← Mais dicas

Como pode ser feita a Educação Financeira nas escolas?

Por Luana Caroline em 12/11/2020 08:30:26 | Pedagogia, Educação Financeira, Escolas

Em muitas escolas do Brasil (sobretudo as particulares), a Educação Financeira já tem figurado como disciplina específica. A Educação Financeira na escola pode ser feita através de várias maneiras.


 Educação Financeira na escola
 Educação Financeira na escola.

A Educação Financeira é entendida como um processo no qual tanto os indivíduos, quanto a sociedade como um todo, melhoram sua percepção acerca do dinheiro.

Para tanto, são importantes as informações, uma adequada formação e orientação quanto ao modo como trabalhar com os recursos.

A Educação Financeira tem o potencial de desenvolver valores e competências para que as pessoas construam um planejamento financeiro.

O que se espera é que haja uma redução do endividamento, uma melhoria das escolhas sobre gastos, a construção de um caixa de segurança, bem como uma preparação financeira para o futuro.

A Educação Financeira pode ser feita em vários espaços, mas a escola é um ambiente privilegiado para tal. Isso porque as crianças já podem ter contato com conceitos acerca das finanças, possibilitando que tenham uma vida financeira mais saudável no futuro.

Importância da Educação Financeira

O Brasil é um país no qual mais da metade da população está endividada (dados de 2019). O endividamento está relacionado com hábitos de consumo nocivos, com a falta de planejamento financeiro e acesso facilitado aos meios de crédito.

O endividamento se reflete na qualidade de vida pessoal e familiar daquele que tem a dívida.

Isso porque o poder de compra fica reduzido, e muitas vezes os elementos mais básicos são cortados, quando todos que dependem do endividado para sua subsistência sofrem com a redução de recursos disponíveis.

A Educação Financeira tem uma importância muito grande para redução do número de endividados no Brasil, mas também para que as pessoas no geral saibam realizar um planejamento dos gastos, destinar de forma mais coerente os recursos, construir um fundo financeiro de emergência, pensar no futuro financeiro (aposentadoria) e mesmo recursar bens ou serviços que não podem pagar naquele momento.

A Educação Financeira permite que os indivíduos percebam que o dinheiro (salário) não é algo que lhes é dado e tão logo deve ser gasto, mas que este dinheiro é produto de sua força de trabalho, das horas que este indivíduo se dedicou a uma função.

A Educação Financeira propõe uma mudança da postura das pessoas diante do dinheiro nas diversas escalas de espaço e tempo.

Ao compreender a dinâmica financeira, uma mudança de percepção sobre os ganhos, gastos e planejamento atual e futuro pode transformar a vida das pessoas.

Como pode ser feita a Educação Financeira nas escolas?

Comumente a Educação Financeira aparece como tema transversal nas várias disciplinas do currículo escolar. No entanto, em muitas escolas do Brasil (sobretudo as particulares), a Educação Financeira já tem figurado como disciplina específica.

Nas aulas de Educação Financeira são trabalhados aspectos como finanças pessoais, orçamento, planejamento, previdência social e o funcionamento do sistema financeiro.

No Brasil, as ações de Educação Financeira são amparadas pela Estratégia Nacional de Educação Financeira (ENEF), quando projetos são desenvolvidos em conjunto pela iniciativa privada, a sociedade civil e também o governo.

A Educação Financeira na escola situa o aluno diante de várias escalas espaciais e temporais. Com isso, ele pode perceber seu papel diante do local, do regional, do nacional e do global, incorporando os conceitos financeiros nesta dinamização.

O aluno também pode pensar em sua situação diante das escalas temporais do ontem, do hoje e do futuro, compreendendo sua evolução e necessidade de planejamento.

A Educação Financeira na escola pode ser feita através de várias maneiras: como tema transversal nas disciplinas do currículo, como disciplina específica, como projeto integrado entre as disciplinas, como projeto complementar ao currículo escolar.

A recomendação geral é que a Educação Financeira seja feita através de um diálogo articulador entre as áreas do conhecimento.

São diversos os temas que estão relacionados com a Educação Financeira nas escolas, como o meio ambiente (degradação ambiental, consumismo, descarte); o trabalho (associar horas de trabalho com recurso financeiro, perceber que o dinheiro tem um valor além do monetário); consumo (escolhas, hábitos, publicidade e estímulo, necessidades) e educação fiscal (direitos e deveres, legislação).

A Educação Financeira de modo geral, e especialmente nas escolas, tem o potencial de despertar nas pessoas uma maior responsabilidade com o dinheiro.

Em um país com tantos endividados, é uma estratégia para mudança de hábitos e melhoria na qualidade de vida das pessoas. Uma população consciente, certamente vive melhor.

Foto de perfil Luana Caroline
Por Luana Caroline em 12/11/2020 08:30:26
Professora de Geografia
Mestra em Geografia (2014), Especialista em Neuropedagogia (2013), Especialista em Educação Profissional e Tecnológica (2018) e Graduada em Licenciatura em Geografia (2011).

Deixe seu comentário (0)

Seja o primeiro a comentar!