Arquivista - UFRJ - Arquivologia - 2012

Responda as 15 questões abaixo (Arquivista - UFRJ - Arquivologia - 2012). Ao terminar, clique no botão para ver sua nota e o gabarito. Boa prova!

15 questões Arquivologia, Banca PR-4, Superior

87 resolveram
33% média
Difícil
3 gabaritaram
5 Ótimo
10 Bom
56 Regular
16 Péssimo
O Manual de Arranjo e Descrição de Arquivos da Associação dos Arquivistas Holandeses, de 1898, publicado pelo Arquivo Nacional, em 1973, apresentou as principais práticas arquivísticas no tocante ao arranjo e à descrição. De acordo com essa obra, cada item do inventário, além do título antigo, deve conter:
A publicação e-ARQ Brasil: Modelo de requisitos para Sistemas Informatizados de Gestão Arquivística de Documentos, versão 1.1, 2011, é uma especificação de requisitos a serem cumpridos pela organização produtora/recebedora de documentos, pelo sistema de gestão arquivística e pelos próprios documentos, a fim de garantir:
Rousseau e Couture em Fundamentos da Disciplina Arquivística, publicado em 1998, afirmam que a lista cronológica é:
Sérgio de Albite Silva em seu livro A Preservação da informação arquivística governamental nas Políticas Públicas do Brasil, cita Lavoie (2005) e sua abordagem econômica para a preservação no século XXI. As três áreas que redefnirão a preservação neste século, segundo Lavoie são:
Heloisa Bellotto, em seu livro Arquivos permanentes: tratamento documental, publicado em 2009, em versão revisada e ampliada, ao discorrer sobre a política de descrição, defne quais são os seus pontos básicos. Assinale a opção que está de acordo com os pontos citados pela autora.
Johanna Smit e Nair Kobashi em seu livro Como elaborar vocabulário controlado para aplicação em arquivos, publicado em 2003, identificam seis aspectos pertinentes aos procedimentos “micro” de controle de vocabulário. Assinale a opção que apresenta TODOS os seis aspectos mencionados pelas autoras:
A Resolução nº 6 de 15 de maio de 1997, do Conselho Nacional de Arquivos, dispõe sobre diretrizes quanto à terceirização de serviços arquivísticos. A Resolução estabelece que a guarda dos documentos públicos:
Thomassen em seu artigo Uma primeira introdução à Arquivologia, publicado na Revista Arquivo & Administração, de 2006, afirma que “Arquivos são compostos por informação vinculada a processos”. Para o autor, um sistema de gerenciamento arquivístico é desenvolvido para:
De acordo com o Dicionário Brasileiro de Terminologia Arquivística, do Arquivo Nacional, 2005, entende-se Paleografa como:
O Decreto nº 4.915, de 12 de dezembro de 2003, cria o Sistema de Gestão de Documentos de Arquivo – SIGA na Administração Pública Federal. De acordo com o Art. 3º deste decreto, além do Arquivo Nacional, integram o SIGA como órgãos setoriais e seccionais respectivamente:
A Resolução nº 10, de 6 de dezembro de 1999, do Conselho Nacional de Arquivos, dispõe sobre a adoção de símbolos ISO nas sinaléticas a serem utilizadas no processo de microflmagem de documentos arquivísticos. De acordo com esta Resolução, devem ser adotados no processo de microflmagem símbolos constantes da ISO:
42. Terry Cook, em seu artigo Arquivos pessoais e institucionais: para um entendimento arquivístico comum da formação da memória em um mundo pós- moderno, publicado na Revista Estudos Históricos, nº 21, em 1998, ressalta que as mudanças tecnológicas, de negócios e da sociedade introduzem novas questões para a teoria e a prática arquivísticas. Para o autor, a teoria arquivística não se inspira mais “no arranjo e descrição de produtos documentados em arquivos.” (p. 138). Segundo a perspectiva de Cook, a teoria arquivística na atualidade se inspira mais:
De acordo com o disposto na Lei nº 12.527, de 18 de novembro de 2011, em seu Art. 9º, inciso I, o acesso a informações públicas será assegurado mediante a criação de serviço de informações ao cidadão, nos órgãos e entidades do poder público em local com condições apropriadas para:
Geoffrey Yeo, em seu artigo Falando sobre diferença: percepções sobre unicidade e identidade nos arquivos, publicado na Revista Arquivo & Administração, em 2011, declara que não é somente o contexto documentário que distingue uma fonte arquivística da outra, como se pensava no passado. De acordo com este autor, outros contextos contribuem para essa distinção. Assinale a opção que identifica corretamente esses contextos.
O Glossário da Norma Internacional de Registro de Autoridade Arquivística para entidades coletivas, pessoas e famílias, ISAAR-CPF, define descrição arquivística como:

Veja também...