Simulado Exercícios sobre Vícios da Linguagem com Gabarito - Português

Simulado com 10 Questões de Português (Vícios da Linguagem). Prova com Exercícios de Ensino Médio com Gabarito.

  • 123 Resolveram
  • 31% Acertos
  • 7 Gabaritaram
  • barra ótimo 7 Ótimo
  • barra qtd_bom 14 Bom
  • barra ruim72 Regular
  • barra péssimo30 Ruim

Para corrigir este simulado é preciso Cadastrar-se. É simples, rápido e grátis!

  • 1 - Questão 55678.   Português - Vícios da Linguagem - Nível Médio
  • Analisando os vícios de linguagem listados abaixo, relacione adequadamente:

    I. ambiguidade
    II. pleonasmo
    III. cacófato
    IV. eco
    V. solecismo

    (   ) A boca dela tinha dentes cariados.
    (   ) Aquele era o pai da moça que estava doente.
    (   ) Vou te contar uma novidade inédita.
    (   ) Aqueles rapazes estava sem rumo.
    (   ) Teve vontade de ir à cidade só por maldade.

    Está correta a sequência:
  • 2 - Questão 55679.   Português - Vícios da Linguagem - Nível Médio
  • Observe a seguinte frase: “Ajudei a colega cansada no final do expediente.” Agora, analise as informações acerca da organização da estrutura da frase: 

    I. A frase sob o ponto de vista estrutural, não apresenta nenhum problema;
    II. Há ambiguidade na frase, pois não deixa claro quem está cansada;
    III. Para reorganizar a frase de modo a informar que quem está cansada é a locutora, pode-se reescrever a frase assim “cansada, ajudei a colega no final do expediente”;
    IV. Para reorganizar a frase de modo que, quem esteja cansada é a colega, poderia ser reestruturada assim: “Ajudei a colega, que estava cansada, no final do expediente”. 

    Estão corretas:
  • 3 - Questão 55680.   Português - Vícios da Linguagem - Nível Médio
  • O mundo moderno está em crise (os mundos do passado tiveram suas crises; é a nossa perspectiva presente). É truísmo, esse, inarredável. E o sentem os que veem a crise como um mal de cujo ventre irromperá monstros, como o sentem os que a veem como um bem de cujo cerne nascerá algo como a Utopia. Isso é dito pelo poeta em mais de um lugar da Obra, que é perpassada por toda essa crise. Veja-se na sua transposição simbólica de um joão-ninguém ou joão-todo-o-mundo.

    (Adaptado de: HOUAISS, Antônio. Drummond. In: Drummond mais seis poetas e um problema. Rio de Janeiro: Imago, 1976, p. 35) 

    No texto, há um vício de linguagem identificado como:  
  • 4 - Questão 55681.   Português - Vícios da Linguagem - Nível Médio
  • Privilégio ou Previlégio?
    Clara Braga 

    Atire a primeira pedra quem nunca escreveu uma palavra com a grafia errada jurando que estava escrevendo certo. Essa é a história da minha vida. Meu melhor amigo? Corretor do Word. Minha melhor desculpa? Licença poética. Mas tem uns erros que não há licença poética que segure.
    Esses dias vi um que confesso que na hora “h” me deixou na dúvida: privilégio ou previlégio? Eu tinha certeza que era privilégio, mas sabe quando você vê a palavra errada em uma frase tão convincente que acaba ficando na dúvida? Pois é, “viajar para o exterior é um previlégio de poucos”. Quer frase mais convincente que essa? 
    Nada que um bom dicionário não resolva: Privilégio – vantagem concedida a alguém, com exclusão dos outros; permissão especial. Substantivo masculino com origem no latim ‘privilegium’ e, por isso, escrita com “i” mesmo! Se fosse o soletrando do Caldeirão do Hulk, ainda poderíamos pedir a divisão silábica e a utilização em uma frase, mas não é necessário, só pela origem já não fica mais na dúvida, é com “i”. Mas pesquisar alguns sinônimos não faz mal a ninguém: posse, regalia, concessão, direito, direito. Opá, direito?
    Pois é, parece que direito pode ser sinônimo de privilégio, porém, em alguns casos, a palavra privilégio pode ser entendida de forma pejorativa, afinal é algo que uma pessoa possui e outra não, seja lá o motivo, e ninguém gosta de ser excluído de uma concessão, não é mesmo? Porém, é aí que mora todo o problema, algumas pessoas não entendem que nem todo mundo tem o privilégio de não ter uma deficiência, por exemplo, que o impeça de ter acesso a seja lá o que for, de banheiro a informação.
    Não vivemos em um mundo adaptado a todas as necessidades, e isso não é culpa das pessoas com deficiência, muito pelo contrário, no final, são elas que saem perdendo. Por isso, algumas regras básicas precisam ser colocadas para que todas as pessoas tenham iguais oportunidades na vida (e aqui também incluo desde a oportunidade de se informar até a oportunidade de usar um banheiro público), e é por isso que essas regras não estão em discussão pois são DIREITOS garantidos por lei, e não privilégios.
    A placa colocada em Curitiba que pedia o fim dos privilégios das pessoas com deficiência e que causou revolta na internet parece não ter passado de uma ação de marketing para uma campanha que busca garantir os direitos das pessoas com deficiência. Uma ótima campanha para ser feita próxima do Dia Internacional das Pessoas com Deficiência e do Dia Mundial da Acessibilidade. Tomara que a revolta que eu e muitos sentiram não morra nas redes sociais.

    O título da crônica de Clara Braga traz, em si, uma indagação a respeito do uso oral ou escrito de certas palavras da língua portuguesa. O exemplo apresentado é o que ocorre, comumente, com a palavra “privilégio/previlégio”. Esta mesma dúvida acontece em situações como:
  • 5 - Questão 55682.   Português - Vícios da Linguagem - Nível Médio
  • Nas orações abaixo, há presença de vício de linguagem, conforme podemos constatar na alternativa:

    I- Fica a seu critério pessoal a escolha das pastilhas decorativas para a cozinha.
    II- Não encontramos nenhum elo de ligação entre os suspeitos.
    III- Após o grave acidente, sofreu uma forte hemorragia. 
  • 6 - Questão 55683.   Português - Vícios da Linguagem - Nível Médio
  • Assinale a alternativa que apresenta correta análise do vício de linguagem presente.
  • 8 - Questão 55685.   Português - Vícios da Linguagem - Nível Médio
  • Vivia longe dos homens, só se dava bem com animais. Os seus pés duros quebravam espinho e não sentiam a quentura da terra. Montado, confundia-se com o cavalo, grudava-se a ele. E falava uma linguagem cantada, monossilábica e gutural, que o companheiro entendia. A pé, não se aguentava bem. Pendia para um lado, para o outro, cambaio, torto e feio. Às vezes utilizava, na relação com as pessoas, a mesma língua com que se dirigia aos brutos – exclamações, onomatopeias. Na verdade, falava pouco. Admirava as palavras compridas e difíceis da gente da cidade, tentava reproduzir algumas, em vão, mas sabia que elas eram inúteis e talvez perigosas.
    Graciliano Ramos - Vidas Secas - excerto

    Analise as afirmativas feitas sobre o texto.

    1. O texto ressalta a identificação do personagem com o mundo animal.
    2. Há presente no texto palavras que atestam a rudeza do personagem no aspecto físico.
    3. A última frase do texto mostra que o personagem tem receio da cultura e valores do mundo cultural e, assim, não quer aprendê-la. A expressão “em vão” é que traz ao leitor esse sentido.
    4. As duas expressões sublinhadas no texto têm a mesma classificação: adjunto adverbial.
    5. Por falar uma linguagem cantada, monossilábica e gutural, o personagem cometia vícios de linguagem.

    Assinale a alternativa que indica todas as afirmativas corretas.
  • 9 - Questão 55686.   Português - Vícios da Linguagem - Nível Médio
  • Texto 1 – Problemas Sociais Urbanos
    Brasil escola

    Dentre os problemas sociais urbanos, merece destaque a questão da segregação urbana, fruto da concentração de renda no espaço das cidades e da falta de planejamento público que vise à promoção de políticas de controle ao crescimento desordenado das cidades. A especulação imobiliária favorece o encarecimento dos locais mais próximos dos grandes centros, tornando-os inacessíveis à grande massa populacional. Além disso, à medida que as cidades crescem, áreas que antes eram baratas e de fácil acesso tornam-se mais caras, o que contribui para que a grande maioria da população pobre busque por moradias em regiões ainda mais distantes.
    Essas pessoas sofrem com as grandes distâncias dos locais de residência com os centros comerciais e os locais onde trabalham, uma vez que a esmagadora maioria dos habitantes que sofrem com esse processo são trabalhadores com baixos salários. Incluem-se a isso as precárias condições de transporte público e a péssima infraestrutura dessas zonas segregadas, que às vezes não contam com saneamento básico ou asfalto e apresentam elevados índices de violência.
    A especulação imobiliária também acentua um problema cada vez maior no espaço das grandes, médias e até pequenas cidades: a questão dos lotes vagos. Esse problema acontece por dois principais motivos: 1) falta de poder aquisitivo da população que possui terrenos, mas que não possui condições de construir neles e 2) a espera pela valorização dos lotes para que esses se tornem mais caros para uma venda posterior. Esses lotes vagos geralmente apresentam problemas como o acúmulo de lixo, mato alto, e acabam tornando-se focos de doenças, como a dengue.

    PENA, Rodolfo F. Alves. “Problemas socioambientais urbanos”; Brasil Escola. Disponível em http://brasilescola.uol.com.br/brasil/problemas-ambientais-sociais-decorrentes-urbanização.htm. Acesso em 14 de abril de 2016. 

    “a espera pela valorização dos lotes para que esses se tornem mais caros para uma venda posterior”; esse segmento do texto 1 apresenta um problema de construção, que é: 
  • 10 - Questão 55687.   Português - Vícios da Linguagem - Nível Médio
  • A frase em que a redundância está ausente é: 

Comentar Simulado

Para comentar este simulado é preciso Cadastrar-se. É simples, rápido e grátis!