Questões de Concursos TRT RS

Resolva Questões de Concursos TRT RS Grátis. Exercícios com Perguntas e Respostas. Provas Online com Gabarito.

  • 1 - Questão 37901.   Raciocínio Lógico - Nível Médio - Técnico Judiciário - TRT RS - FCC - 2015
  • Há um diamante dentro de uma das três caixas fechadas e de cores diferentes (azul, branca, cinza). A etiqueta da caixa azul diz “o diamante não está aqui”, a da caixa branca diz “o diamante não está na caixa cinza”, e a da caixa cinza diz “o diamante está aqui”. Se apenas uma das etiquetas diz a verdade, então, a caixa em que está o diamante e a caixa com a etiqueta que diz a verdade são, respectivamente,
  • 2 - Questão 37916.   Português - Interpretação de Textos - Nível Médio - Técnico Judiciário - TRT RS - FCC - 2015
  • Considere o texto abaixo para responder às questões de números 8 a 11. 

        Escrever sobre as mulheres do Sul não significa traçar um perfil único que as identifique e as diferencie das outras mulheres do restante do país. No Sul encontramos diferentes perfis femininos nos diversos períodos históricos: mulheres oriundas de etnias e classes sociais várias.
    [...]
        A idealização das mulheres em seus papéis familiares é muito semelhante àquelas idealizações divulgadas no final do século XVIII e início do século XX nos grandes centros europeus. Nas cidades do Sul, imagens idealizadas foram frequentes a partir da segunda metade do século XIX, durante a formação das elites nos centros urbanos. 
        O crescimento das áreas urbanas, em meados do século XIX, foi impulsionado com a inclusão da região no comércio agrário-exportador brasileiro como subsidiária, ou seja, como fornecedora de alimentos para o mercado interno. Os altos preços do café no mercado externo e a destinação da mão de obra escrava para a produção cafeeira provocaram o aumento da procura por alimentos e a consequente elevação de preços. Esse fato propiciou o surgimento de um novo grupo de pessoas mais abastadas nos centros urbanos da região Sul. 
    Em cada capital do Sul, esses grupos assumiram configurações diferentes. [...] 
        Num futuro próximo, esses grupos iriam promover os jornais responsáveis pela divulgação de modelos de comportamento, especialmente para as mulheres. Os jornais pareciam veicular um projeto civilizador com pretensão de construir novos homens e mulheres, divulgando imagens idealizadas para ambos os sexos. [...]
        Embora os jornais sulistas reproduzissem estereótipos existentes há séculos, faziam-no em um contexto específico, respondendo a uma conjuntura determinada, na qual a demonstração de distinção e a exposição de um certo verniz social implicavam em moldar as mulheres de uma determinada classe. Nas imagens dos jornais das cidades do Sul, e provavelmente em outras cidades do restante do país, as mães seriam responsáveis pelo progresso e a civilização, pois eram consideradas criadoras e educadoras das novas gerações. 

    (Adaptado de: PEDRO, J. M. Mulheres do Sul. In: DEL PRIORE, M. (org.). História das mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto, 2012, p. 278-282) 
  • A idealização das mulheres em seus papéis familiares é muito semelhante àquelas idealizações divulgadas no final do século XVIII e início do século XX nos grandes centros europeus.

    Mantém-se a correção no emprego do sinal indicativo de crase se o segmento grifado na frase acima for substituído por:
  • 3 - Questão 37902.   Raciocínio Lógico - Nível Médio - Técnico Judiciário - TRT RS - FCC - 2015
  • Quatro estudantes, de idades 36, 27, 18 e 9 anos, estão fazendo uma prova. Sabe-se que:

    − somando as idades do mais novo com a de João se obtém a idade de Lucas;
    − um dos estudantes se chama Ronaldo;
    − o estudante mais velho tem o dobro da idade de Ademir.

    Nas condições dadas, a soma das idades de João e Ademir, em anos, é igual a
  • 4 - Questão 37923.   Português - Nível Médio - Técnico Judiciário - TRT RS - FCC - 2015
  • De gramática e de linguagem 

    E havia uma gramática que dizia assim:
    “Substantivo (concreto) é tudo quanto indica
    Pessoa, animal ou cousa: João, sabiá, caneta."
    Eu gosto é das cousas. As cousas, sim!...
    As pessoas atrapalham. Estão em toda parte. Multiplicam-se em excesso.
    As cousas são quietas. Bastam-se. Não se metem com ninguém.
    Uma pedra. Um armário. Um ovo. (Ovo, nem sempre,
    Ovo pode estar choco: é inquietante...)
    As cousas vivem metidas com as suas cousas.
    E não exigem nada.
    Apenas que não as tirem do lugar onde estão.
    E João pode neste mesmo instante vir bater à nossa porta.
    Para quê? não importa: João vem!
    E há de estar triste ou alegre, reticente ou falastrão,
    Amigo ou adverso ... João só será definitivo
    Quando esticar a canela. Morre, João...
    Mas o bom, mesmo, são os adjetivos,
    Os puros adjetivos isentos de qualquer objeto.
    Verde. Macio. Áspero. Rente. Escuro. Luminoso.
    Sonoro. Lento. Eu sonho
    Com uma linguagem composta unicamente de adjetivos
    Como decerto é a linguagem das plantas e dos animais.
    Ainda mais:
    Eu sonho com um poema
    Cujas palavras sumarentas escorram
    Como a polpa de um fruto maduro em tua boca,
    Um poema que te mate de amor
    Antes mesmo que tu lhe saibas o misterioso sentido:
    Basta provares o seu gosto... 

    (QUINTANA, M. Prosa e verso. Porto Alegre: Globo, 1978, p. 94) 

    E havia uma gramática...

    O verbo que possui o mesmo tipo de complemento que o verbo grifado acima está empregado em:
  • 5 - Questão 37928.   Informática - Nível Médio - Técnico Judiciário - TRT RS - FCC - 2015
  • Em um computador com o Windows 7, em português, pode-se instalar mais de um sistema operacional, fornecendo ao usuário a opção de escolher qual deseja usar ao iniciar o computador. Este procedimento
  • 6 - Questão 37937.   Direito Constitucional - Nível Médio - Técnico Judiciário - TRT RS - FCC - 2015
  • Nos termos da Constituição Federal, são cargos privativos de brasileiros natos:
  • 7 - Questão 37921.   Português - Nível Médio - Técnico Judiciário - TRT RS - FCC - 2015
  • De gramática e de linguagem 

    E havia uma gramática que dizia assim:
    “Substantivo (concreto) é tudo quanto indica
    Pessoa, animal ou cousa: João, sabiá, caneta."
    Eu gosto é das cousas. As cousas, sim!...
    As pessoas atrapalham. Estão em toda parte. Multiplicam-se em excesso.
    As cousas são quietas. Bastam-se. Não se metem com ninguém.
    Uma pedra. Um armário. Um ovo. (Ovo, nem sempre,
    Ovo pode estar choco: é inquietante...)
    As cousas vivem metidas com as suas cousas.
    E não exigem nada.
    Apenas que não as tirem do lugar onde estão.
    E João pode neste mesmo instante vir bater à nossa porta.
    Para quê? não importa: João vem!
    E há de estar triste ou alegre, reticente ou falastrão,
    Amigo ou adverso ... João só será definitivo
    Quando esticar a canela. Morre, João...
    Mas o bom, mesmo, são os adjetivos,
    Os puros adjetivos isentos de qualquer objeto.
    Verde. Macio. Áspero. Rente. Escuro. Luminoso.
    Sonoro. Lento. Eu sonho
    Com uma linguagem composta unicamente de adjetivos
    Como decerto é a linguagem das plantas e dos animais.
    Ainda mais:
    Eu sonho com um poema
    Cujas palavras sumarentas escorram
    Como a polpa de um fruto maduro em tua boca,
    Um poema que te mate de amor
    Antes mesmo que tu lhe saibas o misterioso sentido:
    Basta provares o seu gosto... 

