Questões de Concursos Pedagogo

Resolva Questões de Concursos Pedagogo Grátis. Exercícios com Perguntas e Respostas. Provas Online com Gabarito.

  • 1 - Questão 30048.   Pedagogia - Nível Superior - Pedagogo - CONDER - FGV - 2013
  • Sobre as vantagens do uso das mídias nas escolas, analise as afirmativas a seguir.

    I. O desafio é saber se os professores irão mudar de paradigma e concentrar‐se na criação, na gestão e na regulação de situações de aprendizagem.
    II. A educação para a mídia contribui para formar um receptor crítico, ativo, inteligente, capaz de se distanciar da mensagem midiática e exercer sobre ela seu poder de análise e crítica.
    III. Os recursos tecnológicos utilizados abrem novos processos de aprendizagem que oferecem possibilidades de renovar ou mesmo romper com a práxis do modelo tradicional da educação.

    Assinale:
  • 2 - Questão 23212.   Pedagogia - Nível Superior - Pedagogo - CEFET MG - 2014
  • Considerando-se a Educação Ambiental, o ensino de História Afro- Brasileira e a Educação Especial, é correto afirmar que
  • 3 - Questão 7471.   Pedagogia - Nível Superior - Pedagogo - UFPE - COVEST COPSET - 2010
  • Qual alternativa é compatível com as ações do pedagogo na prática educativa da escola?
  • 4 - Questão 35184.   Português - Interpretação de Textos - Nível Superior - Pedagogo - IFES - 2016
  • A próxima questão,terão como base os dois textos seguintes. Leia-os:

    Texto 1:
    ESSES TEXTOS


    O texto primeiro existe
    só, como ponto.
    Se transforma depois em linha
    com sua própria força 
    de deslocação,
    sua velocidade própria.

    Depois,
    o leitor institui
    outra linha, lendo.
    O leitor constitui
    um feixe de linhas cruzadas
    organizando os textos.

    No percurso do texto
    e no trânsito da leitura,
    as linhas se chocam,
    se repudiam, se perdem,
    correm pararelas
    e podem se amar.
    Depois, saber fazer
    retorná-las a ponto.

    (Mas o importante é o leitor. Você.)

    É preciso ter calma.
    Saber ir abotoando
    os elementos vários
    à espera do clique de colchete.
    Quando dois ou mais
    se engatam,
    fecha-se um sentido
    único e exclusivo.
    Mas que você pode emprestar
    a alguém,
    desde que o diga
    (Não tenha medo da alta-velocidade.
    Não tenha receio de dar marcha à ré.)

    É preciso ter pressa.
    Saber ir desabotoando
    os colchetes de sentido
    como quem quer tirar
    camisa usada e suada
    de dia de trabalho.
    Cada camisa,
    depois de surrada,
    é fonte
    de novo esforço.
    Ou então vira
    camisa-de-força.

    É preciso saber vestir
    o texto,
    como tatuagem na própria
    pele.

    É preciso saber tatuar
    o texto,
    como sulcos feitos
    na bruta realidade.

    O duplo estilete
    do texto e da leitura,
    do autor e do leitor.

    A dupla tatuagem
    contra o próprio corpo
    e a realidade bruta.

    A tatuagem que se imprime
    para poder forçar
    a barra.
    A tatuagem que o corpo,
    depois de violado
    tatua. Violentando.
    (SANTIAGO, Silviano, Crescendo durante a guerra numa província ultramarina. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1978.)

    Texto 2:
    LEITURA NAS DIVERSAS DISCIPLINAS


    Heloisa Amaral

    O ensino, na escola, não existe sem a leitura. Ou é leitura direta pelo aluno, ou explicações do professor sobre textos que ele, o professor, leu. Ou seja, a linguagem falada pelo professor é uma didatização do conhecimento acumulado pela escrita (em letras ou números e sinais) na disciplina que ele leciona. Quando a fala é uma transposição de leituras, ela não é uma fala similar a uma conversa casual, como as que usamos no cotidiano. Ao contrário, está carregada de conceitos e de relações complexas entre os conceitos provenientes de estudos sobre os diferentes conhecimentos, seja qual for a matéria que esteja sendo ensinada. E em geral é preciso acrescentar, para complementar as aulas expositivas ou dialogadas feitas pelos professores, textos (didáticos ou não) relacionados às disciplinas ministradas.

    Assim, o que se tem como prática constante em todas as disciplinas escolares é a leitura de textos. Antes ou depois da aula expositiva, leituras. Leitura de textos escritos, de imagens, de gráficos, mas leitura. Isso significa que sem desenvolver capacidades de leitura o aluno não consegue aprender as disciplinas escolares na dimensão proposta pelos conteúdos programáticos. Significa, também, que os professores das diversas disciplinas precisam ensinar o aluno a ler os gêneros próprios de suas matérias, uma vez que eles são gêneros textuais produzidos de forma particular em cada área de conhecimento. Ler literatura, por exemplo, não é o mesmo que ler enunciados de problemas; ler textos de história não é o mesmo que ler gráficos em geografia. O aluno não lê textos de cada uma das disciplinas com facilidade sem ter compreendido os conceitos e as relações entre eles, do modo particular como são abordados nelas. Seja qual for a disciplina, a leitura se dá de forma particular, e exige conhecimentos específicos para ser bem-sucedida.

    Então, ler é uma competência indispensável para a aprendizagem em cada uma das áreas, uma competência que precisa ser ensinada pelos professores de cada uma delas. Mas, o que é necessário para que os alunos leiam verdadeiramente em qualquer disciplina, compreendendo o que leem? A compreensão dos textos de diferentes gêneros está relacionada a dois aspectos: primeiramente, à natureza dos próprios textos e, em segundo lugar, às capacidades de leitura desenvolvidas pelo leitor.

    Em primeiro lugar, não há como ler textos, gráficos ou imagens, sem ter compreendido bem a natureza dos gêneros textuais das diferentes áreas de conhecimento, ou seja, a situação particular em que textos, gráficos ou imagens foram produzidos. A situação de produção de um texto é sempre histórica, isto é, está ligada ao momento histórico atual e, ao mesmo tempo, faz referências a um conhecimento produzido em um dado momento da história da humanidade. Em matemática, por exemplo, o professor pode ensinar a situação de produção de um gênero textual matemático trabalhando com o nascimento de conceitos a eles relacionados, registrados na história da matemática.

    Em segundo lugar, não há leitores que leiam bem sem ter suas capacidades de leitura, necessárias para ler qualquer gênero de texto, bem desenvolvidas. As capacidades de leitura, portanto, podem e devem ser desenvolvidas em qualquer disciplina escolar. (...)

    Publicado originalmente no site da Olimpíada de Língua Portuguesa Escrevendo o Futuro
    (Disponível em: https://dialogosassessoria.wordpress.com/2014/09/11/leitura-nas-diversas-disciplinas/)
  • Observe os destaques, nas frases retiradas de ambos os textos, e escolha a opção que apresenta uma explicação CORRETA quanto à sintaxe:
  • 5 - Questão 35176.   Português - Nível Superior - Pedagogo - IFES - 2016
  • O ASSASSINO ERA O ESCRIBA

    Meu professor de análise sintática era o tipo do sujeito inexistente.
    Um pleonasmo, o principal predicado de sua vida,
    regular como um paradigma da 1ª conjunção.
    Entre uma oração subordinada e um adjunto adverbial,
    ele não tinha dúvidas: sempre achava um jeito
    assindético de nos torturar com um aposto.
    Casou com uma regência.
    Foi infeliz.
    Era possessivo como um pronome.
    E ela era bitransitiva.
    Tentou ir para os EUA.
    Não deu.
    Acharam um artigo indefinido na sua bagagem.
    A interjeição do bigode declinava partículas expletivas,
    conectivos e agentes da passiva o tempo todo.
    Um dia, matei-o com um objeto direto na cabeça.
    (LEMINSKI, Paulo. Caprichos e relaxos. São Paulo: Brasiliense, 1983.)

    Após a leitura do poema, a cima, de Paulo Leminski, e análise de todas as referências gramaticais e figurativas usadas pelo autor para a construção da história, marque a opção CORRETA:
  • 6 - Questão 29066.   Conhecimentos Específicos - Legislação da Educação - Nível Superior - Pedagogo - Prefeitura de Betim MG - 2015
  • Consoante disposição da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, assinale a alternativa CORRETA.
  • 7 - Questão 35207.   Pedagogia - Nível Superior - Pedagogo - IFES - 2016
  • Paro (2010, p. 205) discute a natureza do processo de produção pedagógico na escola. Nesse sentido, analise as seguintes sentenças:

    I) A natureza do saber envolvido no processo educativo escolar não é nada mais que o saber historicamente acumulado. Assim sendo, esse saber não pode ser expropriado do trabalhador, sob a pena de descaracterizar-se o próprio processo pedagógico.
    II) No processo pedagógico escolar, o produto da escola é a aula, ou seja, o ato de aprender, como uma atividade ou o processo através do qual se buscam determinados resultados.
    III) O papel do educando no processo educativo escolar não pode restringir-se, entretanto, a sua condição de consumidor. Num processo pedagógico autêntico, o educando não apenas está presente, mas também participa das atividades que aí se desenvolvem.
    IV) No processo pedagógico escolar, o que se constitui como efetivo produto é a real transformação na personalidade viva do educando, pois, se a educação realmente se efetivou, o aluno sai do processo diferente de como ele era quando aí entrou.
    V) A administração escolar precisa saber buscar nos princípios da administração empresarial os objetivos que ela persegue, ou seja, os princípios, métodos e técnicas adequados ao incremento de sua racionalidade. 

    Assinale a alternativa que apresente somente as proposições CORRETAS.
  • 8 - Questão 24874.   Conhecimentos Gerais - Nível Superior - Pedagogo - CISCOPAR - 2015

  • O Brasil possui cerca de 202.768.562 de habitantes (estimativa do IBGE, 2014), destacando-se como a quinta nação mais populosa do planeta, só perde para:
  • 9 - Questão 53312.   Pedagogia - Nível Superior - Pedagogo - Prefeitura de Niterói RJ - COSEAC - 2016
  • Gadotti afirma que, num ambiente educativo, a criação de condições objetivas que favoreçam o aparecimento de um novo tipo de pessoas: solidárias, organizadas, capazes de superar o individualismo, é tarefa do (da):
  • 10 - Questão 53310.   Pedagogia - Nível Superior - Pedagogo - Prefeitura de Niterói RJ - COSEAC - 2016
  • O Art. 61 da LDBEN 9394/1996, que trata Dos Profissionais da Educação, determina que a formação de profissionais de educação, de modo a atender aos objetivos dos diferentes níveis e modalidades de ensino e as caraterísticas de cada fase do desenvolvimento do educando, terá como fundamentos, o aproveitamento da formação e experiências anteriores em instituições de ensino e outras atividades, e ainda a: