Questões de Concursos TRT MA

Resolva Questões de Concursos TRT MA Grátis. Exercícios com Perguntas e Respostas. Provas Online com Gabarito.

  • 1 - Questão 8516.   Administração - Administração Geral - Nível Superior - Analista Judiciário - TRT MA - FCC - 2014
  • Após feito um diagnóstico, fruto de pesquisa de clima organizacional, uma determinada consultoria recomendou, entre outras ações, que os gestores da empresa contratante adotassem práticas de reuniões periódicas com seus subordinados com o objetivo de informá-los sobre as mudanças externas que vêm ocorrendo e que são variáveis que afetam a organização, como por exemplo: políticas econômicas, mudanças ecológicas e informações da concorrência direta.

    Sobre o enunciado considere:

    I. A adoção das reuniões provocará uma maior integração interna e um alinhamento no direcionamento da empresa, podendo, gradativamente, contribuir para a mudança da cultura organizacional.

    II. As variáveis descritas são do macroambiente ou ambiente geral.

    III. A pesquisa trouxe informações sobre a cultura organizacional, que é um dos seus objetivos.

    Está correto o que se afirma em
  • 2 - Questão 8530.   Informática - Nível Superior - Analista Judiciário - TRT MA - FCC - 2014
  • Originalmente, os sistemas operacionais Windows e Linux possuíam primordialmente interfaces de modo texto, tais como o Prompt de comando no Windows e o Shell de comando no Linux, para que o usuário utilizasse os recursos do sistema operacional. Por exemplo, para listar os arquivos de uma pasta utilizando o Prompt de comando do Windows deve-se utilizar o comando dir. O comando equivalente no Shell de comando do Linux é
  • 3 - Questão 8527.   Direito do Trabalho - Nível Superior - Analista Judiciário - TRT MA - FCC - 2014
  • Todos os empregados terão direito, anualmente, ao gozo de um período de férias, sem prejuízo da remuneração,
  • 4 - Questão 37515.   Português - Interpretação de Textos - Nível Superior - Analista Judiciário - TRT MA - FCC - 2014
  • [Do espírito das leis]

              Falta muito para que o mundo inteligente seja tão bem governado quanto o mundo físico, pois ainda que o mundo inteligente possua também leis que por sua natureza são invariáveis, não as segue constantemente como o mundo físico segue as suas. A razão disso reside no fato de estarem os seres particulares inteligentes limitados por sua natureza e, consequentemente, sujeitos a erro; e, por outro lado, é próprio de sua natureza agirem por si mesmos. (...)
              O homem, como ser físico, tal como os outros corpos da natureza, é governado por leis invariáveis. Como ser inteligente, viola incessantemente as leis que Deus estabeleceu e modifica as que ele próprio estabeleceu. Tal ser poderia, a todo instante, esquecer seu criador - Deus, pelas leis da religião, chamou-o a si; um tal ser poderia, a todo instante, esquecer-se de si mesmo − os filósofos advertiram-no pelas leis da moral.

                         (Montesquieu − Os Pensadores. São Paulo: Abril Cultural, 1973, p. 33 e 34)
  • Considere as seguintes afirmações:

    I. No primeiro parágrafo, afirma-se que é da natureza humana buscar agir em estrita conformidade com as leis divinas, materializadas no mundo físico.
    II. No primeiro parágrafo, depreende-se que Montesquieu considera que as leis que governam o mundo físico são exemplos de uma eficiência que os homens deveriam perseguir no governo do mundo inteligente.
    III. No segundo parágrafo, a religião e a filosofia sur- gem, cada uma em sua esfera, como possíveis corretivos para as negligências e os desvios da conduta humana.

    Em relação ao texto, está correto o que se afirma em:
  • 5 - Questão 8512.   Administração - Administração Geral - Nível Superior - Analista Judiciário - TRT MA - FCC - 2014
  • Sobre as estruturas organizacionais formais considere:

    I. A criação de uma unidade organizacional staff na diretoria demonstra tendência de perda de inovação na gestão pública.

    II. Um dos tipos de departamentalização é o funcional, pois permite otimizar recursos e aumentar a especialidade.

    III. A representação gráfica da estrutura organizacional é feita pelo fluxograma, que é reconhecido juridicamente de fato e de direito.

    IV. Em um processo de achatamento da estrutura organizacional tende-se a um aumento da amplitude de controle das chefias.

    Está correto o que se afirma APENAS em
  • 6 - Questão 8515.   Administração - Administração Geral - Nível Superior - Analista Judiciário - TRT MA - FCC - 2014
  • Considere as afirmativas abaixo.

    I. O modelo de gestão burocrática permite que as organizações inovem por meio de pessoalidade nos trâmites administrativos.

    II. A descontinuidade administrativa, os conflitos políticos, as limitações burocrático-administrativas impostas pela legislação em vigor são exemplos de fatores condicionantes no modelo de gestão pública.

    III. O modelo de gestão de pessoas por competência é o principal modelo que vem, gradativamente, sendo adotado pelas organizações pois atrela conhecimento, habilidade e atitudes das pessoas.

