Questões de Concursos Direito Processual Penal

  • Questão 49942.   Direito Processual Penal - Nível Médio - Agente de Polícia Civil - Polícia Civil PI - NUCEPE - 2018

  • É possível afirmar que jurisdição é uma das funções do Estado, uma vez que este possui a prerrogativa de dirimir os conflitos de interesses trazidos à sua apreciação. Marque a alternativa que contempla corretamente os princípios da jurisdição: 
  • Questão 49943.   Direito Processual Penal - Nível Médio - Agente de Polícia Civil - Polícia Civil PI - NUCEPE - 2018

  • No que diz respeito à Ação Penal, marque a alternativa CORRETA.
  • Questão 49944.   Direito Processual Penal - Nível Médio - Agente de Polícia Civil - Polícia Civil PI - NUCEPE - 2018

  • Acerca das provas no Direito Processual Penal, é CORRETO afirmar:
  • Questão 49945.   Direito Processual Penal - Nível Médio - Agente de Polícia Civil - Polícia Civil PI - NUCEPE - 2018

  • Quanto à prisão em flagrante é CORRETO, de acordo com o Código de Processo Penal, afirmar:
  • Questão 49946.   Direito Processual Penal - Nível Médio - Agente de Polícia Civil - Polícia Civil PI - NUCEPE - 2018

  • Quanto ao Inquérito policial e notitia criminis, marque a alternativa CORRETA.
  • Questão 49635.   Direito Processual Penal - Nível Superior - Estágio Forense - MPE RJ - FGV - 2014

  • De acordo com a legislação penal vigente, são considerados crimes de menor potencial ofensivo aqueles:
  • Questão 49636.   Direito Processual Penal - Nível Superior - Estágio Forense - MPE RJ - FGV - 2014

  • Em relação ao inquérito policial, é correto afirmar que:
  • Questão 49637.   Direito Processual Penal - Nível Superior - Estágio Forense - MPE RJ - FGV - 2014

  • Considere as afirmativas a seguir. 

    I – São requisitos gerais para o regular exercício do direito de ação penal: a possibilidade jurídica do pedido; o interesse de agir; a legitimidade de parte e a justa causa. As condições de procedibilidade constituem-se em requisitos específicos para o exercício da ação penal, pois têm caráter processual e se ligam somente à admissibilidade da persecução penal, como por exemplo, a representação do ofendido ou a quem tenha qualidade para representá-lo e a requisição do Ministro da Justiça. 
    II – Não se tipifica crime material contra a ordem tributária antes do lançamento definitivo do tributo. Esgotada a via administrativa, constitui-se o referido lançamento numa condição objetiva de punibilidade e não em condição de procedibilidade. 
    III – A elaboração da denúncia deve preencher os requisitos essenciais, como a qualificação do denunciado ou esclarecimentos pelos quais se possa identificá-lo, e a exposição da infração penal, com todas as suas circunstâncias, sendo que na falta de ambos a inicial acusatória será considerada inepta. São requisitos não essenciais, a classificação da infração penal e o rol de testemunhas. A omissão da qualificação jurídica ou a incorreta tipificação dos fatos podem ser supridas a qualquer momento através do aditamento. Caberá ao Promotor de Justiça indicar como deseja provar a imputação, através da prova oral, ou não. Todavia, se desejar ouvir testemunhas na fase probatória da instrução criminal o momento próprio para apresentar o rol de testemunhas será o do oferecimento da denúncia, sob pena de preclusão temporal. 
    IV – O Código de Processo Penal adota como regra geral para fixação da competência a Teoria do Resultado, ou seja, pelo lugar em que se consumou a infração penal ou pelo lugar onde foi praticado o último ato de execução. A competência ainda poderá ser determinada conforme o domicílio ou residência do réu; pela natureza da infração penal; pela distribuição; pela conexão ou continência; pela prevenção e pela prerrogativa de função. 

    Está correto o que se afirma em:
  • Questão 49638.   Direito Processual Penal - Nível Superior - Estágio Forense - MPE RJ - FGV - 2014

  • O Promotor de Justiça da 58ª Vara Criminal da Comarca da Capital-RJ denunciou Antônio Carlos pelo crime de furto qualificado, praticado com emprego de chave falsa, sabendo que o lesado era um idoso de 65 anos de idade. Recebida a denúncia e, após, concluída a instrução criminal, o Ministério Público pediu a condenação nos termos da denúncia, admitindo a substituição da pena privativa de liberdade por restritiva de direitos, desde que a pena aplicada objetivamente autorizasse a sub-rogação, já que eram favoráveis ao acusado as circunstâncias judiciais, sobretudo porque o réu preenchia os requisitos subjetivos para a referida substituição. Prolatada a sentença, que acolheu integralmente a denúncia, o réu restou condenado à pena mínima de 2 (dois) anos de reclusão, em regime aberto, a qual foi substituída por uma pena restritiva de direitos, que consistiu na prestação de serviços à entidade pública, a ser definida pelo juízo da execução, aos finais de semana à razão de 1 (uma) hora de tarefa por dia de condenação.
     
    Diante da pena aplicada, o Promotor de Justiça ficou insatisfeito e decidiu recorrer para corrigir integralmente a sentença, já que a mesma violou regras de direito penal, razão pela qual interpôs recurso: 

    I – de apelação; 
    II – em sentido estrito que, pelo princípio da fungibilidade recursal, poderia ser recebido como recurso de apelação; 
    III – inominado para suprir uma omissão na sentença; 
    IV – inominado para suprir uma omissão na sentença e, decidido esse recurso, interpôs recurso de apelação. 

    Está correto somente o que se afirma em:
  • Questão 49639.   Direito Processual Penal - Nível Superior - Estágio Forense - MPE RJ - FGV - 2014

  • Sobre o sistema de prisão e liberdade, considere as afirmativas a seguir. 

    I – A prisão em flagrante delito poderá ser realizada no interior da casa do autor do crime, nela podendo penetrar o agente policial sem o seu consentimento, em qualquer horário, inclusive à noite, independentemente de ordem judicial, exceto nos crimes praticados mediante violência ou grave ameaça, quando então o executor deverá estar munido de um mandado de busca e apreensão. 
    II – A prisão temporária tem cabimento no curso de uma investigação criminal, mediante ordem judicial. Vencido o prazo dessa prisão, com eventual prorrogação, a autoridade policial, mesmo sem o alvará de soltura, deverá pôr o preso imediatamente em liberdade, salvo se já tiver sido decretada a sua prisão preventiva, prisão temporária, ou tiver sido expedido mandado de prisão em desfavor do preso em decorrência de sentença penal condenatória preclusa.
    III – A reforma do Código de Processo Penal estabeleceu que “ninguém poderá ser preso senão em flagrante delito ou por ordem escrita e fundamentada da autoridade judiciária competente, em decorrência de sentença condenatória transitada em julgado ou, no curso da investigação ou do processo, em virtude de prisão temporária ou preventiva”, sendo que assim eliminou do nosso sistema de prisão processual a execução provisória da pena em razão do princípio da presunção de não culpabilidade. 
    IV – Efetuada a prisão em flagrante delito, se esta for ilegal deverá ser relaxada pela autoridade judiciária competente. No caso de ser legal a prisão em flagrante delito, o juiz, com prévia oitiva do Ministério Público, poderá substituí-la por uma, ou mais, medidas cautelares diversas da prisão, sendo que no caso dessas últimas se relevarem inadequadas ou insuficientes poderá o juiz converter a prisão em flagrante delito em prisão preventiva. 

    Está correto o que se afirma em: