Dica

Para comentar esta dica é preciso Cadastrar-se. É simples, rápido e grátis!