Questões de Concursos AL MT

Resolva Questões de Concursos AL MT Grátis. Exercícios com Perguntas e Respostas. Provas Online com Gabarito.

  • 1 - Questão 14942.   Português - Nível Superior - Arquiteto Urbanista - AL MT - FGV - 2013
  • Fora de foco 

          Deve-se ao desenvolvimento de remédios e terapias, a partir de experimentos científicos em laboratórios com o uso de animais, parcela considerável do exponencial aumento da expectativa e da qualidade de vida em todo o mundo. É extensa a lista de doenças que, tidas como incuráveis até o início do século passado e que levavam à morte prematura ou provocavam sequelas irreversíveis, hoje podem ser combatidas com quase absoluta perspectiva de cura.
          Embora, por óbvio, o homem ainda seja vítima de diversos tipos de moléstias para as quais a medicina ainda não encontrou lenitivos, a descoberta em alta escala de novos medicamentos, particularmente no último século, legou à Humanidade doses substanciais de fármacos, de tal forma que se tornou impensável viver sem eles à disposição em hospitais, clínicas e farmácias.
          A legítima busca do homem por descobertas que o desassombrem do fantasma de doenças que podem ser combatidas com remédios e, em última instância, pelo aumento da expectativa de vida está na base da discussão sobre o emprego de animais em experimentos científicos. Usá-los ou não é um falso dilema, a começar pelo fato de que, se não todos, mas grande parte daqueles que combatem o emprego de cobaias em laboratórios em algum momento já se beneficiou da prescrição de medicamentos que não teriam sido desenvolvidos sem os experimentos nas salas de pesquisa.
          É inegável que a opção pelo emprego de animais no desenvolvimento de fármacos implica uma discussão ética. Mas a questão não é se o homem deve ou não recorrer a cobaias; cientistas de todo o mundo, inclusive de países com pesquisas e indústria farmacêutica mais avançadas que o Brasil, são unânimes em considerar que a ciência ainda não pode prescindir totalmente dos testes com organismos vivos, em razão da impossibilidade de se reproduzir em laboratório toda a complexidade das cadeias de células. A discussão que cabe é em relação à escala do uso de animais, ou seja, até que ponto eles podem ser substituídos por meios de pesquisas artificiais, e que protocolo seguir para que, a eles recorrendo, lhes seja garantido o pressuposto da redução (ou mesmo eliminação) do sofrimento físico.

    (O Globo, 21/11/2013)
  • O texto acima foi produzido num momento em que se discutia a  validade ou não da utilização de animais em pesquisas. 

    Nesse caso, os dois primeiros parágrafos do texto têm a seguinte  função
  • 2 - Questão 19496.   Direito Administrativo - Nível Médio - Técnico Legislativo - AL MT - FGV - 2013
  • No  que  tange  à  temática  da  responsabilidade  civil  do  Estado, analise as afirmativas a seguir. 

    I.  O  Estado  não  pode,  em  nenhuma  hipótese,  ser  responsabilizado  por  atos  tipicamente  legislativos,  uma  vez  que  esses  atos  são  praticados  no  exercício  da  soberania  estatal. 

    II.  Os atos do poder legislativo, materialmente administrativos e  de  natureza  comissiva,  estão  sujeitos  à  teoria  do  risco  administrativo. 

    III.  Os  atos  do  poder  legislativo  que  se  constituam  em  lei  em  sentido formal, não são passiveis de gerar dever de indenizar. 

    Assinale:
  • 3 - Questão 19483.   Português - Nível Médio - Técnico Legislativo - AL MT - FGV - 2013
  • Fora de foco 

          Deve-se ao desenvolvimento de remédios e terapias, a partir de experimentos científicos em laboratórios com o uso de animais, parcela considerável do exponencial aumento da expectativa e da qualidade de vida em todo o mundo. É extensa a lista de doenças que, tidas como incuráveis até o início do século passado e que levavam à morte prematura ou provocavam sequelas irreversíveis, hoje podem ser combatidas com quase absoluta perspectiva de cura.
          Embora, por óbvio, o homem ainda seja vítima de diversos tipos de moléstias para as quais a medicina ainda não encontrou lenitivos, a descoberta em alta escala de novos medicamentos, particularmente no último século, legou à Humanidade doses substanciais de fármacos, de tal forma que se tornou impensável viver sem eles à disposição em hospitais, clínicas e farmácias.
          A legítima busca do homem por descobertas que o desassombrem do fantasma de doenças que podem ser combatidas com remédios e, em última instância, pelo aumento da expectativa de vida está na base da discussão sobre o emprego de animais em experimentos científicos. Usá-los ou não é um falso dilema, a começar pelo fato de que, se não todos, mas grande parte daqueles que combatem o emprego de cobaias em laboratórios em algum momento já se beneficiou da prescrição de medicamentos que não teriam sido desenvolvidos sem os experimentos nas salas de pesquisa.
          É inegável que a opção pelo emprego de animais no desenvolvimento de fármacos implica uma discussão ética. Mas a questão não é se o homem deve ou não recorrer a cobaias; cientistas de todo o mundo, inclusive de países com pesquisas e indústria farmacêutica mais avançadas que o Brasil, são unânimes em considerar que a ciência ainda não pode prescindir totalmente dos testes com organismos vivos, em razão da impossibilidade de se reproduzir em laboratório toda a complexidade das cadeias de células. A discussão que cabe é em relação à escala do uso de animais, ou seja, até que ponto eles podem ser substituídos por meios de pesquisas artificiais, e que protocolo seguir para que, a eles recorrendo, lhes seja garantido o pressuposto da redução (ou mesmo eliminação) do sofrimento físico.

    (O Globo, 21/11/2013)
  • Pode-se  deduzir  da  leitura  do  texto  que  os  que  combatem  as  experiências  com  animais  em  laboratórios  apoiam-se,  entre  outros, no seguinte argumento:.
  • 4 - Questão 19508.   Administração Financeira e Orçamentária - Nível Médio - Técnico Legislativo - AL MT - FGV - 2013
  • O princípio pelo qual todas as receitas e despesas convergem para um fundo geral, com objetivo de se evitar as vinculações de certos fundos a fins específicos, de forma a apresentar todas as receitas e despesas numa só conta, é denominado
  • 5 - Questão 14952.   Raciocínio Lógico - Nível Superior - Arquiteto Urbanista - AL MT - FGV - 2013
  • No basquete, uma cesta pode valer 3 pontos, 2 pontos ou 1 ponto. Em um dos períodos de um jogo de basquete o jogador Alceu fez 6 cestas totalizando 11 pontos.

    Considere as afirmativas a seguir.

    I. Alceu fez, no máximo, 2 cestas de 3 pontos.
    II. Alceu fez, no mínimo, 1 cesta de 1 ponto.
    III. Alceu fez, no máximo, 4 cestas de 2 pontos.

    Assinale
  • 6 - Questão 14957.   Raciocínio Lógico - Nível Superior - Arquiteto Urbanista - AL MT - FGV - 2013
  • Márcio constrói  sozinho um muro de  tijolos em 6 horas e Paulo  constrói  sozinho  um  muro  do  mesmo  tamanho  em  8  horas.  Quando  trabalham  juntos,  costumam  conversar  e  a  produtividade conjunta deles decai em 8 tijolos por hora.   Trabalhando  juntos,  Márcio  e  Paulo  construíram  um  muro  do  mesmo tamanho dos citados inicialmente em 4 horas. 

    O número de tijolos nesse muro é
  • 7 - Questão 19515.   Administração Pública - Nível Médio - Técnico Legislativo - AL MT - FGV - 2013
  • O Art. 37, § 8º, da CF/88, prevê uma forma de administração por resultados que se aproxima da administração por objetivos. Essa forma de administração é representada
  • 8 - Questão 19482.   Português - Nível Médio - Técnico Legislativo - AL MT - FGV - 2013
  • Fora de foco 

          Deve-se ao desenvolvimento de remédios e terapias, a partir de experimentos científicos em laboratórios com o uso de animais, parcela considerável do exponencial aumento da expectativa e da qualidade de vida em todo o mundo. É extensa a lista de doenças que, tidas como incuráveis até o início do século passado e que levavam à morte prematura ou provocavam sequelas irreversíveis, hoje podem ser combatidas com quase absoluta perspectiva de cura.
          Embora, por óbvio, o homem ainda seja vítima de diversos tipos de moléstias para as quais a medicina ainda não encontrou lenitivos, a descoberta em alta escala de novos medicamentos, particularmente no último século, legou à Humanidade doses substanciais de fármacos, de tal forma que se tornou impensável viver sem eles à disposição em hospitais, clínicas e farmácias.
          A legítima busca do homem por descobertas que o desassombrem do fantasma de doenças que podem ser combatidas com remédios e, em última instância, pelo aumento da expectativa de vida está na base da discussão sobre o emprego de animais em experimentos científicos. Usá-los ou não é um falso dilema, a começar pelo fato de que, se não todos, mas grande parte daqueles que combatem o emprego de cobaias em laboratórios em algum momento já se beneficiou da prescrição de medicamentos que não teriam sido desenvolvidos sem os experimentos nas salas de pesquisa.
          É inegável que a opção pelo emprego de animais no desenvolvimento de fármacos implica uma discussão ética. Mas a questão não é se o homem deve ou não recorrer a cobaias; cientistas de todo o mundo, inclusive de países com pesquisas e indústria farmacêutica mais avançadas que o Brasil, são unânimes em considerar que a ciência ainda não pode prescindir totalmente dos testes com organismos vivos, em razão da impossibilidade de se reproduzir em laboratório toda a complexidade das cadeias de células. A discussão que cabe é em relação à escala do uso de animais, ou seja, até que ponto eles podem ser substituídos por meios de pesquisas artificiais, e que protocolo seguir para que, a eles recorrendo, lhes seja garantido o pressuposto da redução (ou mesmo eliminação) do sofrimento físico.

    (O Globo, 21/11/2013)
  • Usá-los ou não é um falso dilema,...”; a forma verbal sublinhada é fruto da união do infinitivo “usar” + o pronome pessoal “os”.
    A forma do presente do indicativo desse mesmo verbo que, unido a esse mesmo pronome pessoal, apresenta erro é
  • 9 - Questão 19487.   Matemática - Raciocínio Matemático - Nível Médio - Técnico Legislativo - AL MT - FGV - 2013
  • No  basquete,  uma  cesta  pode  valer  3  pontos,  2  pontos  ou   1 ponto. Em um dos períodos de um jogo de basquete o jogador  Alceu fez 6 cestas totalizando 11 pontos.  Considere as afirmativas a seguir. 

    I.  Alceu fez, no máximo, 2 cestas de 3 pontos. 

    II.  Alceu fez, no mínimo, 1 cesta de 1 ponto. 

    III.  Alceu fez, no máximo, 4 cestas de 2 pontos. 

    Assinale
  • 10 - Questão 19505.   Administração Financeira e Orçamentária - Nível Médio - Técnico Legislativo - AL MT - FGV - 2013
  • Quanto às características do orçamento programa, analise as afirmativas a seguir.

    I. As decisões orçamentárias são tomadas com base em avaliações e análises técnicas das possíveis alternativas.
    II. A elaboração do orçamento considera todos os gastos nas ações que fazem o programa, desde que não ultrapassem o exercício anual.
    III. A estrutura do orçamento está voltada para os aspectos administrativos de planejamento.

    Assinale: