Questões de Concursos Oficial Operacional

Resolva Questões de Concursos Oficial Operacional Grátis. Exercícios com Perguntas e Respostas. Provas Online com Gabarito.

  • 1 - Q3014.   Português - Nível Médio - Oficial Operacional - SAP - VUNESP - 2011
  • Leia o texto para responder às questões de números 01 a 10.

    Cadeias lotadas

       Lugar de bandido é na cadeia, diz o povo. Concordo, não
    tem cabimento deixar solto alguém que mata, assalta ou estupra,
    mas faço um reparo ao dito popular: lugar de bandido é
    na cadeia, desde que haja lugar.
       Graças às medidas tomadas pela Secretaria da Segurança
    nos últimos anos, a polícia de São Paulo ganhou mais competência.
    A continuar assim, à medida que esse processo de
    modernização e moralização se aprofundar, mais gente será
    presa. Vejam o paradoxo: a sociedade quer polícia atuante e
    todos os bandidos atrás das grades, mas não haverá recursos
    para aprisioná-los em condições minimamente civilizadas.
    Como sair do impasse?
       Violência urbana é doença multifatorial e contagiosa,
    que nas camadas mais pobres adquire características epidêmicas.
    Os estudos mostram que correm mais risco de se
    tornar violentos aqueles que viveram pelo menos uma das
    seguintes situações: 1) abusos físicos ou psicológicos na
    primeira infância e falta de afeto; 2) falta de orientação familiar
    e de imposição de limites durante a adolescência; 3)
    convivência com pares envolvidos em atos de violência. Na
    periferia das cidades brasileiras, milhões de crianças vivem
    nessas três situações de risco. São tantas que é de estranhar o
    pequeno número que envereda pelo crime.
       Nossa única saída é oferecer-lhes alternativas de qualificação
    profissional e trabalho decente, antes que sejam atraídas
    pelos marginais por um salário ridículo e sem direitos trabalhistas.
    Espalhadas pelo país, há iniciativas bem-sucedidas
    nessa área, mas o número é tímido diante das proporções da
    tragédia social. Há necessidade de um grande esforço nacional
    que envolva as diversas esferas governamentais e mobilize
    a sociedade inteira.
       Como parte dessa mobilização, é fundamental levar o
    planejamento familiar para os estratos sociais mais desfavorecidos.
    Negar-lhes o acesso ao controle da fertilidade é
    a violência maior que a sociedade comete contra a mulher
    pobre. Na penitenciária feminina em que atendo, é mais fácil
    achar uma agulha no palheiro do que uma menina de 25 anos
    que não tenha três ou quatro filhos, quase sempre indesejados.
    Algumas têm sete ou oito, espalhados em casas de parentes
    e vizinhos, morando na rua ou sob a tutela do Estado.

    (Drauzio Varella, Folha de S.Paulo, 30.07.2011. Adaptado)
  • Como meio de conter o aumento da violência urbana, especialmente nas periferias, o autor propõe a
  • 2 - Q3016.   Português - Nível Médio - Oficial Operacional - SAP - VUNESP - 2011
  • Leia o texto para responder às questões de números 01 a 10.

    Cadeias lotadas

       Lugar de bandido é na cadeia, diz o povo. Concordo, não
    tem cabimento deixar solto alguém que mata, assalta ou estupra,
    mas faço um reparo ao dito popular: lugar de bandido é
    na cadeia, desde que haja lugar.
       Graças às medidas tomadas pela Secretaria da Segurança
    nos últimos anos, a polícia de São Paulo ganhou mais competência.
    A continuar assim, à medida que esse processo de
    modernização e moralização se aprofundar, mais gente será
    presa. Vejam o paradoxo: a sociedade quer polícia atuante e
    todos os bandidos atrás das grades, mas não haverá recursos
    para aprisioná-los em condições minimamente civilizadas.
    Como sair do impasse?
       Violência urbana é doença multifatorial e contagiosa,
    que nas camadas mais pobres adquire características epidêmicas.
    Os estudos mostram que correm mais risco de se
    tornar violentos aqueles que viveram pelo menos uma das
    seguintes situações: 1) abusos físicos ou psicológicos na
    primeira infância e falta de afeto; 2) falta de orientação familiar
    e de imposição de limites durante a adolescência; 3)
    convivência com pares envolvidos em atos de violência. Na
    periferia das cidades brasileiras, milhões de crianças vivem
    nessas três situações de risco. São tantas que é de estranhar o
    pequeno número que envereda pelo crime.
       Nossa única saída é oferecer-lhes alternativas de qualificação
    profissional e trabalho decente, antes que sejam atraídas
    pelos marginais por um salário ridículo e sem direitos trabalhistas.
    Espalhadas pelo país, há iniciativas bem-sucedidas
    nessa área, mas o número é tímido diante das proporções da
    tragédia social. Há necessidade de um grande esforço nacional
    que envolva as diversas esferas governamentais e mobilize
    a sociedade inteira.
       Como parte dessa mobilização, é fundamental levar o
    planejamento familiar para os estratos sociais mais desfavorecidos.
    Negar-lhes o acesso ao controle da fertilidade é
    a violência maior que a sociedade comete contra a mulher
    pobre. Na penitenciária feminina em que atendo, é mais fácil
    achar uma agulha no palheiro do que uma menina de 25 anos
    que não tenha três ou quatro filhos, quase sempre indesejados.
    Algumas têm sete ou oito, espalhados em casas de parentes
    e vizinhos, morando na rua ou sob a tutela do Estado.

