Simulado: SEE SP - Pedagogia - Supervisor Escolar - 2008 - i

10 questões Pedagogia, Supervisor Escolar, SEE SP, CETRO, Ensino Superior

Responda as 10 questões do simulado abaixo (SEE SP - Pedagogia - Supervisor Escolar - 2008 - i). Ao terminar a prova, clique em corrigir para ver o gabarito.

326 resolveram
26% acertos
Difícil
2 gabaritaram
5 ótimo
17 bom
233 regular
71 péssimo
Dados estatísticos de usuários que resolveram este simulado.

1Questão 10020. Pedagogia, Supervisor Escolar, SEE SP, CETRO, Ensino Superior, 2008

Segundo Santos (2001), a globalização é, de certa forma, o ápice do processo de internacionalização do mundo capitalista e, para entendê-la, há que considerar dois elementos fundamentais:

2Questão 10021. Pedagogia, Supervisor Escolar, SEE SP, CETRO, Ensino Superior, 2008

A globalização atual adota formas brutais para impor mudanças que levam à necessidade urgente de rever o que fazer com as coisas, as idéias e também com as palavras. Trata-se de uma dupla tirania: do dinheiro e da informação. Esta imposição é externa aos países e movida por empresas mundiais que competem entre si, sobrevivendo as que têm mais-valia maior. Segundo Santos (2001), qual o efeito, nos países, dessa imposição por mudanças?

3Questão 10022. Pedagogia, Supervisor Escolar, SEE SP, CETRO, Ensino Superior, 2008

Oliveira (2003), analisando a relação entre educação e planejamento como determinante na concepção da escola como núcleo da gestão educacional, afirma, entre outras, a idéia de que, a partir da década de 90,

4Questão 10023. Pedagogia, Supervisor Escolar, SEE SP, CETRO, Ensino Superior, 2008

De acordo com análise de Bruno, em artigo da coletânea Gestão Democrática da Educação (2003), no atual processo de internacionalização da economia, comumente designado por globalização, a transnacionalização corresponde a um estágio superior de internacionalização que o capital alcançou. Sua novidade é conjugar a ação dos grandes grupos econômicos entre si e no interior de cada um deles, diretamente, sem preocupação com a integração de nações ou de sistemas econômicos nacionais. Dentre outras implicações, a autora destaca:

I. não há possibilidade de desenvolvimento fora desse quadro de economia internacionalizada e as diferentes nações não encontram condições sociais e econômicas homogêneas, reproduzindo-se as desigualdades em escala mundial.
II. a integração é feita entre setores da economia, de diferentes nações, de acordo com níveis distintos de produtividade, de capacidade de inovação, de formas de exploração do trabalho, mundialmente estabelecidos, e não entre economias nacionais.
III. a estrutura de poder do pós-guerra não se mantém, mas a ONU, como organismo internacional é fortalecida, bem como seus diversos conselhos.
IV. a estrutura de poder com múltiplos pólos esvazia o Estado Central de seus poderes e atribuições, limita sua ação e o desagrega por meio de privatizações, mas age numa certa invisibilidade, porque não tem formalidade jurídica.
V. a educação escolar é estimulada e recebe investimentos, com vistas a sua universalização e à formação de trabalhadores tecnicamente especializados.

São verdadeiras, de acordo com a autora, as implicações

5Questão 10024. Pedagogia, Supervisor Escolar, SEE SP, CETRO, Ensino Superior, 2008

Escreve Milton Santos (2001):

Não se pode dizer que a globalização seja semelhante às ondas anteriores, nem mesmo uma continuação do que havia antes, exatamente porque as condições de sua realização mudaram radicalmente. É somente agora que a humanidade está podendo contar com essa nova qualidade da técnica, providenciada pelo que se está chamando de técnica informacional. Chegamos a um outro século e o homem, por meio dos avanços da ciência, produz um sistema de técnicas presidido pelas técnicas da informação. Estas passam a exercer um papel de elo entre as demais, unindo-as e assegurando a presença planetária desse novo sistema técnico.

Diante dessa realidade, o autor vê a globalização

6Questão 10025. Pedagogia, Supervisor Escolar, SEE SP, CETRO, Ensino Superior, 2008

Ao discorrer sobre os desafios da educação no Brasil, Schwartzman, baseado em dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios de 2005, afirma, entre outros fatos, que

7Questão 10026. Pedagogia, Supervisor Escolar, SEE SP, CETRO, Ensino Superior, 2008

Charlot (2005), sociólogo da educação, distingue violência na escola, de violência à escola e de violência da escola. Diferencia as questões da violência, da agressão e da agressividade e remete a análise dessas questões às relações entre os sujeitos e deles com o saber. Pondera que

8Questão 10027. Pedagogia, Supervisor Escolar, SEE SP, CETRO, Ensino Superior, 2008

Na entrevista concedida a Jaime Giolo, Charlot (2005) refere-se ao desafio da educação mundial perante o fenômeno da globalização, dizendo que ele se apresenta em dois problemas, quais sejam:

I. não confundir a informação com o conhecimento, pois este é que corresponde à produção de sentido nas relações com o mundo e com o outro.
II. conseguir que a escola melhore o acesso dos alunos a um maior volume de informações para assegurar a eles bons empregos na sociedade globalizada.
III. enfrentar, na educação, a desigualdade que vai ficando mais forte e dura frente a ela, conforme o saber vai se tornando uma mercadoria.
IV. conseguir que os professores compreendam o sentido missionário que o magistério tem, em termos de produzir as transformações educativas, necessárias ao contexto globalizado.

Escolha a alternativa que reúne os dois problemas que configuram o desafio da educação perante o fenômeno da globalização, citados pelo autor.

9Questão 10028. Pedagogia, Supervisor Escolar, SEE SP, CETRO, Ensino Superior, 2008

Cury (2003), em artigo da coletânea Gestão Democrática da Educação, analisa o inciso VI, do artigo 206, da Constituição Federal/88, "gestão democrática do ensino público na forma da lei", estabelecendo relações entre esse princípio constitucional e o atual Conselho Nacional de Educação. Dentre outros aspectos analisados, o autor indica que, pela Lei 9.131/95, o Conselho Nacional de Educação

10Questão 10029. Pedagogia, Supervisor Escolar, SEE SP, CETRO, Ensino Superior, 2008

Souza, J. A. R. (2007), em artigo publicado na Revista APASE nº 6 sobre o FUNDEB, analisa alguns aspectos do controle social como parte do processo de democratização, com base nos preceitos constitucionais. A respeito do controle social de ações governamentais, ele afirma que

I. o controle social deve ser encarado como um pesado fardo pela sociedade civil; por não poder confiar nos governantes, ela se vê obrigada a vigiá- los e, se preciso, puni-los.
II. no processo de redemocratização, a expressão "controle social" passou a ser aclamada numa perspectiva de incorporar a participação da comunidade na gestão das políticas públicas, com reflexos na Constituição Federal/88, obtidos pela atuação do movimento social.
III. a participação da sociedade em funções de planejamento, acompanhamento e avaliação de políticas públicas levou à institucionalização dos Conselhos de Políticas Públicas, como espaços públicos legítimos de articulação entre governo e sociedade.
IV. diferentemente de outros conselhos criados com ênfase num discurso de parceria para melhoria dos serviços, os conselhos do FUNDEF, agora FUNDEB, tiveram que ser instalados num clima de confronto com os governos para "acabar com os desmandos na aplicação de verbas vinculadas" à educação.

Está correto o contido apenas em