    (QUINTANA, M. Prosa e verso. Porto Alegre: Globo, 1978, p. 94) 

    As pessoas atrapalham. Estão em toda parte. Multiplicam-se em excesso.
    As cousas são quietas. Bastam-se. Não se metem com ninguém.
    Os versos acima devem ser entendidos, considerando-se o teor do poema, como 
  • 8 - Questão 37911.   Direito do Trabalho - Nível Médio - Técnico Judiciário - TRT RS - FCC - 2015
  • Trata-se de hipótese de suspensão do contrato de trabalho:
  • 9 - Questão 37938.   Direito Processual do Trabalho - Nível Médio - Técnico Judiciário - TRT RS - FCC - 2015
  • No tocante às custas e emolumentos, considere:

    I. No caso de inversão do ônus da sucumbência em segundo grau, sem acréscimo ou atualização do valor das custas e se estas já foram devidamente recolhidas, descabe um novo pagamento pela parte vencida, ao recorrer. Deverá ao final, se sucumbente, reembolsar a quantia.
    II. O reembolso das custas à parte vencedora faz-se necessário exceto na hipótese em que a parte vencida for pessoa isenta do seu pagamento, nos termos da lei.
    III. Nos dissídios individuais, em regra, as custas relativas ao processo de conhecimento incidirão à base de 2% calculadas, quando houver extinção do processo, sem julgamento do mérito, sobre o valor da causa.
    IV. A isenção das custas alcança as entidades fiscalizadoras do exercício profissional.

    Nos termos da jurisprudência sumulada do TST e regras contidas na Consolidação das Leis do Trabalho, está correto o que se afirma APENAS em
  • 10 - Questão 37913.   Português - Interpretação de Textos - Nível Médio - Técnico Judiciário - TRT RS - FCC - 2015
  • Considere o texto abaixo para responder às questões de números 8 a 11. 

        Escrever sobre as mulheres do Sul não significa traçar um perfil único que as identifique e as diferencie das outras mulheres do restante do país. No Sul encontramos diferentes perfis femininos nos diversos períodos históricos: mulheres oriundas de etnias e classes sociais várias.
    [...]
        A idealização das mulheres em seus papéis familiares é muito semelhante àquelas idealizações divulgadas no final do século XVIII e início do século XX nos grandes centros europeus. Nas cidades do Sul, imagens idealizadas foram frequentes a partir da segunda metade do século XIX, durante a formação das elites nos centros urbanos. 
        O crescimento das áreas urbanas, em meados do século XIX, foi impulsionado com a inclusão da região no comércio agrário-exportador brasileiro como subsidiária, ou seja, como fornecedora de alimentos para o mercado interno. Os altos preços do café no mercado externo e a destinação da mão de obra escrava para a produção cafeeira provocaram o aumento da procura por alimentos e a consequente elevação de preços. Esse fato propiciou o surgimento de um novo grupo de pessoas mais abastadas nos centros urbanos da região Sul. 
    Em cada capital do Sul, esses grupos assumiram configurações diferentes. [...] 
        Num futuro próximo, esses grupos iriam promover os jornais responsáveis pela divulgação de modelos de comportamento, especialmente para as mulheres. Os jornais pareciam veicular um projeto civilizador com pretensão de construir novos homens e mulheres, divulgando imagens idealizadas para ambos os sexos. [...]
        Embora os jornais sulistas reproduzissem estereótipos existentes há séculos, faziam-no em um contexto específico, respondendo a uma conjuntura determinada, na qual a demonstração de distinção e a exposição de um certo verniz social implicavam em moldar as mulheres de uma determinada classe. Nas imagens dos jornais das cidades do Sul, e provavelmente em outras cidades do restante do país, as mães seriam responsáveis pelo progresso e a civilização, pois eram consideradas criadoras e educadoras das novas gerações. 

    (Adaptado de: PEDRO, J. M. Mulheres do Sul. In: DEL PRIORE, M. (org.). História das mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto, 2012, p. 278-282) 
  • No texto, a autora