Questões de Concursos IFSP

Resolva Questões de Concursos IFSP Grátis. Exercícios com Perguntas e Respostas. Provas Online com Gabarito.

  • 1 - Q38943.   Administração - Nível Médio - Auxiliar em Administração - IFSP - FUNDEP - 2014
  • Em relação às organizações, assinale a alternativa INCORRETA.
  • 2 - Q38946.   Administração - Nível Médio - Auxiliar em Administração - IFSP - FUNDEP - 2014
  • Sobre a teoria da expectativa, assinale a alternativa INCORRETA.
  • 4 - Q38628.   Pedagogia - Nível Superior - Professor - IFSP - 2015
  • Segundo José Manuel Moran, “Muitas formas de ensinar hoje não se justificam mais. Perdemos tempo demais, aprendemos muito pouco, desmotivamo-nos continuamente. Tanto professores como alunos temos a clara sensação de que muitas aulas convencionais estão ultrapassadas." Para tornar o processo ensino-aprendizagem mais dinâmico e inovador, o autor destaca como deve ser a escola e seus personagens. Assim, na concepção de Moran, o ensino de qualidade envolve muitas variáveis, exceto:
  • 5 - Q38623.   Pedagogia - Nível Superior - Professor - IFSP - 2015
  • Considerando-se o Plano de Desenvolvimento Institucional do IFSP para o período 2014-2018, são princípios pedagógicos da instituição, exceto:
  • 6 - Q38611.   Pedagogia - Nível Superior - Professor - IFSP - 2015
  • Segundo a Lei nº 9394, de 1996, a respeito do tema “diplomas", é incorreto afirmar que:
  • 7 - Q38937.   Direito Administrativo - Nível Médio - Auxiliar em Administração - IFSP - FUNDEP - 2014
  • Sobre a gratificação natalina do servidor público civil da União, é CORRETO afirmar que
  • 8 - Q38912.   Português - Nível Médio - Auxiliar em Administração - IFSP - FUNDEP - 2014
  • Eu Sei, Mas Não Devia
                                                                            Clarice Lispector

    Eu sei, mas não devia. Eu sei que a gente se acostuma. Mas não devia. A gente se acostuma a morar em apartamentos de fundos e a não ter outra vista que não as janelas ao redor. E porque não tem vista, logo se acostuma a não olhar para fora. E porque não olha para fora, logo se acostuma a não abrir as cortinas, logo se acostuma a acender mais cedo a luz. E à medida que se acostuma, esquece o sol, esquece o ar, esquece a amplidão. 
    A gente se acostuma a acordar de manhã, sobressaltado porque está na hora. A tomar café correndo, porque está atrasado. A ler o jornal no ônibus porque não pode perder o tempo de viagem. A comer sanduíches porque não dá para almoçar. A sair do trabalho porque já é noite. A cochilar no ônibus porque está cansado. A deitar cedo e dormir pesado sem ter vivido o dia. 
    A gente se acostuma a abrir o jornal e a ler sobre guerra. E, aceitando a guerra, aceita os mortos e que haja números para os mortos. E, aceitando os números, aceita não acreditar nas negociações de paz [...]. 
    A gente se acostuma a esperar o dia inteiro e ouvir no telefone: “Hoje não posso ir". A sorrir para as pessoas sem receber um sorriso de volta. A ser ignorado quando precisa tanto ser visto.
    A gente se acostuma a pagar por tudo o que deseja e o que necessita. A lutar para ganhar o dinheiro com que se paga. E a ganhar menos do que precisa. E a fazer fila para pagar. E a pagar muito mais do que as coisas valem. E a saber que cada vez pagará mais. E a procurar mais trabalho, para ganhar mais dinheiro, para ter com que pagar nas filas em que se cobra. 
    A gente se acostuma a andar nas ruas e ver cartazes. A abrir revistas e ver anúncios. A ligar a televisão e assistir comerciais. A ir ao cinema e engolir publicidade. A ser instigado, conduzido, desnorteado, lançado na infindável catarata dos produtos. 
    A gente se acostuma à poluição. A luz artificial de ligeiro tremor. Ao choque que os olhos levam na luz natural. Às bactérias de água potável. À contaminação da água do mar. À lenta morte dos rios. Se acostuma a não ouvir passarinhos, a não ter galo de madrugada, a temer a hidrofobia dos cães, a não colher fruta no pé, a não ter sequer uma planta. 
    A gente se acostuma a coisas demais, para não sofrer. Em doses pequenas, tentando não perceber, vai afastando uma dor aqui, um ressentimento ali, uma revolta acolá. Se o cinema está cheio, a gente se senta na primeira fila e torce um pouco o pescoço. Se a praia está contaminada, a gente molha só o pé e sua no resto do corpo. Se o trabalho está duro, a gente se consola pensando no fim de semana. E se no fim de semana não há muito o que fazer, a gente vai dormir cedo e ainda fica satisfeito porque tem sempre o sono atrasado. 
    A gente se acostuma para não ralar na aspereza, para preservar a pele. Se acostuma para evitar feridas, sangramentos, para esquivar-se da faca e da baioneta, para poupar o peito. A gente se acostuma para poupar a vida. Que aos poucos se gasta, e que de tanto se acostumar, se perde de si mesma.
  • Assinale a alternativa em que todas as palavras estão com as sílabas separadas CORRETAMENTE.
  • 9 - Q38637.   Pedagogia - Nível Superior - Professor - IFSP - 2015
  • De acordo com a Lei nº 9.394, de 1996, a educação profissional técnica de nível médio será desenvolvida nas seguintes formas:

    I. Articulada com o ensino médio.
    II. Subsequente, em cursos destinados a quem já tenha concluído o ensino médio.
    III. A critério de cada instituição de ensino, nos termos de seu projeto pedagógico.

    Está(ão) incorreta(s) a(s) afirmativa(s):
  • 10 - Q38581.   Pedagogia - Nível Superior - Professor - IFSP - 2015
  • Libâneo, Oliveira e Toschi (2012) afirmam que no contexto da sociedade contemporânea, a educação pública tem três objetivos fundamentais que devem servir de base para a construção de todas as escolas públicas. Assinale a alternativa que contempla, de forma correta, os objetivos previstos de acordo com os autores citados.