← Mais simulados

Simulado: Técnico Administrativo - Português - Ministério Público da União MPU - IV

Questões da Prova - Técnico Administrativo - Português - Ministério Público da União MPU - IV . Ao Terminar de Resolver o Simulado, Clique em Corrigir para ver o Gabarito.

1.917 resolveram
39% acertos
Difícil
51 gabaritaram
51 ótimo
916 bom
633 regular
317 péssimo

Texto associado.
A verdadeira revolução

     Qualquer pessoa da década de 60 sabe: os
anos 60 foram os melhores do século. A gente
nunca ouve alguém dizer que é “da década de
80” ou qualquer outra. Só o pessoal dos anos 60
viveu um decênio inteiro de uma vez. É
verdade que uma pá de novidades apareceu lá
nos anos 60, mas também não vamos exagerar:
eu tinha um estilingue, mas se pudesse optar
teria preferido um videogame. E só pulava mura
para comer goiabas no pé porque as redes de
fast food ainda não tinham chegado ao Brasil.
      De uma coisa eu nunca tive dúvida: foi na
década de 60 que aconteceu a transição entre o
velho e o novo estilo de convivência
corporativa. Também foi lá que os empregados
se deram conta de que “carreira” poderia ser
uma questão de escolha, que tudo provia sem
admitir réplicas nem súplicas.
      Foi nessa fase de ruptura que eu consegui
meu primeiro emprego. Pude observar as
mudanças sem influir nelas, de uma posição no
rodapé do organograma, a de aprendiz de
arquivista (Office boy seria mais charmoso.
Mas o título só surgiu na década de 70). E hoje
acredito que as grandes mudanças no cotidiano
dos empregados nada tiveram a ver com teorias
revolucionárias ou com novas técnicas de
administração de pessoal. Tudo isso foi apenas
o efeito. As verdadeiras causas foram às
pequenas mudanças às quais ninguém deu
muita importância:
      Diploma de datilografia – Durante
décadas, para alguém ser admitido no
escritório, o único requisito era “ser
alfabetizado” (um enorme plus curricular em
um país de analfabetos). Depois veio a
obrigatoriedade de ser diplomado em
datilografia. Mas foi nos anos 60 que se
introduziu a exigência do “algo mais”: o
Certificado de Proficiência Datilográfica. Ele
era concedido aos poucos capazes de bater 150
toques por minuto, com os dedos certos nas
teclas certas. Nas décadas seguintes, os
certificados de proficiência foram sendo
gradativamente substituídos por outros
símbolos mais alegóricos de “algo mais”, sendo
que o atualmente em moda se chama
MBA.(continua)

(Max Gebringer. In: Exame – com adaptações).
De acordo com as idéias do texto, assinale a opção correta acerca da década de 60.
Texto associado.
A verdadeira revolução

     Qualquer pessoa da década de 60 sabe: os
anos 60 foram os melhores do século. A gente
nunca ouve alguém dizer que é “da década de
80” ou qualquer outra. Só o pessoal dos anos 60
viveu um decênio inteiro de uma vez. É
verdade que uma pá de novidades apareceu lá
nos anos 60, mas também não vamos exagerar:
eu tinha um estilingue, mas se pudesse optar
teria preferido um videogame. E só pulava mura
para comer goiabas no pé porque as redes de
fast food ainda não tinham chegado ao Brasil.
      De uma coisa eu nunca tive dúvida: foi na
década de 60 que aconteceu a transição entre o
velho e o novo estilo de convivência
corporativa. Também foi lá que os empregados
se deram conta de que “carreira” poderia ser
uma questão de escolha, que tudo provia sem
admitir réplicas nem súplicas.
      Foi nessa fase de ruptura que eu consegui
meu primeiro emprego. Pude observar as
mudanças sem influir nelas, de uma posição no
rodapé do organograma, a de aprendiz de
arquivista (Office boy seria mais charmoso.
Mas o título só surgiu na década de 70). E hoje
acredito que as grandes mudanças no cotidiano
dos empregados nada tiveram a ver com teorias
revolucionárias ou com novas técnicas de
administração de pessoal. Tudo isso foi apenas
o efeito. As verdadeiras causas foram às
pequenas mudanças às quais ninguém deu
muita importância:
      Diploma de datilografia – Durante
décadas, para alguém ser admitido no
escritório, o único requisito era “ser
alfabetizado” (um enorme plus curricular em
um país de analfabetos). Depois veio a
obrigatoriedade de ser diplomado em
datilografia. Mas foi nos anos 60 que se
introduziu a exigência do “algo mais”: o
Certificado de Proficiência Datilográfica. Ele
era concedido aos poucos capazes de bater 150
toques por minuto, com os dedos certos nas
teclas certas. Nas décadas seguintes, os
certificados de proficiência foram sendo
gradativamente substituídos por outros
símbolos mais alegóricos de “algo mais”, sendo
que o atualmente em moda se chama
MBA.(continua)

(Max Gebringer. In: Exame – com adaptações).
Ainda com relação às idéias do texto, assinale a opção correta.
Texto associado.
A verdadeira revolução

     Qualquer pessoa da década de 60 sabe: os
anos 60 foram os melhores do século. A gente
nunca ouve alguém dizer que é “da década de
80” ou qualquer outra. Só o pessoal dos anos 60
viveu um decênio inteiro de uma vez. É
verdade que uma pá de novidades apareceu lá
nos anos 60, mas também não vamos exagerar:
eu tinha um estilingue, mas se pudesse optar
teria preferido um videogame. E só pulava mura
para comer goiabas no pé porque as redes de
fast food ainda não tinham chegado ao Brasil.
      De uma coisa eu nunca tive dúvida: foi na
década de 60 que aconteceu a transição entre o
velho e o novo estilo de convivência
corporativa. Também foi lá que os empregados
se deram conta de que “carreira” poderia ser
uma questão de escolha, que tudo provia sem
admitir réplicas nem súplicas.
      Foi nessa fase de ruptura que eu consegui
meu primeiro emprego. Pude observar as
mudanças sem influir nelas, de uma posição no
rodapé do organograma, a de aprendiz de
arquivista (Office boy seria mais charmoso.
Mas o título só surgiu na década de 70). E hoje
acredito que as grandes mudanças no cotidiano
dos empregados nada tiveram a ver com teorias
revolucionárias ou com novas técnicas de
administração de pessoal. Tudo isso foi apenas
o efeito. As verdadeiras causas foram às
pequenas mudanças às quais ninguém deu
muita importância:
      Diploma de datilografia – Durante
décadas, para alguém ser admitido no
escritório, o único requisito era “ser
alfabetizado” (um enorme plus curricular em
um país de analfabetos). Depois veio a
obrigatoriedade de ser diplomado em
datilografia. Mas foi nos anos 60 que se
introduziu a exigência do “algo mais”: o
Certificado de Proficiência Datilográfica. Ele
era concedido aos poucos capazes de bater 150
toques por minuto, com os dedos certos nas
teclas certas. Nas décadas seguintes, os
certificados de proficiência foram sendo
gradativamente substituídos por outros
símbolos mais alegóricos de “algo mais”, sendo
que o atualmente em moda se chama
MBA.(continua)

(Max Gebringer. In: Exame – com adaptações).
De acordo com o emprego das classes de palavras, é correto afirmar que:
Texto associado.
A verdadeira revolução

     Qualquer pessoa da década de 60 sabe: os
anos 60 foram os melhores do século. A gente
nunca ouve alguém dizer que é “da década de
80” ou qualquer outra. Só o pessoal dos anos 60
viveu um decênio inteiro de uma vez. É
verdade que uma pá de novidades apareceu lá
nos anos 60, mas também não vamos exagerar:
eu tinha um estilingue, mas se pudesse optar
teria preferido um videogame. E só pulava mura
para comer goiabas no pé porque as redes de
fast food ainda não tinham chegado ao Brasil.
      De uma coisa eu nunca tive dúvida: foi na
década de 60 que aconteceu a transição entre o
velho e o novo estilo de convivência
corporativa. Também foi lá que os empregados
se deram conta de que “carreira” poderia ser
uma questão de escolha, que tudo provia sem
admitir réplicas nem súplicas.
      Foi nessa fase de ruptura que eu consegui
meu primeiro emprego. Pude observar as
mudanças sem influir nelas, de uma posição no
rodapé do organograma, a de aprendiz de
arquivista (Office boy seria mais charmoso.
Mas o título só surgiu na década de 70). E hoje
acredito que as grandes mudanças no cotidiano
dos empregados nada tiveram a ver com teorias
revolucionárias ou com novas técnicas de
administração de pessoal. Tudo isso foi apenas
o efeito. As verdadeiras causas foram às
pequenas mudanças às quais ninguém deu
muita importância:
      Diploma de datilografia – Durante
décadas, para alguém ser admitido no
escritório, o único requisito era “ser
alfabetizado” (um enorme plus curricular em
um país de analfabetos). Depois veio a
obrigatoriedade de ser diplomado em
datilografia. Mas foi nos anos 60 que se
introduziu a exigência do “algo mais”: o
Certificado de Proficiência Datilográfica. Ele
era concedido aos poucos capazes de bater 150
toques por minuto, com os dedos certos nas
teclas certas. Nas décadas seguintes, os
certificados de proficiência foram sendo
gradativamente substituídos por outros
símbolos mais alegóricos de “algo mais”, sendo
que o atualmente em moda se chama
MBA.(continua)

