Simulado: UFG - Arqueologia 1 - Arqueólogo - 2017

15 questões Arqueologia, Arqueólogo, UFG, CS-UFG, Ensino Superior

Responda as 15 questões do simulado abaixo (UFG - Arqueologia 1 - Arqueólogo - 2017). Ao terminar a prova, clique em corrigir para ver o gabarito.

11 resolveram
41% acertos
Difícil
1 gabaritaram
1 ótimo
2 bom
6 regular
2 péssimo
Dados estatísticos de usuários que resolveram este simulado.

1Questão 46981. Arqueologia, Arqueólogo, UFG, CS UFG, Ensino Superior, 2017

A Arqueologia Processual pode ser sintetizada com base nos seguintes conceitos-chave:

2Questão 46982. Arqueologia, Arqueólogo, UFG, CS UFG, Ensino Superior, 2017

Ao apresentar alguns objetivos e características do Projeto Anhanguera de Arqueologia de Goiás, Dilamar Cândida Martins (1993) destaca que o referido projeto “procurou enfatizar, através de estudos e análises dos testemunhos encontrados nos diferentes sítios arqueológicos goianos, uma visão de contexto geral para se chegar, pela continuidade das atividades, à interpretação das culturas pré-históricas e históricas do Brasil” (MARTINS, 1993: 32). Para tanto, o Projeto Anhanguera envolveu:

3Questão 46983. Arqueologia, Arqueólogo, UFG, CS UFG, Ensino Superior, 2017

Como postula Cornelius Holtorf (2007), existem três modelos gerais que caracterizam a atuação dos arqueólogos dentro do campo da Arqueologia Pública:

4Questão 46984. Arqueologia, Arqueólogo, UFG, CS UFG, Ensino Superior, 2017

Para Quetzil E. Castañeda (2008), podem ser considerados três modos distintos de articulação entre a Etnografia e a Arqueologia, a saber:

5Questão 46985. Arqueologia, Arqueólogo, UFG, CS UFG, Ensino Superior, 2017

Um dos passos mais importantes para a compreensão da antiguidade da humanidade foi a descoberta, pelos geólogos, do princípio da estratigrafia: que os níveis ou estratos se dispõem um acima do outro, como consequência de processos que continuam atuando até o presente. Desse modo,

6Questão 46986. Arqueologia, Arqueólogo, UFG, CS UFG, Ensino Superior, 2017

O trabalho “Cacos e mais cacos de vidro: o que fazer com eles?”, de Paulo Zanettini e Paulo Bava de Camargo (2005), traz uma ampla revisão acerca das características do vidro, suas tecnologias de produção, a história do vidro no Brasil e os métodos de datação, colocando-se como importante contribuição para o estudo dos artefatos vítreos recuperados nos sítios arqueológicos históricos no país. De acordo com os autores, as tecnologias de produção do vidro podem ser classificadas em:

7Questão 46987. Arqueologia, Arqueólogo, UFG, CS UFG, Ensino Superior, 2017

Os processos relativos à retenção dos artefatos no contexto sistêmico por meio do reuso devem ser considerados como geradores da variabilidade artefatual. Podem ser citadas as seguintes categorias de reuso, associadas à história de vida do artefato:

8Questão 46988. Arqueologia, Arqueólogo, UFG, CS UFG, Ensino Superior, 2017

No estudo do Estilo Tecnológico podem ser destacadas a Teoria da Troca de Informação e a Teoria da Interação Social, que são assim explicadas:

9Questão 46989. Arqueologia, Arqueólogo, UFG, CS UFG, Ensino Superior, 2017

Ulpiano Toledo Bezerra de Meneses, em seu texto “Identidade Cultural e Arqueologia” (1987), defende que a preservação do patrimônio arqueológico como contribuição à formulação ou reforço de uma identidade cultural não tem autonomia ou natureza própria, uma vez que conflui para questões gerais como os conceitos de identidade e memória. Dessa forma, as ações educativas que envolvem o patrimônio arqueológico poderiam

10Questão 46990. Arqueologia, Arqueólogo, UFG, CS UFG, Ensino Superior, 2017

A Instrução Normativa n. 01, de 25 de março de 2015, estabelece que o Projeto Integrado de Educação Patrimonial será desenvolvido:

11Questão 46991. Arqueologia, Arqueólogo, UFG, CS UFG, Ensino Superior, 2017

“As formas classificadas como vaso de bojo duplo devem ter uso relacionado às funções sociais, comprovado pela presença de ocre no interior de uma das peças; as tigelas, do tipo simples, seriam destinadas a fins utilitáriosdomésticos” (ANDREATTA, 1982: 94, grifo da autora). Nesse trecho, Margarida Davina Andreatta descreve algumas características do material cerâmico escavado no sítio Bonsucesso, trabalhado no âmbito do Projeto Anhanguera de Arqueologia de Goiás. Considerando o enquadramento teórico-metodológico desse projeto, é possível afirmar que a autora, ao identificar

12Questão 46992. Arqueologia, Arqueólogo, UFG, CS UFG, Ensino Superior, 2017

Muitos autores ressaltam que, no Brasil, a Arqueologia não consta das prioridades nem do governo, nem das comunidades em geral. Essa falta de interesse estaria ligada

13Questão 46993. Arqueologia, Arqueólogo, UFG, CS UFG, Ensino Superior, 2017

“Acreditamos que o conceito de Educação Patrimonial deva servir como sinal que nos obriga a questionar o papel da educação na constituição do patrimônio, o papel do patrimônio no processo educativo e a função de ambos na dinâmica social que articula a lembrança e o esquecimento”. Esse trecho, extraído de um texto de Flávio Leonel Abreu da Silveira e Márcia Bezerra (2007), evidencia que a Educação Patrimonial:

14Questão 46994. Arqueologia, Arqueólogo, UFG, CS UFG, Ensino Superior, 2017

Mariana Neumann (2008), dialogando com as ideias de Bruno Latour e com autores da denominada Arqueologia Simétrica, defende que, fundamentada na Antropologia Simétrica e na Ecologia Política, a teoria arqueológica pode, enfim, atingir a almejada simetria entre o material e o social, a partir de uma

15Questão 46995. Arqueologia, Arqueólogo, UFG, CS UFG, Ensino Superior, 2017

Irmhild Wust, em sua dissertação de mestrado, intitulada “Aspectos da ocupação pré-colonial em uma área do Mato Grosso de Goiás – tentativa de análise espacial” (WUST, 1983), procurou construir