Simulado: Professor de Educação Básica - SEE SP - Português

5 questões Português, Professor de Educação Básica, SEE SP, VUNESP, Ensino Superior

Responda as 5 questões do simulado abaixo (Professor de Educação Básica - SEE SP - Português ). Ao terminar a prova, clique em corrigir para ver o gabarito.

3.818 resolveram
41% acertos
Difícil
62 gabaritaram
378 ótimo
822 bom
2.371 regular
247 péssimo
Dados estatísticos de usuários que resolveram este simulado.

1Questão 5963. Português, Professor de Educação Básica, SEE SP, VUNESP, Ensino Superior, 2012

Texto associado.
texto prova Professor de Educação Básica - SEE SP - Português

Leia o texto para responder às questões de números 4 e 5.

O desafio é combater a discriminação que a escola opera
atualmente, não só quando cria o fracasso explícito daqueles
que não consegue alfabetizar, como também quando impede
aos outros – os que aparentemente não fracassam – chegar
a ser leitores e produtores de textos competentes e autônomos.
O desafio que devemos enfrentar, nós que estamos
comprometidos com a instituição escolar, é combater a discriminação
desde o interior da escola; é unir nossos esforços
para alfabetizar todos os alunos, para assegurar que todos
tenham oportunidades de se apropriar da leitura e da escrita
como ferramentas essenciais de progresso cognoscitivo e de
crescimento pessoal.

(Delia Lerner, Ler e escrever na escola: o real, o possível e o
necessário, 2002, p.29)
O texto deixa claro que a produção de texto em sala de aula deve ser para o aluno uma atividade

2Questão 5964. Português, Professor de Educação Básica, SEE SP, VUNESP, Ensino Superior, 2012

Texto associado.
texto prova Professor de Educação Básica - SEE SP - Português

Leia o texto para responder às questões de números 4 e 5.

O desafio é combater a discriminação que a escola opera
atualmente, não só quando cria o fracasso explícito daqueles
que não consegue alfabetizar, como também quando impede
aos outros – os que aparentemente não fracassam – chegar
a ser leitores e produtores de textos competentes e autônomos.
O desafio que devemos enfrentar, nós que estamos
comprometidos com a instituição escolar, é combater a discriminação
desde o interior da escola; é unir nossos esforços
para alfabetizar todos os alunos, para assegurar que todos
tenham oportunidades de se apropriar da leitura e da escrita
como ferramentas essenciais de progresso cognoscitivo e de
crescimento pessoal.

(Delia Lerner, Ler e escrever na escola: o real, o possível e o
necessário, 2002, p.29)
Considere as informações.

     A escola precisa criar o ambiente e propor situações
de práticas sociais de uso da escrita aos quais os alunos
não têm acesso para que possam interagir intensamente
com textos dos mais variados gêneros, identificar e refletir
sobre os seus diferentes usos sociais, produzir textos e,
assim, construir as capacidades que lhes permitam participar
das situações sociais pautadas pela cultura escrita.
     Ler e escrever não se resume a juntar letras, nem a
decifrar códigos: a língua não é um código – é um complexo
sistema que representa uma identidade cultural. É
preciso saber ler e escrever para interagir com essa cultura
com autonomia, inclusive para modificá-la, do lugar de
quem enuncia e não apenas consome.

(Orientações Curriculares do Estado de São Paulo:
Língua Portuguesa e Matemática – Ciclo I)


Comparando a concepção de linguagem esboçada em
Leitura e Produção de Texto à concepção subjacente às
informações das Orientações Curriculares apresentadas,
conclui-se que

3Questão 5965. Português, Professor de Educação Básica, SEE SP, VUNESP, Ensino Superior, 2012

Texto associado.
texto prova Professor de Educação Básica - SEE SP - Português

Leia o texto para responder às questões de números 4 e 5.

O desafio é combater a discriminação que a escola opera
atualmente, não só quando cria o fracasso explícito daqueles
que não consegue alfabetizar, como também quando impede
aos outros – os que aparentemente não fracassam – chegar
a ser leitores e produtores de textos competentes e autônomos.
O desafio que devemos enfrentar, nós que estamos
comprometidos com a instituição escolar, é combater a discriminação
desde o interior da escola; é unir nossos esforços
para alfabetizar todos os alunos, para assegurar que todos
tenham oportunidades de se apropriar da leitura e da escrita
como ferramentas essenciais de progresso cognoscitivo e de
crescimento pessoal.

(Delia Lerner, Ler e escrever na escola: o real, o possível e o
necessário, 2002, p.29)
Do ponto de vista do autor de Leitura e Produção de Texto, a redação difere da produção de texto porque aquela

4Questão 5966. Português, Professor de Educação Básica, SEE SP, VUNESP, Ensino Superior, 2012

Texto associado.
texto prova Professor de Educação Básica - SEE SP - Português

Leia o texto para responder às questões de números 4 e 5.

O desafio é combater a discriminação que a escola opera
atualmente, não só quando cria o fracasso explícito daqueles
que não consegue alfabetizar, como também quando impede
aos outros – os que aparentemente não fracassam – chegar
a ser leitores e produtores de textos competentes e autônomos.
O desafio que devemos enfrentar, nós que estamos
comprometidos com a instituição escolar, é combater a discriminação
desde o interior da escola; é unir nossos esforços
para alfabetizar todos os alunos, para assegurar que todos
tenham oportunidades de se apropriar da leitura e da escrita
como ferramentas essenciais de progresso cognoscitivo e de
crescimento pessoal.

(Delia Lerner, Ler e escrever na escola: o real, o possível e o
necessário, 2002, p.29)
De acordo com a argumentação da autora, a escola atual

5Questão 5967. Português, Professor de Educação Básica, SEE SP, VUNESP, Ensino Superior, 2012

Texto associado.
texto prova Professor de Educação Básica - SEE SP - Português

Leia o texto para responder às questões de números 4 e 5.

O desafio é combater a discriminação que a escola opera
atualmente, não só quando cria o fracasso explícito daqueles
que não consegue alfabetizar, como também quando impede
aos outros – os que aparentemente não fracassam – chegar
a ser leitores e produtores de textos competentes e autônomos.
O desafio que devemos enfrentar, nós que estamos
comprometidos com a instituição escolar, é combater a discriminação
desde o interior da escola; é unir nossos esforços
para alfabetizar todos os alunos, para assegurar que todos
tenham oportunidades de se apropriar da leitura e da escrita
como ferramentas essenciais de progresso cognoscitivo e de
crescimento pessoal.

(Delia Lerner, Ler e escrever na escola: o real, o possível e o
necessário, 2002, p.29)
O texto tem como interlocutores primeiros as pessoas que