← Mais simulados

Simulado: Vestibular Primeira Fase - Português - Interpretação Textual - USP

Simulados, Provas e Questões - Vestibular Primeira Fase - Português - Interpretação Textual - USP. Ao Terminar de Resolver o Teste, Clique em Corrigir para ver o Gabarito.

6 resolveram
27% acertos
Difícil
0 gabaritaram
0 ótimo
0 bom
4 regular
2 péssimo

Texto associado.
    Uma obra de arte é um desafio; não a explicamos,
ajustamo-nos a ela. Ao interpretála, fazemos uso dos nossos
próprios objetivos e esforços, dotamola de um significado que
tem sua origem nos nossos própriosmodos de viver e de pensar.
Numa palavra, qualquer gênero de arte que, de fato, nos afete,
torna-se, deste modo, arte moderna.
    As obras de arte, porém, são como altitudes inacessíveis.
Não nos dirigimos a elas diretamente, mas contornamolas.
Cada geração as vê sob um ângulo diferente e sob uma nova
visão; nem se deve supor que um ponto de vista mais recente é
mais eficiente do que um anterior. Cada aspecto surge na sua
altura própria, que não pode ser antecipada nem prolongada;
e, todavia, o seu significado não está perdido porque o
significado que uma obra assume para uma geração posterior
é o resultado de uma série completa de interpretações anteriores.
                                             Arnold Hauser, Teorias da arte. Adaptado.
De acordo com o texto, a compreensão do significado de uma obra de arte pressupõe
Texto associado.
Neste texto, o autor descreve o fascínio que as descobertas em Química exerciam sobre ele, durante sua infância.
      Eu adorava Química em parte por ela ser uma ciência de transformações, de inúmeros compostos baseados em algumas dúzias de elementos, eles próprios fixos, invariáveis e eternos. A noção de estabilidade e de invariabilidade dos elementos era psicologicamente crucial para mim, pois eu os via como pontos fixos, como âncoras em um mundo instável. Mas agora, com a radioatividade, chegavam transformações das mais incríveis.      (...)      A radioatividade não alterava as realidades da Química ou a noção de elementos; não abalava a ideia de sua estabilidade e identidade. O que ela fazia era aludir a duas esferas no átomo – uma esfera relativamente superficial e acessível, que governava a reatividade e a combinação química, e uma esfera mais profunda, inacessível a todos os agentes químicos e físicos usuais e suas energias relativamente pequenas, onde qualquer mudança produzia uma alteração fundamental de identidade.                                                                                                                                                                                    Oliver Sacks, Tio Tungstênio: Memórias de uma infância química.

De acordo com o autor,
Texto associado.
    Este último capítulo é todo de negativas. Não alcancei a
celebridade do emplasto, não fui ministro, não fui califa, não
conheci o casamento. Verdade é que, ao lado dessas faltas,
coubeme a boa fortuna de não comprar o pão com o suor do
meu rosto. Mais; não padeci a morte de dona Plácida, nem a
semidemência do Quincas Borba. Somadas umas coisas e
outras, qualquer pessoa imaginará que não houve míngua nem
sobra, e, conseguintemente, que saí quite com a vida. E
imaginará mal; porque ao chegar a este outro lado do mistério,
acheime com um pequeno saldo, que é a derradeira negativa
deste capítulo de negativas: Não tive filhos, não transmiti a
nenhuma criatura o legado da nossa miséria.
                      Machado de Assis, Memórias póstumas de Brás Cubas.
    Não sei por que até hoje todo o mundo diz que tinha
pena dos escravos. Eu não penso assim. Acho que se fosse
obrigada a trabalhar o dia inteiro não seria infeliz. Ser obrigada
a ficar à toa é que seria castigo para mim. Mamãe às vezes diz
que ela até deseja que eu fique preguiçosa; a minha esperteza
é que a amofina. Eu então respondo: “Se eu fosse preguiçosa
não sei o que seria da senhora, meu pai e meus irmãos, sem
uma empregada em casa”.
Helena Morley, Minha vida de menina.

Nos dois textos, obtém-se ênfase por meio do emprego de um mesmo recurso expressivo, como se pode verificar nos seguintes trechos:

Texto associado.
 Sarapalha
  – Ô calorão, Primo!... E que dor de cabeça excomungada!      
  – É um instantinho e passa... É só ter paciência....      
  – É... passa... passa... passa... Passam umas mulheres vestidas de cor de água, sem olhos na cara, para não terem de olhar a gente... Só ela é que não passa, Primo Argemiro!... E eu já estou cansado de procurar, no meio das outras... Não vem!... Foi, rio abaixo, com o outro... Foram p’r’os infernos!...      
  – Não foi, Primo Ribeiro. Não foram pelo rio... Foi trem-de-ferro que levou...       
  – Não foi no rio, eu sei... No rio ninguém não anda... Só a maleita é quem sobe e desce, olhando seus mosquitinhos e pondo neles a benção... Mas, na estória... Como é mesmo a estória, Primo? Como é?...      
  – O senhor bem que sabe, Primo... Tem paciência, que não é bom variar...      
  – Mas, a estória, Primo!... Como é?... Conta outra vez...      
  – O senhor já sabe as palavras todas de cabeça... “Foi o moço-bonito que apareceu, vestido com roupa de dia-de-domingo e com a viola enfeitada de fitas... E chamou a moça p’ra ir se fugir com ele”...      
  – Espera, Primo, elas estão passando... Vão umas atrás das outras... Cada qual mais bonita... Mas eu não quero, nenhuma!... Quero só ela... Luísa...      
  – Prima Luísa...      
  – Espera um pouco, deixa ver se eu vejo... Me ajuda, Primo! Me ajuda a ver...      
  – Não é nada, Primo Ribeiro... Deixa disso!      – Não é mesmo não...      
  – Pois então?!      
  – Conta o resto da estória!...
  – ...“Então, a moça, que não sabia que o moço-bonito era o capeta, ajuntou suas roupinhas melhores numa trouxa, e foi com ele na canoa, descendo o rio...”                                                                                                                  Guimarães Rosa, Sagarana.
A novela Sarapalha apresenta uma estória dentro de outra, por meio da qual a personagem masculina da narrativa principal (Primo Argemiro) alude a uma mulher da narrativa secundária (a moça levada pelo capeta). O mesmo procedimento ocorre em
Texto associado.
    O rumor crescia, condensandose; o zunzum de todos os
dias acentuavase; já se não destacavam vozes dispersas, mas
um só ruído compacto que enchia todo o cortiço. Começavam a
fazer compras na venda; ensarilhavamse* discussões e
rezingas**; ouviamse gargalhadas e pragas; já se não falava,
gritavase. Sentiase naquela fermentação sanguínea, naquela
gula viçosa de plantas rasteiras que mergulham os pés
vigorosos na lama preta e nutriente da vida, o prazer animal de
existir, a triunfante satisfação de respirar sobre a terra.
    Da porta da venda que dava para o cortiço iam e vinham
como formigas; fazendo compras.
    Duas janelas do Miranda abriramse. Apareceu numa a
Isaura, que se dispunha a começar a limpeza da casa.
     Nhá Dunga! gritou ela para baixo, a sacudir um pano
de mesa; se você tem cuscuz de milho hoje, bata na porta,
ouviu?
Aluísio Azevedo, O cortiço.
Constitui marca do registro informal da língua o trecho
Texto associado.

Sarapalha


 – Ô calorão, Primo!... E que dor de cabeça excomungada!     

 – É um instantinho e passa... É só ter paciência....      

– É... passa... passa... passa... Passam umas mulheres vestidas de cor de água, sem olhos na cara, para não terem de olhar a gente... Só ela é que não passa, Primo Argemiro!... E eu já estou cansado de procurar, no meio das outras... Não vem!... Foi, rio abaixo, com o outro... Foram pros infernos!...     

 – Não foi, Primo Ribeiro. Não foram pelo rio... Foi trem-de-ferro que levou...      

– Não foi no rio, eu sei... No rio ninguém não anda... Só a maleita é quem sobe e desce, olhando seus mosquitinhos e pondo neles a benção... Mas, na estória... Como é mesmo a estória, Primo? Como é?...      

– O senhor bem que sabe, Primo... Tem paciência, que não é bom variar...      

– Mas, a estória, Primo!... Como é?... Conta outra vez...      

– O senhor já sabe as palavras todas de cabeça... “Foi o moço-bonito que apareceu, vestido com roupa de dia-de-domingo e com a viola enfeitada de fitas... E chamou a moça p’ra ir se fugir com ele”...      

– Espera, Primo, elas estão passando... Vão umas atrás das outras... Cada qual mais bonita... Mas eu não quero, nenhuma!... Quero só ela... Luísa...     

 – Prima Luísa...     

–Espera um pouco, deixa ver se eu vejo... Me ajuda, Primo! Me ajuda a ver...     

– Não é nada, Primo Ribeiro... Deixa disso!      

– Não é mesmo não...      – Pois então?!

– Conta o resto da estória!...     

– ...“Então, a moça, que não sabia que o moço-bonito era o capeta, ajuntou suas roupinhas melhores numa trouxa, e foi com ele na canoa, descendo o rio...”                                                                                                                                Guimarães Rosa, Sagarana.



No texto de Sarapalha, constitui exemplo de personificação o seguinte trecho:
Texto associado.

    Voltada para o encanto da vida livre do pequeno núcleo

aberto para o campo, a jovem Helena, familiar a todas as

classes sociais daquele âmbito, estava colocada num invejável

ponto de observação. (...)

    Sem querer forçar um conflito que, a bem dizer, apenas

se esboça, podemos atribuir parte desta grande versatilidade

psicológica da protagonista aos ecos de uma formação

britânica, protestante, liberal, ressoando num ambiente de

corte ibérico e católico, mal saído do regime de trabalho

escravo. Colorindo a apaixonada esfera de independência da

juventude, revestese de acentuado sabor sociológico este caso

da menina ruiva que, embora inteiramente identificada com o

meio de gente morena que é o seu, o único que conhece e ama,

não vacila em o criticar com precisão e finura notáveis, se essa

lucidez não traduzisse a coexistência íntima de dois mundos

culturais divergentes, que se contemplam e se julgam no

interior de um eu tornado harmonioso pelo equilíbriomesmo de

suas contradições.

                                      Alexandre Eulálio, “Livro que nasceu clássico”.

                                      In: Helena Morley, Minha vida de menina.

