Questões de Concursos FUNCAB com Gabarito

Resolva Questões de Concurso Público Grátis FUNCAB com Gabarito. Teste seus conhecimentos com perguntas e respostas em exercícios online.

Texto associado.

Leia o texto abaixo e responda à questão

Funcionários exemplares

    Faz exatamente um ano que eles chegaram por ali, sob os olhares desconfiados de quem não via propósito em seu trabalho. Pior: muita gente achava que seriam um problema, não uma solução. Mas agora a equipe de falcões e gaviões do aeroporto internacional tem um número vistoso para exibir: de janeiro a abril de 2013, portanto, antes do início do serviço, foram registrados dezenove incidentes que envolveram aviões e pássaros como fragatas, quero-queros e urubus; neste ano, segundo dados do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos, nesse mesmo período de quatro meses o número de colisões baixou para seis. As aves de rapina estão aprovadas, e parecem valer os 18 000 reais que custam por mês à Infraero. “O resultado tem sido melhor que o observado quando usávamos carros com sirene a todo o volume ou mesmo fogos de artifício para afugentar os pássaros", diz Priscila Souza, diretora da área de meio ambiente do Galeão.
    O grupo, formado por doze animais, acaba de ter seu contrato renovado até agosto e segue espantando dos céus do aeroporto um sem-número de aves que podem se tornar um empecilho ou, mais do que isso, um perigo real para pousos e decolagens: às vezes, batem contra os vidros, obrigam a desvios de rota e são engolidas pelas turbinas de jatos. Por isso são empregados esses animais carnívoros, com poderosas garras e bico afiado, que não comem suas vítimas, apenas as capturam - as presas são catalogadas e transportadas para uma área distante, de características naturais parecidas.
    Sete gaviões e cinco falcões (que alcançam, como um carro de F1, 300 quilômetros por hora) são treinados por falcoeiros do Centro de Preservação de Aves de Rapina, empresa particular baiana que ganhou a licitação para prestar o serviço em 2013. Nos últimos anos, aeroportos de cidades como Belo Horizonte e Porto Alegre já contrataram trabalhos semelhantes, também com sucesso. Próximo de mangues e da Baía de Guanabara, as pistas de nosso movimentado aeroporto atraem bichos de toda sorte. Isso sem contar os lixões clandestinos no entorno, que também são foco de animais. Ou seja, no Rio a tarefa é redobrada. Contamos com eles.

(Daniela Pessoa, Veja Rio, 4 de junho de 2014.)

Assinale a opção em que o termo destacado foi corretamente substituído por um pronome pessoal oblíquo.
Fundamentais ao desenvolvimento da profissão de bibliotecário, as cinco leis da biblioteconomia foram criadas pelo indiano Shiyali Ramamrita Ranganathan em 1931 e vigoram até hoje. Marque a alternativa que apresenta a 2ª lei.
Configura princípio das licitações, de acordo com o ordenamento jurídico brasileiro:
Texto associado.

Leia o texto abaixo e responda às questões propostas.

Trânsito também é coisa de mulher!

