Analista de Finanças - Português - Interpretação de Textos - CGU

Responda as 14 questões do simulado abaixo (Analista de Finanças - Português - Interpretação de Textos - CGU). Ao terminar a prova, clique em corrigir para ver o gabarito.

14 questões Português, Interpretação de Textos, Analista de Finanças, CGU, ESAF, Ensino Superior

0 resolveram
0% acertos
n/d
0 gabaritaram
0 ótimo
0 bom
0 regular
0 péssimo

1Questão 111248. Português, Interpretação de Textos, Analista de Finanças, CGU, ESAF, Ensino Superior, 2004

Texto associado.

Leia o texto para responder às questões 01 e 02.

O que leva um compositor popular consagrado,
uma glória da MPB, a escrever romances?
Para responder a essa pergunta, convém
lembrarmos algumas características da personalidade
de Chico Buarque de Holanda. Primeiro,
a forte presença de um pai que, além
de ser um historiador notável, era um fino crítico
literário. Depois, o fato de Chico ter se
dado conta de que sua genial produção musical
não bastava para dizer tudo que ele tinha a
nos dizer.
Não se pode dizer que o que o Chico nos
diz nos romances não tem nada a ver com o
que ele passa aos seus ouvintes através das
suas canções. No recém-lançado Budapeste,
por exemplo, eu, pessoalmente, vejo um clima
de bem-humorada resignação do personagem
com suas limitações, um clima que me parece
que encontrei, em alguns momentos, na sua
obra musical. Uma coisa, porém, são as imagens
sugestivas das canções; outra é a complexa
construção de umromance. A distância
entre ambas talvez pudesse ser comparada
àquela que vai das delicadas e rústicas capelas
românicas às imponentes catedrais góticas.
Chico Buarque percorreu esse caminho
com toda a humildade de quem queria aprender
a fazer melhor, mas também com a autoconfiança
de quem sabia que podia se tornar
um mestre romancista.
Valeu a pena. A autodisciplina lhe permitiu
mergulhar mais fundo na confusão da nossa
realidade, nas ambigüidades do nosso tempo.
A ficção, às vezes, possibilita uma percepção
mais aguda das questões em que estamos
todos tropeçando. No caso deste romance
mais recente de Chico Buarque, temos um rico
material para repensarmos, sorrindo, o problema
da nossa identidade: quem somos nós,
afinal?

(Leandro Konder, Jornal do Brasil, 18/10/2003)

Em relação ao texto, assinale a opção correta.

2Questão 111637. Português, Interpretação de Textos, Analista de Finanças, CGU, ESAF, Ensino Superior, 2004

Assinale o trecho do texto em que, na transcrição, foi inserido erro gramatical.

3Questão 112085. Português, Interpretação de Textos, Analista de Finanças, CGU, ESAF, Ensino Superior, 2004

Julgue se os trechos do texto abaixo foram transcritos de forma gramaticalmente correta.

I. Comparada aos outros períodos do capitalismo, a Era Desenvolvimentista apresentou desempenho muito superior quanto a taxas de crescimento do PIB, criação de empregos e aumentos dos salários.

II. O Desenvolvimentismo foi a época de ouro do capitalismo, mas Roberto Campos chegou a sentenciar: "os desenvolvimentistas não entendem nada de desenvolvimento."

III. O "desenvolvimentismo", como projeto ideológico e prática política nos países da periferia, nasceu nos anos 30, no mesmo berço que produziu o keynesianismo nos países centrais. Era uma reação contra as misérias e as desgraças produzidas pelo capitalismo dos anos 20.

IV. A onda desenvolvimentista e a experiência keynesiana teve o seu apogeu nas três décadas que sucederam o fim da Segunda Guerra. O ambiente político e social estava saturado da idéia que era possível adotar estratégias nacionais e intencionais de crescimento, industrialização e avanço social.

V. Para desagrado dos monetaristas, as políticas monetárias e de crédito de então, tinham objetivos nacionais, ou seja, estavam relacionadas ao desempenho da economia e das empresas localizadas no país.

VI. No âmbito internacional, as taxas fixas (mas ajustáveis) de câmbio e as limitações aos movimentos internacionais de capitais de curtoprazo impedia a transmissão de choques causadores de instabilidade às taxas de juros domésticas.

(Adaptado de Luiz Gonzaga Belluzzo)

Os itens corretos são:

4Questão 112223. Português, Interpretação de Textos, Analista de Finanças, CGU, ESAF, Ensino Superior, 2004

Texto associado.

Leia o texto para responder às questões 01 e 02.

O que leva um compositor popular consagrado,
uma glória da MPB, a escrever romances?
Para responder a essa pergunta, convém
lembrarmos algumas características da personalidade
de Chico Buarque de Holanda. Primeiro,
a forte presença de um pai que, além
de ser um historiador notável, era um fino crítico
literário. Depois, o fato de Chico ter se
dado conta de que sua genial produção musical
não bastava para dizer tudo que ele tinha a
nos dizer.
Não se pode dizer que o que o Chico nos
diz nos romances não tem nada a ver com o
que ele passa aos seus ouvintes através das
suas canções. No recém-lançado Budapeste,
por exemplo, eu, pessoalmente, vejo um clima
de bem-humorada resignação do personagem
com suas limitações, um clima que me parece
que encontrei, em alguns momentos, na sua
obra musical. Uma coisa, porém, são as imagens
sugestivas das canções; outra é a complexa
construção de umromance. A distância
entre ambas talvez pudesse ser comparada
àquela que vai das delicadas e rústicas capelas
românicas às imponentes catedrais góticas.
Chico Buarque percorreu esse caminho
com toda a humildade de quem queria aprender
a fazer melhor, mas também com a autoconfiança
de quem sabia que podia se tornar
um mestre romancista.
Valeu a pena. A autodisciplina lhe permitiu
mergulhar mais fundo na confusão da nossa
realidade, nas ambigüidades do nosso tempo.
A ficção, às vezes, possibilita uma percepção
mais aguda das questões em que estamos
todos tropeçando. No caso deste romance
mais recente de Chico Buarque, temos um rico
material para repensarmos, sorrindo, o problema
da nossa identidade: quem somos nós,
afinal?

(Leandro Konder, Jornal do Brasil, 18/10/2003)

Em relação às idéias do texto, assinale a opção que apresenta inferência incorreta.

5Questão 112310. Português, Interpretação de Textos, Analista de Finanças, CGU, ESAF, Ensino Superior, 2004

Em relação ao texto, assinale a opção incorreta.
Os gregos não possuíam textos sagrados
nem castas sacerdotais. Graças à literatura de
Homero, produzida oito séculos antes de
Cristo, os gregos se apropriaram de uma fer-
5 ramenta epistemológica que, ainda hoje, nos
dá a impressão de que eles intuíram todos os
conhecimentos que a ciência moderna viria a
descobrir. O que seria de nossa cultura sem a
matemática de Pitágoras, a geometria de Eu-
10 clides, a filosofia de Sócrates, Platão e Aristó-
teles? O que seria da teoria de Freud sem o
teatro de Sófocles, Eurípedes e Ésquilo?
Os hebreus imprimiram ao tempo, graças
aos persas, um caráter histórico e uma natu-
15 reza divina. E produziram uma literatura mo-
numental a Bíblia , que inspira três grandes
religiões: o judaísmo, o cristianismo e o isla-
mismo. Tira-se o livro dessas tradições religio-
sas e elas perdem toda a identidade e o pro-
20 pósito.
(Frei Beto)

6Questão 112589. Português, Interpretação de Textos, Analista de Finanças, CGU, ESAF, Ensino Superior, 2004

Assinale a opção que constitui continuação coesa e coerente para o texto abaixo:

Não há dúvida de que a grande mudança ocorreu no início da década de 60, com a política externa independente inaugurada pelo governo Jânio Quadros, responsável pelas novas relações do Brasil com América Latina, Ásia e África, mas também com o mundo socialista e com o Movimento dos Países Não-Alinhados. Consolidou-se uma estratégia mais autônoma em relação aos Estados Unidos, mais aberta aos países do mundo e mais combativa no plano das negociações comerciais e financeiras do país, como ficou claro no apoio à criação da Alalc e na participação brasileira na Unctat e no Grupo dos 77, nas décadas de 60 e 70.

7Questão 112681. Português, Interpretação de Textos, Analista de Finanças, CGU, ESAF, Ensino Superior, 2004

Texto associado.

imagem-retificada-texto-001.jpg

Assinale a opção que está de acordo com a direção argumentativa do texto.

8Questão 112718. Português, Interpretação de Textos, Analista de Finanças, CGU, ESAF, Ensino Superior, 2004

No texto a seguir, assinale o trecho que foi transcrito de forma gramaticalmente correta quanto ao emprego das preposições.

9Questão 112765. Português, Interpretação de Textos, Analista de Finanças, CGU, ESAF, Ensino Superior, 2004

Texto associado.

Leia o texto para responder às questões 03 e 04.

Livro tem começo, meio e fim. Como a
vida
. As grandes narrativas favorecem a nossa
visão histórica e criam o caldo de cultura no
qual brotam as utopias. Sem utopia não há
ideal - sem ideal não há valores nem projetos.
A vida reduz-se a um joguete nas oscilações
do mercado.
A literatura é a arte da palavra. E, como
toda arte, recria a realidade, subvertendo-a,
transfigurando-a, revelando o seu avesso. Por
isso, todo artista é um clone de Deus, já que
imprime ao real um caráter ético e um sabor
estético, superando a linguagem usual e refletindo,
de modo surpreendente, a imaginação
criadora.
Sem literatura, corremos o risco de resvalarmos
para a mesquinhez dos jargões burocráticos,
a farsa do "economês", que tudo explica
e quase nada justifica
, a palilalia estéril
da linguagem televisiva, a logorréia dos discursos
políticos, condenando-nos àvisão estreita
e à pobreza de espírito despida de qualquer
bem-aventurança. Salvemos a literatura
para que possamos salvar a humanidade.

(Adaptado de Frei Betto)

Assinale a opção em que a substituição proposta para o trecho sublinhado prejudica a correção gramatical do texto.

10Questão 112926. Português, Interpretação de Textos, Analista de Finanças, CGU, ESAF, Ensino Superior, 2004

Texto associado.

Nas questões 14 e 15 assinale a opção que corresponde
a palavra ou expressão do texto que contraria
a prescrição gramatical.

Aos poucos, o horizonte histórico apaga-se(1), como as luzes de um palco após o espetáculo. A utopia sai de cena, o que(2) permite a Fukuyama vatiscinar( 3): "A história acabou". Ao contrário do que(4) adverte Coélet, no Eclesiastes, não há mais tempo para construir e tempo para destruir; tempo para amar e tempo para odiar; tempo para fazer a guerra e tempo para estabelecer a paz. O tempo é agora. E nele se sobrepõem(5) construção e destruição, amor e ódio, guerra e paz.

(Adaptado de Frei Betto)

11Questão 112945. Português, Interpretação de Textos, Analista de Finanças, CGU, ESAF, Ensino Superior, 2004

Texto associado.

Leia o texto para responder às questões 03 e 04.

Livro tem começo, meio e fim. Como a
vida
. As grandes narrativas favorecem a nossa
visão histórica e criam o caldo de cultura no
qual brotam as utopias. Sem utopia não há
ideal - sem ideal não há valores nem projetos.
A vida reduz-se a um joguete nas oscilações
do mercado.
A literatura é a arte da palavra. E, como
toda arte, recria a realidade, subvertendo-a,
transfigurando-a, revelando o seu avesso. Por
isso, todo artista é um clone de Deus, já que
imprime ao real um caráter ético e um sabor
estético, superando a linguagem usual e refletindo,
de modo surpreendente, a imaginação
criadora.
Sem literatura, corremos o risco de resvalarmos
para a mesquinhez dos jargões burocráticos,
a farsa do "economês", que tudo explica
e quase nada justifica
, a palilalia estéril
da linguagem televisiva, a logorréia dos discursos
políticos, condenando-nos àvisão estreita
e à pobreza de espírito despida de qualquer
bem-aventurança. Salvemos a literatura
para que possamos salvar a humanidade.

(Adaptado de Frei Betto)

Em relação ao texto, assinale a opção correta.

12Questão 113101. Português, Interpretação de Textos, Analista de Finanças, CGU, ESAF, Ensino Superior, 2004

Assinale a opção que constitui continuação coesa e coerente para o texto abaixo.

Até aqui, o governo se dedicou a expor seu ponto de
vista e começou a mover suas pedras no tabuleiro, a
partir de sua opção pela prioridade sul-americana e
do Mercosul. Estabeleceu, em seguida, uma série de
pontes e alianças possíveis com a África e a Ásia,
como aconteceu com o G21, na reunião de Cancun
da OMC, e como está acontecendo nas negociações
do G3, com a África do Sul e com a Índia. Ou ainda,
como vem ocorrendo nas novas parcerias tecnológi-
cas com a Ucrânia, a Rússia, a China, ou com os
projetos infra-estruturais com a Venezuela, a Bolívia,
o Peru e a Argentina.

13Questão 113450. Português, Interpretação de Textos, Analista de Finanças, CGU, ESAF, Ensino Superior, 2004

Os trechos abaixo constituem um texto, mas estão desordenados.

Ordene-os e, em seguida, assinale a seqüência correta correspondente.

( ) Nem tinham estabelecido relações entre si que permitissem falar na existência de um sistema estatal ou de um sistema econômico americano.

( ) O Brasil foi um dos pioneiros na experimentação dessa estratégia proposta por Adam Smith e seus discípulos. Primeiro, foram os Tratados de Comércio, assinados pela Coroa Portuguesa com a Inglaterra, em 1806 e 1810, e com a França, em 1816; e, logo depois da Independência, os Tratados assinados pelo Império Brasileiro com a Inglaterra, em 1827, com a Áustria e a Prússia, no mesmo ano de 1827, e com a Dinamarca, os Estados Unidos e os Países Baixos, em 1829.

( ) Esse dinamismo surgiu depois de se integrarem como produtores especializados do sistema internacional de divisão do trabalho, articulado pelas necessidades da industrialização inglesa e pelos famosos Tratados Comerciais, preconizados pela economia política clássica e impostos ao mundo pela Inglaterra e demais países europeus.

( ) Ao lado dos Estados Unidos, o Brasil e demais países latino-americanos foram os primeiros Estados a nascer fora da Europa. Mas, na hora da sua independência, nenhum deles dispunha de verdadeiras estruturas políticas e econômicas nacionais.

( ) Pelo contrário, os Estados latinos só lentamente foram monopolizando e centralizando o uso da força, e suas economias só adquiriram dinamismo no século XIX.

(Adaptado de José Luís Fiori, " O Brasil no mundo: o debate da política externa")

14Questão 113470. Português, Interpretação de Textos, Analista de Finanças, CGU, ESAF, Ensino Superior, 2004

Texto associado.

Leia o texto para responder à questão 06.

Em 2003, são poucos os que ainda acreditam
no mito da globalização. A economia mundial
segue enfrentando um futuro incerto, e a
guerra voltou a ocupar um lugar de destaque
nas relações internacionais. Nessas relações,
os Estados Unidos acumulam um poder militar
inquestionável, mas as grandes potências
divergem cada vez mais sobre a estrutura e
funcionamento da nova ordem política mundial,
em construção depois do fim da Guerra
Fria. Nesse contexto internacional, a maior
parte dos países latino-americanos já deixou
para trás
a opção dos anos 90 pelas políticas
neoliberais. Mas tem sido difícil encontrar novos
caminhos econômicos. Ainda não existe
uma consciência clara, nem mesmo um consenso,
de que essa mudança de rumo envolve,
necessariamente, uma redefinição da
política externa do continente.

(Adaptado de José Luís Fiori, "O Brasil no mundo: o
debate dapolítica externa")

Assinale a substituição sugerida que prejudica o sentido original ou a correção gramatical do texto.