← Início

Questões de Concursos - CREF SC - Exercícios com Gabarito

Questões de Concursos Públicos - CREF SC - com Gabarito. Exercícios com Perguntas e Respostas, Resolvidas e Comentadas. Acesse Grátis!


Texto associado.
Sedentarismo já ameaça reduzir expectativa de vida

    Um estudo que analisa dados de Brasil, Estados Unidos, Grã-Bretanha, China e índia alerta que o crescente sedentarismo nesses países ameaça formar a primeira geração de jovens que viverá menos que seus pais. O trabalho, que tem o American College of Sports Medicine como coautor, conclui que em 2030 a inatividade física pode abreviar em até cinco anos a expectativa de vida, caso seja mantido o ritmo atual.
    As projeções, que tiveram a participação de 70 especialistas ligados às áreas de saúde e  educação física, indicam que em 18 anos o Brasil terá diminuído em cerca de 34% os níveis de atividade física desde o começo da década passada. Somente entre 2002 e 2007, a queda foi de 6 %.
    Segundo Lisa MacCalIum Carter, executiva global da Nike, que também é coautora da pesquisa, o País começa a sofrer os males que já são sentidos há algumas décadas pelos países mais desenvolvidos - de 1965 a 2009, a queda da atividade física nos Estados Unidos foi de 32%.
    "As máquinas e carros têm feito as atividades físicas por nós, e isso é uma coisa boa, pois apreciamos o padrão de vida moderno. Mas é preciso observar a quantidade de movimento que é perdida por isso e buscar formas de compensar", afirma a executiva. "Se uma criança está  ameaçada de viver uma vida mais curta que seus pais, este é o oposto do progresso humano."
     Segundo Lisa, as estatísticas levam em conta outros fatores, como nutrição, mas o sedentarismo tem papel central, especialmente em países desenvolvidos ou em  desenvolvimento. Ela lembra que as dez doenças que mais matam nos 50 países mais ricos do mundo estão relacionadas à falta de atividade física.

(Disponível em www.estadao.com.br)
Sobre o trecho "caso seja mantido o ritmo atual", que aparece no final do primeiro parágrafo, analise as afirmações.

I. No contexto em que aparece, "caso" é um substantivo.
II. Há circunstância de condição.
III. A forma verbal "seja" pertence ao modo subjuntivo.
IV. A palavra "atual" é um advérbio de tempo.

É correto o que se afirma em:
Um conjunto tem n elementos e dele podem ser obtidos k subconjuntos com m elementos, m < n. Quantos subconjuntos com n - m elementos podem ser obtidos com os n elementos do conjunto?
Qual o valor de 20% de 5 10000?
De acordo com a Resolução CONFEF n° 206, em sua organização o CONFEF é constituído pelos seguintes Órgãos, exceto:
Quantas são as permutações das letras da palavra PALAVRA?
Com relação aos códigos maliciosos (malwares), analise as seguintes afirmações:

I. Screenlogger é um tipo de spyware capaz de armazenar a posição do cursor e a tela apresentada no monitor, nos momentos em que o mouse é clicado, ou a região que circunda a posição onde o mouse é clicado. É bastante utilizado por atacantes para capturar as teclas digitadas pelos usuários em teclados virtuais, disponíveis principalmente em sites de internet Banking.
II. Worm é um programa ou parte de um programa de computador, normalmente malicioso, que se propaga inserindo cópias de si mesmo, tornando-se parte de outros programas e arquivos. O worm depende da execução do programa ou arquivo hospedeiro para que possa se tornar ativo e dar continuidade ao processo de infecção.
III. Vírus é um tipo de código malicioso capaz de se propagar automaticamente pelas redes, enviando
cópias de si mesmo de computador para computador. Não embute cópias de si mesmo em outros programas ou arquivos e não necessita ser explicitamente executado para se propagar. Sua propagação se dá por meio da exploração de vulnerabilidades existentes ou falhas na configuração de programas instalados em computadores.

Está correto o que se afirma apenas em:
Texto associado.
Sedentarismo já ameaça reduzir expectativa de vida

