Aluno Oficial - Geografia - APMBB - 2012

Responda as 3 questões abaixo (Aluno Oficial - Geografia - APMBB - 2012). Ao terminar, clique no botão para ver sua nota e o gabarito. Boa sorte!

3 questões Geografia, VUNESP, Médio

Estatísticas:
791 resolveram
58% média
Regular
186 gabaritaram
186 Ótimo
281 Bom
253 Regular
71 Péssimo
  A anistia proposta pelo projeto para o desmatamento feito em propriedades rurais de menor extensão não vai resolver o problema da maioria dos pequenos agricultores, no sentido de oferecer área suficiente para sua subsistência, conclui um novo estudo do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), divulgado em 04 de junho de 2011. O projeto propõe que imóveis rurais de até quatro módulos fiscais sejam isentos de recompor a reserva legal – área de mata que os proprietários não podem desmatar, que varia de 20% a 80% do total da propriedade, dependendo da região onde se situa. O Ipea aponta, no entanto, que 65% das propriedades rurais brasileiras são minifúndios, ou seja, têm menos de um módulo fiscal. O módulo fiscal é uma área que varia em cada estado. Uma unidade deve ser suficiente, segundo a realidade da produção local, para sustentar uma família. Sendo a maioria das propriedades menor que um módulo fiscal, anistiar desmatamento ou, mesmo, permitir que desmatem ainda mais, não resolveria o problema que seus proprietários enfrentam para subsistir. A inviabilidade de recompor a reserva em pequenas propriedades é um dos principais argumentos ruralistas a favor da anistia proposta para imóveis de até quatro módulos fiscais, como está no texto do projeto aprovado.

(www.g1.globo.com. Adaptado.)

O projeto mencionado no texto refere-se ao
O Comitê Organizador Local e a Fifa escolheram doze cidades-sede brasileiras para sediar a Copa do Mundo de 2014. São elas: Rio de Janeiro (RJ), Brasília (DF), Belo Horizonte (MG), Fortaleza (CE), Manaus (AM), Cuiabá (MT), São Lourenço da Mata (PE), Porto Alegre (RS), Salvador (BA), São Paulo (SP), Natal (RN) e Curitiba (PR). A reportagem intitulada “Prontos para a Copa de 2038” traz as seguintes considerações:
Ainda pior do que os estádios... Nuvens negras rondam os aeroportos brasileiros. Apenas seis dos treze terminais localizados nas regiões que receberão jogos da copa começaram a ser reformados. O projeto mais portentoso – e um dos mais atrasados – é a construção do terceiro terminal do aeroporto de Guarulhos (SP), obra crucial para o sucesso do torneio. Será por lá que a maior parte dos turistas chegará ao país. E será a partir daquela pista que eles levantarão voo rumo a outros estados. No aeroporto do Galeão (RJ), a reforma está orçada em 687 milhões de reais. Dessa quantia, foram liberados 64 milhões desde 2008, quando começaram as obras. Nesse ritmo de execução orçamentária, o terminal só ficará pronto vinte anos depois... E, para piorar, um dos casos mais eloquentes é o aeroporto de Confins, em Belo Horizonte (MG). Suas obras de reforma nem sequer começaram...

(Veja, 25 de maio de 2011. Adaptado.)

Considerando a necessidade de maior ou menor investimento nos aeroportos brasileiros, é possível afirmar que:
Em relação à ocorrência de terremotos e tsunamis, é correto afirmar que os