Comentários Questão 786

Comentários: 5 | Disciplina: Conhecimentos Bancários

  • Questão 786. Conhecimentos Bancários - Nível Médio - Técnico Bancário - Caixa Econômica Federal - CESPE

  • Os princípios fundamentais que norteiam o Sistema de Pagamentos Brasileiro (SPB) incluem

    I- o reconhecimento da compensação multilateral no âmbito dos sistemas de compensação e de liquidação.
    II- a existência de dispositivos que garantam a exequibilidade dos ativos oferecidos em garantia, no caso de quebra de participante em sistema de compensação e de liquidação.
    III- a permissão para os participantes realizarem operações com saldo a descoberto nas contas de liquidação mantidas no BACEN.
    IV- a obrigatoriedade de que, em todo o sistema de liquidação considerado sistemicamente importante pelo BACEN, a entidade operadora atue como contraparte central.
    V- o estabelecimento para o funcionamento do SPB em conformidade com as recomendações feitas por organismos financeiros internacionais.

    Estão certos apenas os itens

Gabarito: c


Questão publicada em Simulado Técnico Bancário - Conhecimentos Bancários - Caixa Econômica Federal III

Comentários Questão

    Marcelo Johas

    Por tileco em 14/03/2012 às 12:16:01

    SPB exige a figura do “piloto de reservas”, que tem a função de monitorar a conta de reservas bancárias para que não apresentem saldo negativo durante o dia.

    Gilson Cristiano Nogueira da Silva

    Por gilsoncns em 09/04/2012 às 12:22:12

    Resp.: C
    Comentário: Um dos princípios fundamentais que
    norteia o Sistema de Pagamentos Brasileiro (SPB) é
    o de que as transferências de recursos só serão
    realizadas com base em recursos disponíveis. Não
    ocorrerão operações com saldo a descoberto. Assim
    o item III é falso, estando os demais corretos.

    Gilson Cristiano Nogueira da Silva

    Por gilsoncns em 09/04/2012 às 12:23:26

    O Sistema de Pagamentos Brasileiro - SPB apresenta alto grau de automação, com crescente utilização de meios eletrônicos para transferência de fundos e liquidação de obrigações, em substituição aos instrumentos baseados em papel. A maior eficiência e, em especial, a redução dos prazos de transferência de recursos sempre se colocaram como pontos centrais no processo de evolução do SPB até meados da década de 90, presente o ambiente de inflação crônica até então existente no país. Na reforma conduzida pelo Banco Central do Brasil em 2001 e 2002, o foco foi redirecionado para a questão do gerenciamento de riscos no âmbito dos sistemas de compensação e de liquidação.

    De um lado, a base legal relacionada com os sistemas de liquidação foi fortalecida por intermédio da Lei 10.214, de 2001, que, entre outras disposições, reconhece a compensação multilateral e possibilita a efetiva realização de garantias no âmbito desses sistemas mesmo no caso de insolvência civil de participante, além de obrigar as entidades operadoras de sistemas considerados sistemicamente importantes a atuarem como contraparte central e, ressalvado o risco de emissor, assegurarem a liquidação de todas as operações. De outro lado, entraram em operação, em abril de 2002, um sistema de liquidação bruta em tempo real, o Sistema de Transferência de Reservas - STR, operado pelo Banco Central do Brasil, e um sistema especial para liquidação de operações interbancárias de câmbio, a Câmara de Câmbio da BM&F, bem como foi alterado o modus operandi do Sistema Especial de Liquidação e Custódia – Selic, também operado pelo Banco Central do Brasil, o qual, a partir do citado mês, passou a liquidar operações com títulos públicos federais em tempo real.

    As entidades que atuam como contraparte central adotam adequados mecanismos de proteção, tais como, dependendo do tipo de sistema e da natureza das operações cursadas, limites operacionais, chamadas de margem, depósitos de garantias e fundos de garantia de liquidação. O princípio da entrega contra pagamento é observado em todos os sistemas de compensação e de liquidação de títulos e valores mobiliários. No caso de operação envolvendo moeda estrangeira, o princípio correspondente à situação, de pagamento contra pagamento, também é observado se a liquidação ocorrer por intermédio da Câmara de Câmbio da BM&F.

    O STR é, por assim dizer, o centro de liquidação das operações interbancárias em decorrência da conjugação dos seguintes fatos: primeiro, por disposição legal (Lei 4.595), todas as instituições bancárias (instituições que captam depósitos à vista) têm de manter suas disponibilidades de recursos no Banco Central do Brasil; segundo, por determinação regulamentar (Circular 3.057), os resultados líquidos apurados nos sistemas de liquidação considerados sistemicamente importantes devem ter sua liquidação final no Banco Central do Brasil, em contas de reservas bancárias; e finalmente, também por disposição regulamentar (Circular 3.101), todas as transferências de fundos entre contas de reservas bancárias têm de ser feitas por intermédio do STR.

    Transferências interbancárias de fundos são também liquidadas por intermédio da Câmara Interbancária de Pagamentos – CIP, da Centralizadora da Compensação de Cheques – Compe e da Câmara TecBan. O Sitraf, um dos sistemas operados pela CIP, utiliza modelo híbrido de liquidação, o qual combina características dos sistemas de liquidação diferida (LDL) e dos sistemas de liquidação bruta (LBTR). O Siloc, que também é operado pela CIP, a Compe e a Câmara TecBan são sistemas LDL com compensação multilateral de obrigações. No caso do Siloc e da Compe, a liquidação é em D+1 e no da Câmara TecBan, D ou D+1 dependendo do horário em que originada a transferência de fundos.

    Para o suave funcionamento do sistema de pagamentos no ambiente de liquidação em tempo real , três aspectos são especialmente importantes: primeiro, o Banco Central do Brasil concede, aos participantes do STR, titulares de conta de reservas bancárias, crédito intradia na forma de operações compromissadas com títulos públicos federais, sem custos financeiros, isto é, o preço da operação de volta é igual ao preço da operação de ida; segundo, a verificação de cumprimento dos recolhimentos compulsórios é feita com base em saldos de final do dia, valendo dizer que esses recursos podem ser livremente utilizados ao longo do dia para fins de liquidação de obrigações¹; por último, o Banco Central do Brasil, se e quando julgar necessário, pode acionar rotina para otimizar o processo de liquidação das ordens de transferência de fundos mantidas em filas de espera no âmbito do STR.

    Na liquidação de operações com títulos e valores mobiliários, o SPB é segmentado por nicho de mercado e produtos. O Selic, conforme mencionado, liquida operações com títulos públicos federais em tempo real. A BM&FBovespa opera quatro sistemas: a Câmara de Ativos, a Câmara de Ações – CBLC, a Câmara de Câmbio e a Câmara de Derivativos. A Câmara de Ativos liquida operações com títulos públicos federais de modo distinto do adotado pelo Selic; a CBLC liquida transações com ações realizadas na Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros – BM&FBovespa e na Sociedade Operadora do Mercado de Ativos – Soma; a Câmara de Câmbio processa as transações do mercado interbancário de câmbio e a Câmara de Derivativos opera sistema de liquidação de operações com derivativos. Já os títulos de dívida corporativa são liquidados principalmente por intermédio da Cetip S.A. – Mercados Organizados. Quase todos os títulos são desmaterializados, existindo apenas sob a forma de registros eletrônicos. Os sistemas de negociação, de compensação e de liquidação são altamente automatizados e o padrão STP (straight-through processing) é amplamente utilizado.

    O Banco Central do Brasil tem procurado atuar de forma mais intensiva também no sentido de promover o desenvolvimento dos sistemas de pagamentos de varejo, visando, sobretudo, ganhos de eficiência relacionados, por exemplo, com o maior uso de instrumentos eletrônicos de pagamento, com a melhor utilização das redes de máquinas de atendimento automático (ATM) e de transferências de crédito a partir do ponto de venda (PDV), bem como com a maior integração entre os pertinentes sistemas de compensação e de liquidação.

    Keyla Karla

    Por keylakarla em 08/03/2014 às 13:13:25

    MUDANÇAS NO SPB .O cliente poderá transferir dinheiro via TED se os recursos estiverem efetivamente
    disponíveis em sua conta corrente. Para os clientes que possuem cheque especial ou conta
    garantida será possível efetuar transferências nos limites e condições contratadas com o
    banco.
    Os recursos provenientes de depósitos em cheques e DOCs em sua conta poderão ser
    utilizados somente depois da compensação desses documentos.

    paulo jose da Silva

    Por paulo63 em 23/06/2014 às 16:14:09

    O item III ESTÁ ERRADO, PORTANTO LETRA "c"


Comentar Questão

Para comentar é preciso Entrar ou Cadastrar-se. É simples e rápido!

Não elaboramos as questões, apenas as transcrevemos de provas já aplicadas em concursos públicos anteriores.