Questões de Uso dos Porques para Concursos

Resolva Questões de Uso dos Porques para Concursos Grátis. Exercícios com Perguntas e Respostas. Provas Online com Gabarito.

  • 1 - Questão 55515.   Português - Uso dos Porques - Nível Médio
  • Leia o texto, para responder a questão.
    O exorcismo

    Rosário, a feiticeira andaluza, estava há muitos anos lutando contra os demônios. O pior dos satanases tinha sido seu sogro. Aquele malvado tinha morrido estendido na cama, na noite em que blasfemou*, e o crucifixo de bronze soltou-se da parede e quebrou-lhe o crânio.
    Rosário se ofereceu para desendemoniar-nos. Jogou no lixo a nossa bela máscara mexicana de Lúcifer e esparramou uma fumaçarada de arruda, manjerona e louro bendito. Depois pregou na porta uma ferradura com as pontas para fora, pendurou alguns alhos e derramou, aqui e acolá, punhadinhos de sal e montões de fé.
    – Ao mau tempo, cara boa, e para a fome, viola – disse.
    E disse que dali para a frente era conosco, porque a sorte não ajuda quem não a ajuda a ajudar.

    (Eduardo Galeano, O livro dos abraços. Adaptado)

    *Proferiu palavras ofensivas à divindade.

    Na pronúncia, as palavras “mau” e “porque”, destacadas nos dois últimos parágrafos do texto, muitas vezes não se distinguem de “mal” e “por que”, o que acaba por refletir-se em emprego inadequado delas, na escrita. Assinale a alternativa em que essas palavras estão corretamente empregadas no contexto.
  • 2 - Questão 55509.   Português - Uso dos Porques - Nível Médio
  • Acerca do emprego do “por que", assinale a alternativa correta:
  • 3 - Questão 55512.   Português - Uso dos Porques - Nível Médio
  • Em relação ao uso dos porquês, analise as afirmativas a seguir e assinale a opção INCORRETA.
  • 4 - Questão 55508.   Português - Uso dos Porques - Nível Médio
  • O texto a seguir trata de um acontecimento recente do universo do cinema.

    Você sabe por que a Cinderela tem esse nome?

    Você sabe por que uma das princesas da Disney leva o nome Cinderela? O novo filme da personagem traz uma explicação.
    A palavra seria uma junção de “cinder”, que significa cinzas em inglês, com “Ella”, o nome verdadeiro da jovem.
    Na cena inédita do longa, divulgada pela empresa nesta segunda (16), o apelido surge porque as irmãs malvadas debocham do aspecto sujo da menina, que está coberta de pó da lareira. A nova produção traz personagens interpretados por atores reais, inspirados na clássica animação de 1950.
    Disponível em: ˂https://www1.folha.uol.com.br/ folhinha/2015/03/1604106-voce-sabe-por-que-a-cinderela-temesse-nome-veja-cena-do-novo-filme.shtml˃. Acesso em 22 jan. 2019. Adaptado.)

    A propósito do emprego da palavra “porque”, avalie as seguintes afirmações.

    I. Nos títulos, geralmente, utiliza-se a forma “por que” que equivale a “por qual motivo”.
    II. A palavra grifada na frase “Surge porque as irmãs” equivale a “pois”, “uma vez que”.
    III. Na primeira linha do texto, o vocábulo “por que” pode ser substituído por “pela qual”.
    IV. No título do texto, o termo “por que” é adjetivado e é sinônimo de “motivo”, “razão”.

    Está correto apenas o que se afirma em
  • 5 - Questão 55510.   Português - Uso dos Porques - Nível Médio
  • Assinale a alternativa incorreta quanto ao uso do “porque”:
  • 6 - Questão 55514.   Português - Uso dos Porques - Nível Médio
  • Texto 1 - Garoto das Meias Vermelhas (Carlos Heitor Cony)

    Ele era um garoto triste. Procurava estudar muito.
    Na hora do recreio ficava afastado dos colegas, como se estivesse procurando alguma coisa.
    Todos os outros meninos zombavam dele, por causa das suas meias vermelhas. Um dia, o cercaram e lhe perguntaram porque ele só usava meias vermelhas.
    Ele falou, com simplicidade: "No ano passado, quando fiz aniversário, minha mãe me levou ao circo. Colocou em mim essas meias vermelhas. Eu reclamei. Comecei a chorar. Disse que todo mundo ia rir de mim, por causa das meias vermelhas.
    Mas ela disse que tinha um motivo muito forte para me colocar as meias vermelhas. Disse que se eu me perdesse, bastaria ela olhar para o chão e quando visse um menino de meias vermelhas, saberia que o filho era dela."
    "Ora", disseram os garotos, "mas você não está num circo. Por que não tira essas meias vermelhas e as joga fora?"
    O menino das meias vermelhas olhou para os próprios pés, talvez para disfarçar o olhar lacrimoso e explicou:
    "É que a minha mãe abandonou a nossa casa e foi embora. Por isso eu continuo usando essas meias vermelhas. Quando ela passar por mim, em qualquer lugar em que eu esteja, ela vai me encontrar e me levará com ela."

    Carlos Heitor Cony, Crônicas (adaptado)

    “Um dia, o cercaram e lhe perguntaram porque ele só usava meias vermelhas”.

    Nesse segmento do texto 1 há um erro gramatical, que é:
  • 7 - Questão 55513.   Português - Uso dos Porques - Nível Médio
  • Preencha as lacunas das frases abaixo com “por que”, “porque”, “por quê” ou “porquê”. Depois, assinale a alternativa que apresenta a ordem correta, de cima para baixo, de classificação.

