Questões de Análise Sintática para Concursos

Resolva Questões de Análise Sintática para Concursos Grátis. Exercícios com Perguntas e Respostas. Provas Online com Gabarito.

  • 1 - Questão 31145 - Português - Análise Sintática - Nível Superior - Analista de Advocacia - CREA GO - INSTITUTO INEAA - 2014
  • Leia o texto jornalístico abaixo:

    Estudante vítima de acidente morre no dia do aniversário

    Uma coincidência da vida selou o destino de um jovem estudante, que morreu na madrugada de ontem, dia em que completaria 18 anos. Ele estava internado há cinco dias no Hospital Geral de Roraima, vítima de um acidente de trânsito, no cruzamento das avenidas Getúlio Vargas com Surumu, no bairro São Vicente.

    www.folha.com.br 

    Assinale a única alternativa INCORRETA:
    Veja a frase:

    “O jovem estudante estava internado há cinco dias no Hospital Geral de Roraima, vítima de um acidente de trânsito".
  • 2 - Questão 55218 - Português - Análise Sintática - Nível Médio - 2019
  • Considere o período em (a) para responder a Questão.

    (a) Será proibida a entrada de pessoas que se atrasarem para a reunião.

    A ordem lógica (canônica) da oração principal em (a) está invertida, pois o sujeito vem depois do predicado.
  • 3 - Questão 55236 - Português - Análise Sintática - Nível Médio
  • Atenção: Considere o texto abaixo para responder à questão.

    1  Por boa parte da história humana, a privacidade estava pouco presente na vida da maioria das pessoas. Não existiam expectativas de que uma porção significativa da vida transcorresse distante dos olhares alheios.
    2  A difusão da privacidade em escala maciça, com certeza uma das realizações mais impressionantes da civilização moderna, dependeu de outra realização, ainda mais impressionante: a criação da classe média. Só nos últimos 300 anos, quando a maior parte das pessoas obtiveram os meios financeiros para controlar o ambiente físico, as normas, e eventualmente os direitos, de privacidade vieram a surgir.
    3  A conexão histórica entre a privacidade e a riqueza ajuda a explicar por que a privacidade está sob ataque hoje. A situação nos faz recordar que ela não é um traço básico da existência humana, mas sim um produto de determinado arranjo econômico - e portanto um estado de coisas transitório.
    4  Hoje as forças da criação de riqueza já não favorecem a expansão da privacidade, mas trabalham para solapá-la. Testemunhamos a ascensão daquilo que a socióloga Shoshanna Zuboff define como "capitalismo de vigilância" - a transformação de nossos dados pessoais em mercadoria por gigantes da tecnologia. Encaramos um futuro no qual a vigilância ativa é uma parte tão rotineira das transações que se tornou praticamente inescapável.
    5  Como nossas experiências com a mídia social têm deixado claro, agimos diferente quando sabemos estar sendo observados. A privacidade é a liberdade de agir sem ser observado, e assim, em certo sentido, de sermos quem realmente somos - não o que desejamos que os outros pensem que somos. A maioria deseja maior proteção à sua privacidade. Porém, isso requererá a criação de diversas leis.

    (Adaptado de: The New York Times. Tradução de Paulo Migliacci. Disponível em: www.folha.uol.com.br)

    Porém, isso requererá a criação de diversas leis. (5º parágrafo)

    Em relação aos argumentos que a antecedem, a frase acima exprime noção de
  • 4 - Questão 55237 - Português - Análise Sintática - Nível Médio
  • Uma mudança ocorrida no último meio século foi o aparecimento do museu que constitui, por si só, uma grande atração cultural, independentemente do conteúdo a ser exibido em seu interior. Esses edifícios espetaculares e em geral arrojados vêm sendo construídos por arquitetos de estima universal e se destinam a criar grandes polos globais de atração cultural em centros em tudo o mais periféricos e pouco atrativos. O que acontece dentro desses museus é irrelevante ou secundário. Um exemplo disso ocorreu na cidade de Bilbao. Em tudo o mais praticamente inexpressiva, nos anos 1990 ela transformou-se num polo turístico global graças ao Museu Guggenheim, do arquiteto Frank Gehry. A arte visual contemporânea, desde o esgotamento do modernismo nos anos 1950, considera adequados e agradáveis para exposições esses espaços que exageram a própria importância e são funcionalmente incertos. Não obstante, coleções de grande significado para a humanidade, expostas, por exemplo, no Museu do Prado, ainda não precisam recorrer a ambientes de acrobacia arquitetônica.

    (Adaptado de: HOBSBAWM, Eric. Tempos fraturados: Cultura e sociedade no século XX. São Paulo: Companhia das Letras, 2013, edição digital) 

    Está gramaticalmente correta a redação da seguinte frase: 
  • 6 - Questão 55226 - Português - Análise Sintática - Nível Médio - 2019
  • 1 O século XX testemunhou o desenvolvimento de grandes eventos esportivos, tanto em escala mundial - como os Jogos Olímpicos e a Copa do Mundo - quanto 4 regional, com disputas nos vários continentes. Regionalmente, é inegável que o principal são os Jogos Pan-americanos. Todos esses verdadeiros espetáculos do 7 esporte internacional se caracterizam como espaço de solidariedade e congraçamento entre os povos, momento de paz e exemplo de um mundo onde adversário não é inimigo 10 e as batalhas entre os países ocorrem sem derramamento de sangue. Nas Américas, os jogos estimulam a reflexão sobre as possibilidades de um continente unido, pacífico, próspero, 13 com a construção de uma rede de solidariedade e cooperação por meio do esporte, uma das principais expressões do pan-americanismo.

    Fernando Vale Castro. Revista de História da Biblioteca Nacional, ano 2, n.º 22, jul./2007, p. 21 (com adaptações).

    Em relação ao texto acima, julgue os itens que se seguem.

    O emprego da vírgula após "esporte" (l.14) justifica-se por isolar expressão explicativa.
  • 7 - Questão 55229 - Português - Análise Sintática - Nível Médio
  • “Muito se tem falado de conservação do meio ambiente, mas não se criou ainda a consciência de que o planeta precisa urgentemente de nossos cuidados.”
    (Brasil Escola)

    Assinale a opção que indica os termos que, nesse segmento do texto, desempenham a mesma função sintática. 
  • 8 - Questão 55222 - Português - Análise Sintática - Nível Médio - 2019
  • 1    No que diz respeito à esfera política, a 
         democratização se coloca em vários planos e tem como 
         exigência primordial o reconhecimento dos diversos sujeitos 
    4   e das causas que defendem. Esse reconhecimento está 
         diretamente ligado à ruptura com a tradição conservadora, 
         cuja visão política hierarquiza as formas de participação e 
    7   não reconhece os vários campos de conflitos e contradições 
         sociais presentes na sociedade. 

    Maria Betânia Ávila. 
    Democracia radical em foco. 
    Internet: . Acesso em 16/7/2004 (com adaptações). 

    Julgue os itens subseqüentes, relativos ao texto acima.

    Subentende-se como sujeito sintático de "defendem" (R.4) a expressão "diversos sujeitos" (R.3).
  • 9 - Questão 55231 - Português - Análise Sintática - Nível Médio
  • Einstein tinha razão

    Os buracos negros são há muito tempo as superestrelas da ficção científica. Mas a sua fama hollywoodesca é um pouco estranha porque ninguém tinha visto um — pelo menos até agora. Para quem precisa de ver para crer, pode agradecer ao Event Horizon Telescope (EHT), que acabou de nos oferecer a primeira imagem direta de um buraco negro. Este feito notável exigiu uma colaboração global para transformar a Terra num gigante telescópio e captar um objeto a milhares de trilhões de quilômetros.
    Sendo assombroso e inovador, o projeto do EHT não é apenas um desafio. É na verdade um teste sem precedentes para ver se as ideias de Einstein sobre a própria natureza do espaço e do tempo se confirmam em circunstâncias extremas, e lança o olhar mais próximo que obtivemos até hoje sobre o papel dos buracos negros no universo.
    Para resumir: Einstein tinha razão.
    Um buraco negro é uma zona do espaço cuja massa é tão grande e densa que nem sequer a luz consegue escapar à sua atração gravitacional. Capturá-lo contra o fundo negro do além é uma tarefa quase impossível. Mas graças ao trabalho inovador de Stephen Hawking, sabemos que estas massas colossais não são apenas um abismo de onde nada sai. Os buracos negros são capazes não só de emitir grandes jatos de plasma, como a sua gravidade imensa também puxa fluxos de matéria para o seu núcleo.
    Quando a matéria se aproxima do horizonte de eventos de um buraco negro — o ponto a partir do qual nem a luz escapa — esta forma um disco orbital. A matéria neste disco converte alguma da sua energia em fricção entre as partículas. Isto aquece o disco, tal como nós aquecemos as mãos esfregando-as num dia frio. Quanto mais próxima estiver a matéria, maior a fricção. A matéria mais próxima do horizonte de eventos irradia um grande brilho ao atingir o calor de centenas de sóis. Foi esta luz que o EHT detectou, junto com a "silhueta" do buraco negro.
    Analisar estes dados e produzir uma imagem é uma tarefa hercúlea. Como astrônomo que estuda os buracos negros em galáxias distantes, é raro eu conseguir obter uma imagem clara sequer de uma estrela nessas galáxias, muito menos do buraco negro no centro delas.
    A equipe do EHT decidiu concentrar-se em dois dos buracos negros supermassivos mais próximos de nós — na grande galáxia em forma de elipse M87, e em Sagitário A, no centro da nossa Via Láctea. 
    Para dar uma ideia da dificuldade da tarefa: embora o buraco negro da Via Láctea tenha uma massa de 4,1 milhões de sóis e um diâmetro de 60 milhões de quilômetros, ele encontra-se a 250 614 750 218 665 392 quilômetros de distância da Terra — o equivalente a ir de Londres a Nova Iorque 45 trilhões, ou milhões de milhões de vezes. Como a equipe do EHT comentou, isto é como estar em Nova Iorque a tentar contar os sulcos de uma bola de golfe em Los Angeles, ou fotografar uma laranja na lua a partir da Terra.
    Para fotografar um objeto tão impossivelmente distante, a equipe do EHT precisaria de um telescópio tão grande como a própria Terra. Não existindo uma máquina desse tamanho, a equipe ligou entre si telescópios por todo o mundo e combinou os dados recolhidos por eles. Para captar uma imagem precisa a uma tal distância, os telescópios tinham de ter grande estabilidade e as suas leituras sincronizadas na perfeição.
    Para atingir este feito, a equipe usou relógios atômicos tão precisos que a cada 100 milhões de anos perdem apenas um segundo. Os 5 mil Terabytes de dados recolhidos ocuparam centenas de discos duros que tiveram de ser transportados e ligados fisicamente a um supercomputador, que corrigiu as diferenças de tempo nos dados e produziu a imagem do buraco negro.

    (Por Kevin Pimbblet, professor de Física da Universidade de Hull – Texto adaptado)

    “A matéria neste disco converte alguma da sua energia em fricção entre as partículas.” Este segmento do texto pode ser classificado como:
  • 10 - Questão 55223 - Português - Análise Sintática - Nível Médio - 2019
  • 1    Para a direita a noção de cidadania procura 
          expurgar a noção de igualdade inerente a este termo. 
          A cidadania é vista como uma outorgação do Estado ou, no 
    4    limite, o reconhecimento da igualdade jurídica, que 
         discrimina e escamoteia o fato de que os direitos, para serem 
         gozados, necessitam de uma certa homogeneidade social e 
    7   econômica. Assim, ao absolutizar o nivelamento jurídico dos 
         indivíduos, este raciocínio opera um escamoteamento das 
         desigualdades econômicas, sociais, políticas e culturais que 
    10 permeiam uma sociedade onde as classes sociais, os gêneros, 
         as etnias e os grupos têm acesso diferenciado e desigual aos 
         bens materiais e simbólicos. 

    João B. A. da Costa. 
    Democracia, cidadania e atores políticos de esquerda. 
    Internet: . Acesso em 16/7/2004 (com adaptações). 

    Acerca do texto acima, julgue os itens que se seguem.

    Na linha 5, subentende-se que o termo "o fato", depois de "escamoteia", serve de complemento sintático também para "discrimina".