IPT SP - Português - Auxiliar Administrativo - 2014

Responda as 10 questões abaixo (IPT SP - Português - Auxiliar Administrativo - 2014). Ao terminar, clique no botão para ver sua nota e o gabarito. Boa prova!

10 questões Português, Auxiliar Administrativo, IPT SP, VUNESP, Médio

551 resolveram
51% média
Regular
8 gabaritaram
77 Ótimo
255 Bom
188 Regular
31 Péssimo
Leia trechos da letra da música dos compositores José Carlos Figueiredo, Antônio Carlos Marques Pinto e José Ubaldo Avila para responder às questões de números 06 a 08.

Você abusou

Me magoa, maltrata e quer desculpa 
Me retruca, me trai e quer perdão 
Me ofende, me fere e não tem culpa
Jesus Cristo, eu não sei quem tem razão.

Esse fogo, essa farsa, essa desgraça 
Me corrompe e corrói meu coração 
Há momentos que eu paro e acho graça 
Procuro, e não acho a solução.

Você abusou, 
Tirou partido de mim, abusou

Mas não faz mal
É tão normal ter desamor 
É tão cafona sofrer dor 
Que eu já não sei
Se é meninice ou cafonice o meu amor.

Que me perdoem, se eu insisto neste tema

Se o quadradismo dos meus versos, 
Vai de encontro aos intelectos, 
Que não usam o coração, 
Como expressão...
 
Releia os versos a seguir

É tão normal ter desamor 
É tão cafona sofrer dor 
Que eu já não sei 
Se é meninice ou cafonice o meu amor.

As palavras em destaque estabelecem, entre as orações, relação de
Leia trechos da letra da música dos compositores José Carlos Figueiredo, Antônio Carlos Marques Pinto e José Ubaldo Avila para responder às questões de números 06 a 08.

Você abusou

Me magoa, maltrata e quer desculpa 
Me retruca, me trai e quer perdão 
Me ofende, me fere e não tem culpa
Jesus Cristo, eu não sei quem tem razão.

Esse fogo, essa farsa, essa desgraça 
Me corrompe e corrói meu coração 
Há momentos que eu paro e acho graça 
Procuro, e não acho a solução.

Você abusou, 
Tirou partido de mim, abusou

Mas não faz mal
É tão normal ter desamor 
É tão cafona sofrer dor 
Que eu já não sei
Se é meninice ou cafonice o meu amor.

Que me perdoem, se eu insisto neste tema

Se o quadradismo dos meus versos, 
Vai de encontro aos intelectos, 
Que não usam o coração, 
Como expressão...
 
Releia os versos a seguir.

Que me perdoem, se eu insisto neste tema

Se o quadradismo dos meus versos, 
Vai de encontro aos intelectos, 
Que não usam o coração, 
Como expressão...

A frase em destaque pode ser substituída, sem alteração de sentido do texto, por:
Leia trechos da letra da música dos compositores José Carlos Figueiredo, Antônio Carlos Marques Pinto e José Ubaldo Avila para responder às questões de números 06 a 08.

Você abusou

Me magoa, maltrata e quer desculpa 
Me retruca, me trai e quer perdão 
Me ofende, me fere e não tem culpa
Jesus Cristo, eu não sei quem tem razão.

Esse fogo, essa farsa, essa desgraça 
Me corrompe e corrói meu coração 
Há momentos que eu paro e acho graça 
Procuro, e não acho a solução.

Você abusou, 
Tirou partido de mim, abusou

Mas não faz mal
É tão normal ter desamor 
É tão cafona sofrer dor 
Que eu já não sei
Se é meninice ou cafonice o meu amor.

Que me perdoem, se eu insisto neste tema

Se o quadradismo dos meus versos, 
Vai de encontro aos intelectos, 
Que não usam o coração, 
Como expressão...
 
Quanto à regência verbal ou nominal, assinale a alternativa que apresenta uma frase da letra da música, reescrita, de acordo com a norma-padrão da língua portuguesa.
Leia o texto para responder às questões de números 09 e 10.

Ateneu era o grande colégio da época. 

“Vais encontrar o mundo, disse-me meu pai, à porta do Ateneu. Coragem para a luta.” Bastante experimentei depois a verdade deste aviso, que me despia, num gesto, das ilusões de criança educada exoticamente na estufa de carinho que é o regime do amor doméstico, diferente do que se encontra fora, tão diferente ... [...]

Eu tinha 11 anos.

requentara como externo, durante alguns meses, uma escola familiar do Caminho Novo, onde algumas senhoras inglesas, sob a direção do pai, distribuíam educação à infância como melhor lhes parecia.

[...] 
Apesar deste ensaio da vida escolar a que me sujeitou a família, antes da verdadeira provação, eu estava perfeitamente virgem para as sensações novas da nova fase. O internato! Destacado do conchego placentário da dieta caseira, vinha próximo o momento de se definir a minha individualidade. Amarguei por antecipação o adeus às primeiras alegrias; olhei triste os meus brinquedos, antigos já!

[...] 
Um dia, meu pai tomou-me pela mão, minha mãe beijou-me a testa, molhando-me de lágrimas os cabelos e eu parti.

(O Ateneu, Raul Pompeia, Ed. Nova Fronteira, 2011. Excertos. Adaptado)
 
Considerando as regras do emprego da crase, assinale a alternativa cuja frase do texto, reescrita, está correta.
Leia o texto para responder às questões de números 09 e 10.

Ateneu era o grande colégio da época. 

“Vais encontrar o mundo, disse-me meu pai, à porta do Ateneu. Coragem para a luta.” Bastante experimentei depois a verdade deste aviso, que me despia, num gesto, das ilusões de criança educada exoticamente na estufa de carinho que é o regime do amor doméstico, diferente do que se encontra fora, tão diferente ... [...]

Eu tinha 11 anos.

requentara como externo, durante alguns meses, uma escola familiar do Caminho Novo, onde algumas senhoras inglesas, sob a direção do pai, distribuíam educação à infância como melhor lhes parecia.

[...] 
Apesar deste ensaio da vida escolar a que me sujeitou a família, antes da verdadeira provação, eu estava perfeitamente virgem para as sensações novas da nova fase. O internato! Destacado do conchego placentário da dieta caseira, vinha próximo o momento de se definir a minha individualidade. Amarguei por antecipação o adeus às primeiras alegrias; olhei triste os meus brinquedos, antigos já!

[...] 
Um dia, meu pai tomou-me pela mão, minha mãe beijou-me a testa, molhando-me de lágrimas os cabelos e eu parti.

(O Ateneu, Raul Pompeia, Ed. Nova Fronteira, 2011. Excertos. Adaptado)
 
De acordo com as informações textuais, é correto afirmar que
– Eu amo o mundo! Eu detesto o mundo! 
Eu creio em Deus! Deus é um absurdo! 
Eu vou me matar!Eu quero viver! 
– Você é louco?
– Não, sou poeta.

A leitura permite afirmar que, nesse poema, há predominância do emprego de
– Eu amo o mundo! Eu detesto o mundo! 
Eu creio em Deus! Deus é um absurdo!
Eu vou me matar! Eu quero viver! 
– Você é louco? 
– Não, sou poeta. 

Quanto ao emprego das formas verbais em destaque, é correto afirmar que exprimem fatos
Leia o texto a seguir para responder à questão.

E não é que a Copa teve um papel social muito importante? 

Pela primeira vez, vejo nas redes sociais que frequento mais fotos de pais e filhos reunidos do que de cada um deles sozinhos. O que mais costumo ver são fotos dos filhos, publicadas pelos pais, ou fotos dos pais, publicadas por eles mesmos. 

Nas fotos que tenho visto neste período, porém, dá para identificar a interação entre integrantes familiares, tendo como centro a Copa: são pais e filhos vestindo a mesma camisa de torcida, são famílias reunidas em frente à TV, torcendo juntos, são mães providenciando comes e bebes para acalmar a ansiedade da família durante o jogo etc.

Fora das redes sociais, também vi muitos pais conversando com seus filhos sobre os jogos, e discutindo também, quando tinham opiniões diferentes.

E caro leitor, você acredita que muitas crianças cantaram o nosso Hino junto com os pais, na sala de casa, no começo do jogo?

E tem mais: muitos pais que costumam viajar para assistir aos jogos de seu time, desta vez fizeram a mesma coisa, mas com o grupo familiar.

Em tempos em que o “eu" é mais importante do que o “nós", em que as crianças são jogadas, pelos próprios pais, em programas que só interessam aos adultos, tem sido bem difícil para as famílias se integrarem como um grupo.

(Rosely Sayão, Folha de S.Paulo, 08 de julho de 2014. Adaptado)

De acordo com a autora do texto,
Leia trechos da letra da música dos compositores José Carlos Figueiredo, Antônio Carlos Marques Pinto e José Ubaldo Avila para responder às questões de números 06 a 09. 

Você abusou

Me magoa, maltrata e quer desculpa
Me retruca, me trai e quer perdão 
Me ofende, me fere e não tem culpa
Jesus Cristo, eu não sei quem tem razão.

Esse fogo, essa farsa, essa desgraça 
Me corrompe e corrói meu coração
Há momentos que eu paro e acho graça
Procuro, e não acho a solução.

Você abusou, 
Tirou partido de mim, abusou

Mas não faz mal 
É tão normal ter desamor 
É tão cafona sofrer dor 
Que eu já não sei
Se é meninice ou cafonice o meu amor.

Que me perdoem, se eu insisto neste tema

Se o quadradismo dos meus versos,
Vai de encontro aos intelectos, 
Que não usam o coração, 
Como expressão...
 
Considerando a norma-padrão da língua portuguesa, assinale a alternativa cuja afirmação está correta.
Ateneu era o grande colégio da época. 
“Vais encontrar o mundo, disse-me meu pai, à porta do Ateneu. Coragem para a luta.” Bastante experimentei depois a verdade deste aviso, que me despia, num gesto, das ilusões de criança educada exoticamente na estufa de carinho que é o regime do amor doméstico, diferente do que se encontra fora, tão diferente ... [...]
Eu tinha 11 anos.

Eu tinha 11 anos. Frequentara como externo, durante alguns meses, uma escola familiar do Caminho Novo, onde algumas senhoras inglesas, sob a direção do pai, distribuíam educação à infância como melhor lhes parecia.

[...] 
Apesar deste ensaio da vida escolar a que me sujeitou a família, antes da verdadeira provação, eu estava perfeitamente virgem para as sensações novas da nova fase. O internato! Destacado do conchego placentário da dieta caseira, vinha próximo o momento de se definir a minha individualidade. Amarguei por antecipação o adeus às primeiras alegrias; olhei triste os meus brinquedos, antigos já!

[...] 

Um dia, meu pai tomou-me pela mão, minha mãe beijou-me a testa, molhando-me de lágrimas os cabelos e eu parti.

(O Ateneu, Raul Pompeia, Ed. Nova Fronteira, 2011. Excertos. Adaptado)
 
No trecho inicial do texto, as frases – “Vais encon-trar o mundo, (…). Coragem para a luta.” – são dirigidas _____________ e a forma verbal “Vais” está na ____________ 

Assinale a alternativa que completa, correta e respectiva- mente, as lacunas do texto.