Simulado Exercícios de Redação - Reescritura de Texto com Gabarito - Português

Simulado com 10 questões de Português (Reescritura de Texto) Ensino Médio. Teste seus Conhecimentos em Provas Online com Gabarito.

  • 52 Resolveram
  • 47% Acertos
  • 0 Gabaritaram
  • barra ótimo 5 Ótimo
  • barra qtd_bom 20 Bom
  • barra ruim23 Ruim
  • barra péssimo4 Péssimo

Para corrigir este simulado é preciso Entrar ou Cadastrar-se. É simples e rápido!

  • 1 - Questão 55698.   Português - Reescritura de Texto - Nível Médio - 2019
  • Está clara e correta a redação deste livre comentário:
  • 2 - Questão 55699.   Português - Reescritura de Texto - Nível Médio - 2019
  • Inovação sempre foi algo fundamental para o sucesso das empresas. Na atualidade, a capacidade de inovação se tornou questão de sobrevivência para a maioria das empresas, independentemente da atividade da organização. Não me refiro apenas àquelas empresas ligadas à tecnologia que notoriamente possuem inovação em seu DNA. Supermercados estão inovando. Empresas de construção civil estão inovando. Seja em relação ao produto ou ao serviço, à maneira de interagir com os clientes ou às estratégias que serão implementadas para conquistar mercado, todas as empresas que pretendem crescer buscam inovar.
    Ao contrário do que possa parecer, a habilidade de inovar requer muita disciplina. A ideia de que a inspiração precisa “baixar" para se poder inovar ou ser criativo é um mito. Mesmo parecendo um contrassenso, você pode desrespeitar todas as regras, porém de maneira disciplinada.
    O compositor austríaco Schoenberg desafiou todas as convenções da composição quando criou, no início do século XX, uma nova maneira de compor que se tornou conhecida como dodecafonismo. Mesmo que as composições de Schoenberg possam a princípio parecer difíceis de apreciar, a história da música reservou-lhe um lugar de destaque como um dos grandes compositores do século XX. Para desenvolver seu método revolucionário de compor, Schoenberg estudou com muita disciplina todas as técnicas de composição tradicionais e foi testando novas possibilidades até chegar ao dodecafonismo. Não foi algo que simplesmente aconteceu da noite para o dia. 

    (Adaptado de: GRINBERG, Renato. A excelência do olho de tigre. São Paulo: Editora Gente, 2016. edição digital). 

    Está plenamente correta a redação do comentário que se encontra em:
  • 3 - Questão 55700.   Português - Reescritura de Texto - Nível Médio - 2019
  • Inovação sempre foi algo fundamental para o sucesso das empresas. Na atualidade, a capacidade de inovação se tornou questão de sobrevivência para a maioria das empresas, independentemente da atividade da organização. Não me refiro apenas àquelas empresas ligadas à tecnologia que notoriamente possuem inovação em seu DNA. Supermercados estão inovando. Empresas de construção civil estão inovando. Seja em relação ao produto ou ao serviço, à maneira de interagir com os clientes ou às estratégias que serão implementadas para conquistar mercado, todas as empresas que pretendem crescer buscam inovar.
    Ao contrário do que possa parecer, a habilidade de inovar requer muita disciplina. A ideia de que a inspiração precisa “baixar" para se poder inovar ou ser criativo é um mito. Mesmo parecendo um contrassenso, você pode desrespeitar todas as regras, porém de maneira disciplinada.
    O compositor austríaco Schoenberg desafiou todas as convenções da composição quando criou, no início do século XX, uma nova maneira de compor que se tornou conhecida como dodecafonismo. Mesmo que as composições de Schoenberg possam a princípio parecer difíceis de apreciar, a história da música reservou-lhe um lugar de destaque como um dos grandes compositores do século XX. Para desenvolver seu método revolucionário de compor, Schoenberg estudou com muita disciplina todas as técnicas de composição tradicionais e foi testando novas possibilidades até chegar ao dodecafonismo. Não foi algo que simplesmente aconteceu da noite para o dia. 

    (Adaptado de: GRINBERG, Renato. A excelência do olho de tigre. São Paulo: Editora Gente, 2016. edição digital). 

    Está correta a redação da frase adaptada do texto que se encontra em: 
  • 4 - Questão 55701.   Português - Reescritura de Texto - Nível Médio - 2019
  • Considere o seguinte conjunto de informações:

    - Não existem estudos científicos que provem a eficácia de dispositivos e aplicativos que emitem sons para afastar insetos.
    - Cientistas usam o som para o monitoramento de mosquitos.
    - Cientistas usam o som para atrair mosquitos.

