Questões de Concursos Guarda Portuário

Resolva Questões de Concursos Guarda Portuário Grátis. Exercícios com Perguntas e Respostas. Provas Online com Gabarito.

  • 2 - Questão 29189.   Direito Penal - Nível Médio - Guarda Portuário - CODEBA - FGV - 2016
  • De acordo com o Estatuto do Desarmamento (Lei nº 10.826/2003), assinale a afirmativa correta.
  • 3 - Questão 29177.   Raciocínio Lógico - Nível Médio - Guarda Portuário - CODEBA - FGV - 2016
  • Certo concurso oferecia vagas para candidatos com ensino médio completo e vagas para candidatos com nível superior. Nesse concurso inscreveram-se 1050 candidatos sendo 580 homens.

    Entre os inscritos, 210 tinham nível superior e 380 mulheres tinham apenas ensino médio completo.

    O número de inscritos homens com nível superior é
  • 4 - Questão 29172.   Português - Nível Médio - Guarda Portuário - CODEBA - FGV - 2016
  • Texto I 
    Lixo

          A partir da Revolução Industrial, as fábricas começaram a produzir objetos de consumo em larga escala e a introduzir novas embalagens no mercado, aumentando consideravelmente o volume e a diversidade de resíduos gerados nas áreas urbanas. O homem passou a viver então a era dos descartáveis, em que a maior parte dos produtos – desde guardanapos de papel e latas de refrigerantes, até computadores – é utilizada e jogada fora com enorme rapidez.
          Ao mesmo tempo, o crescimento acelerado das modernas metrópoles fez com que as áreas disponíveis para colocar o lixo se tornassem escassas. A sujeira acumulada no ambiente aumentou a poluição do solo, das águas e piorou as condições de saúde das populações em todo o mundo, especialmente nas regiões menos desenvolvidas. Até hoje, no Brasil, a maior parte dos resíduos recolhidos nas grandes cidades é simplesmente jogada sem qualquer cuidado em depósitos existentes nas áreas periféricas.

    A questão é: o que fazer com tanto lixo?

    (Adaptado. Internet.)
  • O texto traz muitos pares de substantivo + adjetivo (ou vice-versa). O par em que a troca de posição do adjetivo faz com que seja possível a mudança de sentido é
  • 5 - Questão 29725.   Matemática - Nível Médio - Guarda Portuário - CODESP SP - VUNESP - 2011
  • Se cada número, em um conjunto de 11 números, é aumentado em 33 unidades, a média aritmética desses novos números, em relação à média aritmética dos números originais, fica
  • 6 - Questão 29712.   Português - Interpretação de Textos - Nível Médio - Guarda Portuário - CODESP SP - VUNESP - 2011
  • Profissionais da Esmola

         Atrás de dinheiro fácil, vale fazer de tudo nas esquinas de São Paulo. Vale se fantasiar com uma roupa surrada, fazer cara de pelo amor de Deus com criança no colo, cantar no farol ou até usar cadeira de rodas mesmo sendo capaz de andar.
         Uma reportagem constatou o sucesso dessas artimanhas ao acompanhar a rotina de sete pessoas que transformaram mendicância em profissão, ou seja, não se trata de miseráveis que não encontram outra forma de sobreviver. Todos têm residência fixa e declaram receber entre 30 e 100 reais por dia. Às vezes, fazem ponto em mais de um lugar. Sem nem sequer vender uma bala, essas pessoas faturam, em média, 600 reais por mês. Um bom negócio se comparado ao salário mínimo.
         A fonte que alimenta a mendicância é vasta. Quatro em cada dez paulistanos dão esmola nos semáforos. Em vez de ajudar, quem dá esmola faz da mendicância um trabalho rentável.
         Idade avançada ou problemas físicos, usados frequentemente como desculpa para justificar a situação da maioria desses pedintes, não os impedem de viajar horas de ônibus, da periferia até os cruzamentos escolhidos.
         Mendicância deixou de ser contravenção penal. O artigo que previa prisão de quinze dias a três meses para a prática foi revogado em 2009. Entretanto, a questão é delicada. É difícil separar quem está precisando de ajuda por uma circunstância infeliz da vida daqueles que fizeram da mendicância um emprego.