     Para os habitantes dos grandes centros urbanos,
hoje, falar sobre trânsito é quase tão comum quanto falar
sobre o tempo: todo mundo olha para o céu e arrisca uma
previsão. Conviver com congestionamentos, acidentes,
desrespeito e mortes no trânsito já parece familiar para boa
parte da população. Todavia, um olhar mais atento desperta
para alguns detalhes que não podem passar despercebidos
neste dia internacional da mulher.
     O trânsito é basicamente composto por motoristas e
pedestres. Na dinâmica do dia a dia, homens e mulheres
compartilham este espaço público, notadamente mais
masculino do que feminino. A quantidade de homens
habilitados no Rio de Janeiro supera a quantidade de
mulheres. Segundo dados do DENATRAN/RJ, 73% dos
habilitados no estado são homens, contra 27% de mulheres.
     Entretanto, os contrastes entre motoristas homens e
mulheres vão muito além dos números. A relação do homem
com o automóvel é intensa e construída desde a infância: da
decoração do quartinho do bebê com motivos de automóveis
aos carros de brinquedo e games de corrida, presentes
constantes nas datas festivas. Às meninas, até passado
recente, ainda eram reservadas apenas as bonecas e
panelinhas. Hoje, com o advento dos brinquedos eletrônicos a
situação mudou um pouco, mas mesmo assim, ainda
prevalecem temas “de menina”. Ou seja, enquanto os
homens são preparados para serem motoristas, as mulheres
são induzidas para outras funções – principalmente as
domésticas – sem que a elas sejam oferecidas escolhas
diferentes no que diz respeito à sua relação com o carro e com
seu futuro como provável motorista.
      O automóvel hoje tem uma representação
fortemente identificada com a figura masculina. Vigor e
potência do automóvel, somados à velocidade, passam a ser
encarados como a própria expressão do poder na
contemporaneidade. A socialização dos homens para o
automóvel é antiga e simbolicamente pode ser comparada ao
que representavam os cavalos para os senhores feudais na
cultura medieval: eram eles o signo da virilidade. Mesmo hoje,
apesar de todas as lutas e conquistas obtidas pelas mulheres
emdiversos campos, esta lógica continua a se reproduzir.
      No trânsito é comum nós, mulheres, ouvirmos frases
pouco elogiosas a respeito de nossa capacidade de conduzir
automóveis: a primeira delas e talvez a mais abrangente seja
a exclamação “tinha que ser mulher!”. Outra pérola que
ouvimos, mas já um pouco fora de moda, é “lugar de mulher é
na cozinha!”. Penso que o conteúdo destas frases ditas no
calor da emoção das situações tensas de trânsito –
congestionamentos ou acidentes – demonstra o quanto o
fator gênero ainda é motivo de todo tipo de preconceito,
principalmente quando as mulheres “invadem” nichos de
mercado anteriormente reservados aos homens, como as
funções que envolvem a condução de veículos.
      As companhias seguradoras, baseadas em
estatísticas que demonstram que mulheres dirigem de forma
mais cuidadosa e envolvem-se menos em acidentes,
oferecem, na contratação de seguros, bons descontos se o
carro pertencer a uma mulher e ela for a principal motorista.
Ou seja, pela visão de negócios das seguradoras, os fatos
negam o histórico preconceito quanto à competência da
mulher motorista.
      Mas nem tudo está perdido. Os avanços da
legislação de trânsito, traduzido em sua maior expressão pela
Lei de Tolerância Zero de Álcool ao Volante, também veio
salvar a mulher das reservas de muitos homens a deixá-las
dirigir o seu “querido carrinho”. É que hoje as mulheres
representam o maior “Amigo da Vez” quando o assunto é
voltar para casa de carro depois da cervejinha. É a
solidariedade, o altruísmo feminino e a natural vocação para a
paz e a harmonia que falam mais alto e nos deixam bebendo
refrigerante e água para que levemos nossos amigos,
amigas, companheiros ou filhos em segurança de volta para
casa.
      O curioso desta estória toda é que mesmo assim o
preconceito não acaba: há quem ande dizendo por aí que a
culpa disto tudo é do próprio álcool. Só mesmo estando
bêbado para deixar a mulher dirigir!!!
     Por todos esses motivos, neste mês de março
quando se comemora O Dia Internacional da Mulher, vamos
celebrar todas as nossas conquistas com alarde e galhardia e
celebrar também o sucesso da Lei Seca, que com a nossa
ajuda está salvando muitas vidas e provando que, cada vez
mais, o trânsito também é coisa de mulher!

Marisa Dreys - Inspetora da Polícia Rodoviária Federal.
Disponível em www.detran.pr.gov.br/revista de trânsito. Edição 40.

Passando a frase “O trânsito é basicamente composto por motoristas e pedestres.” para a voz passiva analítica, encontramos a seguinte forma verbal:
The 2016 Summer Olympics starts on August 5, 2016 in Rio de Janeiro, Brazil and the city has undergone a rapid transformation. However, the waters where Olympians will compete have been considered a serious health risk for athletes.
The analysis of water quality revealed dangerous high levels of viruses and bacteria from sewage in venues where athletes will compete in water sports.
According to the statement, the risk discussed refers to:
Segundo a Lei nº 4.504/1964 (Estatuto da Terra), na parceria agrícola, pecuária, agroindustrial e extrativa, observar-se-á o seguinte princípio:
Texto associado.

Texto 1

Inauguração da Avenida

      [...] 
      Já lá se vão cinco dias. E ainda não houve aclamações, ainda não houve delírio. O choque foi rude demais. Acalma ainda não renasceu.
      Mas o que há de mais interessante na vida dessa mó de povo que se está comprimindo e revoluteando na Avenida, entre a Prainha e o Boqueirão, é o tom das conversas, que o ouvido de um observador apanha aqui e ali, neste ou naquele grupo.
      Não falo das conversas da gente culta, dos “doutores” que se julgam doutos.
Falo das conversas do povo - do povo rude, que contempla e critica a arquitetura dos prédios: “Não gosto deste... Gosto mais daquele... Este é mais rico... Aquele tem mais arte... Este é pesado... Aquele é mais elegante...”.
      Ainda nesta sexta-feira, à noite, entremeti-me num grupo e fiquei saboreando uma dessas discussões. Os conversadores, à luz rebrilhante do gás e da eletricidade, iam apontando os prédios: e - cousa consoladora - eu, que acompanhava com os ouvidos e com os olhos a discussão, nem uma só vez deixei de concordar com a opinião do grupo. Com um instintivo bom gosto subitamente nascido, como por um desses milagres a que os teólogos dão o nome de “mistérios da Graça revelada” - aquela simples e rude gente, que nunca vira palácios, que nunca recebera a noção mais rudimentar da arte da arquitetura, estava ali discernindo entre o bom e o mau, e discernindo com clarividência e precisão, separando o trigo do joio, e distinguindo do vidro ordinário o diamante puro.
      É que o nosso povo - nascido e criado neste fecundo clima de calor e umidade, que tanto beneficia as plantas como os homens - tem uma inteligência nativa, exuberante e pronta, que é feita de sobressaltos e relâmpagos, e que apanha e fixa na confusão as ideias, como a placa sensibilizada de uma máquina fotográfica apanha e fixa, ao clarão instantâneo de uma faísca de luz oxídrica, todos os objetos mergulhados na penumbra de uma sala...
      E, pela Avenida em fora, acotovelando outros grupos, fui pensando na revolução moral e intelectual que se vai operar na população, em virtude da reforma material da cidade.
      A melhor educação é a que entra pelos olhos. Bastou que, deste solo coberto de baiucas e taperas, surgissem alguns palácios, para que imediatamente nas almas mais incultas brotasse de súbito a fina flor do bom gosto: olhos, que só haviam contemplado até então betesgas, compreenderam logo o que é a arquitetura. Que não será quando da velha cidade colonial, estupidamente conservada até agora como um pesadelo do passado, apenas restar a lembrança?
      [...] 
      E quando cheguei ao Boqueirão do Passeio, voltei-me, e contemplei mais uma vez a Avenida, em toda sua gloriosa e luminosa extensão. [...]

Gazeta de Notícias - 19 nov.1905. Bilac, Olavo. Vossa Insolência: crônicas. São Paulo: Companhia de Letras, 1996, p. 264-267.

Vocabulário: 
baiuca: local de última categoria, malfrequentado. 
betesga: rua estreita, sem saída, 
: do latim “mole” , multidão; grande quantidade, 
revolutear: agitar-se em várias direções, 
tapera: lugar malconservado e de mau aspecto

Sobre a oração destacada em “Não falo das conversas da gente culta, dos ‘doutores’ QUE SE JULGAM DOUTOS.” (textol - § 3), é correto afirmar que:
A avaliação de desempenho das operadoras, feita pela ANS por intermédio do IDSS, leva em conta quatro dimensões com pesos diferentes, a saber:
Quanto à personalidade, pode-se afirmar que o nascituro:

I. É considerado juridicamente pelo direito brasileiro pessoa.

II. Pode receber doação, sem prejuízo do recolhimento do imposto de transmissão.

III. Pode ser beneficiado por legado e herança.

IV. Tem direito à realização do exame de DNA, para aferição de paternidade, como decorrência da proteção que lhe é conferida pelos direitos da personalidade.

Estão corretas apenas as afirmativas: