Questões de Concursos Técnico em Segurança do Trabalho

Resolva Questões de Concursos Técnico em Segurança do Trabalho Grátis. Exercícios com Perguntas e Respostas. Provas Online com Gabarito.

  • 1 - Q40610.   Conhecimentos Específicos - Normas Regulamentadoras de Ministério do Trabalho e Emprego - Nível Médio - Técnico em Segurança do Trabalho - EMBASA - IBFC - 2015
  • A questão deve ser respondida de acordo com os bons costumes e normas para instalações elétricas. 

    Assinale a alternativa que completa corretamente a lacuna do texto que segue. Quando os dispositivos de interrupção ou de comando não puderem ser manobrados, por questão de segurança, principalmente em casos de manutenção,____________________.
  • 2 - Q40622.   Conhecimentos Específicos - Normas Regulamentadoras de Ministério do Trabalho e Emprego - Nível Médio - Técnico em Segurança do Trabalho - EMBASA - IBFC - 2015
  • Responda a próxima questão com base no tema: Normas Regulamentadoras (NR) aprovadas pela Portaria MTB n° 3.214, de 08 de junho de 1978 

    Analise as afirmativas abaixo, dê valores Verdadeiro (V) ou Falso (F). O tema trata da NR-12 (Segurança no trabalho em máquinas e equipamentos). As escadas de degraus sem espelho devem ter: 

    ( ) Largura de 0,60 m (sessenta centímetros) a 0,80 m (oitenta centímetros).
    ( ) Degraus com profundidade mínima de 0,15 m (quinze centímetros)
    ( ) Degraus e lances uniformes, nivelados e sem saliências;
    ( ) Altura máxima entre os degraus de 0,25 m (vinte e cinco centímetros);

    Assinale a alternativa que apresenta a seqüência correta de cima para baixo.
  • 3 - Q40640.   Segurança e Saúde no Trabalho - Nível Médio - Técnico em Segurança do Trabalho - EMBASA - IBFC - 2015
  • Leia o texto.“As condições ambientais de trabalho devem ser adequadas às características psicofisiológicas dos trabalhadores e à natureza do trabalho a ser executado”. Em locais onde se desenvolvem atividades que exijam atenção constante e empenho intelectual (Ex. escritórios), são recomendadas as seguintes condições de conforto.

    I. índice de temperatura efetiva entre 14°C e 32°C.
    II. Velocidade do ar não superior a 0,75 m/s.
    III. Umidade relativa do ar não inferior a 40%.

    Das opções apresentadas, estão corretas.
  • 4 - Q40651.   Informática - Nível Médio - Técnico em Segurança do Trabalho - EMBASA - IBFC - 2015
  • Quanto as características dos Sistemas Operacionais, analise as afirmativas abaixo, dê valores Verdadeiro (V) ou Falso (F) e assinale a alternativa que apresenta a seqüência correta (de cima para baixo): 

    ( ) 0 Windows é considerado um Sistema Operacional proprietário.
    ( ) O Linux somente funciona com processadores da Intel.
  • 6 - Q40616.   Conhecimentos Específicos - Normas Regulamentadoras de Ministério do Trabalho e Emprego - Nível Médio - Técnico em Segurança do Trabalho - EMBASA - IBFC - 2015
  • Para os EPIs utilizados em trabalho em altura, são necessárias algumas verificações periódicas no local de execução do trabalho. Assinale a alternativa a seguir que apresenta uma afirmação falsa.
  • 7 - Q40630.   Segurança e Saúde no Trabalho - Nível Médio - Técnico em Segurança do Trabalho - EMBASA - IBFC - 2015
  • Consideram-se riscos ambientais os agentes químicos, físicos, biológicos, ergonômicos e os riscos de acidentes de trabalho. Eles são capazes de causar danos à saúde e à integridade física do trabalhador em função de sua natureza, concentração, intensidade, suscetibilidade e tempo de exposição. Os riscos ambientais ou profissionais estão divididos em cinco grupos:

    Responda a  próxima pergunta com base no texto apresentado. 

    Complete o texto a seguir com a resposta correta. A pneumoconiose e a asbestose são encontradas em trabalhadores que possuíam um local de trabalho com Riscos Químicos provenientes de:
  • 8 - Q40642.   Português - Nível Médio - Técnico em Segurança do Trabalho - EMBASA - IBFC - 2015
  • Texto I
                                                Os bolsos do morto
                                                                                                              (Luis Fernando Veríssimo)

          O morto não é exatamente um amigo. Mais um conhecido, mas daqueles que você não pode deixar de ir ao velório. E lá está ele, estendido dentro do caixão forrado de cetim, de terno azul-marinho e gravata grená, esperando para ser enterrado.
           Se fosse um amigo você ficaria em silêncio, compungido, lembrando o morto em vida e lamentando sua perda. Como é apenas um conhecido, você comenta com o homem ao seu lado - que também não parece ser íntimo do morto:
           - Poderiam ter escolhido outra gravata...
           - É. Essa está brava.
           - Já pensou ele chegando lá com essa gravata?
           - “Lá” onde?
           - Não sei. Onde a gente vai depois de morto. Onde vai a nossa alma.
           - Eu acho que a alma não vai de gravata.
           - Será que não? E de fatiota?
           - Também não.
           - Bom. Pelo menos esse vexame ele não vai passar.
           - Você é da família?
           - Não. Apenas um conhecido.

           Você examina o morto. Engraçado: ele vai partir para a viagem mais importante, e mais distante, da sua vida, mas não precisa carregar nada. Identidade, passaporte, nada. Nem dinheiro, o que dirá cheques de viagem ou cartões de crédito. Nem carteira!
           Você diz para o outro:
           - A coisa mais triste de um defunto são os bolsos. O outro estranha.
           - Como assim?
           - Os bolsos existem para carregar coisas. Coisas importantes, que definem sua vida. CPF, licença para dirigir, bloco de notas, caneta, talão de cheques, remédio para pressão...
           - Pepsamar...
           - Pepsamar, cartão perfurado da Sena, recortes de artigos sobre a situação econômica, fio dental... Isso sem falar em coisas com importância apenas sentimental. Por exemplo: um desenho rabiscado por uma possível neta que parece, vagamente, um gato, e que ele achou genial e guardou. Entende?
           - Sei.
           - E aí está ele. Com os bolsos vazios. Despido da vida e de tudo que levava nos seus bolsos, e que o definia. O homem é o homem e o que ele leva nos bolsos. Poderiam ter deixado, sei lá, pelo menos um chaveiro.
           - Você acha?
           - Claro. As chaves da casa. As chaves do carro. Qualquer coisa pessoal, que pelo menos fizesse barulho num bolso da fatiota, pô!
           Você se dá conta de que está gritando. As pessoas se viram para reprová-lo. “Mais respeito” dizem as caras viradas. Você faz um gesto, pedindo perdão. Sou apenas um conhecido, desculpem. Mas continua, falando mais baixo:
           - A morte é um assaltante. Nos mata e nos esvazia os bolsos.
           - Sem piedade.
           - Nenhuma.
    Vocabulário:
    Fatiota - roupa de melhor qualidade, usada em situações mais formais
    Pepsamar - tipo de medicamento 
  • No fragmento “Mais um conhecido, mas daqueles que você não pode deixar de ir ao velório.”(1°§), estão destacadas duas palavras que se aproximam quanto à pronúncia, contudo diferenciam-se quanto à classificação morfológica. Assinale a opção que indica, respectivamente, o valor semântico que elas introduzem.