    Considere as seguintes possibilidade de união dessas informações num único período:

    1. Não existem estudos científicos que provem a eficácia de dispositivos e aplicativos que emitem sons para afastar insetos, mas os cientistas usam o som para o monitoramento mosquitos e também para atraí-los.
    2. Os cientistas usam o som para o monitoramento de mosquitos e também para atraí-los, mas não existem estudos científicos que provem a eficácia de dispositivos e aplicativos que emitem sons para afastar insetos.
    3. Embora não existam estudos científicos que provem a eficácia de dispositivos e aplicativos que emitem sons para afastar insetos, o som tem sido usado por cientistas tanto para atrair mosquitos quanto para monitorá-los.

    Está/Estão de acordo com a norma padrão da escrita: 
  • 5 - Questão 55702.   Português - Reescritura de Texto - Nível Médio - 2019
  • Texto I
    A violência que bate à porta (fragmento)

    Segundo dados do Relatório Mundial 2019, divulgados recentemente pela ONG Human Rights Watch, 64 mil homicídios aconteceram no Brasil em 2017. São dois mil a mais que em 2016. Este crescimento não foi freado em 2018, pelo contrário. Os dados já apresentados por Ongs e Instituições mostram que o número de assassinatos segue crescendo a passos largos. O crime, cada vez mais, sai da marginalidade e assola toda a sociedade, sem distinguir classes sociais. Estados pararam nos últimos meses (Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Ceará, e por aí vai) na mão de criminosos e a população se vê à mercê desta realidade que bate à porta.
    O retrato atual é esse e os noticiários teimam em nos lembrar que o filho morto hoje pode ser o nosso amanhã. Esta sensação de insegurança aumenta a busca por segurança privada. A Pesquisa Nacional sobre Segurança Eletrônica, realizada pela Associação Brasileira das Empresas de Sistemas Eletrônicos de Segurança (Abese), afirma que houve um crescimento nas residências que investiram em sistemas de segurança nos últimos 12 meses.
    Mas quem deve cuidar da segurança do cidadão? E quem não tem dinheiro para investir em sistemas? É protegido por quem?
    Os sistemas privados de segurança servem para inibir a ação de criminosos, mas isto não pode ser a única solução. O Estado precisa ser cobrado e deve agir. Para deter o crime organizado, é necessário muito mais esforço público do que portões e muros altos.

    Marco Antônio Barbosa

    Hoje em Dia, 01/03/2019 (Extraído e adaptado de: hojeemdia.com.br/opinião)

    Observe a seguinte frase do primeiro parágrafo e responda à questão.

    “Segundo dados do Relatório Mundial 2019, divulgados recentemente pela ONG Human Rights Watch, 64 mil homicídios aconteceram no Brasil em 2017.” 

    O trecho “divulgados recentemente pela ONG Human Rights Watch” pode ser corretamente reescrito da seguinte forma:
  • 6 - Questão 55703.   Português - Reescritura de Texto - Nível Médio - 2019
  • Texto I
    A violência que bate à porta (fragmento)

    Segundo dados do Relatório Mundial 2019, divulgados recentemente pela ONG Human Rights Watch, 64 mil homicídios aconteceram no Brasil em 2017. São dois mil a mais que em 2016. Este crescimento não foi freado em 2018, pelo contrário. Os dados já apresentados por Ongs e Instituições mostram que o número de assassinatos segue crescendo a passos largos. O crime, cada vez mais, sai da marginalidade e assola toda a sociedade, sem distinguir classes sociais. Estados pararam nos últimos meses (Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Ceará, e por aí vai) na mão de criminosos e a população se vê à mercê desta realidade que bate à porta.
    O retrato atual é esse e os noticiários teimam em nos lembrar que o filho morto hoje pode ser o nosso amanhã. Esta sensação de insegurança aumenta a busca por segurança privada. A Pesquisa Nacional sobre Segurança Eletrônica, realizada pela Associação Brasileira das Empresas de Sistemas Eletrônicos de Segurança (Abese), afirma que houve um crescimento nas residências que investiram em sistemas de segurança nos últimos 12 meses.
    Mas quem deve cuidar da segurança do cidadão? E quem não tem dinheiro para investir em sistemas? É protegido por quem?
    Os sistemas privados de segurança servem para inibir a ação de criminosos, mas isto não pode ser a única solução. O Estado precisa ser cobrado e deve agir. Para deter o crime organizado, é necessário muito mais esforço público do que portões e muros altos.

    Marco Antônio Barbosa

    Hoje em Dia, 01/03/2019 (Extraído e adaptado de: hojeemdia.com.br/opinião)

    Observe a seguinte frase do primeiro parágrafo e responda à questão.

    “Segundo dados do Relatório Mundial 2019, divulgados recentemente pela ONG Human Rights Watch, 64 mil homicídios aconteceram no Brasil em 2017.” 

    No trecho, a palavra “segundo” pode ser substituída por:
  • 7 - Questão 55704.   Português - Reescritura de Texto - Nível Médio - 2019
  • TEXTO 1
    Se o governo ouvisse a ciência, aumentaria a carga horária de esportes na escola
    Sabine Righeti

    Os educadores podem não saber disso, mas estudos que envolvem neurociência têm mostrado evidências importantes que relacionam a prática regular de exercícios ao desempenho acadêmico. Trocando em miúdos: mais tempo na quadra de esportes pode significar melhores notas na escola. 
    Então não seria interessante que cientistas e educadores trabalhassem juntos a fim de desenvolver estudos para guiar tomadas de decisão na área de educação? Pois é. Essa é a proposta da Rede Nacional de Ciência para Educação, que conecta educadores e cientistas com o objetivo de embasar decisões na área de educação. A relação entre esportes e desempenho acadêmico é um exemplo clássico desse trabalho “em rede”.
    De acordo com o neurocientista Roberto Lent, que trabalha com plasticidade e evolução do cérebro na UFRJ, e que coordena a rede, uma série de estudos recentes mostram que exercícios físicos melhoram a memória e até a produção de novos neurônios no hipocampo – área do cérebro responsável pela aprendizagem. Ele abordou o tema em um evento da rede promovido nesta quarta-feira (26) pelo Instituto Ayrton Senna, em São Paulo.
    Em experimentos com ratinhos, é possível “contar” os novos neurônios produzidos. Já em humanos, os resultados são observados a partir de imagens do cérebro.
    “Baseado nisso, o governo não deveria tornar educação física uma disciplina opcional”, diz Lent. Vale lembrar: na proposta de reforma curricular do ensino médio, anunciada por meio de Medida Provisória em setembro, educação física e artes passam a ser disciplinas eletivas. A proposta tem sido criticada por especialistas que receiam que algumas escolas simplesmente não tenham essa opção para os alunos.
    Outros trabalhos mostram também que a endorfina, neurotransmissor produzido com a prática de exercícios, melhora a disposição de maneira geral – o que ajuda na concentração e nas aulas. Mais: exercícios físicos ajudam no sono, que, por sua vez, tem um papel importantíssimo na memória. Para a psicologia, os exercícios físicos ajudam a desenvolver o trabalho em grupo, a liderança e a disciplina.
    A ideia da Rede Nacional de Ciência para Educação, criada em 2012, é justamente prover de informações científicas políticas públicas na área de educação que possam ajudar a tomada de decisão. Hoje há educadores, cientistas, economistas, fonoaudiólogos e pesquisadores de várias áreas do conhecimento envolvidos no trabalho.
    “Isso significa que se o governo tivesse ouvido os cientistas, aumentaria as horas de educação física”, diz Lent
    De acordo com Daniele Botaro, pós-doutoranda do Instituto Ayrton Senna, que também integra a rede, uma das propostas é que os próprios professores tragam temas de pesquisa para a ciência.“Um professor pode observar um fenômeno em sala de aula e trazer uma pergunta para os cientistas responderem”, diz. Isso é muito comum em países como os Estados Unidos.

    Disponível em: https://abecedario.blogfolha.uol.com.br/2016/10/27/se-governo-ouvisse-a-ciencia-aumentaria-a-carga-de-esportes-na-escola/ Acesso em: 21 set. 2018. Adaptado. 

    Releia o título do texto: “Se o governo ouvisse a ciência, aumentaria a carga horária de esportes na escola”. As mesmas relações de sentido estão mantidas em: 
  • 8 - Questão 55705.   Português - Reescritura de Texto - Nível Médio - 2019
  • Numere os períodos de modo a constituírem um texto coeso e coerente e, depois, indique a seqüência numérica correta.

    ( ) O 14 bis também ganhará as atenções estrangeiras. Outra réplica está exposta na curva do Laranjinha, em Interlagos. Hoje, no autódromo paulistano, será disputado o Grande Prêmio do Brasil de Fórmula 1.
    ( ) As comemorações já começaram no Brasil. Hoje, das 8 às 18 horas, haverá uma série de eventos no gramado da Esplanada dos Ministérios, em Brasília, como shows de páraquedistas e exposições de aviões históricos. Às 17 horas, os pilotos da Esquadrilha da Fumaça farão acrobacias no ar.
    ( ) Um pouco antes, às 16h45, uma réplica do 14 bis tentará repetir o feito de 1906. Isso, porém, só ocorrerá se não chover na capital federal - o material com o qual a cópia do avião foi construído é tão frágil quanto o original. Os eventos em Brasília são organizados pela Comissão Interministerial do Centenário do 14 bis, formada por 13 ministérios e duas secretarias da Presidência da República.
    ( ) Amanhã é um dia histórico. Serão comemorados os cem anos do primeiro vôo de uma máquina mais pesada que o ar. No dia 23 de outubro de 1906, no Campo de Bagatelle, em Paris, o brasileiro Alberto Santos-Dumont surpreendeu o mundo ao voar por sete segundos a bordo do seu 14 bis.
    ( ) Ainda de acordo com a Comissão Interministerial do Centenário do 14 bis, todas as bases aéreas do País estarão abertas ao público hoje. Cada uma terá uma programação própria.

    (Baseado em www.estado.com.br, 22/10/2006)
  • 9 - Questão 55706.   Português - Reescritura de Texto - Nível Médio - 2019
  • Tudo o que não puder contar, não faça: integridade é não agir errado mesmo sozinho

    Immanuel Kant, famoso filósofo alemão do século 18, dizia: “Tudo o que não puder contar como faz, não faça!”. Ao jogarmos um simples papelzinho pela janela não temos consciência alguma de que não se trata apenas de um simples papelzinho. O que está por trás disso é absolutamente sério. O que estamos fazendo conosco, com o meio em que vivemos e com o mundo? Há que se dizer que culpar terceiros sempre nos traz alívio.
    Mas não é um simples papelzinho... Se jogarmos três ao dia, serão quatorze por semana, e se milhões de pessoas de todo o mundo jogarem três míseros papéis por dia? Um dos maiores responsáveis por alagamentos nas cidades é o lixo, acarreta entupimento de bueiros e canalizações, levando a dispersar doenças e incômodo à população em geral. 
    O âmago desta questão é a consciência. Nos dias de hoje coletamos informações prontas e não levamos questões reflexivas ao cotidiano agitado e quase atropelado pelo que não nos afeta tanto por enquanto.
    O que seremos no futuro? Seremos seres abastecidos virtualmente, mas submergidos no lixo? A grande preocupação é que a realidade virtual se sobreponha à realidade real!
    A vida no planeta como a conhecemos acabará de forma dramática, e somente através desse processo de conscientização poderemos garantir a sustentabilidade ambiental. Sustentabilidade: “Pensar globalmente, agir localmente”. Não é um simples papelzinho. É questão de educação, caráter, reflexão!

    (Mario Sergio Cortella. http://mariosergiocortella.com. Adaptado)

    Considerando-se as regras de concordância e de colocação pronominal da norma-padrão, as expressões destacadas no trecho
    “... coletamos informações prontas e não levamos questões reflexivas ao cotidiano...” estarão correta e respectivamente substituídas por
  • 10 - Questão 55707.   Português - Reescritura de Texto - Nível Médio - 2019
  • Imigrações no Rio Grande do Sul

    Em 1740 chegou à região do atual Rio Grande do Sul o primeiro grupo organizado de povoadores. Portugueses oriundos da ilha dos Açores, contavam com o apoio oficial do governo, que pretendia que se instalassem na vasta área onde anteriormente estavam situadas as Missões.
    A partir da década de vinte do século XIX, o governo brasileiro resolveu estimular a vinda de imigrantes europeus, para formar uma camada social de homens livres que tivessem habilitação profissional e pudessem oferecer ao país os produtos que até então tinham que ser importados, ou que eram produzidos em escala mínima. Os primeiros imigrantes que chegaram foram os alemães, em 1824. Eles foram assentados em glebas de terra situadas nas proximidades da capital gaúcha. E, em pouco tempo, começaram a mudar o perfil da economia do atual estado. 
    Primeiramente, introduziram o artesanato em uma escala que, até então, nunca fora praticada. Depois, estabeleceram laços comerciais com seus países de origem, que terminaram por beneficiar o Rio Grande. Pela primeira vez havia, no país, uma região em que predominavam os homens livres, que viviam de seu trabalho, e não da exploração do trabalho alheio. 
    As levas de imigrantes se sucederam, e aos poucos transformaram o perfil do Rio Grande. Trouxeram a agricultura de pequena propriedade e o artesanato. Através dessas atividades, consolidaram um mercado interno e desenvolveram a camada média da população. E, embora o poder político ainda fosse detido pelos grandes senhores das estâncias e charqueadas, o poder econômico dos imigrantes foi, aos poucos, se consolidando.

    (Adaptado de: projetoriograndetche.weebly.com/imigraccedMatMdeo-no-rs.html)

    Atente para a seguinte construção em discurso direto:

    Perguntou-me ele: - Não terá sido essencial a contribuição dos meus antepassados?

    Transpondo-a para o discurso indireto, iniciando-se por Ele me perguntou, deve seguir-se, como complementação adequada,