    Está correto o que se afirma em :
     
  • 7 - Questão 37510.   Português - Nível Superior - Analista Judiciário - TRT MA - FCC - 2014
  • Da utilidade dos prefácios

    Li outro dia em algum lugar que os prefácios são textos inúteis, já que em 100% dos casos o prefaciador é convocado com o compromisso exclusivo de falar bem do autor e da obra em questão. Garantido o tom elogioso, o prefácio ainda aponta características evidentes do texto que virá, que o leitor poderia ter muito prazer em descobrir sozinho. Nos casos mais graves, o prefácio adianta elementos da história a ser narrada (quando se trata de ficção), ou antecipa estrofes inteiras (quando poesia), ou elenca os argumentos de base a serem desenvolvidos (quando estudos ou ensaios). Quer dizer: mais do que inútil, o prefácio seria um estraga-prazeres.

    Pois vou na contramão dessa crítica mal-humorada aos prefácios e prefaciadores, embora concorde que muitas vezes ela proceda - o que não justifica a generalização devastadora. Meu argumento é simples e pessoal: em muitos livros que li, a melhor coisa era o prefácio - fosse pelo estilo do prefaciador, muito melhor do que o do autor da obra, fosse pela consistência das ideias defendidas, muito mais sólidas do que as expostas no texto principal. Há casos célebres de bibliografias que indicam apenas o prefácio de uma obra, ficando claro que o restante é desnecessário. E ninguém controla a possibilidade, por exemplo, de o prefaciador ser muito mais espirituoso e inteligente do que o amigo cujo texto ele apresenta. Mas como argumento final vou glosar uma observação de Machado de Assis: quando o prefácio e o texto principal são ruins, o primeiro sempre terá sobre o segundo a vantagem de ser bem mais curto.

    Há muito tempo me deparei com o prefácio que um grande poeta, dos maiores do Brasil, escreveu para um livrinho de poemas bem fraquinhos de uma jovem, linda e famosa modelo. Pois o velho poeta tratava a moça como se fosse uma Cecília Meireles (que, aliás, além de grande escritora era também linda). Não havia dúvida: o poeta, embevecido, estava mesmo era prefaciando o poder de sedução da jovem, linda e nada talentosa poetisa. Mas ele conseguiu inventar tantas qualidades para os poemas da moça que o prefácio acabou sendo, sozinho, mais uma prova da imaginação de um grande gênio poético.
  • Quanto à pontuação, a frase inteiramente correta é:
  • 8 - Questão 8531.   Informática - Nível Superior - Analista Judiciário - TRT MA - FCC - 2014
  • A criptografia é um dos principais mecanismos de segurança contra os riscos associados ao uso da internet. Por meio do uso da criptografia é possível proteger

    I. os dados sigilosos armazenados em um computador, como um arquivo de senhas e uma declaração de Imposto de Renda.

    II. um arquivo para que este não seja danificado ou excluído, pois os mecanismos de criptografia garantem sua integridade.

    III. os backups contra acesso indevido, principalmente aqueles enviados para áreas de armazenamento externo de mídias.

    IV. as comunicações realizadas pela internet, como os e-mails enviados/recebidos e as transações bancárias e comerciais realizadas.

    Está correto o que se afirma APENAS em:
  • 9 - Questão 37505.   Português - Nível Superior - Analista Judiciário - TRT MA - FCC - 2014
  • Da utilidade dos prefácios

    Li outro dia em algum lugar que os prefácios são textos inúteis, já que em 100% dos casos o prefaciador é convocado com o compromisso exclusivo de falar bem do autor e da obra em questão. Garantido o tom elogioso, o prefácio ainda aponta características evidentes do texto que virá, que o leitor poderia ter muito prazer em descobrir sozinho. Nos casos mais graves, o prefácio adianta elementos da história a ser narrada (quando se trata de ficção), ou antecipa estrofes inteiras (quando poesia), ou elenca os argumentos de base a serem desenvolvidos (quando estudos ou ensaios). Quer dizer: mais do que inútil, o prefácio seria um estraga-prazeres.

    Pois vou na contramão dessa crítica mal-humorada aos prefácios e prefaciadores, embora concorde que muitas vezes ela proceda - o que não justifica a generalização devastadora. Meu argumento é simples e pessoal: em muitos livros que li, a melhor coisa era o prefácio - fosse pelo estilo do prefaciador, muito melhor do que o do autor da obra, fosse pela consistência das ideias defendidas, muito mais sólidas do que as expostas no texto principal. Há casos célebres de bibliografias que indicam apenas o prefácio de uma obra, ficando claro que o restante é desnecessário. E ninguém controla a possibilidade, por exemplo, de o prefaciador ser muito mais espirituoso e inteligente do que o amigo cujo texto ele apresenta. Mas como argumento final vou glosar uma observação de Machado de Assis: quando o prefácio e o texto principal são ruins, o primeiro sempre terá sobre o segundo a vantagem de ser bem mais curto.

    Há muito tempo me deparei com o prefácio que um grande poeta, dos maiores do Brasil, escreveu para um livrinho de poemas bem fraquinhos de uma jovem, linda e famosa modelo. Pois o velho poeta tratava a moça como se fosse uma Cecília Meireles (que, aliás, além de grande escritora era também linda). Não havia dúvida: o poeta, embevecido, estava mesmo era prefaciando o poder de sedução da jovem, linda e nada talentosa poetisa. Mas ele conseguiu inventar tantas qualidades para os poemas da moça que o prefácio acabou sendo, sozinho, mais uma prova da imaginação de um grande gênio poético.
  • Está inteiramente clara e correta a redação deste livre comentário sobre o texto:
  • 10 - Questão 8526.   Direito do Trabalho - Nível Superior - Analista Judiciário - TRT MA - FCC - 2014
  • O contrato individual de trabalho