    (Veja, ago.2009. Adaptado)
  • Em – A fonte que alimenta a mendicância é vasta. – a palavra vasta tem sentido contrário de
  • 7 - Questão 29714.   Português - Interpretação de Textos - Nível Médio - Guarda Portuário - CODESP SP - VUNESP - 2011
  • Profissionais da Esmola

         Atrás de dinheiro fácil, vale fazer de tudo nas esquinas de São Paulo. Vale se fantasiar com uma roupa surrada, fazer cara de pelo amor de Deus com criança no colo, cantar no farol ou até usar cadeira de rodas mesmo sendo capaz de andar.
         Uma reportagem constatou o sucesso dessas artimanhas ao acompanhar a rotina de sete pessoas que transformaram mendicância em profissão, ou seja, não se trata de miseráveis que não encontram outra forma de sobreviver. Todos têm residência fixa e declaram receber entre 30 e 100 reais por dia. Às vezes, fazem ponto em mais de um lugar. Sem nem sequer vender uma bala, essas pessoas faturam, em média, 600 reais por mês. Um bom negócio se comparado ao salário mínimo.
         A fonte que alimenta a mendicância é vasta. Quatro em cada dez paulistanos dão esmola nos semáforos. Em vez de ajudar, quem dá esmola faz da mendicância um trabalho rentável.
         Idade avançada ou problemas físicos, usados frequentemente como desculpa para justificar a situação da maioria desses pedintes, não os impedem de viajar horas de ônibus, da periferia até os cruzamentos escolhidos.
         Mendicância deixou de ser contravenção penal. O artigo que previa prisão de quinze dias a três meses para a prática foi revogado em 2009. Entretanto, a questão é delicada. É difícil separar quem está precisando de ajuda por uma circunstância infeliz da vida daqueles que fizeram da mendicância um emprego.

    (Veja, ago.2009. Adaptado)
  • No trecho – Idade avançada ou problemas físicos, usados frequentemente como desculpa para justificar a situação da maioria desses pedintes, não os impedem de viajar horas de ônibus, da periferia até os cruzamentos escolhidos. – o pronome destacado refere-se a
  • 9 - Questão 29176.   Raciocínio Lógico - Nível Médio - Guarda Portuário - CODEBA - FGV - 2016
  • Abel, Bráulio, Ciro e Douglas resolveram reformar o escritório da empresa que possuíam. A reforma foi contratada por R$ 18.000,00. Abel deu uma entrada de R$ 5.400,00 e ficou combinado que o restante deveria ser dividido, igualmente, entre os outros sócios. Entretanto, como Douglas resolveu sair da empresa, Bráulio e Ciro tiveram que dividir o restante a pagar.

    A quantia que Bráulio pagou a mais do que esperava pagar foi de
  • 10 - Questão 29710.   Português - Interpretação de Textos - Nível Médio - Guarda Portuário - CODESP SP - VUNESP - 2011
  • Profissionais da Esmola

         Atrás de dinheiro fácil, vale fazer de tudo nas esquinas de São Paulo. Vale se fantasiar com uma roupa surrada, fazer cara de pelo amor de Deus com criança no colo, cantar no farol ou até usar cadeira de rodas mesmo sendo capaz de andar.
         Uma reportagem constatou o sucesso dessas artimanhas ao acompanhar a rotina de sete pessoas que transformaram mendicância em profissão, ou seja, não se trata de miseráveis que não encontram outra forma de sobreviver. Todos têm residência fixa e declaram receber entre 30 e 100 reais por dia. Às vezes, fazem ponto em mais de um lugar. Sem nem sequer vender uma bala, essas pessoas faturam, em média, 600 reais por mês. Um bom negócio se comparado ao salário mínimo.
         A fonte que alimenta a mendicância é vasta. Quatro em cada dez paulistanos dão esmola nos semáforos. Em vez de ajudar, quem dá esmola faz da mendicância um trabalho rentável.
         Idade avançada ou problemas físicos, usados frequentemente como desculpa para justificar a situação da maioria desses pedintes, não os impedem de viajar horas de ônibus, da periferia até os cruzamentos escolhidos.
         Mendicância deixou de ser contravenção penal. O artigo que previa prisão de quinze dias a três meses para a prática foi revogado em 2009. Entretanto, a questão é delicada. É difícil separar quem está precisando de ajuda por uma circunstância infeliz da vida daqueles que fizeram da mendicância um emprego.

    (Veja, ago.2009. Adaptado)
  • Segundo o texto, a mendicância vira profissão porque