(Max Gebringer. In: Exame – com adaptações).
Assinale a opção gramaticalmente correta.

Deixe seu comentário (14)

Foto de perfil vazia
Por Antonio a. Soares da Silva em 02/08/2017 19:33:47
Acertei as quatro. eu disse que erraria todas,e errei mesmo.
Foto de perfil Francisca Patricia Santiago
Por Francisca Patricia Santiago em 08/03/2016 09:54:54
A questão 4 ele afirma que: "a diversão era subir no pé de goiaba porque não havia chegado fast food", no texto não menciona a palavra "diversão" o entendimento do texto é que ele "comia" goiaba mais se tivesse fast food, comeria comidas do fast food e não as goiabas. diferença sútil de comer para divertir-se.
Foto de perfil eduardo cesar da silva
Por eduardo cesar da silva em 29/06/2014 14:12:31
DROGA! MARQUEI A CERTA NA 4 QUESTÃO E TIREI, POR ISSO NÃO GABARITEI...HUM
Foto de perfil Aline Alves
Por Aline Alves em 23/02/2014 16:58:40
Alguém saberia informar os erros da questão 4?
Foto de perfil vazia
Por Rafael Ielaudio Teixeira em 31/10/2013 15:07:00
Complicadinha né???

Acertei todas, mas a última foi basicamente no "chute".

Alguém identificou o erro das demais alternativas na questão 4?
Foto de perfil vazia
Por Higor Ricardo em 08/10/2013 23:45:06
O que tornou difícil a interpretação deste texto foi a má formatação em que foi postado. É melhor postar os textos em .gif (ou .jpg) do que postar desta maneira e agente não conseguir distinguir um parágrafo do outro. Fica a dica.
Foto de perfil Jeck Ferraz
Por Jeck Ferraz em 20/09/2013 13:08:25
Você acertou 4 de 4 questões. Gabaritado
Foto de perfil vazia
Por Jennyfer Mayze em 21/07/2013 11:40:42
Textinho horroroso!!!
Foto de perfil Andréa Seixas Ribeiro da Silva
Por Andréa Seixas Ribeiro da Silva em 08/04/2013 23:04:23
Boa... mas só fico satisfeita quando conseguir acertar todas... seguidas de 10. rsrs
Foto de perfil oziel cordeiro
Por oziel cordeiro em 04/04/2013 18:16:31
Bom mas tenho que dedicar muito mais o meu potêncial nas provas !!!
Foto de perfil mary ane alves macedo
Por mary ane alves macedo em 21/03/2013 23:44:26
Só 50%!!!!
Eita textinho chato heim!
Foto de perfil Ana Cláudia Pereira Paulo Camelo
Por Ana Cláudia Pereira Paulo Camelo em 20/10/2012 12:01:41
Gente de alguém encontrar o erro da B da 4, mostrem-me porque estou cega!!
Foto de perfil antonio luis
Por antonio luis em 21/08/2012 09:26:10
so errei a questao de nº2
Foto de perfil vazia
Por Marcos Luiz Moraes de Oliveira em 29/11/2011 12:21:31
Sou um excelente "interpretador de textos" mas tenho que q dizem..
ô textinho maldito ! cança q é uma beleza :O

Participe, faça um comentário.