    (Drauzio Varella, Folha de S.Paulo, 30.07.2011. Adaptado)
  • A expressão destacada na frase — Graças às medidas
    tomadas pela Secretaria da Segurança nos últimos anos,
    a polícia de São Paulo ganhou mais competência. — está
    corretamente substituída, sem alteração de sentido, por:
  • 3 - Q3039.   Conhecimentos Gerais - Nível Médio - Oficial Operacional - SAP - VUNESP - 2011
  • O IBPT (Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário)
    divulgou nota nesta sexta-feira (16) criticando “duramente”
    o aumento de 30 pontos percentuais do IPI (Imposto
    sobre Produtos Industrializados) para (...).

    Já a Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São
    Paulo) apoiou o aumento (...).

    O aumento foi anunciado na noite da última quinta-feira
    (15) pelo ministro da Fazenda, Guido Mantega. De acordo
    com o Governo, o objetivo é fortalecer a indústria
    brasileira e dar mais condições de competitividade com
    a indústria internacional.

    (http://economia.uol.com.br/ultimas-noticias/infomoney/2011/09/16/...,16.09.2011)

    Esse aumento do IPI incidiu sobre
  • 4 - Q3017.   Português - Nível Médio - Oficial Operacional - SAP - VUNESP - 2011
  • Leia o texto para responder às questões de números 01 a 10.

    Cadeias lotadas

       Lugar de bandido é na cadeia, diz o povo. Concordo, não
    tem cabimento deixar solto alguém que mata, assalta ou estupra,
    mas faço um reparo ao dito popular: lugar de bandido é
    na cadeia, desde que haja lugar.
       Graças às medidas tomadas pela Secretaria da Segurança
    nos últimos anos, a polícia de São Paulo ganhou mais competência.
    A continuar assim, à medida que esse processo de
    modernização e moralização se aprofundar, mais gente será
    presa. Vejam o paradoxo: a sociedade quer polícia atuante e
    todos os bandidos atrás das grades, mas não haverá recursos
    para aprisioná-los em condições minimamente civilizadas.
    Como sair do impasse?
       Violência urbana é doença multifatorial e contagiosa,
    que nas camadas mais pobres adquire características epidêmicas.
    Os estudos mostram que correm mais risco de se
    tornar violentos aqueles que viveram pelo menos uma das
    seguintes situações: 1) abusos físicos ou psicológicos na
    primeira infância e falta de afeto; 2) falta de orientação familiar
    e de imposição de limites durante a adolescência; 3)
    convivência com pares envolvidos em atos de violência. Na
    periferia das cidades brasileiras, milhões de crianças vivem
    nessas três situações de risco. São tantas que é de estranhar o
    pequeno número que envereda pelo crime.
       Nossa única saída é oferecer-lhes alternativas de qualificação
    profissional e trabalho decente, antes que sejam atraídas
    pelos marginais por um salário ridículo e sem direitos trabalhistas.
    Espalhadas pelo país, há iniciativas bem-sucedidas
    nessa área, mas o número é tímido diante das proporções da
    tragédia social. Há necessidade de um grande esforço nacional
    que envolva as diversas esferas governamentais e mobilize
    a sociedade inteira.
       Como parte dessa mobilização, é fundamental levar o
    planejamento familiar para os estratos sociais mais desfavorecidos.
    Negar-lhes o acesso ao controle da fertilidade é
    a violência maior que a sociedade comete contra a mulher
    pobre. Na penitenciária feminina em que atendo, é mais fácil
    achar uma agulha no palheiro do que uma menina de 25 anos
    que não tenha três ou quatro filhos, quase sempre indesejados.
    Algumas têm sete ou oito, espalhados em casas de parentes
    e vizinhos, morando na rua ou sob a tutela do Estado.

    (Drauzio Varella, Folha de S.Paulo, 30.07.2011. Adaptado)
  • Com a palavra impasse, no segundo parágrafo, o autor
    refere-se
  • 5 - Q3027.   Legislação de Trânsito - Nível Médio - Oficial Operacional - SAP - VUNESP - 2011
  • É uma infração de trânsito gravíssima:
  • 7 - Q3036.   Conhecimentos Gerais - Nível Médio - Oficial Operacional - SAP - VUNESP - 2011
  • Com flores nas mãos, ao menos 100 mil pessoas se reuniram
    no centro de Oslo nesta segunda-feira para uma
    vigília pacífica em homenagem às vítimas do ataque duplo
    contra a sede do governo da (...) e contra um acampamento
    na Ilha de Utoya na sexta-feira.

    (...) manifestação, cujo objetivo foi repudiar a doutrina
    de ódio anti-imigrante de Anders Behring Breivik, autor
    presumível do massacre (...).

    (http://ultimosegundo.ig.com.br/mundo/milhares+se+manifestam+...,25.07.2011)

    Esses atentados ocorreram na
  • 8 - Q3022.   Português - Nível Médio - Oficial Operacional - SAP - VUNESP - 2011
  • Leia o texto para responder às questões de números 01 a 10.

    Cadeias lotadas

       Lugar de bandido é na cadeia, diz o povo. Concordo, não
    tem cabimento deixar solto alguém que mata, assalta ou estupra,
    mas faço um reparo ao dito popular: lugar de bandido é
    na cadeia, desde que haja lugar.
       Graças às medidas tomadas pela Secretaria da Segurança
    nos últimos anos, a polícia de São Paulo ganhou mais competência.
    A continuar assim, à medida que esse processo de
    modernização e moralização se aprofundar, mais gente será
    presa. Vejam o paradoxo: a sociedade quer polícia atuante e
    todos os bandidos atrás das grades, mas não haverá recursos
    para aprisioná-los em condições minimamente civilizadas.
    Como sair do impasse?
       Violência urbana é doença multifatorial e contagiosa,
    que nas camadas mais pobres adquire características epidêmicas.
    Os estudos mostram que correm mais risco de se
    tornar violentos aqueles que viveram pelo menos uma das
    seguintes situações: 1) abusos físicos ou psicológicos na
    primeira infância e falta de afeto; 2) falta de orientação familiar
    e de imposição de limites durante a adolescência; 3)
    convivência com pares envolvidos em atos de violência. Na
    periferia das cidades brasileiras, milhões de crianças vivem
    nessas três situações de risco. São tantas que é de estranhar o
    pequeno número que envereda pelo crime.
       Nossa única saída é oferecer-lhes alternativas de qualificação
    profissional e trabalho decente, antes que sejam atraídas
    pelos marginais por um salário ridículo e sem direitos trabalhistas.
    Espalhadas pelo país, há iniciativas bem-sucedidas
    nessa área, mas o número é tímido diante das proporções da
    tragédia social. Há necessidade de um grande esforço nacional
    que envolva as diversas esferas governamentais e mobilize
    a sociedade inteira.
       Como parte dessa mobilização, é fundamental levar o
    planejamento familiar para os estratos sociais mais desfavorecidos.
    Negar-lhes o acesso ao controle da fertilidade é
    a violência maior que a sociedade comete contra a mulher
    pobre. Na penitenciária feminina em que atendo, é mais fácil
    achar uma agulha no palheiro do que uma menina de 25 anos
    que não tenha três ou quatro filhos, quase sempre indesejados.
    Algumas têm sete ou oito, espalhados em casas de parentes
    e vizinhos, morando na rua ou sob a tutela do Estado.

    (Drauzio Varella, Folha de S.Paulo, 30.07.2011. Adaptado)
  • Observe os trechos.

    1. ... lugar de bandido é na cadeia, desde que haja lugar.
    2. ... não haverá recursos para aprisioná-los em condições
    minimamente civilizadas
    3. Espalhadas pelo país, iniciativas bem-sucedidas
    nessa área...

    Assinale a alternativa em que as formas do verbo haver,
    destacadas nos trechos, estão substituídas, respectivamente
    e de acordo com o português padrão, por formas
    equivalentes do verbo existir.
  • 9 - Q3019.   Português - Nível Médio - Oficial Operacional - SAP - VUNESP - 2011
  • Leia o texto para responder às questões de números 01 a 10.

    Cadeias lotadas

       Lugar de bandido é na cadeia, diz o povo. Concordo, não
    tem cabimento deixar solto alguém que mata, assalta ou estupra,
    mas faço um reparo ao dito popular: lugar de bandido é
    na cadeia, desde que haja lugar.
       Graças às medidas tomadas pela Secretaria da Segurança
    nos últimos anos, a polícia de São Paulo ganhou mais competência.
    A continuar assim, à medida que esse processo de
    modernização e moralização se aprofundar, mais gente será
    presa. Vejam o paradoxo: a sociedade quer polícia atuante e
    todos os bandidos atrás das grades, mas não haverá recursos
    para aprisioná-los em condições minimamente civilizadas.
    Como sair do impasse?
       Violência urbana é doença multifatorial e contagiosa,
    que nas camadas mais pobres adquire características epidêmicas.
    Os estudos mostram que correm mais risco de se
    tornar violentos aqueles que viveram pelo menos uma das
    seguintes situações: 1) abusos físicos ou psicológicos na
    primeira infância e falta de afeto; 2) falta de orientação familiar
    e de imposição de limites durante a adolescência; 3)
    convivência com pares envolvidos em atos de violência. Na
    periferia das cidades brasileiras, milhões de crianças vivem
    nessas três situações de risco. São tantas que é de estranhar o
    pequeno número que envereda pelo crime.
       Nossa única saída é oferecer-lhes alternativas de qualificação
    profissional e trabalho decente, antes que sejam atraídas
    pelos marginais por um salário ridículo e sem direitos trabalhistas.
    Espalhadas pelo país, há iniciativas bem-sucedidas
    nessa área, mas o número é tímido diante das proporções da
    tragédia social. Há necessidade de um grande esforço nacional
    que envolva as diversas esferas governamentais e mobilize
    a sociedade inteira.
       Como parte dessa mobilização, é fundamental levar o
    planejamento familiar para os estratos sociais mais desfavorecidos.
    Negar-lhes o acesso ao controle da fertilidade é
    a violência maior que a sociedade comete contra a mulher
    pobre. Na penitenciária feminina em que atendo, é mais fácil
    achar uma agulha no palheiro do que uma menina de 25 anos
    que não tenha três ou quatro filhos, quase sempre indesejados.
    Algumas têm sete ou oito, espalhados em casas de parentes
    e vizinhos, morando na rua ou sob a tutela do Estado.

    (Drauzio Varella, Folha de S.Paulo, 30.07.2011. Adaptado)
  • Ao considerar a condição de crianças que vivem em situações de risco, no que se refere à violência, o autor sugere que
  • 10 - Q3021.   Português - Nível Médio - Oficial Operacional - SAP - VUNESP - 2011
  • Leia o texto para responder às questões de números 01 a 10.

    Cadeias lotadas

       Lugar de bandido é na cadeia, diz o povo. Concordo, não
    tem cabimento deixar solto alguém que mata, assalta ou estupra,
    mas faço um reparo ao dito popular: lugar de bandido é
    na cadeia, desde que haja lugar.
       Graças às medidas tomadas pela Secretaria da Segurança
    nos últimos anos, a polícia de São Paulo ganhou mais competência.
    A continuar assim, à medida que esse processo de
    modernização e moralização se aprofundar, mais gente será
    presa. Vejam o paradoxo: a sociedade quer polícia atuante e
    todos os bandidos atrás das grades, mas não haverá recursos
    para aprisioná-los em condições minimamente civilizadas.
    Como sair do impasse?
       Violência urbana é doença multifatorial e contagiosa,
    que nas camadas mais pobres adquire características epidêmicas.
    Os estudos mostram que correm mais risco de se
    tornar violentos aqueles que viveram pelo menos uma das
    seguintes situações: 1) abusos físicos ou psicológicos na
    primeira infância e falta de afeto; 2) falta de orientação familiar
    e de imposição de limites durante a adolescência; 3)
    convivência com pares envolvidos em atos de violência. Na
    periferia das cidades brasileiras, milhões de crianças vivem
    nessas três situações de risco. São tantas que é de estranhar o
    pequeno número que envereda pelo crime.
       Nossa única saída é oferecer-lhes alternativas de qualificação
    profissional e trabalho decente, antes que sejam atraídas
    pelos marginais por um salário ridículo e sem direitos trabalhistas.
    Espalhadas pelo país, há iniciativas bem-sucedidas
    nessa área, mas o número é tímido diante das proporções da
    tragédia social. Há necessidade de um grande esforço nacional
    que envolva as diversas esferas governamentais e mobilize
    a sociedade inteira.
       Como parte dessa mobilização, é fundamental levar o
    planejamento familiar para os estratos sociais mais desfavorecidos.
    Negar-lhes o acesso ao controle da fertilidade é
    a violência maior que a sociedade comete contra a mulher
    pobre. Na penitenciária feminina em que atendo, é mais fácil
    achar uma agulha no palheiro do que uma menina de 25 anos
    que não tenha três ou quatro filhos, quase sempre indesejados.
    Algumas têm sete ou oito, espalhados em casas de parentes
    e vizinhos, morando na rua ou sob a tutela do Estado.

    (Drauzio Varella, Folha de S.Paulo, 30.07.2011. Adaptado)
  • A forma verbal que explicita um apelo direto aos leitores do texto está destacada em: