Simulado: Cabo da Polícia Militar - Português - Interpretação Textual - PM SP

14 questões | Português, Interpretação Textual, Cabo da Polícia Militar, Polícia Militar SP, VUNESP, Ensino Médio | Comentar (0)

Responda as 14 questões do simulado abaixo (Cabo da Polícia Militar - Português - Interpretação Textual - PM SP). Ao terminar a prova, clique em corrigir para ver o gabarito.

7 resolveram
92% acertos
Muito fácil
2 gabaritaram
6 ótimo
1 bom
0 regular
0 péssimo
Dados estatísticos de usuários que resolveram este simulado.

1 Questão 672509 | Português, Interpretação Textual, Cabo da Polícia Militar, Polícia Militar SP, VUNESP, Ensino Médio, 2020

Texto associado.
Leia o texto para responder às questões de números 08 a 12.
    Quem vai viajar e passar dias fora de casa, deve ficar
atento ao que vai postar nas redes sociais: elas podem vi-
rar uma arma para os assaltantes de plantão. O alerta é da
Polícia Militar e do Sindicato das Empresas de Segurança
Privada do Estado de São Paulo (Sesvesp).
    “Se a pessoa posta que está saindo de férias ou pelo me-
nos deixa subentendido, dá um prato cheio para o bandido,
que saberá que a casa está vazia. Mesmo que se publique
apenas para os amigos, a informação vai passando, circu-
lando. A pessoa acaba preparando uma armadilha para si
mesma”, afirma o capitão Cleodato Moisés, porta-voz da PM.
    O vice-presidente da Sesvesp, João Palhuca, concorda:
“O bandido sempre vai procurar o caminho mais fácil e as re-
des sociais estão funcionando como uma ferramenta facili-
tadora. Não dá mais para se preocupar apenas com um vizinho
mal-intencionado”.
    Segundo Palhuca, “as pessoas entram nas redes sociais
com um espírito de compartilhamento, mas não se dão con-
ta de que também há ladrões lá, querendo levantar informa-
ções. O ideal é jamais fornecer dados como o número de
posses e propriedades. A recomendação é nunca mostrar
ostentação”, diz.
    O uso adequado da internet, no entanto, é apenas um
dos cuidados que precisam ser tomados por quem planeja
“abandonar” o lar para aproveitar as férias ou a merecida
pausa no trabalho.
(http://www.g1.globo/sao-paulo. – Acesso em: 08.12.2019. Adaptado)
No terceiro e quarto paragráfos, segundo João Palhuca,

2 Questão 672528 | Português, Interpretação Textual, Cabo da Polícia Militar, Polícia Militar SP, VUNESP, Ensino Médio, 2020

Texto associado.
Leia o texto para responder às questões de números 03 a 06.
                                          O início
    O ato da criação da Polícia Militar pode ser confirmado
pelos registros da reunião do conselho da Província de São
Paulo, presidida pelo Brigadeiro Rafael Tobias de Aguiar, rea-
lizada em 15 de dezembro de 1831. O efetivo inicial era com-
posto por 100 homens a pé e 30 a cavalo. A partir de março
de 1832, a Instituição, pela falta de aquartelamento próprio,
foi instalada na ala térrea do Convento do Carmo, situada no
quadrilátero da Sé e, hoje, demolida.
    A milícia paulista, nos seus 185 anos de existência, foi
organizada e reorganizada diversas vezes.
Inicialmente, recebeu o nome de Guarda Municipal
Permanente. No século 20, foi denominada Força Policial,
    Força Pública, entre outras denominações. Em 1926, foi cria-
da a Guarda-Civil de São Paulo, como instituição auxiliar da
Força Pública, mas sem o caráter militar desta.
    A menor unidade da Guarda Municipal Permanente, em
1831, era a esquadra, formada por um cabo e 24 soldados.
(http://www.policiamilitar.sp.gov. – Acesso em: 08.12.2019. Adaptado)
O tema central do texto pode ser definido como

3 Questão 672642 | Português, Interpretação Textual, Cabo da Polícia Militar, Polícia Militar SP, VUNESP, Ensino Médio, 2020

Texto associado.
Leia o texto para responder às questões de números 08 a 12.
    Quem vai viajar e passar dias fora de casa, deve ficar
atento ao que vai postar nas redes sociais: elas podem vi-
rar uma arma para os assaltantes de plantão. O alerta é da
Polícia Militar e do Sindicato das Empresas de Segurança
Privada do Estado de São Paulo (Sesvesp).
    “Se a pessoa posta que está saindo de férias ou pelo me-
nos deixa subentendido, dá um prato cheio para o bandido,
que saberá que a casa está vazia. Mesmo que se publique
apenas para os amigos, a informação vai passando, circu-
lando. A pessoa acaba preparando uma armadilha para si
mesma”, afirma o capitão Cleodato Moisés, porta-voz da PM.
    O vice-presidente da Sesvesp, João Palhuca, concorda:
“O bandido sempre vai procurar o caminho mais fácil e as re-
des sociais estão funcionando como uma ferramenta facili-
tadora. Não dá mais para se preocupar apenas com um vizinho
mal-intencionado”.
    Segundo Palhuca, “as pessoas entram nas redes sociais
com um espírito de compartilhamento, mas não se dão con-
ta de que também há ladrões lá, querendo levantar informa-
ções. O ideal é jamais fornecer dados como o número de
posses e propriedades. A recomendação é nunca mostrar
ostentação”, diz.
    O uso adequado da internet, no entanto, é apenas um
dos cuidados que precisam ser tomados por quem planeja
“abandonar” o lar para aproveitar as férias ou a merecida
pausa no trabalho.
(http://www.g1.globo/sao-paulo. – Acesso em: 08.12.2019. Adaptado)
De acordo com o último parágrafo, antes de alguém deixar a casa e sair de férias, é importante 

4 Questão 672833 | Português, Interpretação Textual, Cabo da Polícia Militar, Polícia Militar SP, VUNESP, Ensino Médio, 2020

Texto associado.
Leia o texto a seguir para responder às questões de números 15 a 19.
                            A disciplina do amor
Foi na França, durante a Segunda Grande Guerra: um
jovem tinha um cachorro que todos os dias, pontualmente,
ia esperá-lo voltar do trabalho. Ficava na esquina, um pou-
co antes das seis da tarde. Assim que via o dono, ia cor-
rendo ao seu encontro e na maior alegria acompanhava-o
com seu passinho saltitante de volta para casa. A vila inteira
já conhecia o cachorro e as pessoas que passavam faziam-
-lhe festinhas e ele correspondia, chegava até a correr todo o
caminho, animado atrás dos mais íntimos. Mas logo voltava,
atento ao seu posto, para ali ficar sentado até o momento em
que seu dono apontava lá longe.
Mas eu avisei que o tempo era de guerra, o jovem foi
convocado. Pensa que o cachorro deixou de esperá-lo? Con-
tinuou a ir diariamente até a esquina, fixo o olhar naquele úni-
co ponto, a orelha em pé, atenta ao menor ruído que pudesse
indicar a presença do dono bem-amado. Então, disciplinada-
mente, como se tivesse um relógio preso à pata, voltava ao
posto de espera. O jovem morreu num bombardeio, mas no
pequeno coração do cachorro não morreu a esperança. Qui-
seram prendê-lo, distraí-lo. Tudo em vão. Quando ia chegan-
do aquela hora, ele disparava para o compromisso assumido,
todos os dias.
Com o passar dos anos, as pessoas foram se esquecen-
do do jovem soldado que não voltou. Casou-se a noiva do
soldado com um primo, os familiares voltaram-se para outros
familiares. Os amigos para outros amigos. Só o cachorro já
velhíssimo (era jovem quando o jovem soldado partiu) continu-
ou a esperá-lo na sua esquina. As pessoas estranhavam,
mas quem esse cachorro está esperando? Uma tarde (era
inverno) ele lá ficou, o focinho voltado para aquela direção.
(Lygia Fagundes Telles. A disciplina do amor. Rio de Janeiro: Ed. Rocco. 9a ed. 1998.Adaptado)
O tema principal abordado no texto diz respeito

5 Questão 673217 | Português, Interpretação Textual, Cabo da Polícia Militar, Polícia Militar SP, VUNESP, Ensino Médio, 2020

Texto associado.
Leia o texto a seguir para responder às questões de números 15 a 19.
                            A disciplina do amor
Foi na França, durante a Segunda Grande Guerra: um
jovem tinha um cachorro que todos os dias, pontualmente,
ia esperá-lo voltar do trabalho. Ficava na esquina, um pou-
co antes das seis da tarde. Assim que via o dono, ia cor-
rendo ao seu encontro e na maior alegria acompanhava-o
com seu passinho saltitante de volta para casa. A vila inteira
já conhecia o cachorro e as pessoas que passavam faziam-
-lhe festinhas e ele correspondia, chegava até a correr todo o
caminho, animado atrás dos mais íntimos. Mas logo voltava,
atento ao seu posto, para ali ficar sentado até o momento em
que seu dono apontava lá longe.
Mas eu avisei que o tempo era de guerra, o jovem foi
convocado. Pensa que o cachorro deixou de esperá-lo? Con-
tinuou a ir diariamente até a esquina, fixo o olhar naquele úni-
co ponto, a orelha em pé, atenta ao menor ruído que pudesse
indicar a presença do dono bem-amado. Então, disciplinada-
mente, como se tivesse um relógio preso à pata, voltava ao
posto de espera. O jovem morreu num bombardeio, mas no
pequeno coração do cachorro não morreu a esperança. Qui-
seram prendê-lo, distraí-lo. Tudo em vão. Quando ia chegan-
do aquela hora, ele disparava para o compromisso assumido,
todos os dias.
Com o passar dos anos, as pessoas foram se esquecen-
do do jovem soldado que não voltou. Casou-se a noiva do
soldado com um primo, os familiares voltaram-se para outros
familiares. Os amigos para outros amigos. Só o cachorro já
velhíssimo (era jovem quando o jovem soldado partiu) continu-
ou a esperá-lo na sua esquina. As pessoas estranhavam,
mas quem esse cachorro está esperando? Uma tarde (era
inverno) ele lá ficou, o focinho voltado para aquela direção.
(Lygia Fagundes Telles. A disciplina do amor. Rio de Janeiro: Ed. Rocco. 9a ed. 1998.Adaptado)
No trecho em que o narrador faz uma advertência – Mas eu avisei que o tempo era de guerra, o jovem foi convocado. –, o termo destacado pode ser substituído, preservando-se o sentido do texto, por

6 Questão 673864 | Português, Interpretação Textual, Cabo da Polícia Militar, Polícia Militar SP, VUNESP, Ensino Médio, 2020

Texto associado.
Leia o texto a seguir para responder às questões de números 15 a 19.
                            A disciplina do amor
Foi na França, durante a Segunda Grande Guerra: um
jovem tinha um cachorro que todos os dias, pontualmente,
ia esperá-lo voltar do trabalho. Ficava na esquina, um pou-
co antes das seis da tarde. Assim que via o dono, ia cor-
rendo ao seu encontro e na maior alegria acompanhava-o
com seu passinho saltitante de volta para casa. A vila inteira
já conhecia o cachorro e as pessoas que passavam faziam-
-lhe festinhas e ele correspondia, chegava até a correr todo o
caminho, animado atrás dos mais íntimos. Mas logo voltava,
atento ao seu posto, para ali ficar sentado até o momento em
que seu dono apontava lá longe.
Mas eu avisei que o tempo era de guerra, o jovem foi
convocado. Pensa que o cachorro deixou de esperá-lo? Con-
tinuou a ir diariamente até a esquina, fixo o olhar naquele úni-
co ponto, a orelha em pé, atenta ao menor ruído que pudesse
indicar a presença do dono bem-amado. Então, disciplinada-
mente, como se tivesse um relógio preso à pata, voltava ao
posto de espera. O jovem morreu num bombardeio, mas no
pequeno coração do cachorro não morreu a esperança. Qui-
seram prendê-lo, distraí-lo. Tudo em vão. Quando ia chegan-
do aquela hora, ele disparava para o compromisso assumido,
todos os dias.
Com o passar dos anos, as pessoas foram se esquecen-
do do jovem soldado que não voltou. Casou-se a noiva do
soldado com um primo, os familiares voltaram-se para outros
familiares. Os amigos para outros amigos. Só o cachorro já
velhíssimo (era jovem quando o jovem soldado partiu) continu-
ou a esperá-lo na sua esquina. As pessoas estranhavam,
mas quem esse cachorro está esperando? Uma tarde (era
inverno) ele lá ficou, o focinho voltado para aquela direção.
(Lygia Fagundes Telles. A disciplina do amor. Rio de Janeiro: Ed. Rocco. 9a ed. 1998.Adaptado)
De acordo com o primeiro parágrafo, é correto afirmar que

7 Questão 674083 | Português, Interpretação Textual, Cabo da Polícia Militar, Polícia Militar SP, VUNESP, Ensino Médio, 2020

Texto associado.
Leia o texto para responder às questões de números 03 a 06.
                                          O início
    O ato da criação da Polícia Militar pode ser confirmado
pelos registros da reunião do conselho da Província de São
Paulo, presidida pelo Brigadeiro Rafael Tobias de Aguiar, rea-
lizada em 15 de dezembro de 1831. O efetivo inicial era com-
posto por 100 homens a pé e 30 a cavalo. A partir de março
de 1832, a Instituição, pela falta de aquartelamento próprio,
foi instalada na ala térrea do Convento do Carmo, situada no
quadrilátero da Sé e, hoje, demolida.
    A milícia paulista, nos seus 185 anos de existência, foi
organizada e reorganizada diversas vezes.
Inicialmente, recebeu o nome de Guarda Municipal
Permanente. No século 20, foi denominada Força Policial,
    Força Pública, entre outras denominações. Em 1926, foi cria-
da a Guarda-Civil de São Paulo, como instituição auxiliar da
Força Pública, mas sem o caráter militar desta.
    A menor unidade da Guarda Municipal Permanente, em
1831, era a esquadra, formada por um cabo e 24 soldados.
(http://www.policiamilitar.sp.gov. – Acesso em: 08.12.2019. Adaptado)
Da leitura do trecho – ... pela falta de aquartelamento próprio, foi instalada na ala térrea do Convento do Carmo... –, entende-se que

8 Questão 674455 | Português, Interpretação Textual, Cabo da Polícia Militar, Polícia Militar SP, VUNESP, Ensino Médio, 2020

Texto associado.
Leia o texto para responder às questões de números 08 a 12.
    Quem vai viajar e passar dias fora de casa, deve ficar
atento ao que vai postar nas redes sociais: elas podem vi-
rar uma arma para os assaltantes de plantão. O alerta é da
Polícia Militar e do Sindicato das Empresas de Segurança
Privada do Estado de São Paulo (Sesvesp).
    “Se a pessoa posta que está saindo de férias ou pelo me-
nos deixa subentendido, dá um prato cheio para o bandido,
que saberá que a casa está vazia. Mesmo que se publique
apenas para os amigos, a informação vai passando, circu-
lando. A pessoa acaba preparando uma armadilha para si
mesma”, afirma o capitão Cleodato Moisés, porta-voz da PM.
    O vice-presidente da Sesvesp, João Palhuca, concorda:
“O bandido sempre vai procurar o caminho mais fácil e as re-
des sociais estão funcionando como uma ferramenta facili-
tadora. Não dá mais para se preocupar apenas com um vizinho
mal-intencionado”.
    Segundo Palhuca, “as pessoas entram nas redes sociais
com um espírito de compartilhamento, mas não se dão con-
ta de que também há ladrões lá, querendo levantar informa-
ções. O ideal é jamais fornecer dados como o número de
posses e propriedades. A recomendação é nunca mostrar
ostentação”, diz.
    O uso adequado da internet, no entanto, é apenas um
dos cuidados que precisam ser tomados por quem planeja
“abandonar” o lar para aproveitar as férias ou a merecida
pausa no trabalho.
(http://www.g1.globo/sao-paulo. – Acesso em: 08.12.2019. Adaptado)
Considere os termos destacados nos trechos do texto. 
Quem vai viajar e passar dias fora de casa, deve ficar atento ao que vai postar nas redes sociais...
 ... cuidados que precisam ser tomados por quem planeja “abandonar” o lar para aproveitar as férias...  
Esses termos estabelecem entre as ideias, correta e respectivamente, as relações de

9 Questão 674769 | Português, Interpretação Textual, Cabo da Polícia Militar, Polícia Militar SP, VUNESP, Ensino Médio, 2020

Texto associado.
Leia o texto para responder às questões de números 03 a 06.
                                          O início
    O ato da criação da Polícia Militar pode ser confirmado
pelos registros da reunião do conselho da Província de São
Paulo, presidida pelo Brigadeiro Rafael Tobias de Aguiar, rea-
lizada em 15 de dezembro de 1831. O efetivo inicial era com-
posto por 100 homens a pé e 30 a cavalo. A partir de março
de 1832, a Instituição, pela falta de aquartelamento próprio,
foi instalada na ala térrea do Convento do Carmo, situada no
quadrilátero da Sé e, hoje, demolida.
    A milícia paulista, nos seus 185 anos de existência, foi
organizada e reorganizada diversas vezes.
Inicialmente, recebeu o nome de Guarda Municipal
Permanente. No século 20, foi denominada Força Policial,
    Força Pública, entre outras denominações. Em 1926, foi cria-
da a Guarda-Civil de São Paulo, como instituição auxiliar da
Força Pública, mas sem o caráter militar desta.
    A menor unidade da Guarda Municipal Permanente, em
1831, era a esquadra, formada por um cabo e 24 soldados.
(http://www.policiamilitar.sp.gov. – Acesso em: 08.12.2019. Adaptado)
O texto tem como finalidade principal transmitir

10 Questão 675790 | Português, Interpretação Textual, Cabo da Polícia Militar, Polícia Militar SP, VUNESP, Ensino Médio, 2020

Texto associado.
Leia o texto para responder às questões de números 03 a 06.
                                          O início
    O ato da criação da Polícia Militar pode ser confirmado
pelos registros da reunião do conselho da Província de São
Paulo, presidida pelo Brigadeiro Rafael Tobias de Aguiar, rea-
lizada em 15 de dezembro de 1831. O efetivo inicial era com-
posto por 100 homens a pé e 30 a cavalo. A partir de março
de 1832, a Instituição, pela falta de aquartelamento próprio,
foi instalada na ala térrea do Convento do Carmo, situada no
quadrilátero da Sé e, hoje, demolida.
    A milícia paulista, nos seus 185 anos de existência, foi
organizada e reorganizada diversas vezes.
Inicialmente, recebeu o nome de Guarda Municipal
Permanente. No século 20, foi denominada Força Policial,
    Força Pública, entre outras denominações. Em 1926, foi cria-
da a Guarda-Civil de São Paulo, como instituição auxiliar da
Força Pública, mas sem o caráter militar desta.
    A menor unidade da Guarda Municipal Permanente, em
1831, era a esquadra, formada por um cabo e 24 soldados.
(http://www.policiamilitar.sp.gov. – Acesso em: 08.12.2019. Adaptado)
Ao substituir a expressão destacada em – O ato da criação da Polícia Militar pode ser confirmado pelos registros da reunião do conselho da Província de São Paulo... – por – Os atos da criação –, o trecho deve ser reescrito, estando a concordância conforme a norma-padrão, com as seguintes alterações:

11 Questão 676001 | Português, Interpretação Textual, Cabo da Polícia Militar, Polícia Militar SP, VUNESP, Ensino Médio, 2020

Texto associado.
Leia o texto a seguir para responder às questões de números 15 a 19.
                            A disciplina do amor
Foi na França, durante a Segunda Grande Guerra: um
jovem tinha um cachorro que todos os dias, pontualmente,
ia esperá-lo voltar do trabalho. Ficava na esquina, um pou-
co antes das seis da tarde. Assim que via o dono, ia cor-
rendo ao seu encontro e na maior alegria acompanhava-o
com seu passinho saltitante de volta para casa. A vila inteira
já conhecia o cachorro e as pessoas que passavam faziam-
-lhe festinhas e ele correspondia, chegava até a correr todo o
caminho, animado atrás dos mais íntimos. Mas logo voltava,
atento ao seu posto, para ali ficar sentado até o momento em
que seu dono apontava lá longe.
Mas eu avisei que o tempo era de guerra, o jovem foi
convocado. Pensa que o cachorro deixou de esperá-lo? Con-
tinuou a ir diariamente até a esquina, fixo o olhar naquele úni-
co ponto, a orelha em pé, atenta ao menor ruído que pudesse
indicar a presença do dono bem-amado. Então, disciplinada-
mente, como se tivesse um relógio preso à pata, voltava ao
posto de espera. O jovem morreu num bombardeio, mas no
pequeno coração do cachorro não morreu a esperança. Qui-
seram prendê-lo, distraí-lo. Tudo em vão. Quando ia chegan-
do aquela hora, ele disparava para o compromisso assumido,
todos os dias.
Com o passar dos anos, as pessoas foram se esquecen-
do do jovem soldado que não voltou. Casou-se a noiva do
soldado com um primo, os familiares voltaram-se para outros
familiares. Os amigos para outros amigos. Só o cachorro já
velhíssimo (era jovem quando o jovem soldado partiu) continu-
ou a esperá-lo na sua esquina. As pessoas estranhavam,
mas quem esse cachorro está esperando? Uma tarde (era
inverno) ele lá ficou, o focinho voltado para aquela direção.
(Lygia Fagundes Telles. A disciplina do amor. Rio de Janeiro: Ed. Rocco. 9a ed. 1998.Adaptado)
. Ao afirmar que – as pessoas foram se esquecendo do jovem soldado que não voltou. –, o narrador sugere que

12 Questão 676139 | Português, Interpretação Textual, Cabo da Polícia Militar, Polícia Militar SP, VUNESP, Ensino Médio, 2020

Texto associado.
Leia o texto para responder às questões de números 08 a 12.
    Quem vai viajar e passar dias fora de casa, deve ficar
atento ao que vai postar nas redes sociais: elas podem vi-
rar uma arma para os assaltantes de plantão. O alerta é da
Polícia Militar e do Sindicato das Empresas de Segurança
Privada do Estado de São Paulo (Sesvesp).
    “Se a pessoa posta que está saindo de férias ou pelo me-
nos deixa subentendido, dá um prato cheio para o bandido,
que saberá que a casa está vazia. Mesmo que se publique
apenas para os amigos, a informação vai passando, circu-
lando. A pessoa acaba preparando uma armadilha para si
mesma”, afirma o capitão Cleodato Moisés, porta-voz da PM.
    O vice-presidente da Sesvesp, João Palhuca, concorda:
“O bandido sempre vai procurar o caminho mais fácil e as re-
des sociais estão funcionando como uma ferramenta facili-
tadora. Não dá mais para se preocupar apenas com um vizinho
mal-intencionado”.
    Segundo Palhuca, “as pessoas entram nas redes sociais
com um espírito de compartilhamento, mas não se dão con-
ta de que também há ladrões lá, querendo levantar informa-
ções. O ideal é jamais fornecer dados como o número de
posses e propriedades. A recomendação é nunca mostrar
ostentação”, diz.
    O uso adequado da internet, no entanto, é apenas um
dos cuidados que precisam ser tomados por quem planeja
“abandonar” o lar para aproveitar as férias ou a merecida
pausa no trabalho.
(http://www.g1.globo/sao-paulo. – Acesso em: 08.12.2019. Adaptado)
Assinale a alternativa que contém palavra ou expressão empregada com sentido figurado.

13 Questão 676480 | Português, Interpretação Textual, Cabo da Polícia Militar, Polícia Militar SP, VUNESP, Ensino Médio, 2020

Texto associado.
Leia o texto a seguir para responder às questões de números 15 a 19.
                            A disciplina do amor
Foi na França, durante a Segunda Grande Guerra: um
jovem tinha um cachorro que todos os dias, pontualmente,
ia esperá-lo voltar do trabalho. Ficava na esquina, um pou-
co antes das seis da tarde. Assim que via o dono, ia cor-
rendo ao seu encontro e na maior alegria acompanhava-o
com seu passinho saltitante de volta para casa. A vila inteira
já conhecia o cachorro e as pessoas que passavam faziam-
-lhe festinhas e ele correspondia, chegava até a correr todo o
caminho, animado atrás dos mais íntimos. Mas logo voltava,
atento ao seu posto, para ali ficar sentado até o momento em
que seu dono apontava lá longe.
Mas eu avisei que o tempo era de guerra, o jovem foi
convocado. Pensa que o cachorro deixou de esperá-lo? Con-
tinuou a ir diariamente até a esquina, fixo o olhar naquele úni-
co ponto, a orelha em pé, atenta ao menor ruído que pudesse
indicar a presença do dono bem-amado. Então, disciplinada-
mente, como se tivesse um relógio preso à pata, voltava ao
posto de espera. O jovem morreu num bombardeio, mas no
pequeno coração do cachorro não morreu a esperança. Qui-
seram prendê-lo, distraí-lo. Tudo em vão. Quando ia chegan-
do aquela hora, ele disparava para o compromisso assumido,
todos os dias.
Com o passar dos anos, as pessoas foram se esquecen-
do do jovem soldado que não voltou. Casou-se a noiva do
soldado com um primo, os familiares voltaram-se para outros
familiares. Os amigos para outros amigos. Só o cachorro já
velhíssimo (era jovem quando o jovem soldado partiu) continu-
ou a esperá-lo na sua esquina. As pessoas estranhavam,
mas quem esse cachorro está esperando? Uma tarde (era
inverno) ele lá ficou, o focinho voltado para aquela direção.
(Lygia Fagundes Telles. A disciplina do amor. Rio de Janeiro: Ed. Rocco. 9a ed. 1998.Adaptado)
Conforme o narrador relata no segundo parágrafo,

14 Questão 676682 | Português, Interpretação Textual, Cabo da Polícia Militar, Polícia Militar SP, VUNESP, Ensino Médio, 2020

O cartaz tem como principal objetivo

Deixe seu comentário (0)

Seja o primeiro a comentar!