O trecho do romance Minha vida de menina que ilustra de modo mais preciso o que, para o crítico Alexandre Eulálio, representa “a coexistência íntima de dois mundos culturais divergentes” é:
Texto associado.
Os bens e o sangue        
 VIII
  (...)      Ó filho pobre, e descorçoado*, e finito      
ó inapto para as cavalhadas e os trabalhos brutais      
com a faca, o formão, o couro... Ó tal como quiséramos      
para tristeza nossa e consumação das eras,      
para o fim de tudo que foi grande!                                                          
Ó desejado,      
ó poeta de uma poesia que se furta e se expande      
à maneira de um lago de pez** e resíduos letais...      
És nosso fim natural e somos teu adubo,      
tua explicação e tua mais singela virtude...      
Pois carecia que um de nós nos recusasse      
para melhor servirnos. Face a face      
te contemplamos, e é teu esse primeiro      
e úmido beijo em nossa boca de barro e de sarro.                                                                                  Carlos Drummond de Andrade, Claro enigma.
* “descorçoado”: assim como “desacorçoado”, é uma variante de uso popular da palavra “desacoroçoado”, que significa “desanimado”. ** “pez”: piche.
Considere as seguintes afirmações:
I. Os familiares, que falam no poema, ironizam a condição frágil do poeta. II. O passado é uma maldição da qual o poeta, como revela o título do poema, não consegue se desvencilhar. III. O trecho “o fim de tudo que foi grande” remete à ruína das oligarquias, das quais Drummond é tributário. IV. A imagem de uma “poesia que se furta e se expande/à maneira de um lago de pez e resíduos letais...” sintetiza o pessimismo dos poemas de Claro enigma.
Estão corretas:
Tendo como base o trecho “só a maleita é quem sobe e desce, olhando seus mosquitinhos e pondo neles a benção...”, o termo em destaque foi empregado ironicamente por aludir ao inseto
Texto associado.
    O rumor crescia, condensandose; o zunzum de todos os
dias acentuavase; já se não destacavam vozes dispersas, mas
um só ruído compacto que enchia todo o cortiço. Começavam a
fazer compras na venda; ensarilhavamse* discussões e
rezingas**; ouviamse gargalhadas e pragas; já se não falava,
gritavase. Sentiase naquela fermentação sanguínea, naquela
gula viçosa de plantas rasteiras que mergulham os pés
vigorosos na lama preta e nutriente da vida, o prazer animal de
existir, a triunfante satisfação de respirar sobre a terra.
    Da porta da venda que dava para o cortiço iam e vinham
como formigas; fazendo compras.
    Duas janelas do Miranda abriramse. Apareceu numa a
Isaura, que se dispunha a começar a limpeza da casa.
     Nhá Dunga! gritou ela para baixo, a sacudir um pano
de mesa; se você tem cuscuz de milho hoje, bata na porta,
ouviu?
                                                                 Aluísio Azevedo, O cortiço.
Uma característica do Naturalismo presente no texto é:
Texto associado.
    (...) procurei adivinhar o que se passa na alma duma
cachorra. Será que há mesmo alma em cachorro? Não me
importo. O meu bicho morre desejando acordar num mundo
cheio de preás. Exatamente o que todos nós desejamos. A
diferença é que eu quero que eles apareçam antes do sono, e
padre Zé Leite pretende que eles nos venham em sonhos, mas
no fundo todos somos como a minha cachorra Baleia e
esperamos preás. (...)
                                             Carta de Graciliano Ramos a sua esposa.
    (...) Uma angústia apertoulhe o pequeno coração.
Precisava vigiar as cabras: àquela hora cheiros de suçuarana
deviam andar pelas ribanceiras, rondar as moitas afastadas.
Felizmente os meninos dormiam na esteira, por baixo do caritó
onde sinha Vitória guardava o cachimbo.
    (...)
    Baleia queria dormir. Acordaria feliz, num mundo cheio
de preás. E lamberia as mãos de Fabiano, um Fabiano enorme.
As crianças se espojariam com ela, rolariam com ela num pátio
enorme, num chiqueiro enorme. O mundo ficaria todo cheio de
preás, gordos, enormes.
Graciliano Ramos, Vidas secas.
A comparação entre os fragmentos, respectivamente, da Carta e de Vidas secas, permite afirmar que
Texto associado.
 (...) procurei adivinhar o que se passa na alma duma cachorra. Será que há mesmo alma em cachorro? Não me importo. O meu bicho morre desejando acordar num mundo cheio de preás. Exatamente o que todos nós desejamos. A diferença é que eu quero que eles apareçam antes do sono, e padre Zé Leite pretende que eles nos venham em sonhos, mas no fundo todos somos como a minha cachorra Baleia e esperamos preás. (...)                                                                                                           Carta de Graciliano Ramos a sua esposa.
      (...) Uma angústia apertou-lhe o pequeno coração. Precisava vigiar as cabras: àquela hora cheiros de suçuarana deviam andar pelas ribanceiras, rondar as moitas afastadas. Felizmente os meninos dormiam na esteira, por baixo do caritó onde sinha Vitória guardava o cachimbo.      (...)      Baleia queria dormir. Acordaria feliz, num mundo cheio de preás. E lamberia as mãos de Fabiano, um Fabiano enorme. As crianças se espojariam com ela, rolariam com ela num pátio enorme, num chiqueiro enorme. O mundo ficaria todo cheio de preás, gordos, enormes.                                                                                                              Graciliano Ramos, Vidas secas.
As declarações de Graciliano Ramos na Carta e o excerto do romance permitem afirmar que a personagem Baleia, em Vidas secas, representa
Texto associado.

     Evidentemente, não se pode esperar que Dostoiévski seja traduzido por outro Dostoiévski, mas desde que o tradutor procure penetrar nas peculiaridades da linguagem primeira, aplique-se com afinco e faça com que sua criatividade orientada pelo original permita, paradoxalmente, afastar-se do texto para ficar mais próximo deste, um passo importante será dado. Deixando de lado a fidelidade mecânica, frase por frase, tratando o original como um conjunto de blocos a serem transpostos, e transgredindo sem receio, quando necessário, as normas do “escrever bem”, o tradutor poderá trazê-lo com boa margem de fidelidade para a língua com a qual está trabalhando. 

Boris Schnaiderman, Dostoiévski Prosa Poesi
 De acordo com o texto, a boa tradução precisa
Texto associado.
    Voltada para o encanto da vida livre do pequeno núcleo
aberto para o campo, a jovem Helena, familiar a todas as
classes sociais daquele âmbito, estava colocada num invejável
ponto de observação. (...)
    Sem querer forçar um conflito que, a bem dizer, apenas
se esboça, podemos atribuir parte desta grande versatilidade
psicológica da protagonista aos ecos de uma formação
britânica, protestante, liberal, ressoando num ambiente de
corte ibérico e católico, mal saído do regime de trabalho
escravo. Colorindo a apaixonada esfera de independência da
juventude, revestese de acentuado sabor sociológico este caso
da menina ruiva que, embora inteiramente identificada com o
meio de gente morena que é o seu, o único que conhece e ama,
não vacila em o criticar com precisão e finura notáveis, se essa
lucidez não traduzisse a coexistência íntima de dois mundos
culturais divergentes, que se contemplam e se julgam no
interior de um eu tornado harmonioso pelo equilíbriomesmo de
suas contradições.
                                              Alexandre Eulálio, “Livro que nasceu clássico”.
                                              In: Helena Morley, Minha vida de menina.
De acordo com Alexandre Eulálio, a protagonista do romance Minha vida de menina
Texto associado.
Este último capítulo é todo de negativas. Não alcancei a celebridade do emplasto, não fui ministro, não fui califa, não conheci o casamento. Verdade é que, ao lado dessas faltas, coube-me a boa fortuna de não comprar o pão com o suor do meu rosto. Mais; não padeci a morte de dona Plácida, nem a semidemência do Quincas Borba. Somadas umas coisas e outras, qualquer pessoa imaginará que não houve míngua nem sobra, e, conseguintemente, que saí quite com a vida. E imaginará mal; porque ao chegar a este outro lado do mistério, acheime com um pequeno saldo, que é a derradeira negativa deste capítulo de negativas: - Não tive filhos, não transmiti a nenhuma criatura o legado da nossa miséria.                                                                     Machado de Assis, Memórias póstumas de Brás Cubas.
      Não sei por que até hoje todo o mundo diz que tinha pena dos escravos. Eu não penso assim. Acho que se fosse obrigada a trabalhar o dia inteiro não seria infeliz. Ser obrigada a ficar à toa é que seria castigo para mim. Mamãe às vezes diz que ela até deseja que eu fique preguiçosa; a minha esperteza é que a amofina. Eu então respondo: “Se eu fosse preguiçosa não sei o que seria da senhora, meu pai e meus irmãos, sem uma empregada em casa”.                                                                                                  Helena Morley, Minha vida de menina.
São características dos narradores Brás Cubas e Helena, respectivamente,

Deixe seu comentário (0)

Seja o primeiro a comentar!