Prefeitura de Carnaíba PE - Português - Agente Comunitário de Saúde - 2013

Responda as 5 questões abaixo (Prefeitura de Carnaíba PE - Português - Agente Comunitário de Saúde - 2013). Ao terminar, clique no botão para ver sua nota e o gabarito. Boa prova!

5 questões Português, Agente Comunitário de Saúde, Prefeitura de Carnaíba PE, CONPASS, Fundamental

484 resolveram
40% média
Difícil
13 gabaritaram
64 Ótimo
79 Bom
293 Regular
48 Péssimo
Texto associado.

                               Planeta Água

Água que nasce na fonte serena do mundo
E que abre um profundo grotão
Água que faz inocente riacho e deságua
Na corrente do ribeirão
Águas escuras dos rios
Que levam a fertilidade ao sertão
Águas que banham aldeias
E matam a sede da população
Águas que caem das pedras
No véu das cascatas ronco de trovão
E depois dormem tranquilas
No leito dos lagos, no leito dos lagos
Água dos igarapés onde Iara, mãe d"água
É misteriosa canção
Água que o sol evapora
Pro céu vai embora
Virar nuvens de algodão
Gotas de água da chuva
Alegre arco-íris sobre a plantação
Gotas de água da chuva
Tão tristes são lágrimas na inundação
Águas que movem moinhos
São as mesmas águas
Que encharcam o chão
E sempre voltam humildes
Pro fundo da terra, pro fundo da terra
Terra planeta água... Terra planeta água
Terra planeta água.

                                                         ARANTES, Guilherme. Planeta Água.
           Disponível em: http://letras.terra.com.br/guilhermearantes/46315/.
                                                                            Acesso em: 24 fev. 2009. 

Das afirmações seguintes:

I- Através dos versos 6 e 8 é possível afirmar que as águas do rio representam a vida para muitas pessoas, pois fertilizam o sertão e matam a sede da população.
II- No texto o autor descreve o caminho percorrido pela água desde o seu nascimento.
III- O texto faz referência apenas ao movimento das águas. 
Texto associado.

                               Planeta Água

Água que nasce na fonte serena do mundo
E que abre um profundo grotão
Água que faz inocente riacho e deságua
Na corrente do ribeirão
Águas escuras dos rios
Que levam a fertilidade ao sertão
Águas que banham aldeias
E matam a sede da população
Águas que caem das pedras
No véu das cascatas ronco de trovão
E depois dormem tranquilas
No leito dos lagos, no leito dos lagos
Água dos igarapés onde Iara, mãe d"água
É misteriosa canção
Água que o sol evapora
Pro céu vai embora
Virar nuvens de algodão
Gotas de água da chuva
Alegre arco-íris sobre a plantação
Gotas de água da chuva
Tão tristes são lágrimas na inundação
Águas que movem moinhos
São as mesmas águas
Que encharcam o chão
E sempre voltam humildes
Pro fundo da terra, pro fundo da terra
Terra planeta água... Terra planeta água
Terra planeta água.

                                                         ARANTES, Guilherme. Planeta Água.
           Disponível em: http://letras.terra.com.br/guilhermearantes/46315/.
                                                                            Acesso em: 24 fev. 2009. 

Das afirmações seguintes:

I- Em algumas passagens do texto, o compositor atribui a seres não humanos características próprias de seres humanos.
II- Os verbos que aparecem no texto estão no pretérito perfeito do indicativo, pois indicam fatos em curso, em pleno desenvolvimento.
III- Para expressar que as inundações trazem destruição, tristeza e choro, o autor usou o verso 21.
Texto associado.

                               Planeta Água

Água que nasce na fonte serena do mundo
E que abre um profundo grotão
Água que faz inocente riacho e deságua
Na corrente do ribeirão
Águas escuras dos rios
Que levam a fertilidade ao sertão
Águas que banham aldeias
E matam a sede da população
Águas que caem das pedras
No véu das cascatas ronco de trovão
E depois dormem tranquilas
No leito dos lagos, no leito dos lagos
Água dos igarapés onde Iara, mãe d"água
É misteriosa canção
Água que o sol evapora
Pro céu vai embora
Virar nuvens de algodão
Gotas de água da chuva
Alegre arco-íris sobre a plantação
Gotas de água da chuva
Tão tristes são lágrimas na inundação
Águas que movem moinhos
São as mesmas águas
Que encharcam o chão
E sempre voltam humildes
Pro fundo da terra, pro fundo da terra
Terra planeta água... Terra planeta água
Terra planeta água.

                                                         ARANTES, Guilherme. Planeta Água.
           Disponível em: http://letras.terra.com.br/guilhermearantes/46315/.
                                                                            Acesso em: 24 fev. 2009. 

No verso “Água que nasce na fonte serena do mundo”, o termo destacado assume a função sintática de: 
Texto associado.

                               Planeta Água

Água que nasce na fonte serena do mundo
E que abre um profundo grotão
Água que faz inocente riacho e deságua
Na corrente do ribeirão
Águas escuras dos rios
Que levam a fertilidade ao sertão
Águas que banham aldeias
E matam a sede da população
Águas que caem das pedras
No véu das cascatas ronco de trovão
E depois dormem tranquilas
No leito dos lagos, no leito dos lagos
Água dos igarapés onde Iara, mãe d"água
É misteriosa canção
Água que o sol evapora
Pro céu vai embora
Virar nuvens de algodão
Gotas de água da chuva
Alegre arco-íris sobre a plantação
Gotas de água da chuva
Tão tristes são lágrimas na inundação
Águas que movem moinhos
São as mesmas águas
Que encharcam o chão
E sempre voltam humildes
Pro fundo da terra, pro fundo da terra
Terra planeta água... Terra planeta água
Terra planeta água.

                                                         ARANTES, Guilherme. Planeta Água.
           Disponível em: http://letras.terra.com.br/guilhermearantes/46315/.
                                                                            Acesso em: 24 fev. 2009. 

Nos versos “Água que o sol evapora / pro céu vai embora”, o sujeito de evapora e o seu complemento são, respectivamente: 
Texto associado.

                               Planeta Água

Água que nasce na fonte serena do mundo
E que abre um profundo grotão
Água que faz inocente riacho e deságua
Na corrente do ribeirão
Águas escuras dos rios
Que levam a fertilidade ao sertão
Águas que banham aldeias
E matam a sede da população
Águas que caem das pedras
No véu das cascatas ronco de trovão
E depois dormem tranquilas
No leito dos lagos, no leito dos lagos
Água dos igarapés onde Iara, mãe d"água
É misteriosa canção
Água que o sol evapora
Pro céu vai embora
Virar nuvens de algodão
Gotas de água da chuva
Alegre arco-íris sobre a plantação
Gotas de água da chuva
Tão tristes são lágrimas na inundação
Águas que movem moinhos
São as mesmas águas
Que encharcam o chão
E sempre voltam humildes
Pro fundo da terra, pro fundo da terra
Terra planeta água... Terra planeta água
Terra planeta água.

                                                         ARANTES, Guilherme. Planeta Água.
           Disponível em: http://letras.terra.com.br/guilhermearantes/46315/.
                                                                            Acesso em: 24 fev. 2009. 

Fazem parte da mesma regra de acentuação gráfica o seguinte par: