Questões de Concursos Telefonista

Resolva Questões de Concursos Telefonista Grátis. Exercícios com Perguntas e Respostas. Provas Online com Gabarito.

  • 1 - Q27660.   Português - Reescritura de Texto - Nível Médio - Telefonista - Câmara de São Carlos SP - VUNESP - 2013
  • Brinquedos de meninos

    Existem fortes evidências a sugerir que as preferências de meninos e meninas por brinquedos específicos para cada gênero envolvem mais do que preconceitos, estereótipos e a irresponsabilidade social de fabricantes. Ao que tudo indica, existe uma base biológica para as distintas predileções.

    Para começar, brincadeiras típicas de machos e fêmeas não são uma exclusividade humana. Em 2010, o primatologista Richard Wrangham, de Harvard, ganhou manchetes ao publicar um estudo descrevendo como fêmeas jovens de chimpanzés brincavam com pedaços de pau como se fossem bonecas. Elas chegavam a construir ninhos na floresta para acomodar os gravetos à noite. Machos da mesma idade por vezes topavam brincar de casinha com elas, mas o uso preferencial que davam aos galhos era o de armas simuladas.

    Aparentemente, os níveis de exposição do feto a hormônios respondem ao menos em parte pela predisposição. Em 2009, Bonnie Auyeung e colaboradores mostraram que meninas que estiveram expostas a mais testosterona durante a gravidez tendiam na infância a engajar-se mais em brincadeiras típicas de garotos. No caso de animais não humanos, cientistas foram capazes de mudar o comportamento de jovens manipulando os hormônios fetais.

    Estudos com mamíferos revelam que fêmeas preferem cores mais quentes como vermelho e rosa. Em machos não há uma predileção clara. No caso de humanos, esse padrão aparece mesmo quando lidamos com culturas bem distintas, como norte-americanos e chineses.

    A biologia talvez não explique todas as diferenças, mas revela que não somos uma tábula rasa de gênero.

    (Disponível em: www1.folha.uol.com.br/colunas/ helioschwartsman/2013/05/1286513-brinquedos-de-meninos.shtml. Acesso em: 29.05.2013. Adaptado)
  • No trecho – A biologia talvez não explique todas as diferenças, mas revela que não somos uma tábula rasa de gênero. –, a palavra em destaque pode ser substituída, sem alterar o sentido do texto, por:
  • 2 - Q23785.   Telecomunicações - Nível Médio - Telefonista - CFP - QUADRIX - 2012
  • O SKYPE é um software que, instalado no computador, permite a comunicação de voz e vídeo entre seus usuários.
    Sobre o software, assinale a alternativa correta.
  • 3 - Q27665.   Português - Interpretação de Textos - Nível Médio - Telefonista - Câmara de São Carlos SP - VUNESP - 2013
  • Ter amigos no trabalho faz você viver mais

    Você é desses que só pensa em terminar o trabalho e ir para casa, sem se preocupar em fazer amigos? Do tipo “tô aqui pra trabalhar, não pra fazer amigos”? É melhor repensar. Segundo pesquisa israelense, o risco de morrer é 2,4 vezes maior entre os que não têm amigos no emprego.

    Para chegar a esta conclusão, eles contaram com a ajuda de 820 adultos. Por 20 anos os pesquisadores acompanharam a vida deles. E sempre perguntavam sobre a relação com os colegas de trabalho. Ao longo da pesquisa, 53 participantes morreram – a maioria não tinha amizade com o pessoal da firma.

    É que os amigos te ajudam a segurar a barra quando coisas ruins acontecem – e também celebram junto quando boas novas aparecem. “Nós passamos a maior parte do tempo no trabalho, e não temos muito tempo para encontrar nossos amigos durante a semana”, explica Sharon Toker, um dos autores da pesquisa. “O trabalho deveria ser um lugar onde as pessoas podem ter um apoio emocional”.

    Pois é. E aí, vai ou não aceitar aquele convite para o happy hour hoje?

    (Disponível em: http://super.abril.com.br/blogs/cienciamaluca/ter-amigos- no-trabalho-faz-voce-viver-mais/ Acesso em: 30.05.2013)
  • No trecho – Para chegar a esta conclusão, eles contaram com a ajuda de 820 adultos. –, analisando-se o contexto, é possível afirmar que a palavra em destaque refere-se aos
  • 4 - Q11355.   Conhecimentos Gerais - Atualidades - Nível Médio - Telefonista - COREN SP - VUNESP - 2013
  • O presidente dos EUA, Barack Obama, visitou neste domingo a notória prisão de Robben Island, onde o líder da luta contra o apartheid na África do Sul, (...), ficou 18 dos 27 anos em que permaneceu preso.

    O líder antiapartheid e ex-presidente sul-africano (...) continua hospitalizado em um centro médico de Pretória. Segundo as últimas informações, ele permanece estável, mas em condições críticas.

    (http://oglobo.globo.com/mundo/obama-visita-prisao-...-8862517, 30.06.2013)

    Esse líder e ex-presidente sul-africano é
  • 5 - Q27659.   Português - Reescritura de Texto - Nível Médio - Telefonista - Câmara de São Carlos SP - VUNESP - 2013
  • Brinquedos de meninos

    Existem fortes evidências a sugerir que as preferências de meninos e meninas por brinquedos específicos para cada gênero envolvem mais do que preconceitos, estereótipos e a irresponsabilidade social de fabricantes. Ao que tudo indica, existe uma base biológica para as distintas predileções.

    Para começar, brincadeiras típicas de machos e fêmeas não são uma exclusividade humana. Em 2010, o primatologista Richard Wrangham, de Harvard, ganhou manchetes ao publicar um estudo descrevendo como fêmeas jovens de chimpanzés brincavam com pedaços de pau como se fossem bonecas. Elas chegavam a construir ninhos na floresta para acomodar os gravetos à noite. Machos da mesma idade por vezes topavam brincar de casinha com elas, mas o uso preferencial que davam aos galhos era o de armas simuladas.

    Aparentemente, os níveis de exposição do feto a hormônios respondem ao menos em parte pela predisposição. Em 2009, Bonnie Auyeung e colaboradores mostraram que meninas que estiveram expostas a mais testosterona durante a gravidez tendiam na infância a engajar-se mais em brincadeiras típicas de garotos. No caso de animais não humanos, cientistas foram capazes de mudar o comportamento de jovens manipulando os hormônios fetais.

    Estudos com mamíferos revelam que fêmeas preferem cores mais quentes como vermelho e rosa. Em machos não há uma predileção clara. No caso de humanos, esse padrão aparece mesmo quando lidamos com culturas bem distintas, como norte-americanos e chineses.

    A biologia talvez não explique todas as diferenças, mas revela que não somos uma tábula rasa de gênero.

    (Disponível em: www1.folha.uol.com.br/colunas/ helioschwartsman/2013/05/1286513-brinquedos-de-meninos.shtml. Acesso em: 29.05.2013. Adaptado)
  • Assinale a alternativa em que a palavra em destaque estabelece uma relação de comparação.
  • 6 - Q27401.   Português - Interpretação de Textos - Nível Médio - Telefonista - Câmara de Sorocaba SP - VUNESP - 2014
  • A vida dá voltas

         Sou um tipo meio fatalista. Acho que a vida dá voltas. Um amigo meu, Luís, casou-se com Cláudia, uma mulher egoísta. Ele era filho único, de mãe separada e sem pensão. Durante algum tempo, a mãe de Luís foi sustentada pelo próprio tio, um solteirão. Quando este faleceu, começaram as brigas domésticas: Cláudia não admitia que Luís desse dinheiro à mãe. Ele era um rapaz de classe média. Por algum tempo, arrumou trabalhos extras para ajudar a idosa.
         Convencido pela esposa, ele mudou-se para longe. Visitava a mãe uma vez por ano. Para se livrar da questão financeira, Luís convenceu a mãe a vender o apartamento. Durante alguns anos, ela viveu desse dinheiro. Muitas vezes, lamentava a falta do filho, mas o que fazer? Luís, sempre tão ocupado, viajando pelo mundo todo, não tinha tempo disponível. Na casa da mãe, faltou até o essencial. E ela faleceu sozinha.
         O tempo passou. Hoje, Luís, antes um profissional disputado, está desempregado. Foi obrigado a se instalar com a família na casa dos sogros, onde é atormentado diariamente. A filha de Luís e Cláudia cresceu e saiu de casa. Quer seguir seu próprio rumo!
         Luís não tem renda, nem bens. Está quase se divorciando. Ficou fora do mercado de trabalho. O que vai acontecer? A filha cuidará dele? Tenho dúvidas,porque ele não a ensinou com seu próprio exemplo.
         A vida é um eterno ciclo afetivo. Em uma época todos nós somos filhos. Em outra, tornamo-nos pais: é a nossa vez de cuidar de quem cuidou de nós.

    (Walcyr Carrasco. http://vejasp.abril.com.br. Acesso em 30.12.2013. Adaptado)
  • Na frase – ... começaram as brigas domésticas... –, a palavra destacada pode ser substituída, sem alteração de sentido, por
  • 8 - Q27385.   Telecomunicações - Nível Médio - Telefonista - Câmara de Sorocaba SP - VUNESP - 2014
  • Lourdinha, telefonista há mais de dez anos, sabe que a diferença entre um PBX e um PABX existe porque
  • 9 - Q27388.   Atendimento - Nível Médio - Telefonista - Câmara de Sorocaba SP - VUNESP - 2014
  • A telefonista exemplar sabe que a qualidade no atendimento faz toda a diferença, assim sendo, ela se aplica em
  • 10 - Q27400.   Português - Interpretação de Textos - Nível Médio - Telefonista - Câmara de Sorocaba SP - VUNESP - 2014
  • A vida dá voltas

         Sou um tipo meio fatalista. Acho que a vida dá voltas. Um amigo meu, Luís, casou-se com Cláudia, uma mulher egoísta. Ele era filho único, de mãe separada e sem pensão. Durante algum tempo, a mãe de Luís foi sustentada pelo próprio tio, um solteirão. Quando este faleceu, começaram as brigas domésticas: Cláudia não admitia que Luís desse dinheiro à mãe. Ele era um rapaz de classe média. Por algum tempo, arrumou trabalhos extras para ajudar a idosa.
         Convencido pela esposa, ele mudou-se para longe. Visitava a mãe uma vez por ano. Para se livrar da questão financeira, Luís convenceu a mãe a vender o apartamento. Durante alguns anos, ela viveu desse dinheiro. Muitas vezes, lamentava a falta do filho, mas o que fazer? Luís, sempre tão ocupado, viajando pelo mundo todo, não tinha tempo disponível. Na casa da mãe, faltou até o essencial. E ela faleceu sozinha.
         O tempo passou. Hoje, Luís, antes um profissional disputado, está desempregado. Foi obrigado a se instalar com a família na casa dos sogros, onde é atormentado diariamente. A filha de Luís e Cláudia cresceu e saiu de casa. Quer seguir seu próprio rumo!
         Luís não tem renda, nem bens. Está quase se divorciando. Ficou fora do mercado de trabalho. O que vai acontecer? A filha cuidará dele? Tenho dúvidas,porque ele não a ensinou com seu próprio exemplo.
         A vida é um eterno ciclo afetivo. Em uma época todos nós somos filhos. Em outra, tornamo-nos pais: é a nossa vez de cuidar de quem cuidou de nós.

    (Walcyr Carrasco. http://vejasp.abril.com.br. Acesso em 30.12.2013. Adaptado)
  • Considerando o último parágrafo do texto, pode-se afirmar que a relação entre pais e filhos deve ser baseada