Questões de Concursos CONESUL

Resolva Questões de Concursos CONESUL Grátis. Exercícios com Perguntas e Respostas. Provas Online com Gabarito.

  • 1 - Questão 686.   Português - Nível Médio - Atendente Comercial - Correios - CONESUL
  • Filhos, melhor não tê-los?

    Vinicius de Moraes era conhecido entre amigos e
    fãs como "o poetinha". Diminutivo carinhoso, que nada
    tem a ver com a qualidade de sua obra literária: Vinicius
    era, e é, um grande poeta, autor de versos antológicos,
    como aqueles que se constituem num surpreendente e
    desafiador paradoxo:
         Filhos, melhor não tê-los.
         Mas, se não os temos, como sabê-lo?
         Observem o contraste entre os dois versos. No
    primeiro, Vinicius faz uma afirmativa categórica: "Filhos,
    melhor não tê-los." É algo que pode ter resultado, em
    primeiro lugar, de uma experiência pessoal. Casado várias
    vezes, Vinicius teve muitos filhos. E teve também uma
    vida atribulada, cheia de conflitos de várias ordens. Mas
    quando afirma que "Filhos, melhor não tê-los", Vinicius
    certamente não se restringe a seu próprio caso: está
    verbalizando, e de uma maneira que nem é tão poética,
    aquilo que muitos pais sentem quando se sentem
    __________ pelas obrigações resultantes da
    paternidade. Quando o filho chora de noite, quando o
    filho vai __________ no colégio, quando o filho cria
    confusão, "Filhos, melhor não tê-los".
         Mas esta não é uma afirmação definitiva. A
    paternidade dá incontáveis alegrias. Mais: a paternidade
    e a maternidade conferem ........ pessoas um sentimento
    de realização pessoal que corresponde a uma
    necessidade embutida na própria condição humana, a
    um verdadeiro e poderoso instinto. Paternidade e
    maternidade significam continuidade. Afinal, é bom ou é
    ruim ter filhos? Notem que o primeiro verso é uma
    afirmação que se pretende definitiva: filhos, nem pensar,
    filhos só dão trabalho - ........ muitos provérbios que o
    _______, como aquele que diz: "Filhos pequenos, pequenas
    preocupações; filhos grandes, grandes preocupações."
         Administradores modernos bolariam algum cálculo
    do tipo custo-benefício para responder ........ questão do
    vale ou não a pena. Mas o comum das pessoas não
    chega a esses extremos. O resultado é a dúvida. Que
    só pode ser esclarecida com a própria paternidade e
    com a própria maternidade. Ou seja: correndo o risco.
    Porque a vida é isso, correr riscos. Quem não se arrisca
    não apenas não petisca: não vive.
         A interrogação formulada por Vinicius continua atual.
    E cada pessoa, cada casal, responde a sua maneira. O
    que devemos aceitar. Somos humanos, e nada do que é
    humano pode nos parecer estranho.

     Adaptado de: SCLIAR, Moacyr.  Zero Hora, Porto Alegre, revista Donna, 30 de março de 2008.
  • Analise as afirmativas sobre a acentuação gráfica das palavras do texto.

    I. “Provérbios”, “próprio” e “colégio” são acentuadas graficamente porque são paroxítonas terminadas em ditongo crescente.
    II. As palavras “categórica”, “poética” e “dúvida” obedecem à mesma regra de acentuação gráfica.
    III. “Incontáveis” é acentuada porque é uma paroxítona terminada em “eis” .

    Qual(is) está(ão) correta(s)?
  • 2 - Questão 696.   Português - Nível Médio - Atendente Comercial - Correios - CONESUL
  • Filhos, melhor não tê-los?

    Vinicius de Moraes era conhecido entre amigos e
    fãs como "o poetinha". Diminutivo carinhoso, que nada
    tem a ver com a qualidade de sua obra literária: Vinicius
    era, e é, um grande poeta, autor de versos antológicos,
    como aqueles que se constituem num surpreendente e
    desafiador paradoxo:
         Filhos, melhor não tê-los.
         Mas, se não os temos, como sabê-lo?
         Observem o contraste entre os dois versos. No
    primeiro, Vinicius faz uma afirmativa categórica: "Filhos,
    melhor não tê-los." É algo que pode ter resultado, em
    primeiro lugar, de uma experiência pessoal. Casado várias
    vezes, Vinicius teve muitos filhos. E teve também uma
    vida atribulada, cheia de conflitos de várias ordens. Mas
    quando afirma que "Filhos, melhor não tê-los", Vinicius
    certamente não se restringe a seu próprio caso: está
    verbalizando, e de uma maneira que nem é tão poética,
    aquilo que muitos pais sentem quando se sentem
    __________ pelas obrigações resultantes da
    paternidade. Quando o filho chora de noite, quando o
    filho vai __________ no colégio, quando o filho cria
    confusão, "Filhos, melhor não tê-los".
         Mas esta não é uma afirmação definitiva. A
    paternidade dá incontáveis alegrias. Mais: a paternidade
    e a maternidade conferem ........ pessoas um sentimento
    de realização pessoal que corresponde a uma
    necessidade embutida na própria condição humana, a
    um verdadeiro e poderoso instinto. Paternidade e
    maternidade significam continuidade. Afinal, é bom ou é
    ruim ter filhos? Notem que o primeiro verso é uma
    afirmação que se pretende definitiva: filhos, nem pensar,
    filhos só dão trabalho - ........ muitos provérbios que o
    _______, como aquele que diz: "Filhos pequenos, pequenas
    preocupações; filhos grandes, grandes preocupações."
         Administradores modernos bolariam algum cálculo
    do tipo custo-benefício para responder ........ questão do
    vale ou não a pena. Mas o comum das pessoas não
    chega a esses extremos. O resultado é a dúvida. Que
    só pode ser esclarecida com a própria paternidade e
    com a própria maternidade. Ou seja: correndo o risco.
    Porque a vida é isso, correr riscos. Quem não se arrisca
    não apenas não petisca: não vive.
         A interrogação formulada por Vinicius continua atual.
    E cada pessoa, cada casal, responde a sua maneira. O
    que devemos aceitar. Somos humanos, e nada do que é
    humano pode nos parecer estranho.

     Adaptado de: SCLIAR, Moacyr.  Zero Hora, Porto Alegre, revista Donna, 30 de março de 2008.
  • Analise as afirmativas.

    I. O verbo “responder” admite voz passiva.
    II. “Dar” é um verbo irregular.
    III. O verbo “haver” apresenta duas formas de igual valor e função: “havemos” e “hemos”.

    Qual(is) está(ão) correta(s)?
  • 5 - Questão 685.   Português - Nível Médio - Atendente Comercial - Correios - CONESUL
  • Filhos, melhor não tê-los?

    Vinicius de Moraes era conhecido entre amigos e
    fãs como "o poetinha". Diminutivo carinhoso, que nada
    tem a ver com a qualidade de sua obra literária: Vinicius
    era, e é, um grande poeta, autor de versos antológicos,
    como aqueles que se constituem num surpreendente e
    desafiador paradoxo:
         Filhos, melhor não tê-los.
         Mas, se não os temos, como sabê-lo?
         Observem o contraste entre os dois versos. No
    primeiro, Vinicius faz uma afirmativa categórica: "Filhos,
    melhor não tê-los." É algo que pode ter resultado, em
    primeiro lugar, de uma experiência pessoal. Casado várias
    vezes, Vinicius teve muitos filhos. E teve também uma
    vida atribulada, cheia de conflitos de várias ordens. Mas
    quando afirma que "Filhos, melhor não tê-los", Vinicius
    certamente não se restringe a seu próprio caso: está
    verbalizando, e de uma maneira que nem é tão poética,
    aquilo que muitos pais sentem quando se sentem
    __________ pelas obrigações resultantes da
    paternidade. Quando o filho chora de noite, quando o
    filho vai __________ no colégio, quando o filho cria
    confusão, "Filhos, melhor não tê-los".
         Mas esta não é uma afirmação definitiva. A
    paternidade dá incontáveis alegrias. Mais: a paternidade
    e a maternidade conferem ........ pessoas um sentimento
    de realização pessoal que corresponde a uma
    necessidade embutida na própria condição humana, a
    um verdadeiro e poderoso instinto. Paternidade e
    maternidade significam continuidade. Afinal, é bom ou é
    ruim ter filhos? Notem que o primeiro verso é uma
    afirmação que se pretende definitiva: filhos, nem pensar,
    filhos só dão trabalho - ........ muitos provérbios que o
    _______, como aquele que diz: "Filhos pequenos, pequenas
    preocupações; filhos grandes, grandes preocupações."
         Administradores modernos bolariam algum cálculo
    do tipo custo-benefício para responder ........ questão do
    vale ou não a pena. Mas o comum das pessoas não
    chega a esses extremos. O resultado é a dúvida. Que
    só pode ser esclarecida com a própria paternidade e
    com a própria maternidade. Ou seja: correndo o risco.
    Porque a vida é isso, correr riscos. Quem não se arrisca
    não apenas não petisca: não vive.
         A interrogação formulada por Vinicius continua atual.
    E cada pessoa, cada casal, responde a sua maneira. O
    que devemos aceitar. Somos humanos, e nada do que é
    humano pode nos parecer estranho.

     Adaptado de: SCLIAR, Moacyr.  Zero Hora, Porto Alegre, revista Donna, 30 de março de 2008.
  • Sobre a forma verbal em destaque na oração “O que devemos aceitar.” (7º parágrafo), são feitas as seguintes afirmações.

    1. O primeiro verbo é auxiliar.
    2. A forma verbal confere uma idéia de obrigatoriedade.
    3. Poderia ser substituída pela forma simples “aceitaríamos”.

    Está correto o que se afirma
  • 7 - Questão 684.   Português - Nível Médio - Atendente Comercial - Correios - CONESUL
  • Filhos, melhor não tê-los?

    Vinicius de Moraes era conhecido entre amigos e
    fãs como "o poetinha". Diminutivo carinhoso, que nada
    tem a ver com a qualidade de sua obra literária: Vinicius
    era, e é, um grande poeta, autor de versos antológicos,
    como aqueles que se constituem num surpreendente e
    desafiador paradoxo:
         Filhos, melhor não tê-los.
         Mas, se não os temos, como sabê-lo?
         Observem o contraste entre os dois versos. No
    primeiro, Vinicius faz uma afirmativa categórica: "Filhos,
    melhor não tê-los." É algo que pode ter resultado, em
    primeiro lugar, de uma experiência pessoal. Casado várias
    vezes, Vinicius teve muitos filhos. E teve também uma
    vida atribulada, cheia de conflitos de várias ordens. Mas
    quando afirma que "Filhos, melhor não tê-los", Vinicius
    certamente não se restringe a seu próprio caso: está
    verbalizando, e de uma maneira que nem é tão poética,
    aquilo que muitos pais sentem quando se sentem
    __________ pelas obrigações resultantes da
    paternidade. Quando o filho chora de noite, quando o
    filho vai __________ no colégio, quando o filho cria
    confusão, "Filhos, melhor não tê-los".
         Mas esta não é uma afirmação definitiva. A
    paternidade dá incontáveis alegrias. Mais: a paternidade
    e a maternidade conferem ........ pessoas um sentimento
    de realização pessoal que corresponde a uma
    necessidade embutida na própria condição humana, a
    um verdadeiro e poderoso instinto. Paternidade e
    maternidade significam continuidade. Afinal, é bom ou é
    ruim ter filhos? Notem que o primeiro verso é uma
    afirmação que se pretende definitiva: filhos, nem pensar,
    filhos só dão trabalho - ........ muitos provérbios que o
    _______, como aquele que diz: "Filhos pequenos, pequenas
    preocupações; filhos grandes, grandes preocupações."
         Administradores modernos bolariam algum cálculo
    do tipo custo-benefício para responder ........ questão do
    vale ou não a pena. Mas o comum das pessoas não
    chega a esses extremos. O resultado é a dúvida. Que
    só pode ser esclarecida com a própria paternidade e
    com a própria maternidade. Ou seja: correndo o risco.
    Porque a vida é isso, correr riscos. Quem não se arrisca
    não apenas não petisca: não vive.
         A interrogação formulada por Vinicius continua atual.
    E cada pessoa, cada casal, responde a sua maneira. O
    que devemos aceitar. Somos humanos, e nada do que é
    humano pode nos parecer estranho.

     Adaptado de: SCLIAR, Moacyr.  Zero Hora, Porto Alegre, revista Donna, 30 de março de 2008.
  • (  ) Em “A paternidade dá incontáveis alegrias.” (5º parágrafo), a palavra em destaque estabelece no período a idéia de que as alegrias são limitadas.
    (  ) Na última frase do texto, o pronome “nos” refere se ao autor e aos leitores .
    (  ) Em “..que nem é tão poética,...” (4º parágrafo), a palavra em destaque expressa uma circunstância de modo.
    (  ) Em “Administradores modernos bolariam algum cálculo...” (6º parágrafo), a forma verbal foi empregada para exprimir uma ação futura imediata.

    Assinale a alternativa que apresenta a seqüência correta, de cima para baixo.

    Analise as afirmações sobre o emprego das palavras do texto. Assinale (V) se forem verdadeiras e (F), se falsas.
  • 9 - Questão 697.   Português - Nível Médio - Atendente Comercial - Correios - CONESUL
  • Filhos, melhor não tê-los?

    Vinicius de Moraes era conhecido entre amigos e
    fãs como "o poetinha". Diminutivo carinhoso, que nada
    tem a ver com a qualidade de sua obra literária: Vinicius
    era, e é, um grande poeta, autor de versos antológicos,
    como aqueles que se constituem num surpreendente e
    desafiador paradoxo:
         Filhos, melhor não tê-los.
         Mas, se não os temos, como sabê-lo?
         Observem o contraste entre os dois versos. No
    primeiro, Vinicius faz uma afirmativa categórica: "Filhos,
    melhor não tê-los." É algo que pode ter resultado, em
    primeiro lugar, de uma experiência pessoal. Casado várias
    vezes, Vinicius teve muitos filhos. E teve também uma
    vida atribulada, cheia de conflitos de várias ordens. Mas
    quando afirma que "Filhos, melhor não tê-los", Vinicius
    certamente não se restringe a seu próprio caso: está
    verbalizando, e de uma maneira que nem é tão poética,
    aquilo que muitos pais sentem quando se sentem
    __________ pelas obrigações resultantes da
    paternidade. Quando o filho chora de noite, quando o
    filho vai __________ no colégio, quando o filho cria
    confusão, "Filhos, melhor não tê-los".
         Mas esta não é uma afirmação definitiva. A
    paternidade dá incontáveis alegrias. Mais: a paternidade
    e a maternidade conferem ........ pessoas um sentimento
    de realização pessoal que corresponde a uma
    necessidade embutida na própria condição humana, a
    um verdadeiro e poderoso instinto. Paternidade e
    maternidade significam continuidade. Afinal, é bom ou é
    ruim ter filhos? Notem que o primeiro verso é uma
    afirmação que se pretende definitiva: filhos, nem pensar,
    filhos só dão trabalho - ........ muitos provérbios que o
    _______, como aquele que diz: "Filhos pequenos, pequenas
    preocupações; filhos grandes, grandes preocupações."
         Administradores modernos bolariam algum cálculo
    do tipo custo-benefício para responder ........ questão do
    vale ou não a pena. Mas o comum das pessoas não
    chega a esses extremos. O resultado é a dúvida. Que
    só pode ser esclarecida com a própria paternidade e
    com a própria maternidade. Ou seja: correndo o risco.
    Porque a vida é isso, correr riscos. Quem não se arrisca
    não apenas não petisca: não vive.
         A interrogação formulada por Vinicius continua atual.
    E cada pessoa, cada casal, responde a sua maneira. O
    que devemos aceitar. Somos humanos, e nada do que é
    humano pode nos parecer estranho.

     Adaptado de: SCLIAR, Moacyr.  Zero Hora, Porto Alegre, revista Donna, 30 de março de 2008.
  • “Poetinha” é o diminutivo de “poeta”. Assinale a alternativa que apresenta a forma correta do diminutivo da palavra.
  • 10 - Questão 725.   Noções de Ética - Nível Médio - Atendente Comercial - Correios - CONESUL
  • As questões 1-4 referem-se ao texto abaixo. Leia com
    atenção.

    Imagine que você tenha aquele anel que Platão evoca,
    o célebre anel de Giges, que tornaria você invisível
    sempre que você desejasse... É um anel mágico, que
    um pastor encontra por acaso. Basta virar a pedra do
    anel para dentro da palma para se tornar totalmente
    invisível, e virá-la para fora para ficar novamente visível...
    Giges, que antes era tido como um homem honesto,
    não foi capaz de resistir às tentações a que este anel o
    submetia: aproveitou seus poderes mágicos para entrar
    no palácio, seduzir a rainha, assassinar o rei, tomar o
    poder e exercê-lo em seu único e exclusivo benefício.
    Quem conta a coisa, em A República, conclui que o
    bom e o mau, ou os assim considerados, só se
    distinguem pela prudência e pela hipocrisia, em outras
    palavras, pela importância desigual que dão ao olhar
    alheio ou por sua habilidade maior ou menor para se
    esconder... Se ambos possuíssem o anel de Giges,
    nada mais os distinguiria: “ambos tenderiam para o
    mesmo fim”. Isto equivale a sugerir que a moral não
    passa de uma ilusão, de uma mentira, de um medo
    maquiado de virtude. Bastaria poder ficar invisível para
    que toda proibição sumisse e que, para cada um, não
    houvesse mais que a busca do seu prazer ou do seu
    interesse egoístas.

    André Comte-Sponville, Apresentação da Filosofia
  • O autor afirma que Giges “era tido como um homem honesto”. O que isto significa?

    I. Giges respeitava as outras pessoas e as regras morais.
    II. Giges, por ter bons sentimentos, era incapaz de fazer algo que prejudicasse outras pessoas.
    III. Giges agia eticamente, e assim parecia ser um bom sujeito.

    Está(ão) correto(s) apenas o(s) item(ns)