Simulado Exercícios sobre Mas ou Mais com Gabarito - Português

Simulado com 10 Questões de Português (Mas ou Mais). Prova com Exercícios de Ensino Médio com Gabarito.

  • 145 Resolveram
  • 59% Acertos
  • 11 Gabaritaram
  • barra ótimo 43 Ótimo
  • barra qtd_bom 59 Bom
  • barra ruim34 Regular
  • barra péssimo9 Ruim

Para corrigir este simulado é preciso Cadastrar-se. É simples, rápido e grátis!

  • 1 - Questão 55528.   Português - Mas ou Mais - Nível Médio
  • Empregue corretamente os termos "mas" e"mais":

    I. Ele saiu cedo de casa, ____ o congestionamento o atrasou.
    II. Sem ___ nem menos, decidiu viajar para a Europa.
    III. Giovana era a aluna ___ inteligente de sua turma.
    IV. Eles estavam felizes, _____ a chuva atrapalhou a cerimônia de casamento ao ar livre.
    V. O Ministro é presunçoso a não_____  poder
  • 2 - Questão 55529.   Português - Mas ou Mais - Nível Médio
  • Complete as lacunas, usando adequadamente mas/mais/mal/mau:

    Pedro e João, _______ entraram em casa, perceberam que as coisas não estavam bem, pois sua irmã caçula escolhera um momento _________ para comunicar aos pais que iria viajar nas férias; _________ seus dois irmãos deixaram os pais _______ sossegados quando disseram que a jovem iria com as primas e a tia.
  • 3 - Questão 55530.   Português - Mas ou Mais - Nível Médio
  • Com referência às palavras “mas” (conjunção), “más” (adjetivo) e “mais” (advérbio), assinale a alternativa incorreta:  
  • 4 - Questão 55531.   Português - Mas ou Mais - Nível Médio
  • O segredo da felicidade segundo a ciência

    [...]
    A busca da felicidade é uma epidemia mundial – em um estudo com ______ de 10 mil participantes de 48 países, os psicólogos Ed Diener, da Universidade de Illinois, e Shigehiro Oishi, da Universidade de Virginia, descobriram que pessoas de todos os cantos do mundo consideram a felicidade ______ importante do que outras realizações pessoais altamente desejáveis, tais como ter um objetivo na vida, ser rico ou ir para o céu. A febre da felicidade é estimulada em parte pelo crescente número de pesquisas que sugerem que, além de ser boa, a felicidade também faz bem – ela está ligada ______ muitos benefícios, desde maiores salários e um melhor sistema imunológico até estímulo à criatividade. [...]

    Disponível em:  .
    Acesso em: 28 jul. 2016.

    Assinale a alternativa que corresponde às respectivas lacunas do texto. 
  • 5 - Questão 55532.   Português - Mas ou Mais - Nível Médio
  • Leia o texto a seguir, para responder à questão, que a ele se refere:

    A cultura da borracha não tem demonstrado, no tempo presente, qualquer êxito comercial na Amazônia. Já faz muito tempo, plantaram-se seringueiras em várias localidades do Vale. Há cerca de quarenta anos, em torno de duzentas dessas árvores foram plantadas à saída de uma cidade do Baixo Amazonas. Hoje em dia a municipalidade arrenda-as a quem as queira explorar. Ainda que seja relativamente fácil extrair-se o látex, a produção não é muito lucrativa, pois essas seringueiras não produzem tanto quanto a árvore nativa. Foi a indústria da borracha a que mas influenciou, de várias maneiras, a sociedade amazônica. E todos querem saber o por que. A resposta é que o sistema social de grandes regiões do Vale, sobretudo naquelas em que a extração da borracha ainda é (ou foi) a principal atividade econômica, decorre diretamente do sistema comercial relacionado à indústria gomífera.

    (Do livro “Uma comunidade amazônica, de Charles Wagley, p. 101 e 103. Adaptado.)

    Sobre fenômenos linguísticos do texto, afirma-se:

    I. Na oração “plantaram-se seringueiras em várias localidades do Vale” (segundo período), o sujeito simples é seringueiras.
    II. A expressão “Há cerca de quarenta anos”, que dá início ao terceiro período, não está correta, devendo ser substituída por “Acerca de”.
    III. Em “E todos querem saber o por que” observa-se um erro, pois a oração deveria estar redigida assim: “E todos querem saber o porquê”.
    IV. Em “Foi a indústria da borracha a que mas influenciou” também existe um erro, já que “mas” teria de ser grafado como um advérbio: “mais”.

    Assinale a alternativa correta:
  • 6 - Questão 55533.   Português - Mas ou Mais - Nível Médio
  • Analise as frases a seguir:

    I. Quero acordar mais cedo, mas durmo tarde todos os dias.
    II. Quero acordar mas cedo, mais durmo tarde todos os dias.

    Marque o item VERDADEIRO: 
  • 7 - Questão 55534.   Português - Mas ou Mais - Nível Médio
  • Leia o texto para responder à questão.

    Uma conhecida convidou os quatro netos pré-adolescentes para lanchar. Queria passar um tempo com eles, como fazem as avós. Sentaram-se numa lanchonete. Pediram sanduíches e refrigerantes. Daí, os quatro sacaram os celulares. Ficaram todo o tempo trocando mensagens com amigos, rindo e se divertindo. Com cara de mamão murcho, a avó esperou alguma oportunidade de bater papo. Não houve. Agora, ela já prometeu:
    – Desisti. Não saio mais com meus netos.
    Cada vez mais as pessoas “abandonam" os outros para viver num mundo de relações via celular. Às vezes de maneira assustadora.
    Em certos almoços, mesmo de negócios, é impossível tratar do assunto que importa. O interlocutor escolhe o prato com a orelha no celular. Quando desliga, abre para verificar e-mails. Responde. Pacientemente espero. Iniciamos o papo que motivou o almoço. O celular toca novamente. Dá vontade de levantar da mesa e ir embora. Não posso, seria falta de educação. Mas não é pior ficar como espectador enquanto a pessoa resolve suas coisas pelo celular, sem dar continuidade à conversa?
    Faço cara de paisagem enquanto a pessoa discute algo que nada tem a ver comigo. Penso: seria melhor, muito melhor, não ter marcado reunião nenhuma. Mais fácil seria, sim, me impor através do celular, porque através dele entro na sala de alguém quando quero, sem marcar hora. O aparelhinho invade até situações íntimas. Se fosse só comigo, estaria traumatizado por me sentir pouco interessante. Mas sei de casos em que, entre um beijo e outro, um dos parceiros atende o celular. Para tudo, sai do clima. Quando termina a ligação, é preciso de um tempo para retomar. Mas aí, pode tocar novamente e... enfim, até nos momentos mais eróticos, o aparelhinho atrapalha.
    Ainda sou daquele tempo de ter conversas francas e profundas, de olhar nos olhos. Hoje é quase impossível aprofundar-se nos olhos de alguém. Estão fixados na tela de seu modelo de última geração. Conheço algumas raras pessoas que se recusam (ainda!) a ter celular. Cada vez mais, se rendem. A vida ficou impossível sem ele. Eu descobri uma estratégia que sempre funciona, se quero realmente falar com alguém. Convido para jantar, por exemplo. Ela saca o celular. Pego o meu e envio uma mensagem para ela mesma, em frente a mim. Não falha. Seja quem for, acha divertidíssimo. E assim continuamos até o cafezinho. Sem palavras, mas trocando incríveis mensagens pelo celular. Todo mundo acha divertidíssimo.

    (Walcyr Carrasco, Má educação e celular. Revista Época. Disponível em: . Acesso em: 27.01.2015. Adaptado)

    Para responder a esta questão, considere a seguinte passagem:

    Conheço algumas raras pessoas que se recusam (ainda!) a ter celular. Cada vez mais, se rendem. A vida ficou impossível sem ele.

    A alternativa em que o emprego de conjunções expressa, com correção, a adequada relação de sentido entre as orações é:
  • 8 - Questão 55535.   Português - Mas ou Mais - Nível Médio
  • Assinale a alternativa que completa corretamente o período:

    O _____ aluno foi ______ na prova de Inglês, ______ não sabe; se você o ______ é bom avisá-lo.
  • 9 - Questão 55536.   Português - Mas ou Mais - Nível Médio
  • De acordo com a norma-padrão da Língua Portuguesa, observe os termos destacados e, em seguida, assinale a alternativa correta.
  • 10 - Questão 55537.   Português - Mas ou Mais - Nível Médio
  • Leia o texto abaixo e responda à questão proposta.

    Texto 1:
    Passe adiante

    Tenho vários DVDs de shows, e houve uma época em que os assistia atenta ou simplesmente deixava rodando como um som ambiente enquanto fazia outras coisas pela casa. Até que os esqueci de vez. Conhecedor do meu acervo, meu irmão outro dia pediu:
    – Posso pegar emprestado uns shows aí da tua coleção?
    Claro! Ele escolheu quatro e levou com ele. E subitamente me deu uma vontade incontrolável de voltar a assistir aqueles shows.Aqueles quatro, não é estranho?
    Logo a vontade passou, mas fiquei com o alerta na cabeça. Me lembrei de uma amiga que uma vez disse que havia comprado um vestido que nunca usara, ele seguia pendurado no guarda-roupa. Um dia ela me mostrou o tal vestido e intimou:
    – Pega pra ti, me faz esse favor. Jamais vou usar.
    Trouxe-o para casa. Muito tempo depois ela me confidenciou, às gargalhadas, que não havia dormido aquela noite. Passou a ver o vestido com outros olhos. Por que ela não dera uma chance a ele?
    Maldita sensação de posse, que faz com que a gente continue apegada ao que deixou de ser relevante. Incluindo relacionamentos.
    Uma outra amiga vivia reclamando do namorado, dizia que eles não tinham mais nada em comum e que ela estava pronta para partir para outra. E por que não partia?
    – Porque não quero deixá-lo dando sopa por aí.
    Como é que é?
    Ela não terminava com o cara porque não queria que ele tivesse outra namorada, dizia que não suportaria. Reconhecia a mesquinhez da sua atitude, mas, depois de tantos anos juntos, ela ainda não se sentia preparada para admitir que ele não seria mais dela.
    DVDs, roupas, amores: claro que não é tudo a mesma coisa, mas o apego irracional se parece. É a velha e surrada história de só darmos valor àquilo que perdemos. Será que existe solução para essa neura? Atribuir ao nosso egoísmo latente talvez seja simplista demais, porém, não encontro outra justificativa que explique essa necessidade de “ter” o que já nem levamos mais em consideração.
    É preciso abrir espaço. Limpar a papelada das gavetas, doar sapatos e bolsas que estão mofando, passar adiante livros que jamais iremos abrir. É uma forma de perder peso e convidar a tão almejada “vida nova” para assumir o posto que lhe é devido. Fácil? Bref. Um pedaço da nossa história vai embora junto. Somos feitos – também – de ingressos de shows, recortes de jornal, fotos de formatura, bilhetes de amor.
    Sem falar no medo de não reconhecermos a nós mesmos quando o futuro chegar, de não ter lá na frente emoções tão ricas nos aguardando, de a nostalgia vir a ser mais potente do que a tal “vida nova”.
    Qual é a garantia? Um ano para geladeiras, três anos para carros 0km, cinco anos para apartamentos. Pra vida, não tem. É se desapegar e ver no que dá, ou ficar velando para sempre os cadáveres das vontades que passaram. (MEDEIROS, Martha. Revista O Globo, 20/05/2012.)

    Em qual das frases abaixo a palavra destacada foi corretamente grafada?

Comentar Simulado

Para comentar este simulado é preciso Cadastrar-se. É simples, rápido e grátis!