Questões de Concursos - Assistente Técnico de Contabilidade - Exercícios com Gabarito

Questões de Concursos Públicos - Assistente Técnico de Contabilidade - com Gabarito. Exercícios com Perguntas e Respostas, Resolvidas e Comentadas. Acesse Grátis!


Um fazendeiro consegue dobrar a área de sua fazenda a cada 3 anos. Hoje ela acaba de dobrar a área de sua fazenda para 12.000 km². Quanto tempo levará para que a fazenda possua 192.000 km²?
Num baile de carnaval familiar, 1/3 dos convidados possuía entre 10 e 25 anos, 4/9 entre 25 e 60 anos e 1/9 acima de 60 anos. Considerando que havia 198 convidados, quantos possuíam entre 0 e 9 anos?
Em 31/12/2011, uma determinada empresa possuía dez mil unidades em seu estoque, ao custo médio unitário de R$ 200,00. Em janeiro de 2012, vendeu sete mil unidades por R$ 2.000.000,00, sendo 50% à vista, em dinheiro, e o restante será recebido em fevereiro de 2012. Por algum motivo, o cliente devolveu 10% das unidades compradas. Sobre as demais unidades vendidas, a empresa concedeu um desconto de 10%. Considerando que não existiu nenhum tipo de tributo nessa operação, o Custo da Mercadoria Vendida será de:
O sacolão Bonzão anunciou a seguinte promoção: na compra de frutas o cliente ganha 10% de desconto e na compra de verduras é dado 20% de desconto. Ao passar pelo caixa, antes de receber os descontos, Esmeralda notou que seu gasto com as frutas seria 50% superior ao gasto com as verduras caso não houvesse os descontos. Logo, o desconto total sobre as compras de Esmeralda foi de:
Analise as afirmativas abaixo: 

I As Despesas Correntes são as de natureza operacional, realizadas para a manutenção dos equipamentos e para o funcionamento de órgãos governamentais; 
II As Despesas Correntes dividem-se em: a) Despesas de Custeio; b) Transferências Correntes; 
III As Transferências Correntes são divididas em: a) Subvenções Sociais; b) Subvenções Orçamentárias e Extra Orçamentárias; c) Subvenções Econômicas. 

Assinale a alternativa correta:
Texto associado.
Ruivos, uni-vos 

Vítimas de bullying, “cabeças de cenoura” dão a volta por cima. 

por Marcela Donini 

            Duas senhoras morenas flanavam nas imediações da Usina do Gasômetro, em Porto Alegre, numa tarde ensolarada de sábado, quando se depararam com a cena inusitada: um grupo de ruivos sob a sombra de uma árvore. Se já não é usual encontrar um único ruivo pelas ruas da cidade, mais de vinte deles juntos é uma raridade. Intrigadas, perguntaram com ironia se aquilo era alguma manifestação de classe. Obtiveram como resposta que, sim, estava em curso naquele lugar o 2º Encontro de Ruivos da capital gaúcha. [...] 
            O encontro de Porto Alegre podia chamar a atenção dos incautos, mas não era exatamente uma novidade. Desde 2005, a cidade de Breda, na Holanda, reúne milhares de ruivos todos os anos, no primeiro fim de semana de setembro, batizado de Roodharigendag (Dia dos Ruivos). [...] 
            Os ruivos de Porto Alegre não estavam, pois, sozinhos. Faziam parte de uma pequena legião, cada vez mais organizada. Alguns se divertiam com o livro Redheads, do fotógrafo Uwe Dietz, uma coletânea de retratos repletos de peles branquinhas, olhos claros, rostos sardentos e cabeleiras que variam entre alaranjadas e avermelhadas. [...] 
            Num mundo dominado por opressivas cabeleiras pretas, castanhas e loiras, em quase todo lugar não há infância tranquila para quem nasce com o cabelo cor de fogo. Tocha humana, água de salsicha, cabeça de fósforo, crush, lagosta, ferrugem, fofão, foguinho - eis alguns apelidos de que costumam ser vítimas quando crianças. “Na época isso nem se chamava bullying, mas era exatamente o que faziam conosco, os cavalos de fogo, os cabeças de cenoura”, relembrou uma enfermeira que compareceu ao encontro ao lado da irmã gêmea. Um dos rapazes presentes jurou ter catalogado mais de sessenta alcunhas recebidas na infância - mas tratou de esquecê-las após a puberdade. 
            Na Idade Média, crianças ruivas eram vistas como fruto do sexo proibido e tinham parte com o diabo. A Inquisição perseguiu as mulheres ruivas, condenando-as, quando pôde, à fogueira. A julgar pelo prefácio do livro de Uwe Dietz que os gaúchos consumiam, seria tudo culpa de Judas Iscariotes, frequentemente retratado como ruivo. Contraexemplos não faltam: Cristóvão Colombo, Galileu Galilei, Van Gogh e muitos outros.

(http://revistapiaui.estadao.com.br/edicao-65/esquina/ruivos-uni-vos, texto adaptado)
Obs: O texto apresenta um título e um subtítulo: “Ruivos, uni-vos” e “Vítimas de bullying, “cabeças de cenoura” dão a volta por cima.
Em “Intrigadas, perguntaram com ironia se aquilo era alguma manifestação de classe”, a palavra “se” pode ser classificada como:
Três digitadores igualmente eficientes levam exatamente três horas para executar um determinado trabalho de digitação. Duas horas após o início desse trabalho um dos digitadores precisou se afastar e o trabalho foi concluído pelos outros dois digitadores. Sabendo que o ritmo de trabalho de cada digitador foi constante durante toda a digitação, podemos afirmar que o tempo total gasto para concluir o trabalho foi de:
Adriano se endividou com seu cartão de crédito devido às contas do final do ano passado. Para sair dessa situação, resolveu contrair um empréstimo com seu amigo Luís. Sabendo que Luís emprestou R$ 3.500,00 a uma taxa de 1,5% a. m. no regime de juros simples e que Adriano pagará após um ano, qual será o montante pago por ele após tal período?
Texto associado.
Ruivos, uni-vos 

Vítimas de bullying, “cabeças de cenoura” dão a volta por cima. 

por Marcela Donini 

            Duas senhoras morenas flanavam nas imediações da Usina do Gasômetro, em Porto Alegre, numa tarde ensolarada de sábado, quando se depararam com a cena inusitada: um grupo de ruivos sob a sombra de uma árvore. Se já não é usual encontrar um único ruivo pelas ruas da cidade, mais de vinte deles juntos é uma raridade. Intrigadas, perguntaram com ironia se aquilo era alguma manifestação de classe. Obtiveram como resposta que, sim, estava em curso naquele lugar o 2º Encontro de Ruivos da capital gaúcha. [...] 
            O encontro de Porto Alegre podia chamar a atenção dos incautos, mas não era exatamente uma novidade. Desde 2005, a cidade de Breda, na Holanda, reúne milhares de ruivos todos os anos, no primeiro fim de semana de setembro, batizado de Roodharigendag (Dia dos Ruivos). [...] 
            Os ruivos de Porto Alegre não estavam, pois, sozinhos. Faziam parte de uma pequena legião, cada vez mais organizada. Alguns se divertiam com o livro Redheads, do fotógrafo Uwe Dietz, uma coletânea de retratos repletos de peles branquinhas, olhos claros, rostos sardentos e cabeleiras que variam entre alaranjadas e avermelhadas. [...] 
            Num mundo dominado por opressivas cabeleiras pretas, castanhas e loiras, em quase todo lugar não há infância tranquila para quem nasce com o cabelo cor de fogo. Tocha humana, água de salsicha, cabeça de fósforo, crush, lagosta, ferrugem, fofão, foguinho - eis alguns apelidos de que costumam ser vítimas quando crianças. “Na época isso nem se chamava bullying, mas era exatamente o que faziam conosco, os cavalos de fogo, os cabeças de cenoura”, relembrou uma enfermeira que compareceu ao encontro ao lado da irmã gêmea. Um dos rapazes presentes jurou ter catalogado mais de sessenta alcunhas recebidas na infância - mas tratou de esquecê-las após a puberdade. 
            Na Idade Média, crianças ruivas eram vistas como fruto do sexo proibido e tinham parte com o diabo. A Inquisição perseguiu as mulheres ruivas, condenando-as, quando pôde, à fogueira. A julgar pelo prefácio do livro de Uwe Dietz que os gaúchos consumiam, seria tudo culpa de Judas Iscariotes, frequentemente retratado como ruivo. Contraexemplos não faltam: Cristóvão Colombo, Galileu Galilei, Van Gogh e muitos outros.

(http://revistapiaui.estadao.com.br/edicao-65/esquina/ruivos-uni-vos, texto adaptado)
Obs: O texto apresenta um título e um subtítulo: “Ruivos, uni-vos” e “Vítimas de bullying, “cabeças de cenoura” dão a volta por cima.
Os termos destacados no trecho A Inquisição perseguiu as mulheres ruivas, condenando-assão respectivamente:
O dinheiro que Arnaldo, Baldo e Cernaldo possuem, forma ao mesmo tempo uma progressão aritmética e geométrica. Sabendo que somando o dinheiro dos três, eles compram exatamente uma pizza de R$ 30,00 e a que comem proporcionalmente ao quanto contribuíram em dinheiro, podemos dizer que a diferença em quantidade de pizza entre o que comeu mais e o que comeu menos foi igual a: