Simulado: SEE SP - Pedagogia - Supervisor Escolar - 2008 - v

10 questões Pedagogia, Supervisor Escolar, SEE SP, CETRO, Ensino Superior

Responda as 10 questões do simulado abaixo (SEE SP - Pedagogia - Supervisor Escolar - 2008 - v). Ao terminar a prova, clique em corrigir para ver o gabarito.

394 resolveram
40% acertos
Difícil
1 gabaritaram
16 ótimo
131 bom
212 regular
35 péssimo
Dados estatísticos de usuários que resolveram este simulado.

1Questão 10060. Pedagogia, Supervisor Escolar, SEE SP, CETRO, Ensino Superior, 2008

Fonseca (2001), ao refletir sobre o Projeto Pedagógico das escolas, seu significado e sentido, com vistas ao sucesso escolar, defende, entre outras idéias, que

2Questão 10061. Pedagogia, Supervisor Escolar, SEE SP, CETRO, Ensino Superior, 2008

A respeito da prática de ensino e do desenvolvimento do currículo, à luz dos estudos de Sacristán e Pérez Gómez (2000), pode-se afirmar que são processos

I. de natureza social que permitem ser dirigidos por idéias e intenções, mas que não podem ser previstos totalmente antes de serem realizados.
II. que planejados coletivamente, garantem o total controle das variáveis intervenientes.
III. desencadeados por necessidade e não determinam nunca totalmente a prática educativa.
IV. de caráter indeterminado que obrigam a esclarecer as idéias e pretensões que fundamentam as metas, para manter a coerência das práticas que se realizam para alcançá-las.
V. guiados por princípios de diferentes tipos que, devidamente explicitados, poderão guiar a prática com segurança científico-técnica.

Está correto, de acordo com os autores, o explicitado em

3Questão 10062. Pedagogia, Supervisor Escolar, SEE SP, CETRO, Ensino Superior, 2008

A escola tem que enfrentar os desafios para transformar o ensino da leitura e da escrita, de modo a formar praticantes da leitura e da escrita, segundo Lerner (2002). A autora refere-se à formação de leitores que

4Questão 10063. Pedagogia, Supervisor Escolar, SEE SP, CETRO, Ensino Superior, 2008

Nóvoa (1992) refere-se a importantes contribuições da investigação educacional, nas últimas décadas, que demonstraram a impossibilidade de se isolar a ação pedagógica dos universos sociais que a envolvem. Citando estudos de 1988, realizados por Vala, Monteiro e Lima, argumenta que, em diferentes abordagens, as organizações escolares já foram vistas como máquinas, como organismos e como cérebros e ressalta que a atual tendência é entendê-las como

5Questão 10064. Pedagogia, Supervisor Escolar, SEE SP, CETRO, Ensino Superior, 2008

Ao citar as descrições de Hopkins sobre escolas fracassadas/ineficazes; abaixo do padrão; boas/eficazes; e a prescrição desse autor, no sentido de que iniciativas de aprimoramento escolar envolvam estratégias diferenciadas, adequadas às características da escola, Hargreaves (2004) afirma que

I. essa análise reconhece que as escolas são diferentes em seus níveis de eficácia.
II. diante dessa análise, a opção viável é criar comunidades de aprendizagem profissional entre professores, cujas habilidades e autoconfiança são subdesenvolvidas, para promover o desenvolvimento do grupo, levando-os a patamares superiores de profissionalismo.
III. o problema de se estabelecer diferenças das escolas depende de como se define o fracasso e o sucesso. Se o fracasso for definido em termos brutos de aquisição, sem concessões às diferenças entre riqueza e pobreza, as escolas dos mais pobres irão aparecer permanentemente na parte inferior.
IV. a combinação de uma definição de fracasso restrito às comunidades pobres e desfavorecidas, com um modelo evolutivo de melhoria escolar que reduz diferenças complexas entre escolas a um contínuo único de avanço ou atraso, transforma as questões politicamente controversas, relacionadas à pobreza e ao financiamento desigual, em tecnologias enganadoramente neutras de aprimoramento.

Está correto o contido em

6Questão 10065. Pedagogia, Supervisor Escolar, SEE SP, CETRO, Ensino Superior, 2008

De acordo com Carvalho (2004), para promover a educação inclusiva, precisamos

7Questão 10066. Pedagogia, Supervisor Escolar, SEE SP, CETRO, Ensino Superior, 2008

Quando o professor trabalha com um modelo construtivista de aprendizagem e um modelo de ensino pela resolução de problemas, sua atividade de ensino vai ter de dialogar com a atividade de aprendizagem do aluno. Para isso, ele terá de considerar muitas variáveis, tomar decisões e assumir um alto grau de autonomia (Weisz, 2002). Para atender a essas características, o processo de formação docente deve

8Questão 10067. Pedagogia, Supervisor Escolar, SEE SP, CETRO, Ensino Superior, 2008

Alarcão (2003) critica, em sua obra, os paradigmas tradicionais de educação e formação e propõe substituí- los por um novo,

9Questão 10068. Pedagogia, Supervisor Escolar, SEE SP, CETRO, Ensino Superior, 2008

No processo de formação dos professores, há múltiplas facetas e prioridades e, de acordo com Sacristán (2000), algumas dessas prioridades são consideradas indispensáveis. Estas serão atendidas quando o processo de formação continuada dos professores estiver voltado para

I. dotá-los de um saber nos níveis e nas áreas do currículo que vão desenvolver, oferecendo alternativas práticas diversas.
II. ajudá-los a estabelecer uma fundamentação desses saberes práticos para justificar e analisar sua prática, em função da coerência das tarefas que realiza com um determinado modelo educativo e com o conhecimento aceito como válido num dado momento.
III. ajudá-los a desenvolver a capacidade de analisar e questionar as condições que delimitam as práticas institucionalmente estabelecidas, analisando seus pressupostos e promovendo alternativas mais de acordo com modelos educativos adequados às necessidades dos alunos.
IV. promovê-los funcionalmente, levando-os à especialização em área curricular demandada pelo sistema de ensino.

Está de acordo com o autor o contido em

10Questão 10069. Pedagogia, Supervisor Escolar, SEE SP, CETRO, Ensino Superior, 2008

Entre os princípios para um currículo comprometido com o seu tempo, elencados na Proposta Curricular do Estado de São Paulo (SEE, 2008), encontra-se a capacidade de aprender não apenas trabalhada nos alunos, mas na própria escola, enquanto instituição educativa e nos próprios docentes. Este princípio está calcado na concepção de que