    Um estudo que analisa dados de Brasil, Estados Unidos, Grã-Bretanha, China e índia alerta que o crescente sedentarismo nesses países ameaça formar a primeira geração de jovens que viverá menos que seus pais. O trabalho, que tem o American College of Sports Medicine como coautor, conclui que em 2030 a inatividade física pode abreviar em até cinco anos a expectativa de vida, caso seja mantido o ritmo atual.
    As projeções, que tiveram a participação de 70 especialistas ligados às áreas de saúde e  educação física, indicam que em 18 anos o Brasil terá diminuído em cerca de 34% os níveis de atividade física desde o começo da década passada. Somente entre 2002 e 2007, a queda foi de 6 %.
    Segundo Lisa MacCalIum Carter, executiva global da Nike, que também é coautora da pesquisa, o País começa a sofrer os males que já são sentidos há algumas décadas pelos países mais desenvolvidos - de 1965 a 2009, a queda da atividade física nos Estados Unidos foi de 32%.
    "As máquinas e carros têm feito as atividades físicas por nós, e isso é uma coisa boa, pois apreciamos o padrão de vida moderno. Mas é preciso observar a quantidade de movimento que é perdida por isso e buscar formas de compensar", afirma a executiva. "Se uma criança está  ameaçada de viver uma vida mais curta que seus pais, este é o oposto do progresso humano."
     Segundo Lisa, as estatísticas levam em conta outros fatores, como nutrição, mas o sedentarismo tem papel central, especialmente em países desenvolvidos ou em  desenvolvimento. Ela lembra que as dez doenças que mais matam nos 50 países mais ricos do mundo estão relacionadas à falta de atividade física.

(Disponível em www.estadao.com.br)
A forma verbal "indicam", que aparece em destaque no segundo parágrafo, concorda com:
Se CACO = SACO, então é verdade que:
Texto associado.
Sedentarismo já ameaça reduzir expectativa de vida

    Um estudo que analisa dados de Brasil, Estados Unidos, Grã-Bretanha, China e índia alerta que o crescente sedentarismo nesses países ameaça formar a primeira geração de jovens que viverá menos que seus pais. O trabalho, que tem o American College of Sports Medicine como coautor, conclui que em 2030 a inatividade física pode abreviar em até cinco anos a expectativa de vida, caso seja mantido o ritmo atual.
    As projeções, que tiveram a participação de 70 especialistas ligados às áreas de saúde e  educação física, indicam que em 18 anos o Brasil terá diminuído em cerca de 34% os níveis de atividade física desde o começo da década passada. Somente entre 2002 e 2007, a queda foi de 6 %.
    Segundo Lisa MacCalIum Carter, executiva global da Nike, que também é coautora da pesquisa, o País começa a sofrer os males que já são sentidos há algumas décadas pelos países mais desenvolvidos - de 1965 a 2009, a queda da atividade física nos Estados Unidos foi de 32%.
    "As máquinas e carros têm feito as atividades físicas por nós, e isso é uma coisa boa, pois apreciamos o padrão de vida moderno. Mas é preciso observar a quantidade de movimento que é perdida por isso e buscar formas de compensar", afirma a executiva. "Se uma criança está  ameaçada de viver uma vida mais curta que seus pais, este é o oposto do progresso humano."
     Segundo Lisa, as estatísticas levam em conta outros fatores, como nutrição, mas o sedentarismo tem papel central, especialmente em países desenvolvidos ou em  desenvolvimento. Ela lembra que as dez doenças que mais matam nos 50 países mais ricos do mundo estão relacionadas à falta de atividade física.

(Disponível em www.estadao.com.br)
Assim como "expectativa", também se escreve com "x" a seguinte palavra:
Texto associado.
Sedentarismo já ameaça reduzir expectativa de vida

    Um estudo que analisa dados de Brasil, Estados Unidos, Grã-Bretanha, China e índia alerta que o crescente sedentarismo nesses países ameaça formar a primeira geração de jovens que viverá menos que seus pais. O trabalho, que tem o American College of Sports Medicine como coautor, conclui que em 2030 a inatividade física pode abreviar em até cinco anos a expectativa de vida, caso seja mantido o ritmo atual.
    As projeções, que tiveram a participação de 70 especialistas ligados às áreas de saúde e  educação física, indicam que em 18 anos o Brasil terá diminuído em cerca de 34% os níveis de atividade física desde o começo da década passada. Somente entre 2002 e 2007, a queda foi de 6 %.
    Segundo Lisa MacCalIum Carter, executiva global da Nike, que também é coautora da pesquisa, o País começa a sofrer os males que já são sentidos há algumas décadas pelos países mais desenvolvidos - de 1965 a 2009, a queda da atividade física nos Estados Unidos foi de 32%.
    "As máquinas e carros têm feito as atividades físicas por nós, e isso é uma coisa boa, pois apreciamos o padrão de vida moderno. Mas é preciso observar a quantidade de movimento que é perdida por isso e buscar formas de compensar", afirma a executiva. "Se uma criança está  ameaçada de viver uma vida mais curta que seus pais, este é o oposto do progresso humano."
     Segundo Lisa, as estatísticas levam em conta outros fatores, como nutrição, mas o sedentarismo tem papel central, especialmente em países desenvolvidos ou em  desenvolvimento. Ela lembra que as dez doenças que mais matam nos 50 países mais ricos do mundo estão relacionadas à falta de atividade física.

(Disponível em www.estadao.com.br)
Releia o terceiro parágrafo e, em seguida, assinale a opção em que as relações sintáticas entre seus termos estejam analisadas corretamente