Questões de Concursos FMS

Resolva Questões de Concursos FMS Grátis. Exercícios com Perguntas e Respostas. Provas Online com Gabarito.

  • 1 - Questão 42438.   Português - Nível Superior - Enfermeiro - FMS - NUCEPE - 2015
  • SEXO, PENICILINA E ROCK N ROLL

         Economista defende que remédio contra a sífilis foi o pontapé inicial para as transformações vividas nos anos 1960

          Era uma vez uma pílula que, ao ser ingerida, mudou de uma vez por todas nosso comportamento e sistema de valores, transformando a sociedade no século 20. Da pílula anticoncepcional nasceu a revolução sexual. Essa é a história conhecida. Mas, segundo o economista Andrew Francis, da Universidade Emory, nos Estados Unidos, o pontapé inicial da revolução sexual foi dado não pela pílula, mas pela penicilina. Descoberta em 1928 por Alexander Fleming, ela foi usada clinicamente pela primeira vez em 1941. Dois anos depois, constatou-se que a penicilina podia tratar uma das doenças mais temidas da época: a sífilis. "De 1947 a 1957, a incidência de sífilis caiu 95%, e as mortes, 75%", disse Francis a GALILEU. "Minha hipótese é que essa redução no impacto de contrair sífilis estimulou um comportamento sexual não tradicional nos anos de 1950".

          Para testar a ideia, ele foi atrás dos indicadores da incidência de gonorreia (também sexualmente transmissível), do número de filhos ilegítimos e da ocorrência de gravidez na adolescência. À medida que a sífilis era controlada, esses indicadores subiam. Ou seja, quando a pílula surgiu, algumas mudanças já estavam em curso. Isso não tira, é claro, a importância do anticoncepcional nas transformações que vieram em seguida. Afinal, a penicilina não resolvia a questão da contracepção. "A mulher já estava no mercado de trabalho; exigia-se da medicina uma solução para que ela pudesse conciliar a vida profissional com a maternidade", afirma Carmita Abdo, coordenador do ProSex.

    (Revista GALILEU, Editora Globo. Maio/2015 - Nº 286 - Por Amarilis Lage - Seção Dossiê Métodos contraceptivos, p. 36)
  • O título do texto: SEXO, PENICILINA E ROCK N ROLL reporta-se ao lema sexo, droga e rock n roll, adotado por jovens dos anos de 1950/60. Por meio desse título, o autor do texto tenciona
  • 2 - Questão 42469.   Enfermagem - Nível Superior - Enfermeiro - FMS - NUCEPE - 2015
  • O “Teste do Pezinho” faz parte do Programa Nacional de Triagem Neonatal (PNTN), um programa de saúde publica que foi implantado em 2001, através da Portaria Ministerial Nº 822, de 06/06/01 do Ministério de Saúde e que determina a gratuidade e obrigatoriedade da realização dos testes. Segundo o tema, assinale a alternativa INCORRETA.
  • 3 - Questão 2675.   Português - Nível Médio - Agente Administrativo - FMS - NUCEPE
  • Memórias estressadas

    O primeiro beijo. O casamento. O dia em que o carro saiu do controle na estrada e
    passou raspando pelo caminhão. Cada detalhe desses eventos marcantes é gravado em sua mente,
    ainda que você não consiga se lembrar de absolutamente nada do que aconteceu nas últimas 24
    horas. Ocasiões excitantes, emocionantes e grandiosas, inclusive as estressantes, são arquivadas
    facilmente. Ou seja: o estresse pode melhorar a memória.
    Todos nós também já passamos pela experiência oposta: quando estamos muito tensos
    as palavras e as ideias parecem sumir da mente. Alguns casos de falha de memória estão ligados
    a traumas infinitamente maiores: alguém que sofreu abuso sexual na infância, por exemplo, pode
    ver os detalhes se perderem numa névoa amnésica.
    Para pesquisadores que estudam o fenômeno, como eu, essa dicotomia é bastante
    familiar. O estresse melhora algumas funções em certas circunstâncias e as atrapalha em outras.
    Pesquisas recentes mostram como situações estressantes leves ou moderadas melhoram a
    cognição e a memória, enquanto as fortes ou prolongadas as prejudicam.
    (...)

    (Revista Mente Cérebro –Duetto Editorial - Número 27 - Por Robert M. Sapolsky – p. 53)
  • Trecho para as questões 07 e 08.
    “Ocasiões excitantes, emocionantes e grandiosas, inclusive as estressantes, são arquivadas
    facilmente.” (l. 04-05).

    Do ponto de vista gramatical, é CORRETO afirmar que “excitantes” está para “Ocasiões”, assim
    como:
  • 4 - Questão 42483.   Enfermagem - Nível Superior - Enfermeiro - FMS - NUCEPE - 2015
  • Diagnosticar e tratar correta e prontamente os casos de Tuberculose pulmonar são as principais medidas para o controle da doença. Esforços devem ser realizados no sentido de encontrar precocemente o paciente e oferecer o tratamento adequado, interrompendo a cadeia de transmissão da doença. Assinale a alternativa INCORRETA.
  • 5 - Questão 42386.   Português - Nível Médio - Técnico em Enfermagem - FMS - NUCEPE - 2015
  • PARA AS TEENS, DIU

    Novas diretrizes da Academia Americana de Pediatria apontam o dispositivo intrauterino como um dos melhores métodos contraceptivos para as adolescentes

        Gravidez indesejada é ruim em qualquer idade. Mas na adolescência os impactos são ainda maiores e mais duradouros. Quer um exemplo? Quando descobrem que estão grávidas, muitas jovens interrompem os estudos - o que afetará as oportunidades econômicas e sociais tanto delas como de seus filhos. Sem falar que uma adolescente de 15 anos corre cinco vezes mais risco de morrer no parto do que uma mulher cinco anos mais velha.

        A contracepção deveria, portanto, receber uma atenção extra nessa faixa etária - mas não é o que ocorre. Enquanto 60% das mulheres com mais de 30 anos usam algum método contraceptivo, entre as jovens de 15 a 24 anos esse índice cai para 22%, segundo dados do Fundo de População das Nações Unidas. Mesmo quando há acesso, as questões típicas da idade interferem no uso. Tomar pílula todo dia requer disciplina. Exigir camisinha a cada relação sexual demanda autoconfiança - tanto dela quanto dele. Qual a melhor forma de se prevenir?

        Segundo um relatório divulgado no fim do ano passado pela Academia Americana de Pediatria (AAP), a resposta é: DIU e implante hormonal. Ambos são métodos contraceptivos de longo prazo (sua ação dura de três a dez anos) e reversíveis (basta retirá-los para que a fertilidade volte ao normal).

        (...)

    (Revista GALILEU, Editora Globo. Maio/2015 - Nº 286 - Por Amarilis Lage - Seção Dossiê Métodos contraceptivos, p. 35) 
  • Na sequência: Quando descobrem que estão grávidas, muitas jovens interrompem os estudos..., a palavra em destaque confere ao contexto uma relação semântica de
  • 6 - Questão 2671.   Português - Nível Médio - Agente Administrativo - FMS - NUCEPE
  • Memórias estressadas

    O primeiro beijo. O casamento. O dia em que o carro saiu do controle na estrada e
    passou raspando pelo caminhão. Cada detalhe desses eventos marcantes é gravado em sua mente,
    ainda que você não consiga se lembrar de absolutamente nada do que aconteceu nas últimas 24
    horas. Ocasiões excitantes, emocionantes e grandiosas, inclusive as estressantes, são arquivadas
    facilmente. Ou seja: o estresse pode melhorar a memória.
    Todos nós também já passamos pela experiência oposta: quando estamos muito tensos
    as palavras e as ideias parecem sumir da mente. Alguns casos de falha de memória estão ligados
    a traumas infinitamente maiores: alguém que sofreu abuso sexual na infância, por exemplo, pode
    ver os detalhes se perderem numa névoa amnésica.
    Para pesquisadores que estudam o fenômeno, como eu, essa dicotomia é bastante
    familiar. O estresse melhora algumas funções em certas circunstâncias e as atrapalha em outras.
    Pesquisas recentes mostram como situações estressantes leves ou moderadas melhoram a
    cognição e a memória, enquanto as fortes ou prolongadas as prejudicam.
    (...)

    (Revista Mente Cérebro –Duetto Editorial - Número 27 - Por Robert M. Sapolsky – p. 53)
  • Observe o trecho: “... quando estamos muito tensos as palavras e as ideias parecem sumir da mente.” (l. 06 - 07). Considerando-se o emprego das estruturas linguísticas, a correção gramatical quanto à uniformidade pronominal estará mantida se entre as palavras “da” e “mente”, acima, usarmos a palavra:
  • 7 - Questão 2667.   Informática - Nível Médio - Auxiliar Administrativo - FMS - NUCEPE
  • Considere a figura seguinte, que ilustra uma janela do MS-Outlook Express 6, e assinale a opção
    CORRETA:

    Questão MS-Outlook Express 6 - Prova FMS 2011
  • 8 - Questão 42442.   Português - Nível Superior - Enfermeiro - FMS - NUCEPE - 2015
  • SEXO, PENICILINA E ROCK N ROLL

