Simulado Encontros Consonantais: Dígrafos - Exercícios com Gabarito

Simulado com 10 questões de Português (Encontros Consonantais) Ensino Médio. Teste seus Conhecimentos em Provas Online com Gabarito.

  • 24 Resolveram
  • 42% Acertos
  • 1 Gabaritaram
  • barra ótimo 3 Ótimo
  • barra qtd_bom 5 Bom
  • barra ruim12 Ruim
  • barra péssimo4 Péssimo
  • 2 - Questão 54850.   Português - Encontros Consonantais - Nível Médio
  • TEXTO 7

    Houve um tempo em que a minha janela se abria para um chalé. Na ponta do chalé brilhava um grande ovo de louça azul. Nesse ovo costumava pousar um pombo branco. Ora, nos dias límpidos, quando o céu ficava da mesma cor do ovo de louça, o pombo parecia pousado no ar. Eu era criança, achava essa ilusão maravilhosa, e sentia-me completamente feliz. Houve um tempo em que a minha janela dava para um canal. No canal oscilava um barco. Um barco carregado de flores. Para onde iam aquelas flores? Quem as comprava? Em que jarra, em que sala, diante de quem brilhariam, na sua breve existência? E que mãos as tinham criado? E que pessoas iam sorrir de alegria ao recebê-las? Eu não era mais criança, porém minha alma ficava completamente feliz.

    (CECÍLIA MEIRELES. Boa companhia - Crônicas. São Paulo: Companhia das Letras, 2005. (Fragmento))

    Assinale o item em que as palavras abaixo indicadas, todas retiradas do Texto 7, apresentam dígrafos:
  • 3 - Questão 54851.   Português - Encontros Consonantais - Nível Médio
  • TEXTO 7

    Houve um tempo em que a minha janela se abria para um chalé. Na ponta do chalé brilhava um grande ovo de louça azul. Nesse ovo costumava pousar um pombo branco. Ora, nos dias límpidos, quando o céu ficava da mesma cor do ovo de louça, o pombo parecia pousado no ar. Eu era criança, achava essa ilusão maravilhosa, e sentia-me completamente feliz. Houve um tempo em que a minha janela dava para um canal. No canal oscilava um barco. Um barco carregado de flores. Para onde iam aquelas flores? Quem as comprava? Em que jarra, em que sala, diante de quem brilhariam, na sua breve existência? E que mãos as tinham criado? E que pessoas iam sorrir de alegria ao recebê-las? Eu não era mais criança, porém minha alma ficava completamente feliz.

    (CECÍLIA MEIRELES. Boa companhia - Crônicas. São Paulo: Companhia das Letras, 2005. (Fragmento))

    Sobre a palavra comprava, que aparece no Texto 7, podemos afirmar que
  • 4 - Questão 54852.   Português - Encontros Consonantais - Nível Médio
  • Moradores fixam placas em ruas no RS para avisar sobre furtos e assaltos

    01 Moradores de duas das principais cidades do Rio Grande do Sul fixaram placas
    02 para denunciar o perigo em regiões onde acontecem crimes. A iniciativa, registrada
    03 em Porto Alegre e em Caxias do Sul, na Serra, tem como objetivo alertar quem passa
    04 por locais onde já ocorreram furtos e assaltos.
    05 Uma placa amarela fixada na parede de um prédio na Travessa Cauduro no
    06 Bairro Bom Fim, Região Central de Porto Alegre, alerta que os carros estacionados na
    07 região costumam ser arrombados. A professora Mariú Jardim concorda com o aviso.
    08 "Quase todos os dias, sempre há assalto. E o pior,____mão armada", diz a moradora.
    09 O DJ Jonathan Trevisan conta que um colega teve o carro roubado em frente ao
    10 prédio onde mora. "O cara estava com a arma no peito dele. O outro percebeu que eu
    11 estava na janela, apontou a arma para mim e me mandou entrar e ficar quieto", conta.
    12 No Centro da capital, a Rua Chaves Barcellos também virou alvo dos bandidos,
    13 de acordo com o relato de quem vive ou trabalha na região. "Não____para deixar
    14 dinheiro na bolsa, celular também, _______ eles sempre estão pegando", conta a
    15 atendente Natália Cristiane dos Santos.
    16 Escrito à mão em um pedaço de papelão fixado em um poste, um pedido
    17 deixado por um comerciante mostra que a situação chegou ao limite: "Prezados
    18 ladrões, peço a gentileza de respeitar esta rua".
    19 A Brigada Militar diz que planeja aperfeiçoar o uso de um aplicativo de celular
    20 para receber informações da comunidade, segundo o comandante interino do 9o
    21 Batalhão, major Macarthur Vilanova. "A comunidade que está no terreno, que está
    22 vivenciando o dia a dia da sua área, do seu bairro, nos informa coisas que a polícia às
    23 vezes não enxerga, pontos em que os delinquentes estão se concentrando, locais mais
    24 vulneráveis e horários", explica.
    25 Em Caxias do Sul, na Serra gaúcha, uma placa próxima ____ uma das
    26 principais universidades da cidade diz que lá há um alto índice de arrombamento de
    27 veículos. O empresário Mateus Pasquali conta ter idealizado ____ iniciativa após
    28 encontrar pelo chão material que, segundo ele acredita, foi furtado dos carros
    29 estacionados.
    30 "Já recolhi jaleco de funcionário e de estagiário do hospital geral. Muitas vezes,
    31 alguma capa de câmera fotográfica, porque acho que a câmera acabaram furtando. E
    32 como isso se repete há alguns meses, desde dezembro eu venho acompanhando, eu e
    33 um funcionário que trabalha comigo tomamos a atitude de produzir essa placa e
    34 colocarmos aí para tentar evitar que o pessoal estacione nesse ponto", conta.
    35 A Brigada Militar pede que as vítimas registrem as ocorrências. "Não temos
    36 nenhum registro do ano passado e até agora, em janeiro de 2017, também não temos
    37 registro, então é importante que as pessoas registrem os furtos e roubos de veículos
    38 porque ________ disso que a Brigada Militar faz seu planejamento", diz o
    39 subcomandante do 12° Batalhão da cidade gaúcha, major Emerson Ubirajara.

    Disponível em (adaptado). Acesso em 11 fev. 2017.

    Sobre as palavras sublinhadas em “Uma placa amarela fixada na parede de um prédio na Travessa Cauduro no Bairro Bom Fim, Região Central de Porto Alegre, alerta que os carros estacionados na região costumam ser arrombados.” (linhas 05 a 07), é correto afirmar que:
  • 5 - Questão 54853.   Português - Encontros Consonantais - Nível Médio
  • Assinale a alternativa em que todas as palavras apresentam dígrafo e encontro consonantal.
  • 7 - Questão 54855.   Português - Encontros Consonantais - Nível Médio
  • Tomar remédio é fácil; difícil é tomar rumo
    Remédios antidepressivos nem sempre funcionam. Sua eficácia pode depender de quão estressado você está.

    Daniel Martins de Barros

    A depressão caminha para se tornar uma das principais doenças da humanidade. Segundo a Organização Mundial da Saúde ela afeta 350 milhões de pessoas, e daqui quatro anos se tornará a principal causa de incapacidade no mundo. Parte desse aumento se deve ao melhor esclarecimento das pessoas e à maior taxa de diagnósticos, mas não é só isso. O suicídio também aumenta mundo afora, indicando que há crescimento real no número de casos. A pergunta principal é: por quê?
    Como todos os transtornos mentais, a depressão não tem uma causa só, bem definida. Sua origem é “multifatorial”, ou seja, múltiplos fatores contribuem para que ela surja. E um dos personagens mais cotados para vilão principal no aumento dos casos é o estresse. Ele não é um problema exclusivo do nosso tempo, sempre existiu, mas hoje em dia, onde quer que procuremos, vamos achar fontes de estresse. Seja vinda do trabalho onde se exige sempre mais; seja do meio cultural, com o fluxo de informação ininterrupto sobrecarregando nossos cérebros; do ambiente doméstico, com relações e papeis sendo redefinidos, gerando insegurança; ou mesmo do simples fato de o mundo passar por uma urbanização crescente, levando para mais gente o bônus, mas também o ônus de se viver em cidades. Uma das maneiras de o estresse levar à depressão é por estimular a resposta inflamatória geral do nosso organismo, desgastando-o lentamente.
    O pior é que esse estresse todo pode não só estar causando, mas também perpetuando a depressão. Um estudo acaba de ser publicado investigando porque os antidepressivos funcionam, mas não para todo mundo. Sabendo desse papel da resposta inflamatória na origem da depressão os cientistas estressaram um grupo de ratos, levando-os a ter alterações comportamentais semelhantes às que ocorrem nos deprimidos. Passaram então a tratá-los com placebo ou com o antidepressivo fluoxetina, mantendo metade no ambiente estressante original e metade num ambiente tranquilo. Resultado? Não só o comportamento desses últimos melhorou mais do que nos outros, como também os parâmetros biológicos de atividade inflamatória diminuíram, enquanto nos pobres ratos estressados a inflamação aumentou.
    Os pesquisadores concluíram algo difícil de discordar: não adianta muito tomar remédio se nós não atuarmos também no ambiente. O que faz todo sentido: se a origem da depressão não é só química, apenas medicamentos dificilmente bastarão para curá-la.
    E como se combate o estresse se ele vem de todos os lados? Pode ser difícil, mas não é impossível. Cuidando bem do sono, por exemplo: a maioria das pessoas que dorme menos do que gostaria tem falta de sono por sua própria culpa, por ficar na TV ou celular por mais tempo do que deveria. E o sedentarismo, então? Não é preciso ter dinheiro para personal trainer: meia hora de caminhada na rua, dia sim, dia não, já combate os sintomas do estresse. Isso para não falar de alimentação – dietas ricas em carboidratos simples (açúcar e farinha) contribuem para também ativar o estado inflamatório do organismo, enquanto dietas saudáveis fazem o oposto.
    Talvez você não possa mudar de chefe, de cidade ou de família. Mas com certeza poderia mudar de vida. Só que, como sempre digo, tomar remédio é fácil. O difícil é tomar rumo.

    Texto adaptado de: http://vida-estilo.estadao.com.br/blogs/daniel-martins-de-barros/tomar-remedio-e-facil-dificil-e-tomar-rumo/

    Sobre o excerto “Não só o comportamento desses últimos melhorou mais do que o dos outros, como também os parâmetros biológicos de atividade inflamatória diminuíram, enquanto nos pobres ratos estressados a inflamação aumentou”, é correto afirmar que
  • 8 - Questão 54856.   Português - Encontros Consonantais - Nível Médio
  • Em relação aos encontros consonantais, analisar os itens abaixo:

    I - Em encontros como “bs”, “rs”, “ns”, se o “s” for seguido de vogal, separam-se as consoantes. Do contrário, ficam na mesma sílaba: “ab-sol-ver”, mas “abs-ter”; “per-so-na-gem”, mas “pers-pec-ti-va”; “tran-sa-tlân-ti-co”, mas “trans-por-te”.
    II - São alguns exemplos de encontros consonantais inseparáveis: br – “brin-co”; gl – “gló-ria”; fl – “in-fla-ma-do”.
  • 9 - Questão 54857.   Português - Encontros Consonantais - Nível Médio
  • Texto 2 –  Origem da palavra administração 

    Do latim minus, que significa “menos”.
    É difícil acreditar, mas a raiz etimológica de “administração” está na palavra latina minus, que significa literalmente “menos”. 
    Este termo evoluiu para minor, um superlativo que é traduzido para “menor”.
    Com o tempo, minor se transformou em minister, para se referir aos “servos” e “criados”. No entanto, mais tarde, a conotação deste termo passou a ser utilizado para “sacerdotes”, “servos de Deus” ou “servos religiosos”.
    Esta palavra possuía um sentido de “desempenhar um cargo importante” ou “servir a uma personalidade importante”. Em outras palavras, consistia em “administrar” ou “organizar algo”. 
    Para somar o sentido de “desempenho de uma atividade”, foi anexado o prefixo AD, que significa “junto”. Assim sendo, administer – administrar – significa “servir ou ajudar junto a…” (uma instituição, governo, empresa e etc).
    Após a definição do conceito moderno de administração, o termo entrou para o dicionário da língua portuguesa através do latim administratìo, evoluindo depois para amenistraçom e aministraçon (século XIV).
    A palavra chegou à grafia atual – administração – apenas a partir do século XV. 

    Fonte: http://www.dicionarioetimologico.com.br/administracao/ (adaptado)

    Acerca da palavra “administração”, quanto aos encontros vocálicos e consonantais, ela apresenta 
  • 10 - Questão 54858.   Português - Encontros Consonantais - Nível Médio
  • LIBERDADE

    Deve existir nos homens um sentimento profundo que corresponde a essa palavra LIBERDADE, pois sobre ela se têm escrito poemas e hinos, a ela se têm levantado estátuas e monumentos, por ela se tem até morrido com alegria e felicidade.
    Diz-se que o homem nasceu livre, que a liberdade de cada um acaba onde começa a liberdade de outrem; que onde não há liberdade não há pátria; que a morte é preferível à falta de liberdade; que renunciar à liberdade é renunciar à própria condição humana; que a liberdade é o maior bem do mundo; que a liberdade é o oposto à fatalidade e à escravidão; nossos bisavós gritavam "Liberdade, Igualdade e Fraternidade! "; nossos avós cantaram: "Ou ficar a Pátria livre/ ou morrer pelo Brasil!"; nossos pais pediam: "Liberdade! Liberdade/ abre as asas sobre nós", e nós recordamos todos os dias que "o sol da liberdade em raios fúlgidos/ brilhou no céu da Pátria..." em certo instante.
    Somos, pois, criaturas nutridas de liberdade há muito tempo, com disposições de cantá-la, amá- la, combater e certamente morrer por ela.
    Ser livre como diria o famoso conselheiro, é não ser escravo; é agir segundo a nossa cabeça e o nosso coração, mesmo tendo de partir esse coração e essa cabeça para encontrar um caminho... Enfim, ser livre é ser responsável, é repudiar a condição de autômato e de teleguiado, é proclamar o triunfo luminoso do espírito. (Suponho que seja isso.) Ser livre é ir mais além: é buscar outro espaço, outras dimensões, é ampliar a órbita da vida. É não estar acorrentado. É não viver obrigatoriamente entre quatro paredes. Por isso, os meninos atiram pedras e soltam papagaios. A pedra inocentemente vai até onde o sonho das crianças deseja ir. (Às vezes, é certo, quebra alguma coisa, no seu percurso...)
    Os papagaios vão pelos ares até onde os meninos de outrora (muito de outrora!...) não acreditavam que se pudesse chegar tão simplesmente, com um fio de linha e um pouco de vento!
    Acontece, porém, que um menino, para empinar um papagaio, esqueceu-se da fatalidade dos fios elétricos e perdeu a vida.
    E os loucos que sonharam sair de seus pavilhões, usando a fórmula do incêndio para chegarem à liberdade, morreram queimados, com o mapa da liberdade nas mãos!
    São essas coisas tristes que contornam sombriamente aquele sentimento luminoso da LIBERDADE. Para alcançá-la estamos todos os dias expostos à morte. E os tímidos preferem ficar onde estão, preferem mesmo prender melhor suas correntes e não pensar em assunto tão ingrato.
    Mas os sonhadores vão para a frente, soltando seus papagaios, morrendo nos seus incêndios, como as crianças e os loucos. E cantando aqueles hinos, que falam de asas, de raios fúlgidos linguagem de seus antepassados, estranha linguagem humana, nestes andaimes dos construtores de Babel...

    (MEIRELES, Cecília. Escolha o seu sonho: Crônicas)

    Em relação à divisão silábica, marque a sequência correta.

Para corrigir este simulado é preciso Entrar ou Cadastrar-se. É simples e rápido!

Comentar Simulado

Para comentar este simulado é preciso Entrar ou Cadastrar-se. É simples e rápido!

Não elaboramos as questões, apenas as transcrevemos de provas já aplicadas em concursos públicos anteriores.