Questões de Concursos Operador de Estação

Resolva Questões de Concursos Operador de Estação Grátis. Exercícios com Perguntas e Respostas. Provas Online com Gabarito.

  • 1 - Questão 29828.   Informática - Nível Médio - Operador de Estação - Companhia Águas de Joinville - UNISOCIESC - 2010
  • As questões de microinformática foram elaboradas com base no Sistema Operacional Windows XP Professional e no Pacote Microsoft Office 2003

    Os arquivos eletrônicos possuem extensões que os identificam conforme o tipo de aplicativo a que se referem, tais como: “.doc”, “.xls”, “.pdf” entre outros. No Windows Explorer, qual dos caminhos abaixo relacionados é adequado para ocultar ou exibir esta informação quando possível:
  • 2 - Questão 29831.   Informática - Nível Médio - Operador de Estação - Companhia Águas de Joinville - UNISOCIESC - 2010
  • Sobre o comando Colar especial no Microsoft Excel analise as afirmativas:

    I. É possível adicionar o valor de uma célula a outra utilizando Colar Especial
    II. É possível colar o conteúdo de um intervalo de células como Imagem
    III. A opção Colar especial/Valores ignora fórmulas e formatos de número
    IV. É possível vincular o valor de uma célula a outra utilizando Colar especial

    Estão corretas as afirmativas
  • 3 - Questão 29819.   Português - Interpretação de Textos - Nível Médio - Operador de Estação - Companhia Águas de Joinville - UNISOCIESC - 2010
  • Por que chove tanto

          Não há cidade que passe incólume por chuvas da intensidade das que desabaram sobre São Paulo neste início de ano. A pergunta que todos fazem é: Por que chove tanto em um único lugar?
          A resposta mais curta é que existe uma conjunção excepcional de fatores meteorológicos, cada um deles contribuindo para a continuidade do aguaceiro. Já a devastação que as águas provocam, por meio de alagamentos e enxurradas, é também consequência do perfil geográfico da cidade e das características da urbanização conduzida através dos anos.
          No que diz respeito à meteorologia, a chuva resultou de três fenômenos. O primeiro é o fluxo de ar úmido que todo ano segue da região amazônica em direção ao Centro-Oeste, Sul e Sudeste do Brasil. Esse fluxo é intensificado pela evaporação das águas do Oceano Pacífico na região equatorial e do Oceano Atlântico no Caribe. Pois bem. Neste verão, o efeito El Niño aqueceu as águas do Pacífico equatorial em 2 graus. As águas do Caribe, por sua vez, também estão 1 grau mais quentes. A maior temperatura aumentou ainda mais a intensidade da umidade vinda do Norte, tornando-a mais propensa a provocar chuvas fortes.
          O segundo fator que concorreu para a formação de temporais em São Paulo e no Sudeste foi o aquecimento do Atlântico - em 1,5 grau - na sua porção próxima à costa do Sudeste brasileiro. Isso faz com que a brisa marinha que chega ao planalto paulista, onde se localiza a capital, favoreça a ocorrência de fortes pancadas de chuva, principalmente no fim da tarde.
          O terceiro fator é o calor na cidade de São Paulo em janeiro. As temperaturas foram mais altas que a média do mês de janeiro nas últimas seis décadas. O calor favorece o aquecimento do solo, que por sua vez esquenta o ar. Este fica mais leve e sobe, formando nuvens carregadas. É um ciclo infernal de retroalimentação.
          As chuvas fortes não causariam tantos problemas em São Paulo caso a cidade tivesse sido preparada para elas. Portanto, é preciso encontrar meios de minimizar os danos, evitar alagamentos prolongados e garantir que a tormenta atrapalhe o mínimo a vida dos habitantes.

    (VEJA, 10 fev. 2010, adaptado.)
  • Aponte a alternativa incorreta quanto à correspondência entre a locução e o adjetivo:
  • 5 - Questão 29826.   Matemática - Nível Médio - Operador de Estação - Companhia Águas de Joinville - UNISOCIESC - 2010
  • Pense em um número, disse João a Pedro, e faça o que eu pedir, pois vou adivinhar o resultado das operações matemáticas feitas com o número que você pensou. Pedro pensou num número e João começou a dizer as operações que ele deveria fazer: calcule o dobro do número que você pensou e some 7 unidades; multiplique este resultado por 4, subtraia 28 e divida o resultado pelo próprio número. Após Pedro ter feito os cálculos, João olhou para ele e “adivinhou” que o resultado era:
  • 6 - Questão 29835.   Química - Nível Médio - Operador de Estação - Companhia Águas de Joinville - UNISOCIESC - 2010
  • Uma prática que minimiza o impacto ambiental decorrente dos resíduos domésticos é a compostagem da matéria orgânica. Neste processo o lixo orgânico é umidificado, seu pH levemente alcalinizado, dosados fósforo e nitrogênio e, durante um processo de descanso e revolvimento da massa, os microorganismos fazem o serviço. Por este motivo, pode-se afirmar que a compostagem é
  • 7 - Questão 29829.   Informática - Nível Médio - Operador de Estação - Companhia Águas de Joinville - UNISOCIESC - 2010
  • Sobre o Microsoft Word analise as afirmativas:

    I. É possível determinar o ponto exato onde termina uma página e inicia outra, por meio do comando quebra de página.
    II. Para inserir uma tabela o caminho/procedimento é Menu Exibir/Tabela e definir a quantidade de linhas e colunas necessárias.
    III. Uma vez inserida a tabela é possível acrescentar ou diminuir as quantidades de linhas e/ou colunas.
    IV. Quando o nº de linhas de uma tabela excede a capacidade da página o restante de seu conteúdo é exibido na página seguinte, sendo possível que a linha de título seja repetida automaticamente na tabela da página seguinte.

    Estão corretas as afirmativas:
  • 9 - Questão 29816.   Português - Interpretação de Textos - Nível Médio - Operador de Estação - Companhia Águas de Joinville - UNISOCIESC - 2010
  • Por que chove tanto

          Não há cidade que passe incólume por chuvas da intensidade das que desabaram sobre São Paulo neste início de ano. A pergunta que todos fazem é: Por que chove tanto em um único lugar?
          A resposta mais curta é que existe uma conjunção excepcional de fatores meteorológicos, cada um deles contribuindo para a continuidade do aguaceiro. Já a devastação que as águas provocam, por meio de alagamentos e enxurradas, é também consequência do perfil geográfico da cidade e das características da urbanização conduzida através dos anos.
          No que diz respeito à meteorologia, a chuva resultou de três fenômenos. O primeiro é o fluxo de ar úmido que todo ano segue da região amazônica em direção ao Centro-Oeste, Sul e Sudeste do Brasil. Esse fluxo é intensificado pela evaporação das águas do Oceano Pacífico na região equatorial e do Oceano Atlântico no Caribe. Pois bem. Neste verão, o efeito El Niño aqueceu as águas do Pacífico equatorial em 2 graus. As águas do Caribe, por sua vez, também estão 1 grau mais quentes. A maior temperatura aumentou ainda mais a intensidade da umidade vinda do Norte, tornando-a mais propensa a provocar chuvas fortes.
          O segundo fator que concorreu para a formação de temporais em São Paulo e no Sudeste foi o aquecimento do Atlântico - em 1,5 grau - na sua porção próxima à costa do Sudeste brasileiro. Isso faz com que a brisa marinha que chega ao planalto paulista, onde se localiza a capital, favoreça a ocorrência de fortes pancadas de chuva, principalmente no fim da tarde.
          O terceiro fator é o calor na cidade de São Paulo em janeiro. As temperaturas foram mais altas que a média do mês de janeiro nas últimas seis décadas. O calor favorece o aquecimento do solo, que por sua vez esquenta o ar. Este fica mais leve e sobe, formando nuvens carregadas. É um ciclo infernal de retroalimentação.
          As chuvas fortes não causariam tantos problemas em São Paulo caso a cidade tivesse sido preparada para elas. Portanto, é preciso encontrar meios de minimizar os danos, evitar alagamentos prolongados e garantir que a tormenta atrapalhe o mínimo a vida dos habitantes.

    (VEJA, 10 fev. 2010, adaptado.)
  • Com base na leitura feita, é correto afirmar que o objetivo principal do texto é: