Questões de Concursos CRP MG

Resolva Questões de Concursos CRP MG Grátis. Exercícios com Perguntas e Respostas. Provas Online com Gabarito.

  • 1 - Q32210.   Português - Nível Médio - Assistente Administrativo - CRP MG - QUADRIX - 2015
  • Para onde vamos com o autismo?

          É preciso que façamos uma reflexão acerca dos caminhos do autismo. Dos rumos que tomaremos socialmente diante de uma epidemia diagnostica que tem assolado a infância com números estarrecedores.

          Isso porque, diante de tal epidemia, o princípio preventivo embasado na relação entre causas únicas e soluções gerais, que tantas vezes é eficaz em problemas epidemiológicos de saúde pública (como a vacinação contra doenças infectocontagiosas, ou a eliminação do mosquito Aedes para evitar a dengue, para trazer alguns exemplos de domínio geral), torna-se inoperante diante do autismo.

          Tentar fazer o autismo encaixar-se em esquemas de relações unívocas causa-efeito é uma tentação recorrente, seja em organizações sociais, discursos pseudocientíficos, blogs ou mídias - afinal a relação causa efeito é um esquema conhecido e eficaz diante de muitas dificuldades e, convenhamos, quem não gostaria de poder estabelecer soluções simples e gerais?

          No entanto, procurar forjar causas únicas e soluções fáceis diante de questões complexas como o autismo faz com que se caia em perigosos reducionismos, que, seja pelo viés organicista, seja pelo viés psicologizante, produzem conseqüências extremamente danosas para as pessoas com autismos e seus familiares.

          O diagnóstico do autismo e sua terapêutica exigem considerar a complexidade. Complexo quer dizer aquilo que está tecido, que está em rede, e é na rede interdisciplinar que é preciso tratar dessa questão, articulando os campos de saúde mental, deficiência, educação, assistência social e judicial.

          No autismo, a causa não é única, mas uma combinação de fatores; o seu quadro não pode ser definido por um único indicador isolado, o que exige um olhar e uma escuta clínica acurados; sua evolução pode apresentar variações muito significativas, o que torna questionáveis os prognósticos; e, no que diz respeito à terapêutica, encontram-se documentadas evoluções clínicas de grande sucesso ou de permanência em uma gravidade nas mais diferentes abordagens.

          Longa é a discussão científica sobre a etiologia do autismo.Os fatos científicos encontrados até agora apontam que, se bem no autismo possa haver fatores genéticos implicados, a princípio, em 50% dos casos (como revela a pesquisa com metologia big data, ou seja, sobre o total dos nascimentos, realizada na Suécia entre 1982 e 2006 com 2.049.973 crianças, já comentada por Marcelo Leite em coluna intitulada "A outra face do autismo"), é certo que, mesmo quando há fatores genéticos implicados, não se trata de uma patologia monocausal, ou seja, não é causada por um único gene, depende de uma combinação de vários deles.

          A questão é ainda mais complexa, pois se sabe também que todos nascemos com um código genético  estabelecido, porém o modo como o mesmo irá se manifestar depende dos chamados fatores epigenéticos, ou seja, das experiências de vida, que incluem fatores ambientais. Tais fatores vão desde o ar que respiramos, a água que bebemos, até um fator que em nada é desprezível para a constituição do bebê humano: a relação com os outros.

          A principal característica do ser humano é a de não nascer pronto desde o ponto de vista orgânico. O cérebro depende de experiências para se formar e o código genético também se manifesta em função dessas experiências.

          Portanto, é absolutamente ultrapassado e reducionista o conceito de que, uma vez autista, sempre autista. Diagnóstico não é destino - como tantas vezes pessoas desinformadas acerca da complexidade da formação orgânica costumam afirmar. Por isso a intervenção psicanalítica aposta em produzir experiências de vida constituintes e, desde a sua prática, recolhe diversos exemplos de pequenas crianças que chegam com traços autísticos e deixam de tê-los por efeito da intervenção.

          Desde o ponto de vista psíquico, tampouco nascemos estruturados, e sim abertos a inscrições. Estas inscrições dependem de certas operações constituintes do sujeito, que podem ser sustentadas com estilos de cuidados muito diferentes. Portanto, também é absolutamente reducionista e anacrônico o conceito de que o autismo seria uma resposta a uma mãe fria ou pouco afetiva - "uma mãe geladeira" - como tantas vezes pessoas desinformadas acerca da concepção psicanalítica continuam a afirmar. A função materna pode ser exercida com estilos muito diferentes e depende de uma rede familiar e social para poder operar. A sustentação da função materna não ocorre de modo isolado ou individual e por isso é reducionista qualquer visão de culpabilização da mãe.

          Os acontecimentos de vida, as contingências que cercam o nascimento de uma criança, têm um fator determinante no estabelecimento da relação mãe-bebê, por isso o que está em jogo no estabelecimento dessa relação não pode jamais ser avaliado como fruto de uma competência inata da mãe ou do bebê.

          Quanto aos números assoladores que fazem do autismo uma epidemia na atualidade cabe interrogarmos do que ela é fruto.
          [...]

    (www.estadao.com.br)
  • Sobre a palavra "que", em destaque no penúltimo parágrafo do texto, pode-se afirmar corretamente que:
  • 2 - Q32220.   Atualidades - Nível Médio - Assistente Administrativo - CRP MG - QUADRIX - 2015
  • A discussão em torno da redução da maioridade penal no Brasil suscita um grande debate acerca da estrutura da segurança pública em nossa sociedade. Já que as Forças Armadas não estão diretamente vinculadas à segurança pública, e sim à defesa da segurança nacional, os órgãos de segurança pública no Brasil são principalmente as polícias Federal, Rodoviária Federal, Civil, Militar e o Corpo de Bombeiros. Dentre esses órgãos, assinale aquele que está submetido aos governos estaduais e cuja função primordial é o policiamento ostensivo e a manutenção da ordem pública.
  • 3 - Q32209.   Português - Nível Médio - Assistente Administrativo - CRP MG - QUADRIX - 2015
  • Para onde vamos com o autismo?

          É preciso que façamos uma reflexão acerca dos caminhos do autismo. Dos rumos que tomaremos socialmente diante de uma epidemia diagnostica que tem assolado a infância com números estarrecedores.

          Isso porque, diante de tal epidemia, o princípio preventivo embasado na relação entre causas únicas e soluções gerais, que tantas vezes é eficaz em problemas epidemiológicos de saúde pública (como a vacinação contra doenças infectocontagiosas, ou a eliminação do mosquito Aedes para evitar a dengue, para trazer alguns exemplos de domínio geral), torna-se inoperante diante do autismo.

          Tentar fazer o autismo encaixar-se em esquemas de relações unívocas causa-efeito é uma tentação recorrente, seja em organizações sociais, discursos pseudocientíficos, blogs ou mídias - afinal a relação causa efeito é um esquema conhecido e eficaz diante de muitas dificuldades e, convenhamos, quem não gostaria de poder estabelecer soluções simples e gerais?

          No entanto, procurar forjar causas únicas e soluções fáceis diante de questões complexas como o autismo faz com que se caia em perigosos reducionismos, que, seja pelo viés organicista, seja pelo viés psicologizante, produzem conseqüências extremamente danosas para as pessoas com autismos e seus familiares.

          O diagnóstico do autismo e sua terapêutica exigem considerar a complexidade. Complexo quer dizer aquilo que está tecido, que está em rede, e é na rede interdisciplinar que é preciso tratar dessa questão, articulando os campos de saúde mental, deficiência, educação, assistência social e judicial.

          No autismo, a causa não é única, mas uma combinação de fatores; o seu quadro não pode ser definido por um único indicador isolado, o que exige um olhar e uma escuta clínica acurados; sua evolução pode apresentar variações muito significativas, o que torna questionáveis os prognósticos; e, no que diz respeito à terapêutica, encontram-se documentadas evoluções clínicas de grande sucesso ou de permanência em uma gravidade nas mais diferentes abordagens.

          Longa é a discussão científica sobre a etiologia do autismo.Os fatos científicos encontrados até agora apontam que, se bem no autismo possa haver fatores genéticos implicados, a princípio, em 50% dos casos (como revela a pesquisa com metologia big data, ou seja, sobre o total dos nascimentos, realizada na Suécia entre 1982 e 2006 com 2.049.973 crianças, já comentada por Marcelo Leite em coluna intitulada "A outra face do autismo"), é certo que, mesmo quando há fatores genéticos implicados, não se trata de uma patologia monocausal, ou seja, não é causada por um único gene, depende de uma combinação de vários deles.

          A questão é ainda mais complexa, pois se sabe também que todos nascemos com um código genético  estabelecido, porém o modo como o mesmo irá se manifestar depende dos chamados fatores epigenéticos, ou seja, das experiências de vida, que incluem fatores ambientais. Tais fatores vão desde o ar que respiramos, a água que bebemos, até um fator que em nada é desprezível para a constituição do bebê humano: a relação com os outros.

          A principal característica do ser humano é a de não nascer pronto desde o ponto de vista orgânico. O cérebro depende de experiências para se formar e o código genético também se manifesta em função dessas experiências.

          Portanto, é absolutamente ultrapassado e reducionista o conceito de que, uma vez autista, sempre autista. Diagnóstico não é destino - como tantas vezes pessoas desinformadas acerca da complexidade da formação orgânica costumam afirmar. Por isso a intervenção psicanalítica aposta em produzir experiências de vida constituintes e, desde a sua prática, recolhe diversos exemplos de pequenas crianças que chegam com traços autísticos e deixam de tê-los por efeito da intervenção.

          Desde o ponto de vista psíquico, tampouco nascemos estruturados, e sim abertos a inscrições. Estas inscrições dependem de certas operações constituintes do sujeito, que podem ser sustentadas com estilos de cuidados muito diferentes. Portanto, também é absolutamente reducionista e anacrônico o conceito de que o autismo seria uma resposta a uma mãe fria ou pouco afetiva - "uma mãe geladeira" - como tantas vezes pessoas desinformadas acerca da concepção psicanalítica continuam a afirmar. A função materna pode ser exercida com estilos muito diferentes e depende de uma rede familiar e social para poder operar. A sustentação da função materna não ocorre de modo isolado ou individual e por isso é reducionista qualquer visão de culpabilização da mãe.

          Os acontecimentos de vida, as contingências que cercam o nascimento de uma criança, têm um fator determinante no estabelecimento da relação mãe-bebê, por isso o que está em jogo no estabelecimento dessa relação não pode jamais ser avaliado como fruto de uma competência inata da mãe ou do bebê.

          Quanto aos números assoladores que fazem do autismo uma epidemia na atualidade cabe interrogarmos do que ela é fruto.
          [...]

    (www.estadao.com.br)
  • Observe o termo destacado abaixo.

    "Os fatos científicos encontrados até agora apontam que, se bem no autismo possa haver fatores genéticos implicados, a princípio, em 50% dos casos."

    Sobre a expressão "possa haver", em destaque no texto pode-se afirmar corretamente que:
  • 5 - Q32213.   Raciocínio Lógico - Nível Médio - Assistente Administrativo - CRP MG - QUADRIX - 2015
  • Na fila de espera para atendimento em um pronto-socorro de um hospital, 45 pacientes aguardam atendimento, sendo que 15 deles apresentam um quadro de febre, detectado durante a triagem inicial, e os demais não apresentam febre. Um médico então chama, aleatoriamente, um desses pacientes para atendimento. Qual é a probabilidade de esse paciente chamado estar com febre?
  • 8 - Q32219.   Atualidades - Nível Médio - Assistente Administrativo - CRP MG - QUADRIX - 2015
  • A disputa do segundo turno das eleições presidenciais de 2014 envolveu dois candidatos nascidos no estado de Minas Gerais: Dilma Rousseff e Aécio Neves. Tal fato ajuda a ilustrar a tradição política do segundo estado mais populoso do Brasil, berço de diversos homens públicos que marcaram a história do país. Com base em seus conhecimentos históricos, assinale a alternativa que traz o nome de um político que não era mineiro.
  • 9 - Q32212.   Raciocínio Lógico - Nível Médio - Assistente Administrativo - CRP MG - QUADRIX - 2015
  • Um pesquisador desenvolveu uma nova vacina para combater uma determinada doença. Ao realizar os testes em cobaias, para analisar o efeito da vacina, algumas cobaias receberam a nova vacina desenvolvida, representada pela letra a e outros receberam uma vacina já existente, representada pela letra b. Essas vacinas foram testadas em conjunto, e testadas separadamente. De forma a padronizarem-se o procedimento experimental e a demonstração dos resultados obtidos, convencionou-se a seguinte nomenclatura: 

    V = VERDADEIRO, ou seja, a cobaia utilizou a vacina.
    F = FALSO, ou seja, a cobaia não utilizou a vacina.

    Foram analisadas 4 possibilidades, conforme a tabela-verdade a seguir.

                                       a        b         a  ^ b 
                                       V        V             1 
                                       V        F             2
                                       F        V             3
                                       F        F             4 

    Assinale a alternativa que contém os valores corretos para 1, 2, 3 e 4, considerando-se o Conectivo do tipo CONJUNÇÃO( a ^ b).
  • 10 - Q32217.   Informática - Nível Médio - Assistente Administrativo - CRP MG - QUADRIX - 2015
  • O Microsoft Office 2010 em português traz um conjunto de ferramentas com funcionalidades e características diferentes. Analise as afirmativas. 

    I. Na versão 2010 desta ferramenta, o tamanho máximo de um arquivo .pst é de 50 GigaBytes. O tamanho padrão máximo para um arquivo .pst ou .ost Unicode é, também, de aproximadamente 50 GB.
    II. Nesta ferramenta, a caixa de diálogo Contagem de Palavras exibe o número de páginas, parágrafos e linhas do documento, além do número de caracteres, incluindo ou não os espaços.
    III. O usuário pode escolher se deseja inserir algum arquivo diretamente usando a caixa de diálogo Inserir. É possível inserir qualquer tipo de arquivo de qualquer tamanho, o que elimina a limitação de arquivos .wav menores que 50 MB, antes presente na versão 2007. 

    As ferramentas I, II e III   correspondem, correta e  respectivamente, a: