← Mais simulados

Simulado: Exame do Ensino Médio - Português - Interpretação Textual - ENEM

Simulados, Provas e Questões - Exame do Ensino Médio - Português - Interpretação Textual - ENEM. Ao Terminar de Resolver o Teste, Clique em Corrigir para ver o Gabarito.

20 resolveram
45% acertos
Difícil
0 gabaritaram
0 ótimo
8 bom
12 regular
0 péssimo

Texto associado.
O sociólogo espanhol Manuel Castells sustenta que
“a comunicação de valores e a mobilização em torno
do sentido são fundamentais. Os movimentos culturais
(entendidos como movimentos que têm como objetivo
defender ou propor modos próprios de vida e sentido)
constroem-se em torno de sistemas de comunicação —
essencialmente a internet e os meios de comunicação
— porque esta é a principal via que esses movimentos
encontram para chegar àquelas pessoas que podem
eventualmente partilhar os seus valores, e a partir daqui
atuar na consciência da sociedade no seu conjunto”.
Disponível em: www.compolitica.org. Acesso em: 2 mar. 2012 (adaptado).
Em 2011, após uma forte mobilização popular via redes sociais, houve a queda do governo de Hosni Mubarak, no Egito. Esse evento ratifica o argumento de que
Texto associado.
Até quando?
Não adianta olhar pro céu
Com muita fé e pouca luta
Levanta aí que você tem muito protesto pra fazer
E muita greve, você pode, você deve, pode crer
Não adianta olhar pro chão
Virar a cara pra não ver
Se liga aí que te botaram numa cruz e só porque Jesus
Sofreu não quer dizer que você tenha que sofrer!
GABRIEL, O PENSADOR. Seja você mesmo (mas não seja sempre o mesmo).
Rio de Janeiro: Sony Music, 2001 (fragmento).
As escolhas linguísticas feitas pelo autor conferem ao texto
Texto associado.
    Adolescentes: mais altos, gordos e preguiçosos
    A oferta de produtos industrializados e a falta de
tempo têm sua parcela de responsabilidade no aumento
da silhueta dos jovens. “Os nossos hábitos alimentares,
de modo geral, mudaram muito”, observa Vivian Ellinger,
presidente da Sociedade Brasileira de Endocrinologia
e Metabologia (SBEM), no Rio de Janeiro. Pesquisas
mostram que, aqui no Brasil, estamos exagerando no sal
e no açúcar, além de tomar pouco leite e comer menos
frutas e feijão.
    Outro pecado, velho conhecido de quem exibe
excesso de gordura por causa da gula, surge como
marca da nova geração: a preguiça. “Cem por cento das
meninas que participam do Programa não praticavam
nenhum esporte”, revela a psicóloga Cristina Freire, que
monitora o desenvolvimento emocional das voluntárias.
    Você provavelmente já sabe quais são as
consequências de uma rotina sedentária e cheia de
gordura. “E não é novidade que os obesos têm uma
sobrevida menor”, acredita Claudia Cozer, endocrinologista
da Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da
Síndrome Metabólica. Mas, se há cinco anos os estudos
projetavam um futuro sombrio para os jovens, no cenário
atual as doenças que viriam na velhice já são parte da
rotina deles. “Os adolescentes já estão sofrendo com
hipertensão e diabete”, exemplifica Claudia.
DESGUALDO, P. Revista Saúde. Disponível em: 
http://saude.abril.com.br. Acesso em: 28 jul. 2012 (adaptado).
Sobre a relação entre os hábitos da população adolescente e as suas condições de saúde, as informações apresentadas no texto indicam que
Texto associado.
               O bit na galáxia de Gutenberg
   Neste século, a escrita divide terreno com diversos
meios de comunicação. Essa questão nos faz pensar
na necessidade da “imbricação, na coexistência e
interpretação recíproca dos diversos circuitos de produção
e difusão do saber...”.
    É necessário relativizar nossa postura frente às
modernas tecnologias, principalmente à informática. Ela é
um campo novidativo, sem dúvida, mas suas bases estão
nos modelos informativos anteriores, inclusive, na tradição
oral e na capacidade natural de simular mentalmente os
acontecimentos do mundo e antecipar as consequências
de nossos atos. A impressão é a matriz que deflagrou
todo esse processo comunicacional eletrônico. Enfatizo,
assim, o parentesco que há entre o computador e os outros
meios de comunicação, principalmente a escrita, uma
visão da informática como um “desdobramento daquilo
que a produção literária impressa e, anteriormente, a
tradição oral já traziam consigo”. NEITZEL, L. C. Disponível 
em: www.geocities.com. Acesso em: 1 ago. 2012 (adaptado).
Ao tecer considerações sobre as tecnologias da contemporaneidade e os meios de comunicação do passado, esse texto concebe que a escrita contribui para uma evolução das novas tecnologias por
Texto associado.
    Manta que costura causos e histórias no seio de
uma família serve de metáfora da memória em obra
                escrita por autora portuguesa

    O que poderia valer mais do que a manta para
aquela família? Quadros de pintores famosos? Joias
de rainha? Palácios? Uma manta feita de centenas de
retalhos de roupas velhas aquecia os pés das crianças
e a memória da avó, que a cada quadrado apontado por
seus netos resgatava de suas lembranças uma história.
Histórias fantasiosas como a do vestido com um bolso
que abrigava um gnomo comedor de biscoitos; histórias
de traquinagem como a do calção transformado em
farrapos no dia em que o menino, que gostava de andar
de bicicleta de olhos fechados, quebrou o braço; histórias
de saudades, como o avental que carregou uma carta
por mais de um mês... Muitas histórias formavam aquela
manta. Os protagonistas eram pessoas da família, um tio,
uma tia, o avô, a bisavó, ela mesma, os antigos donos
das roupas. Um dia, a avó morreu, e as tias passaram
a disputar a manta, todas a queriam, mais do que aos
quadros, joias e palácios deixados por ela. Felizmente, as
tias conseguiram chegar a um acordo, e a manta passou
a ficar cada mês na casa de uma delas. E os retalhos,
à medida que iam se acabando, eram substituídos por
outros retalhos, e novas e antigas histórias foram sendo
incorporadas à manta mais valiosa do mundo.
LASEVICIUS, A. Língua Portuguesa, São Paulo, n. 76, 2012 (adaptado).
A autora descreve a importância da manta para aquela família, ao verbalizar que “novas e antigas histórias foram sendo incorporadas à manta mais valiosa do mundo”. Essa valorização evidencia-se pela
Texto associado.
TEXTO I

É evidente que a vitamina D é importante — mas como
obtê-la? Realmente, a vitamina D pode ser produzida
naturalmente pela exposição à luz do sol, mas ela também
existe em alguns alimentos comuns. Entretanto, como
fonte dessa vitamina, certos alimentos são melhores do
que outros. Alguns possuem uma quantidade significativa
de vitamina D, naturalmente, e são alimentos que talvez
você não queira exagerar: manteiga, nata, gema de ovo
e fígado. Disponível em: http://saude.hsw.uol.com.br. 
Acesso em: 31 jul. 2012.
TEXTO II

Todos nós sabemos que a vitamina D (colecalciferol)
é crucial para sua saúde. Mas a vitamina D é realmente
uma vitamina? Está presente nas comidas que os
humanos normalmente consomem? Embora exista em
algum percentual na gordura do peixe, a vitamina D
não está em nossas dietas, a não ser que os humanos
artificialmente incrementem um produto alimentar, como
o leite enriquecido com vitamina D. A natureza planejou
que você a produzisse em sua pele, e não a colocasse
direto em sua boca.
Então, seria a vitamina D realmente uma vitamina?
Disponível em: www.umaoutravisao.com.br.
 Acesso em: 31 jul. 2012.
Frequentemente circulam na mídia textos de divulgação científica que apresentam informações divergentes sobre um mesmo tema. Comparando os dois textos, constata-se que o Texto II contrapõe-se ao I quando
Texto associado.
    Na verdade, o que se chama genericamente de índios
é um grupo de mais de trezentos povos que, juntos, falam
mais de 180 línguas diferentes. Cada um desses povos
possui diferentes histórias, lendas, tradições, conceitos
e olhares sobre a vida, sobre a liberdade, sobre o tempo
e sobre a natureza. Em comum, tais comunidades
apresentam a profunda comunhão com o ambiente em que
vivem, o respeito em relação aos indivíduos mais velhos, a
preocupação com as futuras gerações, e o senso de que
a felicidade individual depende do êxito do grupo. Para
eles, o sucesso é resultado de uma construção coletiva.
Estas ideias, partilhadas pelos povos indígenas, são
indispensáveis para construir qualquer noção moderna de
civilização. Os verdadeiros representantes do atraso no
nosso país não são os índios, mas aqueles que se pautam
por visões preconceituosas e ultrapassadas de “progresso”.
AZZI, R. As razões de ser guarani-kaiowá. Disponível em: 
www.outraspalavras.net. Acesso em: 7 dez. 2012.
Considerando-se as informações abordadas no texto, ao iniciá-lo com a expressão “Na verdade”, o autor tem como objetivo principal
Texto associado.
Para Carr, internet atua no comércio da distração
Autor de “A Geração Superficial” analisa a influência
                    da tecnologia na mente
    O jornalista americano Nicholas Carr acredita que a
internet não estimula a inteligência de ninguém. O autor
explica descobertas científicas sobre o funcionamento do
cérebro humano e teoriza sobre a influência da internet
em nossa forma de pensar.
    Para ele, a rede torna o raciocínio de quem navega
mais raso, além de fragmentar a atenção de seus usuários.
    Mais: Carr afirma que há empresas obtendo lucro
com a recente fragilidade de nossa atenção. “Quanto
mais tempo passamos on-line e quanto mais rápido
passamos de uma informação para a outra, mais dinheiro
as empresas de internet fazem”, avalia.
    “Essas empresas estão no comércio da distração e
são experts em nos manter cada vez mais famintos por
informação fragmentada em partes pequenas. É claro
que elas têm interesse em nos estimular e tirar vantagem
da nossa compulsão por tecnologia.”
ROXO, E. Folha de S. Paulo, 18 fev. 2012 (adaptado).
A crítica do jornalista norte-americano que justifica o título do texto é a de que a internet
Texto associado.
                           Olá! Negro
Os netos de teus mulatos e de teus cafuzos
e a quarta e a quinta gerações de teu sangue sofredor
tentarão apagar a tua cor!
E as gerações dessas gerações quando apagarem
a tua tatuagem execranda,
não apagarão de suas almas, a tua alma, negro!
Pai-João, Mãe-negra, Fulô, Zumbi,
negro-fujão, negro cativo, negro rebelde
negro cabinda, negro congo, negro ioruba,
negro que foste para o algodão de USA
para os canaviais do Brasil,
para o tronco, para o colar de ferro, para a canga
de todos os senhores do mundo;
eu melhor compreendo agora os teus blues
nesta hora triste da raça branca, negro!
Olá, Negro! Olá, Negro!
A raça que te enforca, enforca-se de tédio, negro!
LIMA, J. Obras completas. Rio de Janeiro: Aguilar, 1958 (fragmento).
O conflito de gerações e de grupos étnicos reproduz, na visão do eu lírico, um contexto social assinalado por
Texto associado.
                        Mal secreto
Se a cólera que espuma, a dor que mora 
N’alma, e destrói cada ilusão que nasce,
Tudo o que punge, tudo o que devora
O coração, no rosto se estampasse;
Se se pudesse, o espírito que chora,
Ver através da máscara da face,
Quanta gente, talvez, que inveja agora
Nos causa, então piedade nos causasse!
Quanta gente que ri, talvez, consigo
Guarda um atroz, recôndito inimigo,
Como invisível chaga cancerosa!
Quanta gente que ri, talvez existe,
Cuja ventura única consiste
Em parecer aos outros venturosa!
CORREIA, R. In: PATRIOTA, M. Para compreender Raimundo Correia. Brasília: Alhambra, 1995.
Coerente com a proposta parnasiana de cuidado formal e racionalidade na condução temática, o soneto de Raimundo Correia reflete sobre a forma como as emoções do indivíduo são julgadas em sociedade. Na concepção do eu lírico, esse julgamento revela que
Texto associado.
    O que é bullying virtual ou cyberbullying?
É o bullying que ocorre em meios eletrônicos, com
mensagens difamatórias ou ameaçadoras circulando por
e-mails, sites, blogs (os diários virtuais), redes sociais e
celulares. É quase uma extensão do que dizem e fazem
na escola, mas com o agravante de que as pessoas
envolvidas não estão cara a cara.
Dessa forma, o anonimato pode aumentar a
crueldade dos comentários e das ameaças e os efeitos
podem ser tão graves ou piores. “O autor, assim como
o alvo, tem dificuldade de sair de seu papel e retomar
valores esquecidos ou formar novos”, explica Luciene
Tognetta, doutora em Psicologia Escolar e pesquisadora
da Faculdade de Educação da Universidade Estadual de
Campinas (Unicamp).
Disponível em: http://revistaescola.abril.com.br. 
Acesso em: 3 ago. 2012 (adaptado).
Segundo o texto, com as tecnologias de informação e comunicação, a prática do bullying ganha novas nuances de perversidade e é potencializada pelo fato de
Texto associado.
Querô
DELEGADO — Então desce ele. Vê o que arrancam
desse sacana.
SARARÁ — Só que tem um porém. Ele é menor.
DELEGADO — Então vai com jeito. Depois a gente
entrega pro juiz.
(Luz apaga no delegado e acende no repórter, que se
dirige ao público.)
REPÓRTER — E o Querô foi espremido, empilhado,
esmagado de corpo e alma num cubículo imundo, com
outros meninos. Meninos todos espremidos, empilhados,
esmagados de corpo e alma, alucinados pelos seus
desesperos, cegados por muitas aflições. Muitos
meninos, com seus desesperos e seus ódios, empilhados,
espremidos, esmagados de corpo e alma no imundo
cubículo do reformatório. E foi lá que o Querô cresceu.
MARCOS, P. Melhor teatro. São Paulo: Global, 2003 (fragmento).
No discurso do repórter, a repetição causa um efeito de sentido de intensificação, construindo a ideia de
Texto associado.
     O jogo é uma atividade ou ocupação voluntária,
exercida dentro de certos e determinados limites de tempo
e de espaço, segundo regras livremente consentidas, mas
absolutamente obrigatórias, dotado de um fim em si mesmo,
acompanhado de um sentimento de tensão e de alegria e
de uma consciência de ser diferente da “vida quotidiana”.
HUIZINGA, J. Homo ludens: o jogo como elemento da cultura.
 São Paulo: Perspectiva, 2004.
Segundo o texto, o jogo comporta a possibilidade de fruição. Do ponto de vista das práticas corporais, essa fruição se estabelece por meio do(a)

Deixe seu comentário (0)

Seja o primeiro a comentar!