← Mais simulados

Simulado: Médico Judiciário - Português - Interpretação Textual - TJ SP - Questões

Simulado com Questões da Prova - Médico Judiciário - Português - Interpretação Textual - TJ SP. Ao Terminar de Resolver, Clique em Corrigir para ver o Gabarito.

11 resolveram
58% acertos
Médio
2 gabaritaram
3 ótimo
3 bom
4 regular
1 péssimo
Texto associado.
Leia o texto para responder a questão.
Após avanços tecnológicos, medicina deve mirar empatia
Médicos sempre ocuparam uma posição de prestígio na
sociedade. Afinal, cuidar do maior bem do indivíduo – a vida –
não é algo trivial. Embora a finalidade do ofício seja a mesma,
o modus operandi mudou drasticamente com o tempo.
O que se pode afirmar é que o foco da atuação médica deve 
ser cada vez menos o controle sobre o destino do
paciente e mais a mediação e a interpretação de tecnologias,
incluindo a famigerada inteligência artificial. Já o lado humanístico, 
que perdeu espaço para os exames e as máquinas,
tende a recuperar cada vez mais sua importância.
De meados do século 20 até agora, concomitantemente
às novas especialidades, houve avanço tecnológico e a proliferação 
de modalidades de exames. Cresceu o catálogo dos
laboratórios e também a dependência do médico em relação
a exames. A impressão dos pacientes passou a ser a de que
o cuidado é ruim, caso o médico não os solicite.
O tema é caro a Jayme Murahovschi, referência em
pediatria no país. “Tem que haver progressão tecnológica,
claro, mas mais importante que isso é a ligação emocional
com o paciente. Hoje médicos pedem muitos exames e os
pacientes também.”
Murahovschi está entre os que acreditam que a profissão 
está sofrendo uma nova reviravolta, quase que voltando às origens 
clássicas, hipocráticas: “Os médicos do futuro,
os que sobrarem, vão ter que conhecer o paciente a fundo,
dar toda a atenção que ele precisa, usando muita tecnologia,
mas com foco no paciente.”
Alguns profissionais poderão migrar para uma medicina
mais técnica, preveem analistas.
Esses doutores teriam uma função diferente, atuando na
interface entre o conhecimento biomédico e a tecnologia por
trás de plataformas de diagnóstico e reabilitação. Ou ainda
atuariam alimentando com dados uma plataforma de inteligência 
artificial, tornando-a mais esperta.
Outra tecnologia já presente é a telemedicina, que descentraliza a r
ealização de consultas e exames. Clínicas e médicos
generalistas podem, rapidamente e pela internet, contar com
laudos de especialistas situados em diferentes localidades;
uma junta médica pode discutir casos de pacientes e seria possível até 
a realização, a distância, de consultas propriamente
ditas, se não existissem restrições do CFM nesse sentido.
Até cirurgias podem ser feitas a distância, com o advento
da robótica. O tema continua fascinando médicos e pacientes, mas, 
por enquanto, nada de droides médicos à la Star
Wars – quem controla o robô ainda é o ser humano.
(Gabriela Alves. Folha de S.Paulo, 19.10.2018. Adaptado)
De acordo com as informações do texto, a telemedicina
Texto associado.
Leia o texto para responder a questão.
Após avanços tecnológicos, medicina deve mirar empatia
Médicos sempre ocuparam uma posição de prestígio na
sociedade. Afinal, cuidar do maior bem do indivíduo – a vida –
não é algo trivial. Embora a finalidade do ofício seja a mesma,
o modus operandi mudou drasticamente com o tempo.
O que se pode afirmar é que o foco da atuação médica deve 
ser cada vez menos o controle sobre o destino do
paciente e mais a mediação e a interpretação de tecnologias,
incluindo a famigerada inteligência artificial. Já o lado humanístico, 
que perdeu espaço para os exames e as máquinas,
tende a recuperar cada vez mais sua importância.
De meados do século 20 até agora, concomitantemente
às novas especialidades, houve avanço tecnológico e a proliferação 
de modalidades de exames. Cresceu o catálogo dos
laboratórios e também a dependência do médico em relação
a exames. A impressão dos pacientes passou a ser a de que
o cuidado é ruim, caso o médico não os solicite.
O tema é caro a Jayme Murahovschi, referência em
pediatria no país. “Tem que haver progressão tecnológica,
claro, mas mais importante que isso é a ligação emocional
com o paciente. Hoje médicos pedem muitos exames e os
pacientes também.”
Murahovschi está entre os que acreditam que a profissão 
está sofrendo uma nova reviravolta, quase que voltando às origens 
clássicas, hipocráticas: “Os médicos do futuro,
os que sobrarem, vão ter que conhecer o paciente a fundo,
dar toda a atenção que ele precisa, usando muita tecnologia,
mas com foco no paciente.”
Alguns profissionais poderão migrar para uma medicina
mais técnica, preveem analistas.
Esses doutores teriam uma função diferente, atuando na
interface entre o conhecimento biomédico e a tecnologia por
trás de plataformas de diagnóstico e reabilitação. Ou ainda
atuariam alimentando com dados uma plataforma de inteligência 
artificial, tornando-a mais esperta.
Outra tecnologia já presente é a telemedicina, que descentraliza a r
ealização de consultas e exames. Clínicas e médicos
generalistas podem, rapidamente e pela internet, contar com
laudos de especialistas situados em diferentes localidades;
uma junta médica pode discutir casos de pacientes e seria possível até 
a realização, a distância, de consultas propriamente
ditas, se não existissem restrições do CFM nesse sentido.
Até cirurgias podem ser feitas a distância, com o advento
da robótica. O tema continua fascinando médicos e pacientes, mas, 
por enquanto, nada de droides médicos à la Star
Wars – quem controla o robô ainda é o ser humano.
(Gabriela Alves. Folha de S.Paulo, 19.10.2018. Adaptado)
A frase redigida com base nas ideias do oitavo parágrafo mantém o sentido do texto e atende à norma-padrão em:
Texto associado.
Leia o texto para responder a questão.
Após avanços tecnológicos, medicina deve mirar empatia
Médicos sempre ocuparam uma posição de prestígio na
sociedade. Afinal, cuidar do maior bem do indivíduo – a vida –
não é algo trivial. Embora a finalidade do ofício seja a mesma,
o modus operandi mudou drasticamente com o tempo.
O que se pode afirmar é que o foco da atuação médica deve 
ser cada vez menos o controle sobre o destino do
paciente e mais a mediação e a interpretação de tecnologias,
incluindo a famigerada inteligência artificial. Já o lado humanístico, 
que perdeu espaço para os exames e as máquinas,
tende a recuperar cada vez mais sua importância.
De meados do século 20 até agora, concomitantemente
às novas especialidades, houve avanço tecnológico e a proliferação 
de modalidades de exames. Cresceu o catálogo dos
laboratórios e também a dependência do médico em relação
a exames. A impressão dos pacientes passou a ser a de que
o cuidado é ruim, caso o médico não os solicite.
O tema é caro a Jayme Murahovschi, referência em
pediatria no país. “Tem que haver progressão tecnológica,
claro, mas mais importante que isso é a ligação emocional
com o paciente. Hoje médicos pedem muitos exames e os
pacientes também.”
Murahovschi está entre os que acreditam que a profissão 
está sofrendo uma nova reviravolta, quase que voltando às origens 
clássicas, hipocráticas: “Os médicos do futuro,
os que sobrarem, vão ter que conhecer o paciente a fundo,
dar toda a atenção que ele precisa, usando muita tecnologia,
mas com foco no paciente.”
Alguns profissionais poderão migrar para uma medicina
mais técnica, preveem analistas.
Esses doutores teriam uma função diferente, atuando na
interface entre o conhecimento biomédico e a tecnologia por
trás de plataformas de diagnóstico e reabilitação. Ou ainda
atuariam alimentando com dados uma plataforma de inteligência 
artificial, tornando-a mais esperta.
Outra tecnologia já presente é a telemedicina, que descentraliza a r
ealização de consultas e exames. Clínicas e médicos
generalistas podem, rapidamente e pela internet, contar com
laudos de especialistas situados em diferentes localidades;
uma junta médica pode discutir casos de pacientes e seria possível até 
a realização, a distância, de consultas propriamente
ditas, se não existissem restrições do CFM nesse sentido.
Até cirurgias podem ser feitas a distância, com o advento
da robótica. O tema continua fascinando médicos e pacientes, mas, 
por enquanto, nada de droides médicos à la Star
Wars – quem controla o robô ainda é o ser humano.
(Gabriela Alves. Folha de S.Paulo, 19.10.2018. Adaptado)
Segundo Jayme Murahovschi, a profissão está passando por uma reviravolta cuja consequência será:
Texto associado.
Literatura no cárcere
Desde 2013, quando o Conselho Nacional de Justi-
ça (CNJ) autorizou a remição da pena pela leitura, 5.547
detentos foram beneficiados por esse projeto no Brasil. É um
número baixo, se comparado com as quase 700 mil pessoas
privadas de liberdade em todo o país.
A recomendação do CNJ determina que, a cada livro
lido, é possível reduzir quatro dias da pena. Para isso, o leitor
deve escrever um resumo da obra que deve ser aprovado
por um parecerista. Esses documentos seguem para o juiz
responsável, que julga o pedido de remição.
Medir os benefícios dessa proposta tem feito florescer
debates acalorados entre os que veem na leitura ganhos efetivos 
para a reintegração do indivíduo à sociedade e os que
a avaliam como um privilégio concedido a pessoas que, de
algum modo, causaram danos à população. Sem entrar no
mérito dessa discussão, é fato que, dentro ou fora da prisão,
as benesses da leitura são muitas e difíceis de mensurar.
Uma pesquisa feita em 2017 pela editora Companhia das
Letras, que em parceria com a Fundação Prof. Dr. Manoel
Pedro Pimentel (Funap) subsidia um projeto de clubes de
leitura e remição de pena, indicou que os ganhos são mais
concretos do que se pode imaginar.
Durante um ano, 177 detentos se reuniram mensalmente
para discutir uma obra selecionada pela curadoria do projeto.
Quando perguntados sobre as eventuais mudanças percebidas 
em si próprios, a resposta mais frequente foi que os
envolvidos conseguiram perceber uma “ampliação de conhecimentos”. 
Em segundo, que se sentiam mais motivados
“para traçar planos para o futuro”. Na sequência, aparecem
motivações como “capacidade de reflexão” e de “expressar
sentimentos”, possibilidade de “dizer o que pensa”, “maior
criatividade” e, por último, “maior criticidade”.
Por qualquer prisma que se procure observar, esses ganhos já 
seriam significativos, pois no ambiente prisional revelam uma 
extraordinária mudança na chave da autoestima.
(Vanessa Ferrari, Rafaela Deiab e Pedro Schwarcz.
Folha de S. Paulo, 25.06.18. Adaptado)
Assinale a afirmação correta a respeito do conteúdo do texto.
Texto associado.
Literatura no cárcere
Desde 2013, quando o Conselho Nacional de Justi-
ça (CNJ) autorizou a remição da pena pela leitura, 5.547
detentos foram beneficiados por esse projeto no Brasil. É um
número baixo, se comparado com as quase 700 mil pessoas
privadas de liberdade em todo o país.
A recomendação do CNJ determina que, a cada livro
lido, é possível reduzir quatro dias da pena. Para isso, o leitor
deve escrever um resumo da obra que deve ser aprovado
por um parecerista. Esses documentos seguem para o juiz
responsável, que julga o pedido de remição.
Medir os benefícios dessa proposta tem feito florescer
debates acalorados entre os que veem na leitura ganhos efetivos 
para a reintegração do indivíduo à sociedade e os que
a avaliam como um privilégio concedido a pessoas que, de
algum modo, causaram danos à população. Sem entrar no
mérito dessa discussão, é fato que, dentro ou fora da prisão,
as benesses da leitura são muitas e difíceis de mensurar.
Uma pesquisa feita em 2017 pela editora Companhia das
Letras, que em parceria com a Fundação Prof. Dr. Manoel
Pedro Pimentel (Funap) subsidia um projeto de clubes de
leitura e remição de pena, indicou que os ganhos são mais
concretos do que se pode imaginar.
Durante um ano, 177 detentos se reuniram mensalmente
para discutir uma obra selecionada pela curadoria do projeto.
Quando perguntados sobre as eventuais mudanças percebidas 
em si próprios, a resposta mais frequente foi que os
envolvidos conseguiram perceber uma “ampliação de conhecimentos”. 
Em segundo, que se sentiam mais motivados
“para traçar planos para o futuro”. Na sequência, aparecem
motivações como “capacidade de reflexão” e de “expressar
sentimentos”, possibilidade de “dizer o que pensa”, “maior
criatividade” e, por último, “maior criticidade”.
Por qualquer prisma que se procure observar, esses ganhos já 
seriam significativos, pois no ambiente prisional revelam uma 
extraordinária mudança na chave da autoestima.
(Vanessa Ferrari, Rafaela Deiab e Pedro Schwarcz.
Folha de S. Paulo, 25.06.18. Adaptado)
Assinale a alternativa em que os três fragmentos do texto apresentam sentido figurado.
Texto associado.
Leia o texto para responder a questão.
Após avanços tecnológicos, medicina deve mirar empatia
Médicos sempre ocuparam uma posição de prestígio na
sociedade. Afinal, cuidar do maior bem do indivíduo – a vida –
não é algo trivial. Embora a finalidade do ofício seja a mesma,
o modus operandi mudou drasticamente com o tempo.
O que se pode afirmar é que o foco da atuação médica deve
ser cada vez menos o controle sobre o destino do
paciente e mais a mediação e a interpretação de tecnologias,
incluindo a famigerada inteligência artificial. Já o lado humanístico,
que perdeu espaço para os exames e as máquinas,
tende a recuperar cada vez mais sua importância.
De meados do século 20 até agora, concomitantemente
às novas especialidades, houve avanço tecnológico e a proliferação
de modalidades de exames. Cresceu o catálogo dos
laboratórios e também a dependência do médico em relação
a exames. A impressão dos pacientes passou a ser a de que
o cuidado é ruim, caso o médico não os solicite.
O tema é caro a Jayme Murahovschi, referência em
pediatria no país. “Tem que haver progressão tecnológica,
claro, mas mais importante que isso é a ligação emocional
com o paciente. Hoje médicos pedem muitos exames e os
pacientes também.”
Murahovschi está entre os que acreditam que a profissão
está sofrendo uma nova reviravolta, quase que voltando às origens
clássicas, hipocráticas: “Os médicos do futuro,
os que sobrarem, vão ter que conhecer o paciente a fundo,
dar toda a atenção que ele precisa, usando muita tecnologia,
mas com foco no paciente.”
Alguns profissionais poderão migrar para uma medicina
mais técnica, preveem analistas.
Esses doutores teriam uma função diferente, atuando na
interface entre o conhecimento biomédico e a tecnologia por
trás de plataformas de diagnóstico e reabilitação. Ou ainda
atuariam alimentando com dados uma plataforma de inteligência
artificial, tornando-a mais esperta.
Outra tecnologia já presente é a telemedicina, que descentraliza a r
ealização de consultas e exames. Clínicas e médicos
generalistas podem, rapidamente e pela internet, contar com
laudos de especialistas situados em diferentes localidades;
uma junta médica pode discutir casos de pacientes e seria possível até
a realização, a distância, de consultas propriamente
ditas, se não existissem restrições do CFM nesse sentido.
Até cirurgias podem ser feitas a distância, com o advento
da robótica. O tema continua fascinando médicos e pacientes, mas,
por enquanto, nada de droides médicos à la Star
Wars – quem controla o robô ainda é o ser humano.
(Gabriela Alves. Folha de S.Paulo, 19.10.2018. Adaptado)

Considere os trechos do texto.

• Afinal, cuidar do maior bem do indivíduo – a vida – não é algo trivial. (1° parágrafo)
• ... e mais a mediação e a interpretação de tecnologias, incluindo a famigerada inteligência artificial. (2° parágrafo)
• Esses doutores teriam uma função diferente, atuando na interface entre o conhecimento biomédico e a tecnologia... (7° parágrafo)
Os termos destacados podem ser substituídos, respectivamente e sem alteração do sentido do texto, por:

Deixe seu comentário (0)

Participe, faça um comentário.