         Economista defende que remédio contra a sífilis foi o pontapé inicial para as transformações vividas nos anos 1960

          Era uma vez uma pílula que, ao ser ingerida, mudou de uma vez por todas nosso comportamento e sistema de valores, transformando a sociedade no século 20. Da pílula anticoncepcional nasceu a revolução sexual. Essa é a história conhecida. Mas, segundo o economista Andrew Francis, da Universidade Emory, nos Estados Unidos, o pontapé inicial da revolução sexual foi dado não pela pílula, mas pela penicilina. Descoberta em 1928 por Alexander Fleming, ela foi usada clinicamente pela primeira vez em 1941. Dois anos depois, constatou-se que a penicilina podia tratar uma das doenças mais temidas da época: a sífilis. "De 1947 a 1957, a incidência de sífilis caiu 95%, e as mortes, 75%", disse Francis a GALILEU. "Minha hipótese é que essa redução no impacto de contrair sífilis estimulou um comportamento sexual não tradicional nos anos de 1950".

          Para testar a ideia, ele foi atrás dos indicadores da incidência de gonorreia (também sexualmente transmissível), do número de filhos ilegítimos e da ocorrência de gravidez na adolescência. À medida que a sífilis era controlada, esses indicadores subiam. Ou seja, quando a pílula surgiu, algumas mudanças já estavam em curso. Isso não tira, é claro, a importância do anticoncepcional nas transformações que vieram em seguida. Afinal, a penicilina não resolvia a questão da contracepção. "A mulher já estava no mercado de trabalho; exigia-se da medicina uma solução para que ela pudesse conciliar a vida profissional com a maternidade", afirma Carmita Abdo, coordenador do ProSex.

    (Revista GALILEU, Editora Globo. Maio/2015 - Nº 286 - Por Amarilis Lage - Seção Dossiê Métodos contraceptivos, p. 36)
  • A construção frasal elaborada com verbo na voz passiva é 
  • 9 - Questão 42468.   Enfermagem - Nível Superior - Enfermeiro - FMS - NUCEPE - 2015
  • A vacina BCG liofilizada, após diluição e completa homogeneização, é aplicada por via intradérmica na dose indicada de 0,1ml, na inserção inferior do músculo deltóide do braço direito. Sobre a evolução normal da lesão vacinal podemos afirmar, EXCETO,
  • 10 - Questão 42441.   Português - Nível Superior - Enfermeiro - FMS - NUCEPE - 2015
  • SEXO, PENICILINA E ROCK N ROLL

         Economista defende que remédio contra a sífilis foi o pontapé inicial para as transformações vividas nos anos 1960

          Era uma vez uma pílula que, ao ser ingerida, mudou de uma vez por todas nosso comportamento e sistema de valores, transformando a sociedade no século 20. Da pílula anticoncepcional nasceu a revolução sexual. Essa é a história conhecida. Mas, segundo o economista Andrew Francis, da Universidade Emory, nos Estados Unidos, o pontapé inicial da revolução sexual foi dado não pela pílula, mas pela penicilina. Descoberta em 1928 por Alexander Fleming, ela foi usada clinicamente pela primeira vez em 1941. Dois anos depois, constatou-se que a penicilina podia tratar uma das doenças mais temidas da época: a sífilis. "De 1947 a 1957, a incidência de sífilis caiu 95%, e as mortes, 75%", disse Francis a GALILEU. "Minha hipótese é que essa redução no impacto de contrair sífilis estimulou um comportamento sexual não tradicional nos anos de 1950".

          Para testar a ideia, ele foi atrás dos indicadores da incidência de gonorreia (também sexualmente transmissível), do número de filhos ilegítimos e da ocorrência de gravidez na adolescência. À medida que a sífilis era controlada, esses indicadores subiam. Ou seja, quando a pílula surgiu, algumas mudanças já estavam em curso. Isso não tira, é claro, a importância do anticoncepcional nas transformações que vieram em seguida. Afinal, a penicilina não resolvia a questão da contracepção. "A mulher já estava no mercado de trabalho; exigia-se da medicina uma solução para que ela pudesse conciliar a vida profissional com a maternidade", afirma Carmita Abdo, coordenador do ProSex.

    (Revista GALILEU, Editora Globo. Maio/2015 - Nº 286 - Por Amarilis Lage - Seção Dossiê Métodos contraceptivos, p. 36)
  • Isso não tira, é claro, a importância do anticoncepcional nas transformações que vieram em seguida. Afinal, a penicilina não resolvia a questão da contracepção. 

    Nesse trecho, há palavra(s) e/ou expressão(ões) que marca(m) o posicionamento do autor do texto em relação às informações e explicações apresentadas. Dentre elas, destacam-se, principalmente,