Questões de Concursos Técnico Judiciário

Resolva Questões de Concursos Técnico Judiciário Grátis. Exercícios com Perguntas e Respostas. Provas Online com Gabarito.

  • 1 - Questão 37700 - Raciocínio Lógico - Nível Médio - Técnico Judiciário - TRT AM RR - FCC - 2012
  • Quando somente três times (Arrankatoko, Kanelafina e Espantassapo) ainda tinham chances matemáticas de ganhar o campeonato do bairro de 2011, três torcedores fizeram as suas previsões.

    Torcedor 1: O campeão será o Arrankatoko ou o Kanelafina.
    Torcedor 2: O campeão será o Kanelafina ou o Espantassapo.
    Torcedor 3: O campeão não será o Kanelafina.

    Seja n o número de torcedores, dentre os três citados acima, que acertaram suas previsões após o término do campeonato. Somente com as informações fornecidas,
  • 2 - Questão 38337 - Direito Eleitoral - Nível Médio - Técnico Judiciário - TRE RN - FCC - 2011
  • As agremiações políticas e coligações possuem prerrogativas de fiscalização do processo de votação e apuração das eleições, as quais são garantidas por normas expressas na legislação eleitoral, sendo que, caso não observadas, podem acarretar nulidades na votação. Entre tais prerrogativas, insere-se
  • 3 - Questão 38157 - Redação Oficial - Nível Médio - Técnico Judiciário - TRE PI - CESPE - 2016
  • Entre outras, as ações que conferem clareza a um texto oficial incluem o(a)
  • 4 - Questão 38390 - Português - Interpretação de Textos - Nível Médio - Técnico Judiciário - TRE RR - FCC - 2015
  •        Escola de bem-te-vis

          Muita gente já não acredita que existam pássaros, a não ser em gravuras ou empalhados nos museus - o que é perfeitamente natural, dado o novo aspecto da terra, que, em lugar de árvores, produz com mais abundância blocos de cimento armado. Mas ainda há pássaros, sim. Existem tantos, ao redor da minha casa, que até agora não tive (nem creio que venha a ter) tempo de saber seus nomes, conhecer suas cores, entender sua linguagem. Porque evidentemente os pássaros falam. Há muitos, muitos anos, no meu primeiro livro de inglês, se lia: “Dizem que o sultão Mamude entendia a linguagem dos pássaros ...”
          Quando ouço um gorjeio nestas mangueiras e ciprestes, logo penso no sultão e nessa linguagem que ele entendia. Fico atenta, mas não consigo traduzir nada. No entanto, bem sei que os pássaros estão conversando.
          O papagaio e a arara, esses aprendem o que lhes ensinam, e falam como doutores. E há o bem-te-vi, que fala português de nascença, mas infelizmente só diz o próprio nome, decerto sem saber que assim se chama. [...]
          Os pais e professores desses passarinhos devem ensinar-lhes muitas coisas: a discernir um homem de uma sombra, as sementes e frutas, os pássaros amigos e inimigos, os gatos - ah! principalmente os gatos ... Mas essa instrução parece que é toda prática e silenciosa, quase sigilosa: uma espécie de iniciação. Quanto a ensino oral, parece que é mesmo só: “Bem-te-vi! Bem-te-vi!”, que uns dizem com voz rouca, outros com voz suave, e os garotinhos ainda meio hesitantes, sem fôlego para as três sílabas.

    (MEIRELES, Cecília. O que se diz e o que se entende. Rio de Janeiro:
    Nova Fronteira, 1980, p. 95-96)
  • Os diferentes verbos empregados nas frases transcritas do texto, que apresentam o mesmo sentido, encontram-se no par:
  • 5 - Questão 36031 - Português - Interpretação de Textos - Nível Médio - Técnico Judiciário - TJ AP - FCC - 2014
  •    Uma história em comum

         Os povos indígenas que hoje habitam a faixa de terras que vai do Amapá ao norte do Pará possuem uma história comum de relações comerciais, políticas, matrimoniais e rituais que remonta a pelo menos três séculos. Essas relações até hoje não deixaram de existir nem se deixaram restringir aos limites das fronteiras nacionais, estendendo-se à Guiana-Francesa e ao Suriname.
         Essa amplitude das redes de relações regionais faz da história desses povos uma história rica em ganhos e não em perdas culturais, como muitas vezes divulgam os livros didáticos que retratam a história dos índios no Brasil. No caso específico desta região do Amapá e norte do Pará, são séculos de acúmulo de experiências de contato entre si que redundaram em inúmeros processos, ora de separação, ora de fusão grupal, ora de substituição, ora de aquisição de novos itens culturais. Processos estes que se somam às diferentes experiências de contato vividas pelos distintos grupos indígenas com cada um dos agentes e agências que entre eles chegaram, dos quais existem registros a partir do século XVII.
         É assim que, enquanto pressupomos que nós descobrimos os índios e achamos que, por esse motivo, eles dependem de nosso apoio para sobreviver, com um pouco mais de conhecimento sobre a história da região podemos constatar que os povos indígenas dessa parte da Amazônia nunca viveram isolados entre si. E, também, que o avanço de frentes de colonização em suas terras não resulta necessariamente num processo de submissão crescente aos novos conhecimentos, tecnologias e bens a que passaram a ter acesso, como à primeira vista pode nos parecer. Ao contrário disso, tudo o que esses povos aprenderam e adquiriram em suas novas experiências de relacionamento com os não-índios insere-se num processo de ampliação de suas redes de intercâmbio, que não apaga - apenas redefine - a importância das relações que esses povos mantêm entre si, há muitos séculos, “apesar” de nossa interferência.

    (Adaptado de: GALLOIS, Dominique Tilkin; GRUPIONI, Denise Fajardo. Povos indígenas no Amapá e Norte do Pará: quem são, onde estão, quantos são, como vivem e o que pensam? São Paulo: Iepé, 2003, p.8-9)
  • As culturas dos povos indígenas do Amapá e norte do Pará foram enriquecidas devido
  • 6 - Questão 7553 - História - Nível Médio - Técnico Judiciário - TJ SC - 2011
  • Sobre o sistema de Capitanias Hereditárias leia as afirmativas abaixo:

    I A opção pelas capitanias foi determinada por vários fatores, entre eles o fato de Portugal já ter experiência com esse sistema, pois já havia utilizado anteriormente nas suas ilhas do Atlântico.

    II Como Portugal não tinha condições financeiras para implantar um sistema administrativo em sua colônia, resolveu transferir o ônus da colonização para particulares, através do sistema de capitanias.

    III A relação jurídico-política entre o rei de Portugal e os capitães (donatários) ficou estabelecida em dois documentos básicos: Carta de Doação e Carta Foral.

    IV Entre as causas que levaram ao fracasso da maioria das capitanias, podem ser citados: os ataques indígenas, a falta de recursos de alguns donatários, as dificuldades de comunicação entre as Capitanias e Portugal.

    Assinale a alternativa correta:
  • 7 - Questão 38299 - Português - Nível Médio - Técnico Judiciário - TRE RN - FCC - 2011
  • O corvo e o jarro

    Um pobre corvo, quase morto de sede, avistou de repente um jarro de água. Aliviado e muito alegre, voou velozmente para o jarro.
    Mas, embora o jarro contivesse água, o nível es- tava tão baixo que, por mais que o corvo se esforçasse, não havia meio de alcançá-la. O corvo, então, tentou virá- lo, na esperança de pelo menos beber um pouco da água derramada. Mas o jarro era pesado demais para ele.
    Por fim, correndo os olhos à volta, viu pedrinhas ali perto. Foi, então, pegando-as uma a uma e atirando-as dentro do jarro. Lentamente a água foi subindo até a bor- da, e finalmente pôde matar a sede.

    (Fábulas de Esopo, recontadas por Robert Mathias, Círculo do Livro, p. 46)

    Típica das fábulas, a moral da história que pode ser depreendida da leitura de O corvo e o jarro é:
  • 8 - Questão 9906 - Direito Constitucional - Nível Médio - Técnico Judiciário - TRE GO - CESPE - 2009
  • Acerca do tratamento constitucional dado à administração pública, assinale a opção correta.
  • 9 - Questão 37259 - Informática - Nível Médio - Técnico Judiciário - TRT RN - CESPE - 2010
  • Acerca de conceitos e modos de utilização da Internet e de intranets, conceitos básicos de tecnologia da informação e segurança da informação, julgue o item subsequente.

    O backbone, ou espinha dorsal, da Internet no Brasil é administrado por empresas privadas que detêm o poder de exploração do acesso à Internet. Essas empresas, também conhecidas como provedores de acesso, cobram uma taxa a pessoas físicas ou jurídicas, as quais podem, também, armazenar seus dados na rede.
  • 10 - Questão 2703 - Direito Constitucional - Nível Médio - Técnico Judiciário - TRE MG - FCC
  • Em matéria de interpretação das normas constitucionais, é INCORRETO afirmar que