    – ____________ o céu é azul?
    – Meus pais chegaram atrasados, ____________ pegaram trânsito pelo caminho.
    – Gostaria muito de saber o ____________ de você ter faltado ao nosso encontro.
    – A Alemanha é considerada uma das grandes potências mundiais. ____________?
  • 8 - Questão 55516.   Português - Uso dos Porques - Nível Médio
  • Não faz muito tempo, fui assistir à ópera "As Bodas de Figaro", de Mozart. Lá para o final, o personagem mais importante, Fígaro, faz um retrato cruel das mulheres. Diz: "Abram um pouco os olhos, homens incautos e bobos. Olhem essas mulheres, olhem o que elas são". Segue enumerando: "São bruxas que enfeitiçam para nos deixar sofrendo... São rosas espinhosas, raposas maliciosas, mestras de engano e de angústias, que fingem e mentem, que amor não sentem, não sentem piedade".
    No século 18, quando essa ópera foi composta, a sala toda ficava iluminada. Não se deixava o público no escuro, como hoje. Os cantores podiam então interpelar diretamente a assistência. Na montagem que vi, o diretor de cena teve a ideia de acender as luzes da sala durante a ária de Fígaro, que saiu do palco e dirigiu-se diretamente aos homens presentes.
    Quando ele passava pelo corredor entre o público, uma senhora furiosa levantou-se. Fez o sinal de "não" nas fuças do pobre cantor e retirou-se protestando em voz alta. De início, pensei que fosse parte do espetáculo - hoje em dia, com as montagens modernas, tudo é possível. Mas não, era uma feminista embravecida.
    Ela poderia ter prestado mais atenção. O tema nuclear de "As Bodas de Fígaro" é atual: trata-se de desmascarar, denunciar e punir um poderoso aristocrata que é violento predador sexual.
    Aquela senhora não deu tempo para a conclusão da ópera, não chegou a ver a condenação do conde brutal. Tal suscetibilidade, irritada pela situação em que, injustamente, as mulheres são mantidas em nossas sociedades, é compreensível. Levou-a a partir antes que as acusações de Fígaro contra o gênero feminino fossem desmentidas. Indignou -se cedo demais.
    Indignação: eis o problema. Nunca tive simpatia por essa palavra. Pressupõe cólera e desprezo. Quando estamos sozinhos, a indignação nos embriaga como se fosse uma droga. Arrebata a alma, enfurece as vísceras, dilata os pulmões e nos faz acreditar na veemência do nosso ódio. Viramos heróis justiceiros diante de nós mesmos.
    A solidão indignada faz grandes discursos interiores contra aquilo que erigimos como inimigo. Serve para dar boa consciência. É autossatisfatória. Um prazer solitário. Exaltados, arquitetamos vinganças e reparações. Depois, o balão murcha, sobrando apenas nossa miserável impotência.
    Ao se manifestar na presença de outra pessoa, ou de duas, ou num pequeno grupo, a indignação leva ao descontrole. Nervosos, falamos alto e dizemos coisas que, na calma, jamais pronunciaríamos.
    Quando um de seus heróis se deixa levar pelos discursos coléricos, Homero faz alguém sempre repreender: "Que palavras ultrapassaram a barreira de teus dentes!". Porque não somos mais nós que falamos, mas algo que está em nós e que ocupou nosso corpo esvaziado de qualquer poder reflexivo: a indignação. Assim também ocorre com os jorros furibundos de palavras que inundam as redes sociais.
    A multidão indignada é, por sua vez, uma catástrofe. Tomada por um furacão de pulsões, ela atropela, esmaga, lincha. A indignação trava as forças racionais. Alimentada pelas paixões, usa uma aparência de razão como fole para soprar nas brasas. Está claro, aceita só argumentos que servem a reforçar e ampliar seu domínio. É feita de radicalismos.
    Obs. ária: parte de uma ópera executada por voz solista.

    (Adaptado de: COLI, Jorge. Folha de S.Paulo, 4 de fevereiro de 2018, A2)

    Porque não somos mais nós que falamos,

    A alternativa que deve ser preenchida com palavra da mesma grafia da acima destacada, iniciada por letra minúscula, é:
  • 9 - Questão 55517.   Português - Uso dos Porques - Nível Médio
  • TEXTO
    NATAL NA BARCA

    Não quero nem devo lembrar aqui por que me encontrava naquela barca. Só sei que em redor tudo era silêncio e treva. E que me sentia bem naquela solidão. Na embarcação desconfortável, tosca, apenas quatro passageiros. Uma lanterna nos iluminava com sua luz vacilante: um velho, uma mulher com uma criança e eu.
    O velho, um bêbedo esfarrapado, deitara-se de comprido no banco, dirigira palavras amenas a um vizinho invisível e agora dormia. A mulher estava sentada entre nós, apertando nos braços a criança enrolada em panos. Era uma mulher jovem e pálida. O longo manto escuro que lhe cobria a cabeça dava-lhe o aspecto de uma figura antiga.

    “Não quero nem devo lembrar aqui por que me encontrava naquela barca”; a grafia em duas palavras do termo “por que” indica que ele foi visto como interrogativo indireto. A frase abaixo que apresenta o mesmo caso é:
  • 10 - Questão 55511.   Português - Uso dos Porques - Nível Médio
  • Qual é a frase que está escrita incorretamente?